Categorias
Entrevistas

SÃO MARCOS

Em abril de 2007 o então blog Terceira Via Verdão tinha apenas dois meses de existência. Na época pedimos ajuda ao amigo Wilson e ao assessor de imprensa Fabio Finelli para enrevistarmos o goleiro Marcos, que estava se recuperando de contusão.

Começava aí a vocação do 3VV para boas entrevistas (com o perdão da completa falta de modéstia de nossa parte). Releiam aqui a entrevista. Os comentários na época foram reproduzidos abaixo. Mas podem ver no formato original em http://terceiraviaverdao.blogspot.com/2007/04/3vv-entrevista-marcos-roberto-silveira.html.

Vicente Criscio

Ele é um ídolo desde 1999, quando assumiu a camisa de titular numa posição que já foi de Oberdan, Valdir, Leão. Os mais exaltados acreditam que ele deveria ter uma estátua no clube… outros lamentam o fato dele algumas vezes se deixar levar pela emoção.

Essas são algumas características de Marcos Roberto Silveira Reis, ou simplesmente Marcos, ou ainda São Marcos. No dia 9 de abril de 2007 estivemos com ele. A idéia surgiu em colocar periodicamente uma entrevista neste espaço. Começar com quem?

Wilson Gonçalves, grande amigo e ativíssimo nas batalhas políticas do clube me ajudou. Contatou pessoas a quem agradeço (por exemplo, Barozzi, que trabalha com as categorias de base no CT e Fabio Finelli, assessor de imprensa). Marcada a entrevista chegamos lá e para minha positiva surpresa estava o José Roberto Christianini, que já colabora neste espaço, o famoso JOTA. Logo vi que a conversa ia longe…

Para mim, foi um desafio… Mas o Marcos tratou de ajudar, principalmente com sua simplicidade. A conversa logo virou bate-papo. E mesmo depois de um dia de intenso treino não aparentou ter pressa em momento algum, mesmo depois de quase duas horas de papo.

Meus amigos, tenho a honra de apresentar a primeira entrevista desse blog: como dizemos por aí, pqp, o melhor goleiro do Brasil!

Terceira Via Verdão (3VV): Você está há mais de 10 anos no Palmeiras. É um ídolo desde 1999 e uma unanimidade entre os torcedores palmeirenses. Você tem mais de 30 comunidades no site de relacionamento Orkut, com mais de 300 mil fãs cadastrados nelas. Algumas são muito curiosas, como uma denominada “Meu filho vai se chamar Marcos”; ou outra: “Marcos para Presidente do Palmeiras”. São mais de 350 jogos como titular do gol do Palmeiras. Como começou a história do Marcos no Palmeiras?

Marcos: Eu cheguei em março, abril de 1992, como junior. Antigamente você chegava com 18 anos e ainda era considerado novo. Hoje em dia você chega com 18 anos e já está passado!

Minha primeira partida foi em 1992. Eu joguei contra a Desportiva de Guaratinguetá. Jogava o Toninho [Cecílio, atual Gerente do Departamento de Futebol]. Jogava o Toninho, Tonhão, Biro. Pro pessoal não era um jogo importante, mas prá você que está estreando num time grande isso marca muito.

3VV: Você era o terceiro goleiro?

M: Era, era novo ainda. Tinha 19 anos.

3VV: Quanto foi o jogo?

M: Ganhamos de 4×0.

3VV: E nesse tempo todo no Palmeiras, qual jogo marcou mais?

M: Em cada fase tem um jogo mais importante. Por exemplo, esse jogo que eu falei, que para os outros não têm importância, para o torcedor não tem importância, prá mim tem muita importância. Por exemplo, foi nesse jogo contra a Desportiva que eu tive a chance de mostrar que eu tinha condições de estar aqui e se o pessoal precisasse de um 3º ou 4º goleiro eu tinha condição. Então prá mim foi importante!

Depois teve o jogo da estréia [como profissional]. A estréia foi aqui no Parque Antarctica, contra o Botafogo de Ribeirão Preto e eu já peguei um pênalti. O jogador considera muito o jogo da estréia como profissional, né?

3VV: Quem foi o técnico?

M: Nesse jogo era o Vandelei [Luxemburgo] o técnico. O Nelsinho me deu oportunidade de jogar contra a Desportiva em 1992. Dessa vez era o Vanderlei o técnico. O Veloso tomou o 3º cartão amarelo e eu pude jogar. A gente considera muito o jogo da estréia, porque é a subida do juniores pro profissional. Depois teve outra oportunidade em 1996, porque o Veloso quebrou a perna e eu pude jogar uns 12 jogos no Brasileiro. E fui até o goleiro menos vazado num período. Depois eu fui convocado prá Seleção. Eu já tinha ido para a Seleção de juniores e de novos antes… Aí depois, como titular, foi em 1999 na Libertadores.

3VV: Como é esse negócio do Palmeiras gerar bons goleiros? Leão, Zetti, Veloso, você, …

Jota: … e desde o Oberdã! Em 65 anos, se for levar ao pé da letra, o Palmeiras teve seis goleiros titulares de seleção!!

