Categorias
Notícias

O anti-exemplo de gestão e planejamento no futebol

DA SÉRIE PLANEJO, LOGO EXISTO 
Por Vicente Criscio

O último post desta série ocorreu há mais de um mês. Então vamos retomá-lo de forma light, sem muito conceito e com um pouco mais de prática. E vamos colocar um pouco de tempero político, aproveitando dois protagonistas dessas eleições palmeirenses.

Os fatos e nomes abaixo são reais. Vamos mostrar aqui três casos que são anti-exemplos do planejamento no futebol.

CASO 1: UM TIME DE FUTEBOL NÃO SE PLANEJA, UM TIME DE FUTEBOL ACONTECE!

O ano era 2004. Um grupo de palmeirenses inconformados com a forma como o Palmeiras era gerido, decidiu atuar de maneira independente. Sem estar associado ao Muda Palmeiras esses palmeirenses buscaram conversar com diversos potenciais candidatos à Presidência do Palmeiras – que iria ocorrer no início de 2005.

Vários foram contatados e abriram sua agenda para conversar com esses “jovens” palmeirenses (veja bem, “jovem” para esse grupo é quem está na faixa de 40 anos). Uma dessas conversas foi com o ex-Presidente Carlos Facchina Nunes. O Dr. Carlos Facchina é sobrinho do ex-Presidente, Delfino Facchina.

A conversa de quase 4 horas serviu para apresentarmos nossas idéias e propostas. Nos colocávamos como independentes, não éramos da outrora situação (o Presidente era Mustafá Contursi) e nem estávamos falando pela oposição (na época a mais ativa era o Muda Palmeiras).

Um dos temas que insistíamos na época era sobre o planejamento. O que criticávamos é que víamos outros times brasileiros estavam se estruturando e profissionalizando sua gestão enquanto que o Palmeiras continuava com gestores indicados e sem profissionais nas áreas.

Além disso criticávamos a ausência de um planejamento no futebol. Foi aí que, para nossa perplexidade, ouvimos do nosso interlocutor uma das frases que representava bem o pensamento da gestão da SE Palmeiras daquela época:

“Um time de futebol não se planeja, um time de futebol acontece”.

—-

CASO 2: VAMOS COLOCAR O FILHO DE UM CONSELHEIRO?

No início de 2005 Affonso Della Monica assumiu a Presidência do Palmeiras e colocou Roberto Frizzo como Diretor Administrativo.

Eu conhecia Frizzo das conversas que fizemos em 2004, quando procuramos os potencias candidatos para discutirmos projetos.

Junto com Afonso Campos Pinto, Wilson Gonçalves e Roberto Azzi Barbosa, agendamos com o Diretor Frizzo uma reunião. Levamos para ele um projeto de montagem de uma Gerência de Planejamento.

A idéia era a seguinte: como a SE Palmeiras não tinha uma Diretoria de Planejamento, propusemos que uma área desse tipo fosse criada na Diretoria Administrativa. Nós quatro nos disponibilizamos para contratar dois recém formados em administração – sugerimos pessoas da FGV – e nós montaríamos o projeto de longo prazo para o Palmeiras. Naturalmente que nós trabalharíamos em horários alternativos, e não cobraríamos um centavo pelo trabalho. Entretanto era imperativo que a área tivesse um Gerente profissional. Nós também nos disponibilizamos a ajudar a contratar esse Gerente.

Apresentamos as idéias em um documento em word, simples, direto, com alguma idéia de orçamento necessário.

O Diretor ouviu, aparentemente se interessou mas para nosso espanto, depois da apresentação, falou mais ou menos o seguinte: “Olha, é complicado colocar um Gerente assim. E se a gente nomeasse o filho de um Conselheiro?”.

Depois dessa Afonso e Barbosa disseram chega. Eu ainda tive mais um momento de insanidade. Foi o caso abaixo.



CASO 3: NÃO PRECISA DE MARKETING, O MELHOR MARKETING É O TIME GANHAR

O ano era 2005. O Palmeiras contratava o técnico Emerson Leão. No clube encontro o Diretor Administrativo doi Presidente Affonso Della Monica – em seu primeiro ano de mandato – Roberto Vicente Frizzo.

