Categorias
Arenas

Série Arenas Esportivas: Áreas de Jogo – Qualidade do campo de jogo e grama natural

Da Série Arenas Esportivas
Recomendações e Exigências Técnicas FIFA
Por Claudio Baptista Jr.

Amigos,

Hoje daremos continuidade à 4ª parte do documento que fala sobre Áreas de Jogo.

Uma
atenção especial é dedicada ao campo de jogo que deve ser perfeito.
Vocês verão esta semana e na próxima os cuidados que a FIFA tem para a
instalação do campo de jogo tanto de grama natural como artificial.
Esta última, por incrível que pareça está presente no documento da FIFA
de maneira tão especial e atenciosa como a grama natural, porém sobre
este último só falaremos na próxima semana.

Segue abaixo o conteúdo da parte que fala sobre as Áreas de Jogo e em negrito o posicionamento dos temas da publicação de hoje perante o conteúdo total:

1- Decisões preliminares.
2 – Segurança.
3 – Orientação e estacionamentos.
4 – Áreas de jogo.

4.1 – Dimensões recomendadas.
4.2 – Qualidade do campo de jogo.
4.3 – Campos de jogo em grama natural.
4.4 – Campos de jogo em grama artificial.
4.5 – Bancos de reservas.
4.6 – Painéis publicitários entorno do campo de jogo.
4.7 – Acesso à área de jogo.
4.8 – Exclusão dos espectadores da área de jogo.

5 – Autoridades e jogadores.
6 – Espectadores.
7 – Hospitalidade.
8 – Mídias.
9 – Iluminação e alimentação elétrica.
10 – Telecomunicações e espaços complementares.

4.2 – Qualidade do campo de jogo.

O
campo de jogo deve ser perfeitamente liso e plano e revestido com grama
natural ou artificial em perfeito estado. A grama natural necessita de
um sistema de irrigação eficaz para o tempo seco. Nas regiões frias, o
campo de jogo deve ser equipado com um sistema de aquecimento
subterrâneo para evitar seu congelamento durante invernos rigorosos.

Um
bom campo de jogo se caracteriza em primeiro lugar por uma drenagem
adequada subterrânea e na superfície que permitam o escoamento da água
em tempos extremamente úmidos. O objetivo natural é de preservar a
qualidade das partidas e prevenir a frustração dos espectadores que
poderá ocasionar um impacto negativo nas receitas.

Aqui devemos
prestar muita atenção, pois este mesmo ano já tivemos experiências
desagradáveis com partidas no Palestra em condições péssimas com o
gramado encharcado. Como já mencionamos anteriormente, a utilização do gramado em grandes eventos deve ser muito bem acordada junto a WTorre, pois além de ocasionar danos ao gramado, também gera uma compactação do solo prejudicando a drenagem natural.

Sabemos
que hoje existem métodos de manutenção para gramado que visam
justamente para evitar esse prejuízo a drenagem, porém nunca é demais
tomarmos todos os cuidados, afinal, não queremos ter uma partida decisiva na Arena sendo realizada em condições prejudiciais ao nosso futebol.

A
superfície do campo de jogo deve ser plana e regular para permitir a
movimentação dos jogadores sem o medo e riscos de queda ou lesões. A
grama deve ser uniforme, corretamente enraizada, de crescimento
vigoroso e não deve conter zonas que possam acumular água.

A
construção do campo de jogo deve ser imperativamente confiada a
especialistas locais que tenham bons conhecimentos sobre as condições
climáticas da região, das características do solo e sua compatibilidade
com a grama selecionada. A preparação da base necessita um planejamento
cuidadoso e a seleção de camadas aptas para suportar as raízes deve ser
bem implantada.

Um terreno corretamente instalado e um gramado
composto de um sistema de irrigação moderno e um sistema de drenagem
adequada são garantias de uma boa qualidade da superfície de jogo.

Para
manter-se o gramado em bom estado são necessários um plano de
manutenção adaptado e numerosos recursos em termos de pessoal
qualificado, máquinas, fertilizantes e material de teste.