M: Tem a tradição né? Quando eu cheguei aqui era o Zé Mário o treinador de goleiros. Mas minha base foi toda em Lençóis. Eu jogava em Lençóis Paulista. Tinha um treinador de goleiros lá que se chamava Neno. Quando eu comecei a jogar eu só pulava no canto esquerdo. Todo goleiro que joga na Várzea pula melhor de um lado que do outro [risos]. Depois eu fui para o Lençoense. Então, toda a minha base, para eu chegar aqui no Palmeiras e brigar com os outros que estavam fazendo teste foi feita no Lençoense. Depois no Palmeiras eu me aperfeiçoei. Mas lá eu joguei como juniores. E me deu uma grande vantagem ter jogado um ano lá.

3VV: Vamos falar de uma partida que pro torcedor é marcante. Em 1999 na 1ª partida contra o Corinthians pela Libertadores, você pegou tudo! O Palmeiras ganhou de 2×0 e você garantiu o jogo. Além disso estava com sorte, bola batia na trave voltava na sua mão, uma coisa impressionante. O que passou na sua cabeça antes daquele jogo? Aquela era uma grande oportunidade, você estava entrando no lugar do Veloso no meio do Campeonato, contra o Corinthians… mas também podia ser uma “fria”! O que passou na sua cabeça? Deu medo?

M: Existem momentos na vida da gente que o time te dá confiança prá você também ir bem. Existiram várias fases aqui no Palmeiras em que eu passei vários momentos. Então o time do Palmeiras de 96, 97 … de 94 prá frente, até 2001, te passava uma confiança que você sabia que você ia chegar. Você sabia que às vezes não precisava ser o melhor em campo porque tinha alguém que ia resolver no seu lugar. O zagueiro não tinha que ser o melhor em campo porque o centroavante podia ser. Então tinha um revezamento de responsabilidade. Não era sempre a mesma pessoa que tinha que decidir. Como nos tempos de hoje, que sobrecarrega o Valdívia, sobrecarega o Edmundo … aquele time de 99 passava muito aquela confiança. E confiança é a base do negócio prá você jogar futebol. Se você entra num time que te inspira confiança, que a torcida passa confiança, você sabe que tem condições, o treinador te passa confiança, aquilo tudo acarreta em coisas boas. Os técnicos sempre me deram força, Felipão, Nelsinho … Então eu acho que tive a felicidade de entrar no time certo, na hora certa, porque eu acho que se tivesse entrado outro goleiro naquele time naquele ano também tinha sido Campeão da Libertadores.

3VV: Há controvérsias … [risos];

Wilson:Só lembrar o jogo contra o River, o primeiro lá na Argentina!

3VV: É verdade, pegou tudo! Mas no jogo da Libertadores contra o Corinthians, teve uma cena sua com o Dida se abraçando antes dos pênaltis. Qual a conversa que rola numa hora dessas?

M: Na verdade eu e o Dida nos conhecemos desde os juniores. A gente ia prá Seleção de Juniores em 92, 93. Quando o Dida jogava no Corinthians e eu jogava no Palmeiras, a gente saía juntos. Ele vinha lá do Tatuapé, passava aqui no CT, ficava escondido dentro do carro [risos] e depois a gente saía. Então a gente tem uma amizade legal e a gente já se calhou de jogar um contra o outro, de jogar na seleção, ele na reserva, eu na reserva. Então a gente sempre teve uma amizade muito forte e um respeito muito grande. Por isso que naquele momento ficou… “bom, boa sorte, boa sorte… os caras não fazem gol e a gente tem que resolver aqui” [risos].

Jota: A impresão que dá naquela hora é que um falou pro outro: sobrou prá nós!

M: Os caras falam que decisão por pênaltis não dá responsabilidade pro goleiro. Dá sim, porque se o goleiro pegar os pênaltis, o time ganha …

3VV: Mudou muito o futebol desde sua estréia?

M: O goleiro sofre muito hoje em dia… sofre com a pouca iluminação, sofre com a velocidade da bola. Até porque hoje em dia se faz bolas pros atacantes fazerem gol. Também as pessoas mudaram a percepção sobre o goleiro…

Antigamente o goleiro chegava aos 35 anos e diziam que estava no melhor da forma. Hoje falam que a melhor idade é entre 25 e 30 anos. Já se fala hoje que depois dos 30 o goleiro não tem mais a agilidade necessária…

3VV: Nos últimos 10, 15 anos foram algumas mudanças que ocorreram no futebol (regras, preparação física, material esportivo, bola). A altura do goleiro, que hoje é mais cobrado no porte físico. A força do Marketing (e a gente sabe que é necessário, uma vez que o marketing permite o giro de receitas no futebol). Por outro lado esse mesmo marketing impõe que fabricantes como Nike, Adidas, coloquem bolas diferentes nos diferentes torneios que patrocinam. Por exemplo, a bola da Copa Brasil parecia que pulava muito mais que a do Campeonato Paulista. Prá quem é pior: pro goleiro ou pro atacante?