Eu e Wilson Gonçalves, outro palmeirense de lutas antigas e atualmente conselheiro, conversamos com Frizzo. Queríamos discutir um projeto de marketing. A idéia era a seguinte: Emerson Leão tinha uma relação antiga com o Palmeiras e sua torcida. Tinha sido ídolo, sua família é de palmeirenses, e naquele momento as contratações da Diretoria de Futebol resgatava um pouco a auto-estima do torcedor. Logo, queriamos usar a imagem do técnico para desenvolver ações de marketing. Pensamos na camiseta do técnico, e numa camisa de goleiro listrada que relembrava o estilo de Leão jogando no gol palmeirense.

Com isso pensávamos também em trazer novos torcedores.

A conversa foi nas alamedas do Palestra, com o então Diretor apressando em sair daquela roda. No final ouvimos uma frase que foi um balde de água fria em qualquer pretensão nossa: “o time tem que ganhar; se ganhar o resto é consequência”.

Foi a última vez que levamos algum projeto ao Diretor.

Claro que é inevitável a conotação política desse post, pois Carlos Facchina (junto com Mustafá Contursi) faz campanha pedindo votos aos conselheiros para o hoje candidato a Presidente Roberto Frizzo.

Peço desculpas pela aparente forçação de barra, mas de fato ela não é. Há uma forte lição ligada ao tema PLANEJAMENTO por detrás dos três “causos”.

AS TRÊS FALÁCIAS DA GESTÃO TRADICIONAL DO FUTEBOL

Os gestores tradicionais do futebol se acostumaram com a “obra do acaso”. E com isso criaram três falácias:

  • Se o time ganha, tudo dá certo. Não precisa de marketing;
  • Planejamento no futebol prá quê? Impossível organizar uma agenda de ações para se montar um time de futebol. O time acontece;
  • Impossível profissionalizar o futebol; a estrutura política do clube não permite. Vamos nomear o filho de um conselheiro.

Essas idéias morreram. No futebol atual, vendo os casos brasileiros que deram certo – por exemplo Internacional de Porto Alegre, para não citar outros – em todos eles o Marketing é forte (o Cruzeiro, tem mais de 30 profissionais só nessa área), existe uma estrutura profissional de gerentes, analistas e assessores, e o futebol é planejado, através da definição de metas e de ações para atingí-las.

Quem não compactua com essas idéias não pode atuar no futebol.

Saudações Alviverdes!

19 respostas em “O anti-exemplo de gestão e planejamento no futebol”

Pessoal, Qualquer mudança leva tempo e precisa de um primeiro passo. até aí nenhuma novidade…o primeiro passo será a vitória do Beluzzo (Deus é pai!)….depois teremos dois anos para gerar as mudanças…..portanto quem não é sócio faça como o Vinícius (comentário 17) torne-se sócio e vamos promover a renovação dos conselhos do Palmeiras.

Vinicius, também acho lamentável. A desculpa sempre foi a falta de verba. Agora estão prometendo um memorial digno do Palmeiras no novo estádio. Vamos ver. Abs,

Vicente, não é possível que o campeão do século não tenha um memorial !
Enquanto isso os bambis vendem camisa do pernalonga e faturam uma nota!
Voce acha mesmo que com o Belluzzo a coisa vai mudar??
Eu me tornei socio nessa semana, quero ajudar de alguma forma

Marcus, eu acho possível. Sempre de qualquer lado. Mas como a vantagem é do Belluzzo, pode ser que haja uma correria pro lado de cá do muro na reta final. Abs,

O que acha da afirmação do Painel da Folha que teremos recorde em traições, conselheiros que fecharam com um lado votando no outro? Abs

Belluzzo ganha hoje, no minimo com 16 votos de vantagem (eu disse NO MINIMO). Como disse o Vicente, qualquer dor de barriga altera o quadro. fiquem tranquilos que dor de barriga dá mais em velhinhos vitalicios, e esses estão com Frizzo. Abraços a todos. Marcos

Tem gente que tem que viver em ditaduras e em sociedades personalistas, onde a meritocracia não tem vez! Olhe o comportamento dos dirigentes contatados. Eles não querem saber nem de ajuda gratuita! Isso não existe!
Lembrando que esse mesmo Frizzo já disse na TV: ‘o Palmeiras está lá, na turiassu. Os investidores é que tem que ir até ele’. entendem o nivel da coisa? Abraços, Marcos

