Categorias
Direto da Fonte

Nota de repúdio á Jovem Pan

http://www.palmeiras.com.br/noticias/exibir_noticia.asp?
Cod=2025&Categoria=Futebol&Sub=Profissional

 Resposta ao jornalista Vanderlei Nogueira

Vanderlei Nogueira, jornalista da rádio Jovem Pan, leu e não entendeu
o que leu (confira aqui nota oficial do Palmeiras sobre o factóide da
emissora). Seu argumento é que o repórter Fred Jr. ouviu quatro
fontes (não há como saber) antes de colocar a notícia no ar.

Ora, ou o jornalista é ingênuo ou age de má-fé. O que ficou bem claro
na nota é que A JOVEM PAN NÃO OUVIU O PRESIDENTE LUIZ GONZAGA
BELLUZZO antes de publicar o factóide sobre a contratação de Paulo
Serdan, presidente de honra da Mancha Alviverde, para as categorias
de base do clube.  Se tivesse feito teria, além de obedecer as boas
normas do jornalismo, evitado um novo atrito com a Sociedade
Esportiva Palmeiras. Ou será que é isso mesmo que os profissionais da
Jovem Pan querem, insistentemente? Para piorar, tenta passar ao
ouvinte que o presidente Belluzzo pode ter voltado atrás na nomeação
após o fato ter sido divulgado na rádio. Quer dizer, ele insiste no
factóide.

A Jovem Pan pode consultar 500 fontes. Se não ouvir aquele ou aquela
que nomeiam na matéria, de nada adianta ouvir os tais personagens.
Entre essas fontes estariam, segundo o jornalista informou no jornal
de Esportes da emissora, na tarde desta quinta-feira (12), dois
diretores da atual gestão (citando diretores da atual gestão, o
jornalista tenta jogar o presidente contra todos de sua diretoria…
É de uma ingenuidade ímpar. Evidente que desconfiamos da informação,
até por que sabemos bem -todos no clube sabem- quais são as fontes da
rádio Jovem Pan, e nenhum diretor da atual gestão faz parte delas).

O jornalista ainda recorda o tal contrato da Fiat, quando a emissora
divulgou em primeira mão números diferentes daqueles que saíram na
mídia (e o fato é citado como exemplo de bom jornalismo…).

Cabe esclarecer ao leitor palmeirense — já que a rádio Jovem Pan só
deu a notícia pela metade — que o contrato era modular. Isso quer
dizer o seguinte: se todas as ações previstas fossem cumpridas, o
valor passaria do dobro. Todo contrato prevê prêmios por conquistas,
e o da Fiat não fugia à regra, além de outras parcerias que poderiam
ser fechadas com o clube.

Mas o que causa estranheza é o fato de o jornalista lembrar com pompa
do contrato da Fiat, mas ter “esquecido” de citar os dois editoriais
feitos em fevereiro de 2008, quando a rádio Jovem Pan acusou o então
diretor de planejamento do Palmeiras, Luiz Gonzaga Belluzzo, de
escrever em um blog que queria a emissora fora do clube. Na verdade,
o post, em um blog de torcida, foi colocado por um leitor que tem o
mesmo nome do presidente do Palmeiras, Luiz Gonzaga. Ou seja, ocorreu
um dos maiores exemplos de “barriga” do jornalismo brasileiro em
todos os tempos, fato este que, vergonhosamente, a rádio teima em não
corrigir.

Ansiosa por dar notícias ruins do Palmeiras, imediatamente colocou os
editoriais no ar. E claro, não checou de novo o que leu. Acreditou no
que seu repórter informou à redação da rádio. Tivesse feito o básico
do bom manual de jornalismo, CHECAR SEMPRE ANTES DE DIVULGAR UM FATO,
não teria passado por mais essa vergonha.

O ouvinte já sabe que o Palmeiras é o clube eleito pela emissora para
fazer fofocas e intrigas. Nenhum outro clube (enfatizamos: nenhum)
tem tantas notícias negativas e maldosas publicadas com tamanha
frequência. O ouvinte palmeirense também já se deu conta que o
noticiário de outros clubes tem uma cobertura bem diferenciada. Isso
é fato (como repete o bordão da emissora), não factóide.

Sociedade Esportiva Palmeiras

2 respostas em “Nota de repúdio á Jovem Pan”

Só pode ser o desepero em busca de audiência. Aliás, essa é uma de minhas dúvidas: a postura adotada por esse veículo (aliás, a Lusinha das rádios) contra o Palestra seria por eles entenderem que esse caminho de criar factóides e ataques é o fácil para obter mais ouvintes? Será que eles acreditam que “atacar” o Verdão é mais fácil do que os outros? Afinal o clube não costumava responder à altura. Além disso, eles não podem “brigar” com as “Leonores”, por ser o time da moda e, quem sabe, deixar de ganhar mimos (ingressos de shows???). Em relação às “Ronaldetes”, ninguém critica mesmo (é uma puxação de saco que não tem tamanho. Quando criticam, é no esquema do morde-e-assopra). Essa emissora é a Rede TV! das rádios. Só não colocam mulher pelada para aumentar o “ibope” por que não dá para mostrar! Mas se desse, eu assistiria… hehehe

Chega de Notas de Repúdio, a Diretoria tem que soltar a seguinte resolução:
-Estão proibidas entrevistas a JP. Tanto as exclusivas como jogadores e comissão técnica estão proibidos de responderem a perguntas feitas por jornalistas da JP em meio a coletivas.
-Mesa Redonda da Gazeta, todos proibidos de ir, devido a presença do sujo Flavio Prado e do outrora bom Wanderley Nogueira.
-Infelizmente não podemos impedir a entrada dos “jornalistas” da JP em nosso estádio em dias de jogos, mas a viatura da JP não entra no Palestra. Vai parar o carro no West Plaza. E a cabine de rádio da JP deve ser deslocada pro pior lugar possível do estádio.

É uma pena, cresci ouvindo essa rádio, época de José Silvério, Orlando Duarte, Cândido Garcia e um Milton Neves ainda jornalista…Hoje a lusinha das rádios merece ser tratada como esgoto.

Os comentários estão desativados.