Categorias
Italiano

LEGA CALCIO: 38^ Giornata – Inter Campeã

Per Carmine Paciello

A Internazionale di Milano conquista o 16° titolo nacional ao término de um campeonato eletrizante e repleto de suspense visto que, até o último minuto, não se tinha certeza quem seria o vencedor do escudeto nem qual time seria enviado ao inferno da Série B nem, menos ainda, aqueke que teria participação na Champions League edição 2008/2009.

Honra aos vencidos! A Roma foi certamente um adversário digno da Inter, mostrando un jogo às vezes soberbo, entremeado com Totti que funcionando como Hidegkuty (da mítica Hungria de Puskas), ou seja como um “falso” centro-avanti, não somente definia a manobra ofensiva quanto sobretudo criava as condições para colocar seus companheiros e principalmente o avanço dos laterais. A numerosa colônia brasileira parece que gostou de torcer para os amarelos-vermelhos: de aposta misteriosa Doni melhorou muito profissionalmente; hoje em dia é um goleiro seguro e confiável, entre os melhores da Itália. Juan teve azar porque teve diversos problemas físicos que o prejudicaram bastante. De qualquer forma quando jogou e foi exigido, demonstrou ser digno de substituir a lembrança de Aldair e certamente será o líder da defesa para os próximos anos. Bem também Cicicnho o qual melhorou muito também no setor defensivo. E por Taddei que é um elemento muito importante para o equilíbrio do time além de muito dinâmico.  Enfim, Mancini, um ala de classe e justamente pretendido por grandes clubes (Juve, Inter, Lione, Bayern) mas que no passado teve problemas de relacionamento com Totti que determinaram sua transferência.

Mas não menos meritório deve ser considerada a Inter que, com méritos, venceu o escudeto independente da problemática que, de vez em quando, se apresentavam ao técnico Mancini. Foi certamente uma Inter “dupla face”, um time “canibal” durante a prima parte da temporada e depois capaz de conter o avanço da Roma e de administrar a vantagem quando, na segunda parte do campeonato e sobretudo depois da eliminação da Champions League, teve que superar momentos difíceis.

A propósito gostaria brevemente de analisar um dado “técnico”, ou seja, a capacidade de Mancini de fazer jogar um time e sobretudo de obter resultads positivos, segundo a exigência do momento. De fato este ano, por conta dos infortúnios e das poucas condições atléticas dos jogadores, Mancini foi obrigado a modificar diversas vezes o sistema de jogo (inclusive durante algumas partidas). A Inter começou com um plano tático preferido por Mancini: o 4/3/1/2, com 4 “centro-campisti” dispostos com Figo (ou Stankovic, ou Jimenez) no meio. Com as contusões de diversos jogadores e sobretudo de Vieira, Mancini retornou ao clássico 4/4/2 por ter melhor cobertura. Em diversos jogos – contra a Roma, Liverpool, Atalando – Mancini soube reencontrar o equilíbrio chegando inclusive em um deles a um curioso modelo 4/1/4/1, inserindo Zanetti em frente da defesa. E no fim com a homem da Providência: Ibrahimovic.

Ótimo o campeonato da Juventus che vinha da Série B. Foi para a Champions League com um time em “costruzione” e via brigar pelo escudeto ano que vem.

Campeonato prestigioso também fez a Fiorentina que retirou do Milan a última vaga para o campeonato europeu de clubes.


Avaliação positiva também para a Sampdoria que focou na qualificação para a Uefa e dispõe de um técnico emergente e preparado (Mazzarri).

Também vai para a Europa a Udinese que praticou um jogo ofensivo (3/4/3) e também por isto muito vinculado ao estado de graça dos três pontas.


O que dizer do Napoli se não que se trata de um time com enorme perspectiva futura. Seus dirigentes conseguem garimpar talentos como Hamsick e valorizá-lo a ponto do Liverpool ter oficializado uma oferta de 25 milhões de €uros. Com investimentos programados e adequados, o Napoli será em 2/3 anos competitivo para o título nacional, como nos tempos de Maradona, Careca & Alemao.

Quem teria dado esperança de salvação ao Cagliari? E mesmo ao técnico Ballardini, que pegou o time no último posto. Também Atalanta, Siena e Genoa realizaram um ótimo torneio. E um aplauso ainda para Catania e Reggina, clubes pobres, sem grandes fontes de receita e que pareciam estarem naturalmente destinadas à Série B. Mas com humildade e determinação renasceram e salvaram-se vencendo um escudeto pessoal.

Outros times: Palermo (desilusão), Lazio, que com problemas financeiras disputou a Copa dos Campeões com um elenco limitado; Empoli,que foi rebaixada à série B pela pouca profissionalização de seus dirigentis, que dispensaram um técnico preparado e capaz como Cagni para confiar o time a umtreinador (Malesani) que prometeu pontos e show de bola mas não entregou. Torino se salvou no limite, mas com Milan foi uma desilusão. Parma e Livorno tinham objetivo de permanecer na série A. Sem sucesso!

Enfim o Milan. O que dizer? E’ verdade em dezembro foram campeões intercontinentais. Mes este título é suficiente para justificar um campeonato horrível e a merecida desclassificação da Champions League?

 


Alla prossima, Carmine!   


———————————–

 

[ nota deste blogueiro ] por enquanto a coluna Lega Calcio fica em suspense. Estamos pensando em outros temas para o Carmine contribuir com o blog. Aguardem…