Categorias
Meninos Eu Vi

Naquela noite a Argentina de Di Stefano foi Palmeiras

POR JOTA CHRISTIANINI
Crédito para as fotos: ACADEMIA DA HISTÓRIA PALESTRA PALMEIRAS

Recite estes versos aos conhecedores do futebol com mais de 50 anos ou então para qualquer argentino:

Boye, Moreno, Di Stefano, Labruna e Lostau

Linha de ataque da seleção argentina dos anos 40, poesia e categoria para quem entendia do ofício da bola.

Junto
com Carrizo, Yacono, Nestor Rossi, Pederneira e Munhoz formavam o que
havia de melhor no futebol sulamericano. A seleção brasileira penava
com os hermanos, foi uma das poucas ocasiões que tiveram supremacia
sobre os nossos.

Tivéssemos Copa do Mundo nos anos quarenta e, provavelmente, dividiriam as conquistas com os austríacos.

Vieram
ao Brasil em 1948; eram comuns as excursões das principais equipes
argentinas por aqui. O Boca e o River, eternos rivais, vieram ao mesmo
tempo. Jogaram contra todos os times da capital, até que alguém teve a
idéia de medir forças.

Seleção Paulista contra um combinado, autêntica seleção argentina, dos jogadores do Boca e do River.

Jogo
marcado, Pacaembú, noite de festas e de rivalidade. De uma lado o
melhor que disponha o trio de ferro e de outro os argentinos da poesia
e do bom futebol.
Os paulistas jogariam de branco e os argentinos?

Os do Boca recusavam-se jogar com as camisas do River e vice versa.

Impasse!

Bovio,a tacante argentino que jogava pelo Palmeiras, resolveu a questão. Trouxe os uniformes do Parque Antartica.
E naquela noite a Seleçào Argentina teve o privilégio de jogar com o manto alviverde do Palmeiras.

Di
Stefano, por consenso o maior jogador argentino de todos os tempos e um
dos maiores do mundo, Presidente de honra do Real Madrid, jogou e
marcou um gol com a camisa do Palmeiras. O jogo terminou 1×1 e Oberdan
jogando pela seleção paulista também usou a camisa de goleiro do
Palmeiras.

Entre outros tiveram a suprema honra de vestir a
camisa do campeào do século, jogadores que hoje são lendas do futebol:
Carrizo, Yacono, Nestor Rossi, Mendes, Pin, e o ataque do sonhos dos
platinos: Boye, Moreno, Di Stefano, Labruna e Lostau.

Tempos depois o Palmeiras seria Brasil e naquela noite a Argentina foi Palmeiras.

Jota Christianini