M: Pro goleiro! As bolas são feitas para atacante fazer gol. E ninguém culpa o atacante pela derrota… mas culpa o goleiro! O goleiro é o primeiro a ser lembrado nas derrotas. É por isso que dificilmente uma marca de material esportivo patrocina goleiro. E pros times, é melhor que os atacantes façam muitos gols, que assim ele vão se valorizar. Então eles preferem patrocinar o atacante, o meio-campo, até o zagueiro, mas não patrocina o goleiro! Então, como é um negócio que movimenta muito dinheiro, quanto mais fácil for pro atacante fazer o gol, melhor…

Jota: Álém das mudanças de bola, preparo físico, tem uma outra mudança muito ruim pros goleiros que é a proibição de atrasar bola pro goleiro …

M: É verdade! A gente nunca vai saber se o Gilmar dos Santos Neves era bom com os pés…

Jota: Nem ele, nem o Valdir [Joaquim de Moraes]… acho que o Valdir só jogou com os pés para bater tiro de meta. E outra coisa também… o goleiro ficou mais vulnerável … jogador agora não pode fazer falta se for o “último homem” porque é expulso. E o goleiro vai ter que aguentar… então as regras foram alteradas para aumentar o espetáculo, ou seja, gerar gols, e aí aumenta a exposição do goleiro.

M: Você vê muita gente querendo comparar jogadores de hoje com os do passado, mas acho que não tem comparação. Antigamente era muito difícil ser jogador. Tinha que ter muita qualidade para se tornar jogador profissional de futebol. Tanto é que tinha muitos times bons… Hoje em dia é muito mais fácil ser jogador de futebol. Basta o cara correr bem e ter um bom preparo físico ele vira jogador de futebol.

Jota: Antigamente tinham menos times e os times tinham mais craques. Um time tinha 8 craques e 3 esforçados. Hoje é o contrário!

M: Eu acho também que hoje tem a desvantagem de uma cobrança maior dos meios de comunicação. Hoje a câmera pega todos os lances: se a bola veio com curva, sem curva, se falhou, se não falhou. E esquecem que o time joga domingo aqui, depois viaja até Recife, joga na quinta, pega o vôo na sexta-feira e joga de novo no domingo. A gente tem hoje, de 365 dias no ano, 30 de folga e os outros 335 de pauleira. E nisso tem que jogar, treinar, viajar, concentrar, explicar porque ganhou, explicar porque perdeu, dar satisfação prá torcida, dar satisfação prá imprensa e achar tempo prá ficar com a família. Se você joga 60, 70 jogos no ano, e falhou em 10, eu acho que o nível está bom. E se na verdade você erra em UM jogo, tá desgraçado de tanta crítica.

Wilson: Interessante sobre o que o Marcos falou, ontem minha filha Gabi estava comentando as declarações do Edmundo, e dizendo: “esses jogadores, só jogam bola e ficam reclamando”…

M: A visão de quem está de fora é essa, acha que a vida de jogador é fácil. Então um torcedor que vê o Marcos machucado, acha que o Marcos fica deitado o dia todo com gelo no braço assistindo televisão. Só que não é assim: desde que me contundi, fiquei com o gesso 5 dias. Machuquei faz 25 dias [a entrevista foi realizada no dia 9 de abril] e faz 20 dias que eu estou treinando direto. Correndo em volta do campo, fazendo musculação, fazendo esteira, treinando todo o dia, não teve um dia em que eu fui prá casa da minha mãe no interior. Então o pessoal não vive o dia-a-dia do clube. Não tem noção!

3VV: Sobre as declarações: recentemente aconteceu o problema com o Edmundo, onde ele ouviu uma coisa da Diretoria ou de outra pessoa, foi prá imprensa e falou o que ele pensava. Você também é uma pessoa que é muito transparente e fala o que pensa. Às vezes é criticado por isso, e às vezes elogiado. Como você acha que o público em geral – a mídia, a torcida – percebem esse teu jeito.

M: Nem sempre sai o que você fala. É a maldita da edição! Às vezes você fala: “o Palmeiras hoje não jogou muito bem. O time estava mal, a defesa falhou, perdemos alguns gols, …”. Isso é uma coisa que todo mundo fala. Eu falo, o Nen fala, o Pierre fala. Só que eu falo e no outro dia sai: “Marcos critica companheiros” [risos].

Hoje em dia eu conheço o pessoal [jornalistas]. Às vezes não são os repórteres, são os editores de jornais. E os editores às vezes querem uma manchete prá vender mais jornal. Mas às vezes eu também falo muita besteira. Falo as coisas e me arrependo, erro. Mas eu também não sou político! Não preciso que votem em mim pelo que eu falo…

3VV: Pegando esse gancho, o palmeirense se sente muitas vezes “perseguido” pela imprensa. Não sei se chega aos jogadores essa percepção, mas o torcedor sente. Você …

M: Eu também!

3VV: Daí vem a pergunta: você é o único goleiro brasileiro em atividade campeão do Mundo – em 2002 – que está jogando (Dida e Rogério eram reservas)…

Jota: … e jogando muito!