Perigos e obstáculos.
O
campo de jogo e a via de serviço devem estar desobstruídos. Todo
material que possa servir de obstáculo podendo constituir-se em perigo
aos jogadores ou outras pessoas devem ser retirados.

É
conveniente assegurar que os jogadores disponham de espaços suficientes
nos quatro cantos do campo de jogo para as batidas de escanteio sem
serem atrapalhados em seu posicionamento.

Não devem ser
utilizados cotovelos metálicos (aquela parte metálica atrás do ângulo
da trave) para a suspensão das redes e sim de acordo com o método
mencionado na figura que foi demonstrada no item 4.1 (semana passada).
Caso sejam utilizadas garras para fixação das redes no solo, estas não
podem em nenhum caso ficar expostas.

4.3 – Campos de jogo em grama natural.

Desenvolvimento.
O
futebol tem uma longa tradição em grama natural que se modifica em
função das estações climáticas e impõe por vezes vários contratempos.
As condições climáticas estão longe se serem uniformes de um canto ao
outro do planeta. Certo que em alguns lugares a grama encontra
condições durante todo o ano, porém em outros, ela está submetida ao
impacto das estações. A grama natural tem a necessidade de iluminação,
de substâncias fertilizantes e necessitam de manutenção em todos os
instantes. Nos estádios em particular, o plantio das superfícies de
jogo permite a instalação de gramados rapidamente. Em contrapartida ao
tempo de instalação rápido, temos os contratempos inerentes a este
procedimento.

Neste trecho temos alguns comentários. Retomando
algo que falamos no início das publicações, a grama natural não é
apenas tradição, é preferência para jogadores e a tradição fica por
conta dos torcedores. Neste sentido e visto que a grama natural
necessita de manutenção constante, voltamos a repetir que existe a
necessidade de um acordo, se possível em protocolos de entendimento
junto a WTorre a fim de estabelecer o equilíbrio na utilização do
gramado para grandes eventos e sua preservação para sua atividade
principal que são os jogos. Também, mesmo a FIFA considerando que os
gramados em estádios podem ser instalados rapidamente, temos até visto
a substituição completa de gramado recentemente como nas vésperas da
Copa do Mundo de 2006 e na Eurocopa de 2008, sabemos que em alguns
casos esse procedimento oferece um gramado ausente de sua total
qualidade e capacidade. Presenciamos também essa rápida instalação em
um amistoso jogado pelo Brasil nos Estados Unidos onde um gramado
natural foi sobreposto sobre um gramado artificial e que gerou críticas
dos utilizadores, os jogadores.

Atenção,
queremos uma Arena que ofereça além do conforto, serviços e segurança
aos espectadores, uma condição exemplar para a prática do futebol que
passa imperativamente por um ótimo gramado.

A arquitetura
dos estádios modernos não é muito convidativa a grama natural, que
necessita de iluminação e ventilação seno que sua utilização a coloca
em face de duras provas.

A grama para práticas esportivas é hoje
cultivada em grande escala e entregue sob forma de rolos e pedaços
regulares que são transplantados e deve ser compatível com o substrato
/ base havendo a necessidade de controlar seu crescimento. Esta sujeita
a doenças, desgaste e necessita de períodos de regeneração quando é
importante o trabalho por parte de pessoas qualificadas.

Know-how.
A
grama natural é um desafio para arquitetos e construtores dos estádios
e requer um know-how (savoir faire / saber fazer) de especialistas em
grama para práticas esportivas. O planejamento deve ser adaptado às
condições locais.

Erros e planejamento e execução ocasionam frequentemente um mau crescimento da grama.

  • Sistemas

É
conveniente analisar as substâncias nutritivas disponíveis na terra a
fim de determinar em qual medida elas devem ser utilizadas ou
acrescentadas.

Caso seja verificada que esta base não esta em
condições adequadas, uma amostra deverá ser selecionada e retirada para
inserção dos nutrientes necessários e recolocada. A composição desta
parte de teste dependerá da situação geográfica, da resistência ao
cisalhamento e da permeabilidade. Essa base melhorada contento as
substancias nutritivas necessárias receberá em seguida a grama a ser
plantada, que deverá ser local ou então daquele tipo de instalação
rápida.

