Categorias
Arenas

O processo para o Gramado Artificial

Da Série Arenas Esportivas
Recomendações e Exigências Técnicas FIFA

Por Claudio Baptista Jr.
Reprodução permitida mediante explícita divulgação do autor do texto,
o site da FIFA e o blog Terceira Via Verdão e seu link.

Amigos,

Continuamos com a 4ª parte do documento que fala sobre Áreas de Jogo e terminaremos a seção que fala sobre gramado artificial.

Segue abaixo o conteúdo da parte que fala sobre as Áreas de Jogo e em negrito o posicionamento dos temas da publicação de hoje perante o conteúdo total:

1- Decisões preliminares.
2 – Segurança.
3 – Orientação e estacionamentos.
4 – Áreas de jogo.

4.1 – Dimensões recomendadas.
4.2 – Qualidade do campo de jogo.
4.3 – Campos de jogo em grama natural.
4.4 – Campos de jogo em grama artificial.
4.5 – Bancos de reservas.
4.6 – Painéis publicitários entorno do campo de jogo.
4.7 – Acesso à área de jogo.
4.8 – Exclusão dos espectadores da área de jogo.

5 – Autoridades e jogadores.
6 – Espectadores.
7 – Hospitalidade.
8 – Mídias.
9 – Iluminação e alimentação elétrica.
10 – Telecomunicações e espaços complementares.

– Propostas para Fornecimento.

Projetos Públicos.
Os
trabalhos devem ser confiados exclusivamente a empresas especializadas
na construção de pisos (gramados) esportivos. Caso nenhuma empresa
deste tipo estiver disponível é conveniente solicitar a uma empresa de
engenharia local capaz de executar construções subterrâneas e sendo de
preferência uma empreiteira local que subcontratará os fornecedores de
gramados artificiais. É importante que somente uma parte seja
responsável pela garantia da estrutura de base e do gramado artificial.

Projetos “Gol” da FIFA.
Esses
projetos são submetidos a critérios do Conceito de Qualidade da FIFA
para gramado artificial ou do certificado referente ao Padrão
Internacional de Grama Artificial. O fornecedor de grama artificial
portador desta licença endossa a responsabilidade da empreiteira. Para
a estrutura de base, este fornecedor trabalha conjuntamente com a
empreiteira local que executa os trabalhos conforme suas instruções
prestando sua assistência visando a qualidade da instalação, a qual ele
como detentor do certificado também possui responsabilidade. Estes
projetos são financiados pela FIFA.

– Instalação.

Como
o material necessário para o gramado artificial é volumoso, é
conveniente assegurar a existência de uma via de acesso ao local de
instalação bem como espaço para estocagem. A colocação está
condicionada a meteorologia e deve seguir um cronograma adaptado ao
clima local. É necessário um tempo seco, temperatura nem muito alta nem
muito baixa e baixa umidade.

As interrupções nas obras de
instalação devem, se possível, serem evitadas. O gramado artificial
deve ser instalado por pessoas qualificadas. Os responsáveis pela
construção controlarão se os materiais selecionados para a estrutura de
base e o gramado artificial estão conformes às especificações e se
foram instalados por especialistas.

– Equipamento.

A
marcação pode ser integrada no gramado artificial ou feita no gramado
no próprio local de instalação, porém devem obedecer as Leis do Jogo
(largura máxima de 12cm para as linhas) e devem sempre estar em
conformidade com o tamanho regulamentar (105m x 68m).

O
equipamento esportivo deve estar conforme a todos os regulamentos e
diretrizes de segurança, o que vale para os gols, as bandeiras de
canto, os bancos de reserva e dos árbitros. O fornecedor do gramado
artificial deve igualmente fornecer máquinas e equipamentos para a
manutenção deste.

– Certificação.

Para receber uma partida de futebol internacional, a superfície de jogo em grama artificial deve ser certificada
conforme as Leis do Jogo que englobam as exigências do Conceito de
Qualidade da FIFA para gramado artificial. A certificação de um gramado
artificial necessita de uma série prévia de testes rigorosos em
laboratório e no gramado após sua instalação final.

Já que
estamos vendo que a FIFA tem uma atenção especial e detalhada para o
assunto, aquele gramado artificial que o Palmeiras jogou no Peru
recentemente pela Copa Sulamericana deveria ser certificado pela FIFA,
mas ficou estranha aos nossos olhos a bola pingando tanto.

Testes em laboratório.
A
composição dos produtos que constituem um gramado artificial deve ser
determinada em testes de laboratório. São testadas sua durabilidade,
sua solidez, sua resistência ao clima, sua interação entre jogador e
bola. Caso a superfície passe em todos os testes com sucesso, a
primeira etapa do processo de certificação estará alcançada.

Testes em campo.
Em
uma segunda fase, os testes são realizados no local de instalação, dois
a três meses antes da instalação do gramado. Em um primeiro tempo, um
equipamento de controle do gramado mede o comportamento da bola sobre a
superfície. Então é testada a reação da superfície em função das ações
dos jogadores. Esta segunda etapa é concluída através de diversos
testes de construção.

Vejam no fluxograma ao lado a seqüência dos testes até a obtenção da certificação FIFA de uma ou duas estrelas.

Tradução
da figura de cima para baixo: fabricante, produto, teste em
laboratório, produto testado co sucesso, instalação do campo, teste em
campo, campo estado com sucesso.

O certificado FIFA não pode ser
utilizado para outro gramado a não ser aquele instalado e testado. Isso
se explica justamente pelo fato que a estrutura de base possui um
impacto importante sobre a qualidade do campo de jogo.

Logo que
o campo de grama artificial obtenha sua certificação, este poderá
receber partidas internacionais durante 3 anos (gramados FIFA uma
estrela) ou 1 ano (gramado FIFA duas estrelas).

Manutenção.
A
manutenção correta do gramado artificial e a condição fundamental a fim
de manter sua boa performance pelo maior período possível garantindo a
rentabilidade do gramado em sua vida útil. Diferentemente do gramado
natural, porém não menos essencial. Um gramado artificial sem
manutenção adequada terá sua vida útil nitidamente mais curta e uma
qualidade seriamente degradada. A bola será mais rápida e rolará de uma
maneira desordenada. Os jogadores serão atrapalhados pela
irregularidade e frustrados por não controlar uma bola de trajetória
imprevisível.

No momento da instalação, o fabricante do gramado
artificial deve fornecer informações sobre o produto para permitir a
formação daqueles que cuidarão da manutenção do gramado, e ao
proprietário saber quais equipamentos são necessários para este serviço.

– Campos em grama artificial e segurança.

A
segurança é um item de cuidados em relação aos gramados artificiais. Um
grande número de materiais faz parte da sua composição e alguns deles
podem ser inflamados em condições extremas. Podem ocorrer casos em que
são lançados fósforos, cigarros ao gramado ou outros produtos que
atinjam até 2.000°C, uma temperatura suficiente para inflamar materiais
sintéticos e danificar o gramado. Estes objetos podem ser apagados
facilmente com água ou areia sendo recomendável a orientação ao pessoal
de manutenção para apagar rapidamente qualquer objeto inflamado lançado
sobre o campo a fim de minimizar os danos.

Nada mal, hein?
Realmente a FIFA em seu documento não economiza letras para falar sobre
gramados artificiais. E se ela o faz assim, mesmo que sejamos avessos a
este tipo de alteração, é muito importante levarmos esse assunto em
consideração e ficarmos atentos para os caminhos que a entidade maior
do futebol quer nos levar.

Na próxima semana continuamos com a 4ª parte do documento.

Abraço,
Claudio Baptista Jr.