3VV: Pois é, as partidas contra Alemanha e Bélgica foram excepcionais. Contra a Bélgica aparece uma foto sua literalmente na horizontal, espalmando uma bola. E sem citar nomes de jornalistas, mas se o Julio Cesar faz metade das defesas que você fez na Copa em um amistoso contra a Nigéria, vira matéria de programa esportivo no horário nobre. Você percebe isso? Sente isso?

M: Direto! Gol que todo mundo toma, se eu tomar, foi falha minha. Prá eu tirar mais do que nota 6 no Lance! eu tenho que fazer miséria no campo. Aí eu vejo que há diferenças… por exemplo, tem goleiro que não precisa fazer muita coisa prá tirar 7,5, 8,0. E não sou só eu! A gente vê o Pierre: desde que o Pierre chegou aqui ele não tirou mais do que 5. O William, quando vai na televisão só falam do coração dele. Não importa se ele jogou bem!

Eu acho que o Palmeiras paga hoje o preço de uma estratégia de marketing errada de muitos e muitos anos. O São Paulo fez bem essa lição de casa! Você olha hoje aqui o CT, o Palmeiras não deve nada para ninguém! A sala de musculação, os campos, os vestiários, tudo de primeira linha. Vocês conhecem um campo melhor localizado do que o Parque Antarctica?

Todos: NÃO!!

M: O CT do Palmeiras é muito bom, só que nunca filmaram. Ninguém viu! E então ninguém fala… No caso de goleiro, se o Julio Cesar se faz uma defesa difícil, só falta o locutor enfartar. [risos] Mas também acho que tem pouco palmeirense na Imprensa.

Jota: E o que estão, têm vergonha de mostrar que são palmeirenses!

M: Às vezes você vê chegar aqui jornalista com celular com símbolo do Corinthians. Coloca na sua cara o celular com o Corinthians. E a gente já cobrou o pessoal da assessoria de imprensa: “tem que falar com os caras”. Tá errado, é um desrespeito! Tem que cobrar do pessoal do jornal…

Tipo, jogou Palmeiras e São Paulo e apareceu lá: Palmeiras é freguês! Nunca colocaram que o São Paulo ficou 25 anos sem ganhar do Palmeiras em Brasileiro. Colocaram que o Palmeiras é freguês do Rogério, e não colocam quantos gols o Edmundo fez nele. Às vezes você se sente meio largado, sem ninguém para te defender, desamparado. Você vê jornalista falando: o Marcos falhou… tem que ter alguém para te defender dos jornalistas, como outros times têm. Eu por exemplo eu posso ter todos os defeitos do mundo, mas eu nunca joguei culpa na defesa quando eu falhei. Nunca! Nunca deixei um zagueiro ser criticado por uma falha que eu tive. Se eu falho, eu falhei… Só que zagueiro é assim… a falha é nossa!

Mas na imprensa eu nunca fui favorito para as coisas. Eu jogava a Libertadores, mas tinham desconfiança. Eu era o último goleiro da lista de todo mundo para a Copa de 2002. Fui culpado no rebaixamento; fui culpado em alguns jogos de 2003. Pelo menos fui valorizado depois que subiu. Também tinha que ser né?

Os caras me comparam muito com o Rogério. Mas eu não sei bater bater faltas e muitos goleiros que jogam lá fora e são considerados os melhores do mundo também não batem falta.

3VV: E não ter ido prá Copa em 2006? O que mais atrapalhou?

M: Em 2006 eu estava machucado! Mas eu tive uma sequência na seleção. Eu sempre era chamado nas convocações. Às vezes errava mas eu ia… mas começou a desandar antes, em 2003.

Mandaram meu treinador de goleiros embora. O Carlão. Eu tive dois treinadores de goleiros que me conheciam bastante. O Carlão e o Zé Mario! Aí todo mundo que chega quer me deixar “voando”! Pô mas me deixar voando… com 34 anos? Aí o Carlão estava na época, não sei o que aconteceu, se foi porque o Palmeiras caiu prá 2ª Divisão, e mandaram o Carlão embora. Eu estava jogando bem, era até chamado prá Seleção. Eu achei que caiu mas não era por minha culpa. Caiu porque montaram um time ruim! Eu estava ali no bolo… time ruim, goleiro ruim… time bom, goleiro bom! Não tem segredo… Aí mandaram o cara embora e todo mundo que chegava dizia que eu vinha de sequência de contusão. Que me machucava muito! O cara que chegava não me conhecia… o treinador que chegou aí queria que eu trainasse como o Diego. Pô mas como o Diego, que tem 23 anos? Aí não deu outra, começou a dar contusão!

3VV: Pode falar quem era o treinador de goleiros?

M: Não, melhor não… Aí foi pro campeonato brasileiro e fiquei arrebentado. Aí o pessoal pergunta: “Pô o Marcos tá triste, tá isso…”. Claro que está!