Marcus, infelizmente sim, existe essa chance. Mesmo a margem mais otimista (20 votos) ainda é pequena. Qualquer dor de barriga em alguns conselheiros pode reverter esse quadro. Vamos aguardar. Abs,

E Cassio… fico com a segunda opção – “ou tem outros interesses que não o sucesso do Palmeiras”

PQ so pode ser isso… depois da Eleicao de Belluzzo e os VICES… tem q reformar essa estrutura de conselho…

PRA MIM… eleicoes diretas JA!!!
tirando o poder desses conselheiros ai

Diante do exposto por vc Vicente,não entendo como alguém ainda pode votar na oposição.
De duas uma, ou tem uma dificuldade enorme em perceber o óbvio, ou tem outros interesses que não o sucesso do Palmeiras como clube social e de futebol.
Eu não acredito que existam pessoas ingênuas no conselho do Palmeiras.
Mesmo com a possível vitória do Prof.Beluzzo,é preocupante que seja por uma margem apertada.Saber que existem tantos conselheiros “ingênuos”assim,só dificultaram a administração do professor.

Acho que se acontecer,(e não vai acontecer, San Genaro não vai permitir)de o professor não vencer,a torcida do Palmeiras tem que tomar uma atitude mais radical.E não falo em nada de violência,falo em boicote,para tornar o futebol desinteressante para a turma que pensa como o Mustafá.

O Palmeiras é de 15 milhões de torcedores e não um instrumento de vaidade e interesse pessoal de meia dúzia.

Abraços

Não vejo a hora de chegar segunda a noite e saber que o Frizzo perdeu as eleições! Tira uma foto da cara de bunda do cidadão e posta aqui Vicente! Hoje me bate um desespero por ele ter chances de vencer , mas terça vou estar rindo dele e de toda a sua corja.

Vicente, esse tipo de coisa nos envergonha. Lembro que vc comentou coisas do tipo na entrevista que nos deu, e essa semana li no jornal os dois lados… o Belluzzo propondo a profissionalizaçao da estrutura administrativa do clube, e o Frizzo dizendo que prefere uma estrutura “mais tradicional” para gerir o futebol, inclusive com ele próprio exercendo a função de comandante do futebol nos primeiros 6 meses para por ordem na casa.

Como diriam em campanha política por aí: “Eu tenho medo”.

Abraços a todos!

Po**, Vicente. Esses casos foram duros de digirir depois da leitura. Eu que “planejo” me especializar em Gestão ou MKT Esportivo me dá até um certo desânimo. Em saber que esse pensamento arcaico ainda existe em alguns clubes e, pior ainda, no Palmeiras. Como pode existir pessoas com esse tipo de pensamento dentro do clube. O Futebol mudou faz muito tempo. Não tem como negar. É de se revoltar! Já não basta cair pra Segunda Divisão, ver o envelhecimento da torcida e tantas outros fatores. E isso não acontece ao Palmeiras. Que Deus nos ajude amanhã. Pois, vamos presenciar um divisor de águas no quesito “gestão” do futebol do Palmeiras, Brasileiro e Sul-Americano. Abraços

Alvaro, acho que umas 11 da noite. Claudio, exatamente isso. João, vamos torcer. O que tinha que ser feito, já foi feito. Abs,

João, o duro não é apenas a possibilidade de vitória de uma pessoa com este tipo de (falta de) visão. O duro é vê-los perderem e mesmo assim notar pela votação que o conselho do Palmeiras ainda é formado por um número expressivo de gente que compartilha com esse método de gestão.
Ficaremos muito felizes com a vitória do Belluzzo e ao mesmo tempo estarrecidos ao ver os números dos que pensam como o Frizzo.
Aliás, este tem um filho que está aí, já teve seu nome estampado em reportagem na revista do Palmeiras enquando era um dos responsáveis pelo editorial da mesma.
E temos também o filho do Della Mônica candidato ao COF nestas eleições tendo seu pai ligando para os conselheiros e fazendo campanha.
Isso é o Palmeiras e suas “famiglias” que não largam o osso.
Claudio Baptista Jr.

E duro Vicente saber que este tipo de dirigente pode sair vitorioso amanhã. Tomara que não, estamos na torcida! O ano começa a partir de amanhã para a SEP, tomara que com Belluzzo na presidência!

Os comentários estão desativados.