Barbosa Filho disse: JÁ ERA!

POR JOTA CHRISTIANINI

Mesa Redonda na TV era na segunda feira.

Domingo! Apenas os gols da rodada e a zebrinha, no fim do Fantástico.

A segunda-feira fervia, uma única mesa redonda, mas aquela mesa!

Milton Peruzzi no comando, Barbosa Filho, maranhense, mas dizendo-se pernambucano, torcedor do Sampaio Correa e palmeirense; Jose Silveira — o SPFC é o clube mais prejudicado pelas arbitragens —- e todos riam com fina ironia; GB e José Italiano: corintianos. Peirão de Castro, obcecado e atrelado defendendo as coisas peixeiras.

O Campeonato Brasileiro de 72 chegava perto do fim, quadrangular, turno único, para escolher um dos quatro finalistas.

Palmeiras, melhor campanha; favoritíssimo!!

Leão aceita um chute de Roberto Dias lá do meio da rua. No fim o Palmeiras perde 2×0. Ninguém acreditaria que o Ameriquinha e o Coritiba modificariam os rumos definidos na primeira rodada.

A mesa redonda fervia, os palmeirenses, que não tinham vergonha de torcerem, desanimados. Barbosa Filho, lenda e glória da imprensa nordestina, pois fez a vida esportiva em Pernambuco – era o nordestino que veio ao sul para agradar o Brasil inteiro – não acreditava.

— O palmeirense tem que por na cabeça que, para eles, o brasileirão JÁ ERA!

A frase rendeu, a semana inteira só se falava nisso.

Qualquer discussão de torcedor, lá vinha a frase

O PALMEIRAS JÁ ERA! Na quarta-feira, rodada dupla no Pacaembu, o Palmeiras bate o América; o SPFC ganha do Coritiba.

Sábado à noite é o fechamento do quadrangular. Missão impossível, o Palmeiras faz sua parte e ganha do Coritiba no Parque Antarctica: 3×0. Enquanto isso o jogo do Rio num Maracanã vazio, continuava 0x0.

No fim, Mauro, ponta esquerda ironicamente emprestado pelo próprio pessoal do Jardim Leonor para o Ameriquinha, marca um gol e o resto do time segura o resultado.

Festa nas arquibancadas do Palestra Itália; Palmeiras incrivelmente classificado.

Como depois do fim de semana vem a segunda feira, chegou a hora da mesa redonda. Torcida palmeirense invadiu o estúdio numa farra, todos esperando o Barbosa Filho. festas, bumbos, fanfarras, uma algazarra.

Depois disso o Palmeiras passou pelo Inter e Botafogo e foi campeão brasileiro de 72.
A partir daí, para sempre, cada vez que o Palmeiras ia mal num jogo, toda a torcida palestrina virava-se para as cabines da Rádio Gazeta e imploravam ao Barbosa Filho que dissesse:

O PALMEIRAS JÁ ERA!

Posts antigos, Por Onde Anda, e Links Patrocinados