O que eu acho errado hoje em dia, é quando a comissão técnica sai, sai todo mundo. Médico não tem que sair, treinador de goleiros não tem que sair. O treinador que chega quer trazer um monte de amigo, às vezes que não é nem qualificado, e muda a estrutura do time. Depois deixa o profissional aí, com contrato de quatro anos. Isso mexe com o jogador: o médico já sabe como eu sou, como é o Edmundo. O preparador de goleiros já me conhece… Então aconteceu muito disso no passado, mas graças a Deus as coisas agora estão mudando e estão melhorando.

3VV: Existe uma história que em 2003 você teve um jantar numa Pizzaria com o pessoal da Mancha que disse que você podia sair para uma proposta na Inglaterra. E você falou que não saía… é verdade?

M: Acho que se tivesse ficado na 1ª Divisão eu tinha ido embora. Os outros que saíram, Roberto Carlos, outros, saíram com o time bem. Se eu saísse ia parecer covardia da minha parte. Era coisa pessoal minha, não foi média não. A equipe era jovem, tinha só o Adãozinho…

Jota: Se arrependeu?

M: Não! Tranquilão…

3VV: Sobre contusão: no mesmo dia que você se machucou contra o Juventus teve o jogo do Santos com o São Paulo. O Fabio Costa foi criticado nesse jogo por causa de uma dividida muito dura. Você se machucou e eu ouvi críticas a você pelo jeito de você ter saído. Moral da história: goleiro é criticado porque se protege e porque não se protege. Você poderia ter evitado essa contusão? ou foi acidente de trabalho?

M: Eu estava de lado! Não tinha como levantar o joelho… Só se eu fosse o Van Damme [risos] para levantar o joelho naquela posição. Eu tenho o costume de levantar o joelho se a bola for de frente. Mas eu estava de lado.

Eu acho que antigamente o jogador era mais inteligente. Hoje nem tanto! Por isso que jogador se machuca. Tem bola que não é prá entrar! Eu não posso dizer o que esse jogador pensou nesse lance, mas ele não machucou só o meu braço. Ele bateu com a cabeça no meu braço, o ombro na minha cara, o joelho embaixo…

Acho que jogador tem que ser mais inteligente nessa hora e evitar esse tipo de contato… pode machucar os dois. Como naquela bola do Rafael Moura. Acho que ele foi com muita vontade … o pessoal veio me falar: vai na igreja, vai rezar prá não se machucar. Então chama o padre aqui, deixa eu dar uma bicuda no peito dele prá ver se não machuca! [risos]

Jota: Mas o Rafael Moura precisava de uma afirmação…

M: E esse ano o Edmundo ficou machucado, o Dininho ficou machucado… e falam só do Marcão!

3VV: Não ter ido prá europa era por causa também do tal jeito simples que falam que você tem?

M: Esse negócio da Europa, eu fico f….. com jogador que fala que quer ir para a Europa. Eu falo: então vai! Acho uma puta falta de respeito com os clubes de hoje.

Jota: Valeu a pena ter ficado?

M: Financeiramente não!

Jota: Se você encerrar a carreira hoje, valeu a pena ter sido jogador de futebol?

M: Putz! Meu destino profissional, se não fosse jogador, era ser pedreiro, trabalhar na fazenda, … obviamente se eu fosse prá europa estaria muito rico. Fiz uns cálculos com a minha mulher, teria ganho muito dinheiro. Só que eu teria passado 5 anos lá de tristeza… eu não me ligo em cultura européia. Queria ir no Egito prá ver as pirâmides, queria ir na China prá ver as muralhas, mas eu não me ligo nesse negócio de vida na Europa.

Eu sou eternamente grato ao Palmeiras pela oportunidade de ter-me dado a chance de ganhar algum dinheiro, para viver bem e ajudar minha família. Ninguém é rico na minha família, eu não sou rico. Eu moro na mesma casa! Minha família é tudo assim. Ninguém foi morar em um palácio, nem eu nem meus irmãos. Moram todos no mesmo lugar, tem os mesmos carros. O que sobra guarda, ou compra umas vaquinhas… e a gente vai ter que viver assim pro resto da vida.

Jota: Quantos jogadores pensam assim:

M: 1% ! [risos] Tem jogadores que pensa como eu. O Rogério, o Dida, os goleiros normalmente é difícil ver um meio tã-tã. [risos] Agora, tem jogador que começa a ganhar e compra carro, compra roda de R$ 6 mil, som de R$ 25 mil !! Eu falo pros caras quando eles aparecem com cada carrão… “ó, se amanhã bater na minha porta para pedir dinheiro, eu não vou emprestar não!”. Os caras ganham muito dinheiro (alguns, lógico)!

3VV: Ganham muito e gastam muito…

M: Ganham e gastam! Eu nunca tive empresário… Eu que ganhei, eu que fui fazer os meus contratos, eu que renovei… A carreira é curta. Quanto eu tive o problema no músculo adutor, não tiha como correr, não tinha como subir escada, foi dando uma depressão terrível. Por isso tem que se preparar para fazer alguma coisa depois de parar de jogar futebol.

