Categorias
Futebol com Números

Os direitos de TV da Liga Inglesa – 2

Por Luís Fernando Tredinnick
Divulgação autorizada mediante explícita citação do autor e do blog Terceira Via Verdão

 

Para aqueles que, como eu, ainda não engoliram a história de que os direitos de transmissão do campeonato brasileiro valem apenas 12,5% dos direitos do campeonato inglês, vale à penas explorarmos um pouco mais a fundo o modelo.

 

CUSTO POR PARTIDA

 

No campeonato brasileiro, assim como no inglês, temos um total de 380 partidas por temporada. 

 

No caso brasileiro, sabemos que praticamente todos os jogos são transmitidos, seja na TV aberta, seja na TV a cabo (SporTV) ou seja no sistema pay-per-view.  Como a Globo paga R$ 410 milhões por ano, quer dizer que o custo da Globo para cada partida, apenas em termos de direitos de TV, é de R$ 1,08 milhão por partida. 

 

Não se engane imaginando que esse um milhão por partida é muito dinheiro.  Em 2008 tivemos já a marca de 550 mil assinaturas de pay-per-view vendidas, o que representaria uma receita (depois dos impostos) de mais de R$ 200 milhões.  Lógico que essa receita tem também os campeonatos estaduais, mas dá uma idéia de quanto deve ser a receita total, não?

 

Fazendo a mesma conta para a Premier League, temos um custo de R$ 8,6 milhões por partida.  A pegadinha é que a comunicação oficial diz que a BSkyB e a Stenta compraram os direitos de transmissão de 138 jogos por temporada!  Isso significa que os direitos de transmissão dessas empresas são de R$ 23,7 milhões por jogo.  Ou seja, 22 vezes maior do que no Brasil.

 

COMO A CONTA FECHA?

 

Bom, duas explicações possíveis, já que não conheço ninguém que tenha familiaridade com as estruturas de custos e receitas das TVs inglesas.

 

A primeira explicação: os anunciantes ingleses que pagam para MUITO mais do que os anunciantes brasileiros, ou seja de OITO a VINTE vezes mais.  Adicionalmente a maior parte dos jogos é transmitido no sistema de pay-per-view e a maioria dos ingleses assina o pay-per-view para ver esses jogos.

 

A segunda explicação: as TVs inglesas perdem dinheiro com o campeonato inglês. As TV teriam o futebol com maneira de “atrair” o público para os demais programas da emissora.  Para aqueles que gostavam de assistir o seriado americano “Friends”: nos últimos anos da série, cada um dos atores ganhava mais de US$ 1 milhão por episódio!  E a emissora de TV admitiu que tinha prejuízo em cada um dos episódios, mas que era a melhor forma de atrair o público.

 

O QUE DEVE DE FATO OCORRER?

 

Particularmente, acho que a primeira explicação é a mais provável. O pode aquisitivo dos ingleses é muito maior do que o dos brasileiros, eles pagam o pay-per-view e as empresas pagam muito mais para anunciar na Premier League.

 

Ou seja, mais um daqueles casos em que “não dá para competir”! Ou alguém aí tem outra explicação?

 

 

Saudações AlviVerdes

 

*Luís Fernando Tredinnick escreve todas as sextas-feiras no 3VV, explicando a quem
conhece e também a quem não conhece os números no futebol.

8 respostas em “Os direitos de TV da Liga Inglesa – 2”

Olha acho que a Globo é uma mafia muito grande que tem que ser investigada de perto principalmente neste caso que a Record queria comprar o Brasileirão e não deixaram de olhos neles esta. Odeio a Globo. Uma emissora que tenta manipular todos esta é a verdadeira emissora de gamba.

Luis Fernando,

Esse é um caso muito legal. E acho que é do tipo “quem veio primeiro, o ovo ou a galinha”. Explico: os clubes ingleses ganham muito com a TV, porque o campeonato é valorizado. E o campeonato é valorizado pois os clubes investem pesado. E eles investem porque tem dinheiro…. da TV (e merchandising, etc)

Ou seja, não dá pra comparar um Verdão x São Caetano com um Chelsea x Arsenal, ou sei lá

Mas que o monopólio da globo (apesar de lucrativo pros clubes) precisa acabar, isso sim precisa. Enquanto uma emissora de TV mandar na programação do campeonato (horário de partidas, locais de jogo, etc), isso não vai dar certo…

Abraços

Chegar no patamar ingles, será impossivel, mas cosnguir uma cota maior de direito de transmissão ja foi prposto, mas como globo e cbf sao casadas não deu graça para Record. Mas antigamente a record queria pagar 1 bilhão pelo brasileiro e a cbf rejeitou!

Abs,

Tredinnick, Talarico & Cia….

É o ciclo (ou círculo) vicioso. Mas acredito que os valores pagos no Brasil estão corretos.

É a grande lei da OFERTA e PROCURA.

O Campeonato Brasileiro começará. Aposto com quem quiser que a audiência DIMINUIRÁ NOVAMENTE. Nos últimos 4 anos a audiência caiu bastante e mesmo assim o valor das cotas de patrocínio cobrada pela Globo aumentou muito.

Claro que novas fontes de receita como no caso da Record são muito bem vindas. Mas o nosso lugar no futebol mundial é de coadjuvante mesmo. O restante do mundo não se importa com o Brasileirão.

E outra coisa ruim: Como queremos melhorar os valores se os patrocinadores NÃO SÃO respeitados no Brasil. Reparem. Ex: Entrevista coletiva de técnico ou jogador. O câmera focaliza o rosto do entrevistado e ignora todo o resto. O banner atrás com os patrocinadores é descartado.

Como queremos melhorar? É difícil!

A questão de valores está relacionado aos valores gastos, tudo é proporcional.
Lá pagasse muito para ter jogadores, por salários e etc, por isso os contratos que fecham são mais altos também.
O que eu realmente acho que falta não só no Brasil, mas também na Libertadores, é a questão do marketing… explorar o produto, infelizmente isso é muito fraco por aqui… pois sinceramente, o campeonato inglês é feio de se ver e conseguem além de valores enormes, uma audiencia mundial. Eu particularmente só assisto ao Manchester ou o Liverpool, pois os demais não consigo, ainda prefiro o Italiano e o Espanhol, embora essas ligas tenham diminuido suas ações de marketing.

O Talarico tem razão, Luis. O “ciclo” que ele menciona é vicioso. Os clubes aqui são pobres e têm um poder de barganha ridículo. Além do que, existe uma relação refém-sequestrador entre todos e a Rede Globo. Ainda relembro o caso da Record que queria pagar um caminhão a mais e perdeu os direitos de transmissão. Não sei quando essa ditadura vai acabar. Mas sei que para isso pelo menos duas coisas devem desaparecer: Ricardo Teixeira e sede da CBF no RJ.

Luís,

eu acho q os patrocinadores pagam barato… pq os clubes pedem pouco.. entao a emissora pede pouco para os patrocinadores…

e ficamos nesse ciclo..

apartir do momento que os clubes pedirem mais dinheiro e mais participacao em PPV direitos de internet e direitos de trasnmissao internacional…

AI sim… a globo vai pedir mais para os patrocinadores e assim os tais patrocinadores pagaram mais…

Nos valores, acho que nem temos mesmo como competir com os ingleses. Mas bem que poderíamos melhorar a qualidade da transmissão. Só “tira-teima” não melhora o produto…

Os comentários estão desativados.