Categorias
Notícias

Irregularidades no Estádio do Morumbi

Tá bom, alguém (principalmente o torcedor de outro time) pode achar que esse post é para esquecer a derrota de ontem.

Não
é! Saiu ontem, não tive tempo de postar e estou colocando agora. Até
porque, o Palmeiras perdeu mas a vida – e a hipocrisia do Jardim Leonor
– continua.

A matéria abaixo deu no blog do amigo do JK. Vários
palestrinos me enviaram o link e o texto. Não entro naquele blog e não
coloco o link dele aqui. Então vou copiar a matéria que chegou para mim
por email.

Eu pelo menos quando publico texto de outro blog aviso que saiu primeiro lá. Mesmo que eu não goste da sua “linha editorial”.

E é isso aí…

——————
Morumbi Cidadania acusa São Paulo de irregularidade no terreno do Morumbi
Agosto 20, 2008 by Paulinho

O grupo Morumbi Cidadania teve acesso a um documento histórico, datado de 04 de agosto de 1952.

É o termo de doação do terreno, onde está localizado hoje o estádio do Morumbi, para o São Paulo F.C.

Foi
doado pela Imobiliária e Construtora Aricanduva S/A, com intermediação
do prefeito de São Paulo na época, Sr. Armando de Arruda Pereira.

Pelo São Paulo assinou o Sr. Cícero Pompeu de Toledo, que hoje da nome ao estádio tricolor.

Pelo acordo o São Paulo se compromete a utilizar 3/4 do terreno para a construção do Morumbi.

O problema vem a seguir.

No restante do terreno teriam que ser construidos: [ nota 1 do 3VV: aparentemente está escrito errado lá no blog do rapaz; construÍdos tem acento ]

1- Parque Infantil que deveria ser mantido pelo São Paulo, com entrada franca para as crianças.

2- Estacionamento em uma área de 25.000 m² do terreno doado.

O São Paulo nunca cumpriu essa parte do acordo.

Por esse motivo o Morumbi Cidadania dará entrada no Ministério Público para cobrar explicações a respeito do ocorrido.

O intuito é o de exigir que o Tricolor, 56 anos depois,cumpra o que foi prometido no termo de doação.

A briga promete esquentar.

Confira abaixo o teor do histórico documento.

————–

[
nota do 3VV: documento em jpg está como imagem no post; para baixar
clique com o botão direito do mouse sobre a imagem e depois clique em
SALVAR ]

[ nota 3 do
3VV: abaixo a carta aberta que o Morumbi Cidadania publicou endereçadas
aos Ministérios Públicos da Habitação e do Meio Ambiente ]

————————

Carta Aberta para os Ministérios Públicos do Meio Ambiente e Habitação

A
comunidade do bairro anseia que os inquéritos em andamento no MP,
modifiquem o conceito e conseqüentemente a postura dos órgãos públicos
que indevidamente privilegiam e garantem a impunidade do SPFC; é
necessário que a justiça prevaleça custe o que custar.

O
truque de desviar a atenção com as velhas histórias, como se fosse
importante quem chegou primeiro no bairro como se esse fato desse algum
direito de não cumprir as leis vigentes, que o clube trouxe progresso
para a região e que invariavelmente a entidade está sempre dentro da
lei, nunca sendo responsabilizada por suas ações e transgressões contra
a cidadania, parece não funcionar mais como pretexto para justificar as
graves irregularidades cometidas.

O
trabalho do MORUMBI CIDADANIA no MP caracteriza-se basicamente por
apresentar e comprovar os devidos fatos nos inquéritos instaurados para
averiguar a referida entidade e para estabelecer um novo paradigma nas
questões que envolvem o interesse publico e da sociedade civil. A
questão importante é ter um olhar que contempla e resgata o perfil da
ética e lisura e o ajuste no funcionamento e atividades no SPFC.

Não basta se ajustar, agora tem que resgatar.

O
SPFC está irregular, e a prova cabal que fundamenta essa
irregularidade, está no documento abaixo publicado, onde estão
explícitos deveres e obrigações que a entidade esportiva deveria ter
cumprido quando lhe foi outorgada a doação da área em questão.

A
Escritura Pública de Doação, 4º Tabelião de Notas, Livro 632, Fls. 50,
consta que recebida a doação o outorgado São Paulo Futebol Clube
“utilizará três quartas partes da

área
para a construção de um estádio e a parte restante será destinada a
construção de parque infantil, mantida exclusivamente pelo outorgado
donatário, franqueado a todo público infantil sem qualquer distinção e
destinar um espaço de 25.000 m2, que servirá como parque de
estacionamento”.

Essa área de 25.000 m2 para estacionamento não pode ser confundida com a parte asfaltada da Praça Roberto Gomes Pedrosa.

Podemos concluir a partir desses fatos que:

O
SPFC, tendo obtido por doação a área em questão, aceitou e acordou seus
expressos termos. Sem entrar no mérito e razões que originaram tal
agraciamento, o fato relevante é que jamais cumpriu o estabelecido, e a
conseqüência ao longo das décadas foi a degradação do entorno que se
estendeu a uma considerável parte do bairro. Vale ressaltar que a
comunidade desde aquela época foi ignorada.

As
glórias conquistadas dentro do âmbito esportivo não justificam e não
eximem qualquer responsabilidade dos fatos, o fanatismo dos torcedores
manipulados por dirigentes não pode contrapor a clareza dos fatos
apresentados.

O
que os cidadãos esperam é que o MP implemente, de forma inequívoca, a
lei, a defesa, o resguardo e o resgate do bem público quando este é
desrespeitado.

Os
dirigentes do SPFC aproveitam o destaque da Copa 2014 para colocarem
sua versão inverídica dos fatos, é notório o lobby tricolor instalado
nos diversos setores da sociedade civil.

São
inúmeros os envolvidos no processo que danifica a sociedade civil e
principalmente a comunidade da região. A começar pelos órgãos públicos
omissos, desde as esferas estaduais, passando pela municipal, setores
responsáveis pela fiscalização desses dois setores parecem garantir a
impunidade, faz sentido a existência, diante dos fatos, do lobby
tricolor referido.

O
projeto arquitetônico para a Copa 2014, de autoria do arquiteto Ruy
Ohtake, apresentado pelo SPFC na mídia, necessariamente terá que
contemplar a comunidade através de compensações que resgatem os danos
cometidos. É ainda possível corrigir o foco pontual do empreendimento
que pretende apenas vantagens patrimoniais.

Agradecemos
a persistência dos promotores Dr. Ismael Lutti e Dra. Daniela Priante
Bellini, dedicados na condução dos autos do MP, e confiamos que assim
continuem.

Agradecemos as novas adesões que contribuíram de forma valiosa com a atuação do MORUMBI CIDADANIA.