M: Vou falar… se tiver que parar hoje eu vou ter que trabalhar. Não sei se eu sou o maior salário do Palmeiras, acho que não, mas isso nunca me preocupou. Minha intenção era ser jogador para comprar minha casa…

Wilson: e o Opala! [referência a um carro antigo do Marcos]

M: Isso, o Opalão! [risos] Eu nunca imaginei que eu ia ser jogador do Palmeiras, campeão da Libertadores, ser o melhor jogador da Libertadores, ser campeão da Copa do Mundo, ser um dos melhores goleiros do Brasil. Em 2002 eu fui considerado o 4ª melhor goleiro do Mundo…

Jota: Naquela Copa não ter sido o melhor jogador do Mundo foi uma sacanagem…

M: Acho que teve o Dida que foi o 2º melhor do Mundo no ano seguinte, por causa da Campanha da Champions League. Mas nunca vi um goleiro assim depois. Nem o Taffarel chegou nesse ponto…

Jota: O que você achou do Kahn [goleiro da Alemanha] ter sido eleito o melhor do Mundo um dia antes da final?

M: Ah, isso não tem jeito! Nem ligo mais prá essas coisas. Muitas vezes no Campeonato Brasileiro eu ficava em primeiro na Bola de Prata um tempão, e no final passava alguém na frente. Nunca ganhei uma Bola de Prata! No Paulista era a mesma coisa…

Sabe no que eu me ligo? Sem sacanagem? Não tem preço ser ídolo da torcida!

Eu trabalhei no interior, trabalhei na roça, em usina, vendi amendoim, trabalhei em padaria, fui servente de pedreiro… e hoje em dia, onde eu for, ser cumprimentado, receber o reconhecimento do torcedor, isso não tem preço!

Jota: Marcos, eu tive a sorte de acompanhar a carreira do Pelé inteira. Acompanhei todas as copas que o Brasil ganhou. Tenho vídeos daquelas que não pude acompanhar. Posso te afirmar com certeza: você foi o melhor goleiro campeão do mundo em todas as seleções brasileiras…

M: O cara da FIFA falou a mesma coisa!

Jota: Indiscutivelmente…

M: Sabe que tinha um cara da FIFA que acompanhava a gente em todos os jogos. Funcionava como tradutor, levava a gente pros lugares. Em cada jogo, o melhor jogador ganhava US$ 5 mil. Contra a Bélgica, eu arrebentei, né? Joguei muito! Aí ganhou o Ronaldinho Fenômeno… Aí o Ronaldo falou: “aí Marcão, pegou prá caramba hoje mas fui eu que ganhei o dinheiro”. Eu falei: exatamente… aí eu perguntei pro cara da FIFA: “pô nem hoje eu ganho como o melhor em campo?” Não, porque goleiro não pode ser eleito o melhor em campo. E no final, um goleiro foi eleito como melhor jogador. [no YOUTUBE existem vários vídeos sobre o Palmeiras e o Marcos; clique aqui e veja um vídeo de homenagem ao Marcos, com vários lances desse jogo Brasil x Bélgica]

Eu não fico chateado por causa disso. Ou por ter tido a camisa do Edmundo de 200 jogos e não ter tido a minha de 350. Eu não ligo prá essas coisas… eu não sou vaidoso. Mas eu aprendi que no futebol tem que se fazer média! E eu não faço média!

Eu sou amigo do Paulinho Serdan [Mancha Verde], do Jânio, Presidente da Mancha, do Isidoro, mas nunca pedi um favor a eles. Eles também nunca me pediram favor algum. Agora o Paulinho era candidato e me pediu para tirar umas fotos com ele, eu tirei. Eu sou amigo do Paulo há tempos, sei dos trabalhos beneficentes que ele faz por fora, tirei a foto sem problema. O Leandro, que faz caricatura em camiseta para vender, ele pediu prá mim, e tudo bem. Agora, às vezes vem conselheiro me pedir vamos aqui, vamos fazer uma reunião ali… não vou! Sou funcionário do Palmeiras, não dos Conselheiros. Às vezes me convidam em churrasco com alguém da televisão. Não vou! Eu não quero dever favor prá ninguém. Aprendi com meu pai: paga mas não deve favor.

Jogo no Palmeiras com amor! Jogo no Palmeiras não para ter um busto, uma cativa ou para viver aqui prá sempre. Depois que eu parar, eu vou na bilheteria, vou comprar um ingresso prá ver o jogo e vou torcer. Porque eu sou assim. Eu e o Edmundo, às vezes falamos besteira demais porque a gente não deve nada prá ninguém e porque a gente tem um envolvimento com esse time mais do que os outros. E isso nem sempre é compreendido. Outro que é assim é o Diego [Cavallieri]; e também o Bruno [terceiro goleiro].

