Categorias
Notícias

Chegou a hora de Bruno

A partir de release da Assessoria de Imprensa; fotos: Fabio Menotti

Chegou a hora!

Nesta
quarta-feira, contra o Vasco da Gama, pela Copa Sul-Americana, o
goleiro Bruno vai fazer sua estréia como titular no time profissional
do Palmeiras.

Bruno chegou ao Palmeiras em 1997 com apenas 13
anos. Passou por todas as divisões de base do clube até atingir o auge
em 2001, quando foi convocado para a seleção brasileira juvenil.

“Jogava
futebol de salão no Juventus e o Niltinho [ex-treinador dos juniores do
Palmeiras] me trouxe para fazer um teste. O maior sonho da minha vida
era jogar no Palmeiras”, relembra o goleiro, que passou a treinar com
mais intensidade com o elenco profissional a partir de 2003.

Nascido na Moóca [ nb: meu bairro ],
bairro tipicamente italiano, Bruno revela que sempre torceu pelo
Palmeiras. “Minha família inteira é palmeirense e desde muito cedo eu
já ia no estádio sozinho”, conta. “O jogo que mais marcou foi a final
da Libertadores de 1999. Lembro que eu chorei muito naquele dia.”

Aos
24 anos, Bruno admite a ansiedade com o fato de fazer sua estréia no
gol do Palmeiras. “Frio na barriga vai existir sempre. Sempre esperei
por esse momento e a expectativa é enorme, mas estou tranqüilo. O grupo
tem me passado confiança e o Marcos, antes de voltar para São Paulo,
falou para eu ter bastante segurança que dentro de campo as coisas
acontecem automaticamente.”

Bruno tornou-se segundo goleiro do
elenco com a saída de Diego Cavalieri para o futebol inglês. E ele não
esconde sua admiração pelos profissionais que deixaram o clube. “O
Diego era antes de tudo um amigo, um parceiro. E também agradeço esse
momento ao Carlão [Carlos Pracidelli, ex-preparador de goleiros]. Muita
coisa do que eu aprendi no futebol, dentro e fora de campo, devo a ele.”

O
ídolo de Bruno, no entanto, é o seu próprio companheiro de trabalho.
“Quando eu comecei a concentrar com o time profissional, nem acreditava
que estava dormindo e convivendo junto com o Marcos. Ele era um ‘Deus’
para mim. Claro que, com o tempo, a gente vai acostumando. Mas tenho
ele como uma referência, tanto como profissional como quanto ser
humano. O Marcos é uma figura única e, se eu chegar perto do que ele já
fez pelo Palmeiras, estarei feliz.”

O reserva de Bruno na
partida desta quarta-feira, contra o Vasco, será Deola, que também está
no Palmeiras há muito tempo, desde 2000.

DUAS OBSERVAÇÕES DO BLOG

1. Deve ser extremamente emocionante
você ser um palmeirense fanático, chorar numa final de Libertadores,
ter o Marcos como seu ídolo, e fazer a estréia como titular em uma
partida pelo seu time;

2. Sem criar falsas expectativas.
Ano passado, quando eu fiz um elogio ao Diego Cavalieri, alguém me
disse dentro da Academia (na época o Marcos estava machucado e o Diego
jogava): “o Bruno é melhor que o Diego”!!

Toda sorte ao Bruno…

Saudações Alviverdes!