Categorias
Notícias

O caso Simon e como agir nesse cenário?

Por Emerson Prebianchi
 
O
tema é recorrente, o assunto parece não se esgotar, e novamente vamos
reafirmar o perigo de se interferir na decisão da arbitragem quando
decide algo sobre um lance de jogo por ela acompanhado.
 
A última
semana foi um grande exemplo a ser analisado pelos clubes, comissão de
arbitragem e PRINCIPALMENTE PELO STJD e seus imparciais procuradores.
Muito
se falou do alegado prejuízo sofrido pelo Flamengo em jogo contra o
Cruzeiro, onde não lhe teria sido anotada uma penalidade máxima.
 
Os
órgãos de imprensa deram seu veredicto de que o árbitro Carlos Eugenio
Simon não assinalou uma penalidade clara supostamente sofrida por Diego
Tardelli e a diretoria do clube agiu rápido requerendo a suspensão do
árbitro no que foram prontamente atendidos pelo digno presidente da
comissão de arbitragem Sr. Sergio Correa que ainda afirmou:

“O
papel da Comissão de Arbitragem da CBF é, entre tantas atribuições,
acompanhar atentamente o desempenho dos árbitros nos jogos do
Campeonato Brasileiro das Séries A, B e C para tomar as medidas que se
fizerem necessárias ao bom andamento da competição….

Depois de
rever exaustivamente a imagem do lance reclamado como pênalti pelos
jogadores do Flamengo, a Comissão de Arbitragem considerou-o como
realmente faltoso, caracterizando a marcação do pênalti, e por isso
resolveu deixar o referido árbitro fora do sorteio da 37ª rodada da
Série A…

A punição não impede, contudo, de deixar registrado o
grande respeito que todos na Comissão têm pelo juiz Carlos Eugênio
Simon, cuja competência e seriedade sempre foram objeto de elogios
públicos e merecido reconhecimento, posição essa que não é de agora,
mas amplamente divulgada pela imprensa durante o episódio do seu
afastamento do sorteio da Série A.”

O que se
viu depois disso foi a divulgação de um novo ângulo de filmagem que
demonstrou estar a arbitragem que acompanhava o lance de perto correta
em não assinalar falta que comprovadamente não existiu de modo que o
julgamento da imprensa foi equivocado e a comissão de arbitragem
ansiosa por agradar imprensa e Flamengo errou ao utilizar a imagem para
sobrepor uma decisão presencial do arbitro.

E muitos devem
perguntar, por que esse assunto interessa ao Palmeiras? Simples, porque
tivemos atletas suspensos pelo STJD através de análise de vídeo, que
muito bem poderiam estar dando uma falsa visão do lance.

Esse
assunto já foi tratado por aqui: é inadmissível que o STJD mude
decisões de decisões tomadas pela arbitragem quando elas tiveram visão
e conhecimento dentro de campo. O STJD deve restringir sua atuação,
quando se trata de utilização e imagem de televisão, para apurar
possíveis agressões fora do campo de visão dos árbitros da partida.

Que
se crie no Palmeiras uma comissão permanente de análise das partidas
para fazer valer nossos direitos nos poderes constituídos – CBF, STJD e
Comissão de Arbitragem.

***

Prá não perder o embalo: O
Goiás perdeu o mando de campo duas vezes. A primeira quando o Serra
Dourada foi interditado; e agora, não podendo jogar em Itumbiara, irá
jogar em Brasília, que salvo qualquer mudança geográfica, nem em Goiás
fica. E conhecendo Brasília como eu conheço tem mais torcedor da região
sudeste do que de Goiás. Que vergonha!

Saudações Alviverdes!