Eles também são também assim. Sofrem como a gente… por quê? Porque por exemplo o Diego está aqui há 10 anos. É nascido aqui… Vive o dia a dia do clube desde pequeno. Então não é mais profissional. Você passa a ser torcedor. Você vê as coisas certas e erradas e se importa com isso! Aí você vê aqueles que passam por aqui, e agem daquele jeiro: “perdeu perdeu, ganhou ganhou”. O cara vê se no dia 10 saiu o pagamento e não tá nem aí… aí você, com todo esse envolvimento, joga, sua a camisa, corre, o time perde, não é culpa sua, você fica puto, termina o jogo, vem 10 microfones na boca e não tinha um marketing que pudesse te preservar; às vezes você quase manda todo mundo prá pqp … aí eu penso: eu não tenho que ficar dando satisfação prá todo mundo!

Wilson: O Felipão fazia bem isso…

M: Fazia, mas acho que hoje em dia a coisa está legal… contrataram assessor de imprensa. Antes tinha o Isaías, que também era bom. Mas era só um [nr: agora são três]. E tem que cuidar da Globo, da Record, do Jornal … tem que viajar, e chega na cidade e tem assédio. As pessoas não têm noção da dimensão que é o Palmeiras. Às vezes nem as pessoas de dentro do Palmeiras percebem isso. Tinham que viajar mais com a gente, prá ver o que é o torcedor do Palmeiras no interior. Levar chaveirinho, levar coisas pro torcedor…

Eu acho que tinham que abrir o CT para receber torcedor. Acho que teria que ter um ou dois dias por semana para receber crianças, torcedores, tirar foto, aproximar mais com os jogadores. Só tem que filtrar… se o time está perdendo, é melhor segurar um pouco. Mas aqui dá prá fazer um bom trabalho com a torcida…

Às vezes eu fico pensando, por exemplo nas brigas da situação e oposição: ninguém ganha nada! Os caras mesmos fornecem matéria ridícula para a imprensa… fica uma fofocaiada, não ajudam em nada. Parecem que tiram proveito do Palmeiras em benefício próprio.

Teve uma vez que o Palmeiras perdeu um jogo, e eu saí do vestiario, e o jornalista veio: “você bateu no Correa!”. “Eu bati no Correa?”. Chamei o Correa… “vem cá, eu bati em você?”. “Não!”. Você sabe que até hoje o jornalista acha que eu bati mesmo?

Então você fica puto… já falaram que eu bati no Correa, no Alceu, que eu briguei com não sei quem.

3VV: Vai continuar no futebol depois de parar?

M: Depende, cara… Futebol é complicado demais! Futebol é bom se você ganhar bem. Se não ganhar bem não vale a pena não.

3VV: Nós temos uma idéia sobre você, que eu defendo muito, que o Palmeiras deveria fazer com você um contrato de, sei lá, 10 anos. Pela ausência de ídolos nos últimos anos, pela falta de títulos importantes desde 1999, o Palmeiras precisa manter ídolos como você, como o Edmundo, mesmo depois de parar, para atrair novos torcedores. Claro que também é importante ter novos ídolos – Valdívia, Diego – e também é importante vingarem as promessas – David, entre outros. Também é importante ganhar títulos. Mas essa imagem que jogadores como você e o Edmundo passam para a torcida tem muito valor.

Agora, por exemplo, o Edmundo é ídolo da torcida do Palmeiras e do Vasco, mas tem a antipatia de outras torcidas. Você não! Você é reconhecido no Brasil como um todo e com pouca ou quase nenhuma rejeição!

M: Essa história da pouca rejeição é verdade. Eu soube que fizeram uma pesquisa na Gaviões para quem poderia ser goleiro do Corinthians, e o meu nome ficou em primeiro. Um dia, depois de um jogo que a gente perdeu para o Corinthians, a torcida deles ficou gritando “o Marcão é da Fiel”. Eu falei, “rapaz, será que eu falhei no gol e eles estão tirando sarro?” [risos]

Jota: Qual o seu time de futebol quando era moleque?

M: Eu sou palmeirense desde garotinho. Tenho até foto com a camisa! Eu minha mãe e meu irmão. O resto era tudo corinthiano!

3VV: Quando é que você volta?

M: Daqui a uns dias 7 dias eu começo a treinar com bola de novo… logo eu tô de volta!
______________________

Ficamos por aí… depois disso tiveram as tradicionais fotos, autógrafo com dedicatória pros meninos e a certeza de que o Palmeiras tem um goleiro com a competência e o caráter do tamanho da sua torcida!

16 respostas em “SÃO MARCOS”

Édipo disse…

Simplismente Otimo.

PQP e o Melhor Goleiro do Brasil !!!
Marcoooooooooooosssssssssss

Parabéns ao 3vv e a todos que fizeram a entrevista.
3/10/08 15:46

Bruna disse…

poxa… ver o marcão falando assim da um orgulho de ser palmeirense!!!

eu qndo era pequena, tinha uma camisa , dakelas listradinhas, mais nem sabia direito oq era ser palmeirense. mais em 99 , na libertadores , meu amor por esse time se revelou! e o maior “culpado” disso foi o marcos!!