A grama de instalação rápida é cultivada de maneira
extensiva e transportada até o campo por caminhão e instalada através
de máquinas adequadas. Ela deve conter o mesmo substrato que a base e
ser colocada no momento adequado e irrigada para enraizar e crescer,
daí a importância de um sistema de irrigação automático ou manual
adequados.

A utilização de gramas de diferentes densidades é
correntemente utilizada hoje em dia, permitindo sua colocação em
serviço de forma mais rápida e garantindo uma grama verde desde o
início. Uma outra opção é uma combinação da grama natural com longas
fibras sintéticas que servirão principalmente para tornar o gramado
mais robusto (resistência ao cisalhamento).

  • Planejamento.

Estrutura de base:
Além
do valor nutritivo do solo, é conveniente estudar a solidez e sua
estabilidade. O solo existente deve ser tratado com muito cuidado
levando-se em conta as condições meteorológicas. As fundações das
instalações esportivas devem ser instaladas em primeiro lugar.

Drenagem:
As
condições locais devem ser levadas em consideração no dimensionamento
da drenagem que consiste em um sistema de drenos colocados dentro de
furos do gramado e recobertos com cascalhos permeáveis. Os tubos deste
material são inseridos dentro dos furos e colocados em um nível mais
baixo em relação ao gramado.

Bordas / Fronteiras do gramado:
Nas
bordas do gramado são utilizadas pedras ou calhas de dreno, em
particular se uma pista de atletismo adjacente deva ser drenada. A
transição entre o gramado e a pista de atletismo deve ser plana.

Sementes:
A escolha de sementes e plantas depende em grande parte da situação geográfica.

Irrigação:
Em
regra geral, os estádios são equipados de um sistema de irrigação
automática sendo que esta pode ser reduzida em ambientes com condições
climáticas favoráveis (ex: regiões com maiores índices pluviométricos).
Os injetores devem ser instalados no exterior da área de jogo.

  • Propostas para Fornecimento.

Projetos:
A
experiência mostra que a margem de erro é significativa nesta área.
Também é muito importante confiar este trabalho somente a empresas
qualificadas e com currículo. Também é importante em função do
conhecimento do solo, plantas e clima da região que empresas com estas
qualificações sejam locais.

Execução / Instalação.
A
meteorologia e as estações são fatores essenciais sendo imperativo
levá-los em conta a fim de evitarem-se danos diretos e indiretos aos
gramado. A colocação de um gramado deve ser feita após os grandes
trabalhos ou após a camada de base e não deve ser interrompida. Os
sistemas de irrigação e drenagem devem ser instalados e testados. Os tubos ou injetores não são autorizados na superfície de jogo.

Os
trabalhos que necessitam de máquinas adaptadas devem estar disponíveis
e devem cobrir em outros o controle das camadas do gramado (densidade,
calibragem) e os testes imediatos (permeabilidade, planicidade).

Equipamento.
A
marcação do gramado deve ser efetuada com a ajuda de produtos adaptados
sendo conveniente a instalação dos gols, bandeiras de canto, bancos de
reserva e dos árbitros (superfície técnica) somente no final e
controlar suas dimensões. Os equipamentos são caros e devem ser
colocadas na lista de equipamentos necessários as manutenções. Os
grandes trabalhos podem ser confiados a empresas especializadas.

Certificação.
Neste
contexto são controladas as dimensões do gramado, a espessura das
fibras da grama, a uniformidade e sua planicidade. As fundações são
inspecionadas durante o processo de construção (drenagem e solidez).

Manutenção.
A
manutenção tem incidência direta sobre a qualidade do gramado natural e
depende do grau de utilização e do estado do gramado se bem que somente
indicações gerais são colocadas aqui. Este trabalho necessita de um
grande know-how e ser confiada a empresas especializadas e qualificadas.

Pessoal,
esta semana o texto foi longo, porém necessário para não quebrarmos a
publicação de um mesmo item. Na próxima semana continuamos com a 4ª
parte do documento.

Abraço,
Claudio Baptista Jr.