Categorias
Notícias

Inteligência limitada, burrice infinita!

“Deus errou, limitou a inteligencia e não limitou a burrice”
Roberto Campos

Eu não leio o blog daquele rapaz que parece ser o alter ego de um tal outro jornalista (ou coisa que o valha). Tô fora!

Mas o comentário do Junior no post anterior – Olha a mídia aí de novo
– me deixou rindo até agora: no blog do tal Paulinho, que já foi
turbinado por jornalista e programa de rádio – foi publicado um termo
hilário pelo tal blogueiro sobre o contrato do Palmeiras com a WTorre.
Falou-se em “cláusula de confiabilidade”.

Gente, juro que eu não sou assim, mas só rindo de um sujeito desses!

Vamos combinar, cláusula de confiabilidade não existe! Existe CLÁUSULA DE CONFIDENCIALIDADE.

O que é isso?

É assim: uma CLÁUSULA DE CONFIDENCIALIDADE dá segurança para que duas partes – A e B – façam um negócio protegendo-se de “vazar” para terceiros (parte C) informações que possam transferir algum conhecimento ou algum elemento ligado à estratégia de/do negócio.

Mas é importante entender que a parte C, que não terá acesso, é exatamente a parte que NÃO TEM QUE TER ACESSO.
Geralmente um competidor, uma outra empresa que busca atuar naquele
mercado, indivíduos ou corporações que possam no presente ou futuro ter
interesse comercial que prejudique A ou B.

Traga o caso para a
Arena Palestra. Quem são as partes A e B? SE Palmeiras e WTorre. No
caso do Palmeiras, os poderes constituídos – Conselho Deliberativo,
Conselho de Orientação e Fiscalização, Presidência e Vice-Presidências.
Todos eles têm interesse direto. Logo ELES TÊM QUE TER ACESSO AO CONTRATO. Aliás, há algum tempo a Diretoria do Palmeiras contratou um escritório de advocacia para acompanhar e revisar todo o contrato.

Quem é que NÃO DEVE TER ACESSO?
Primeiramente os concorrentes diretos de Palmeiras e WTorre, concordam?
E se eles não devem ter acesso, qualquer um que possa dar essa
informação a eles, também não poderá (leia-se: mídia de maneira geral).

Aí vale a CLÁUSULA DE CONFIDENCIALIDADE.

Mas o Vicente não disse que não tinha cláusula de confidencialidade? (atualizado posteriormente)

Disse! No post Olha a mídia aí de novo
(bem observado pelo leitor Rodrigo) eu disse que não havia a tal
cláusula. Me baseei em uma informação do Diretor da WTorre Arenas de
que a natureza da empresa a obriga a dar transparência em todos os seus contratos. E isso é uma verdade!

Mas uma coisa eu falei e estava errada: há uma CLÁUSULA no contrato que explicita que os termos são restritos apenas às duas partes.
Como qualquer contrato padrão. Só que parte da mídia deita e rola sobre
isso. Confunde “cláusula” com “contrato confidencial”. O contrato não é
secreto. Ele está aberto às duas partes interessadas. Então errei e
peço desculpas. Mas a essência do conteúdo daquele e deste post
continua valendo!!

E se a informação do Diretor da WTorre está
correta, todos os seus fatos relevantes serão publicados, uma vez que a
empresa é uma S/A.

Honestamente? Todos os palmeirenses precisam
se contorcer em explicar o óbvio. Outros dirigentes fazem e desfazem e
nada acontece. Vamos em frente, novamente desculpem toda a confusão.

O processo de comunicação

A
divulgação e pré apresentação do projeto Arena Palestra foram
estruturadas em conjunto – WTorre e Palmeiras – para ser um dos
processos com a maior transparência possível. Foram realizadas três apresentações para conselheiros e outras três estão agendadas. Nessas apresentações eles perguntam de tudo, desde a autonomia do Palmeiras para definir preços de ingressos até onde será o jantar dançante semanal dos sócios.

Além dessas plenárias, hoje – sábado, 21 de junho –
estão acontecendo 3 ou 4 reuniões no Palestra Itália com sócios de
diferentes departamentos. Eles também estão conhecendo o projeto.

Semana que vem, ante-véspera da eleição, outra bateria de apresentações será feita, novamente para conselheiros que não viram as anteriores e outros interlocutores (provavelmente os sócios remidos).

Ainda mais: durante essa semana, João Mansur ficará alguns dias dando plantão no Palestra Itália com
uma cópia do contrato na mão. Qualquer conselheiro (que tem o mandato
do sócio para representá-lo perante o clube) poderá pedir o contrato e
folheá-lo. Não poderá levá-lo embora. Vou repetir: qualquer conselheiro poderá ler o contrato na íntegra!

Quem
faltou que poderia ser uma parte interessada? Torcida que não é sócia e
não vive a vida política do clube, não tem poderes oficiais para
revisar um contrato mas reconhecidamente é importante em todo esse
processo. Nesse caso, dada a impossibilidade de se abrir um contrato
desse para 14 milhões de pessoas pelo Brasil, não tem jeito: terá que
acompanhar na mídia. Sugiro a palestrina!

Ou então fazer aquilo que eu digo há muito tempo: torne-se sócio e nos ajude a oxigenar a vida política do Palmeiras. Mas isso é assunto para outro post.

Outro
que faltou ser comunicado mas que será informado logo após a aprovação
(assim esperamos) são os atuais parceiros da SE Palmeiras. Todos eles
verão o projeto e serão informados não só dos detalhes técnicos do
projeto mas também como será a transição da arena atual para a nova
arena.

Aí eu pergunto!

Alguém conhece o contrato da Reebok com o São Paulo? Essa semana, um release da assessoria de imprensa do São Paulo, dizia que o time recebeu 10% de cada camisa vendida do Adriano,
e isso teria pago a presença do Imperador no Jardim Leonor. Aliás o
Imperador passou por nossas terras, ganhou do São Paulo mais de R$ 300
mil por mês, curtiu algumas belas boates, fez alguns gols, um deles de mão, e não ganhou título algum!

A venda de camisas do Adriano gerou receitas no São Paulo que pagaram a reabilitação do atacante?

Eu truco!

Quero ver o contrato: dá pro São Paulo mostrar? Aliás, pode mostrar sem dá mesmo… [ nb: desculpem, perco o patrocinador mas não perco a piada ].

Alguém conhece o contrato da Medial com o Corinthians? Não?? Quero ver! Pede práquele blogueiro que falou em confiabilidade para ele mandar prá mim, já que ele deve ter uma cópia.

Não tem prá me mandar? Putz, que pena, por que será?

Porque todos os contratos têm cláusula de confidencialidade!

Olha,
honestamente, não sei e não li o contrato com a WTorre. Tem gente mais
competente que eu lendo. Mas as informações passadas nas reuniões
(assisti a duas) são absolutamente claras. E a tal cláusula, que
existe, existe como em qualquer contrato.

De novo, o contrato é entre duas partes privadas, logo se ele não é público não será divulgado para terceiros (a parte C). Mas as partes A e B, 100% interessadas na operação (inclusive conselheiros da oposição) terão amplo, total e irrestrito acesso.

Ai, que saudades de Roberto Campos e suas frases…

Quer mais frases sobre burrice? Clique aqui!

Saudações Alviverdes!