com ele no gol, o torcedor fica tranquilho!!
5/8/08 17:47

Iuri disse…

Esse eh O CARA… Meu filho vai se chamar Marcos por causa dele. xD
15/8/07 20:30

Patrícia disse…

Que coisa mais linda! Sou completamente apaixonada pelo Palmeiras e sobre o Marcão nem precisa comentar né pessoal… cada dia mais surpreendente, maravilhoso! Sou mulher mas de futebol eu entendo, e garanto: O Marcos é, sem dúvida o melhor goleiro de todos os tempos! Eternamente ídolo no coração verde! Obrigada pela entrevista, foi a melhor que já li… abraços à todos e quem quiser me adiciona aí: patty.anjinha@hotmail.com
tenho um montão de fotos do Palmeiras, do Marcos, vcs vão ver que sou doidaaa, completamente maluca pelo time mais querido do Brasil! (Pelo menos no meu coração, os outros não importa) rsrsrsrs, adicionem
8/6/07 11:52

Pia do Gole disse…

Sao Marcos:eternamente verdao,melhor goleiro d todos os tempos
17/5/07 18:49

Bruno disse…

perfeita a “conversa”! mto boa!

O Marcos eh fera d+, sem palavras! idolo!
11/5/07 18:01

Vitor disse…

EXCELENTE ENTREVISTA!
Marcos mais uma vez mostrando seu grande caráter e humildade!
É muito bom para nós, torcedores, lermos uma entrevista descontraída como esta, onde o Marcão falou o que ele acha, sem se preocupar com o que irão divulgar na imprensa, e melhor do que isso, saber que ele pensa assim como nós, torcedores.
Este é Palmeirense de verdade, por isso gostamos tanto deste grande goleiro e grande homem!
Um abraço,
Vitor V. Furioso.

Fronterotta disse…

Vicente, Jota e Wilson.

Depois de me emocionar com o NOSSO SANTO DE CADA DIA, SAO MARCOS.

Só me resta dar os parabéns a esta excelente entrevista !

Abracos
Fronterotta
28/4/07 01:15

Terceira Via Verdão disse…

Vinicius, obrigado pelas palavra.

Pode reproduzir parte ou toda a entrevista. Só peço prá citar a fonte por uma questão de preservar a origem.

Quanto mais palmeirense conhecer um pouco mais do Marcos, todos ganham (Palmeiras, torcida, o próprio Marcos).

Vicente Crisico

Vinicius disse…

Cara, não sei quem é você, mas o endereço desse blog chegou até a mim e eu acabei de ler uma das coisas mais lindas na minha vida. O Marcos, pra mim, não é só um ídolo, mas é também um exemplo de pessoal, alguém que tem que respirar Palmeiras até o último segundo da vida dele. O cara é foda. FODA. FO-DA. Parabéns mesmo pela entrevista e muito obrigado por reporudi-la no blog.

Aliás, também devo agradecer por relacionar o link do “Planeta Verde”, visto que sou um dos participantes dele.

Peço permissão para fazer um texto sobre o Marcos e reproduzir os principais trechos desta entrevista. Citando a fonte, é claro. A torcida inteira do Palmeiras precisa saber totalmente o que é o Marcos como pessoa e como jogador e o que ele significa pro clube como um todo. Tem meia dúzia de babacas (desculpem o termo) que falam cada merda dele…

Abraços
27/4/07 04:05

Marquinhos disse…

Primeiramente parabéns pelo Blog pessoal. É sempre bom ter mais um Blog de Palmeirense e com informações sempre. Boa sorte e sucesso sempre!

Agora sobre essa matéria, SENSACIONAL. Na atualiadade com certeza o maior idolo é o Marcão, e já entra na seleta lista histórica. Acho que até mesmo para os torcedores mais antigos do nosso Verdão o Marcos está na lista do TOP 3 pelo menos.
Que seria:

1º Ademir da Guia
2º Evair
3º Marcos

Lógico que tem vários ainda, Dudu, Leivinha, Sampaio, Oberdan, Leão, entre vários.

Bom, não só como atleta, mas até mesmo como pessoa já se percebe a pessoa que o Marcão é. Ele realmente é um Santo.

Obrigado por tudo São Marcos!

Parabéns mesmo pessoal, ficou show.
Abraços!

Marquinhos
26/4/07 21:52

Guilherme disse…

Vicente, sou amigo do Renan(estou na mesma classe que ele, pergunta do Silvão) ele me falou do seu blog, mesmo eu sendo São-Paulino, gostaria de parabenizar, está muito bom, muito bom mesmo e a entrevista com o Marcos ótima!
25/4/07 16:09

Anônimo disse…

O que comentar…….. esse cara é eterno!
Nós todos vamos passar e ele sempre será lembrado, e não só pelo grande futebol, mas tambem pela pessoa que mostra ser.
Do ponto de vista da gestão que acho que é o foco do blogg ele disse poucas e boas, mas nao vale a pena enm seuqer pensar em colocar em pauta qualquer assunto, só essa prazeirosa leitura já valeu o dia.
VALEU VICENTE !
VALEU MARCÃO !

Emerson
25/4/07 09:46

O blog 3vv reproduziu abaixo os comentários da entrevista do Marcos que foram feitos no Blogspot no período da entrevista.

Os comentários estão desativados.