Categorias
Direto da Fonte

Pierre descansa se recuperando fisicamente

Passada a euforia pela classificação às quartas-de-final da Copa
Libertadores, o Palmeiras já se prepara para dois compromissos
importantes no Campeonato Brasileiro: Internacional, no Beira Rio, e
São Paulo, no estádio Palestra Itália, ambos nos próximos dois
domingos.

“São dois adversários de respeito e candidatos ao título. Se formos
bem, podemos largar na frente, ainda mais em se tratando de início
de competição. Não temos jogos no meio de semana e isso pode ser um
fator positivo”, afirmou o jogador, admitindo que pretende estar
presente em todos os jogos.

“A comissão técnica vai avaliar quem está melhor, mas eu quero jogar
sempre. Depois do São Paulo, temos a partida contra o Nacional-URU.
Mas teremos tempo para nos preparar. O grupo está legal para
aguentar essa carga de jogos com alta intensidade.”

Pierre acredita a confiança que o Palmeiras conquistou com as
vitórias na Copa Libertadores pode dar um impulso ao grupo neste
domingo, diante do Internacional.

“Foram resultados sofridos, incluindo até mesmo o jogo contra o
Coritiba. O grupo cresceu com a adversidade e ficou mais maduro,
mais consciente. De repente, isso pode pesar ao nosso favor”, disse.
Mesmo assim, o camisa 5 sabe que a tarefa de vencer o Inter no Beira
Rio não é fácil. “Para vencer lá em Porto Alegre, é preciso um algo
a mais. Temos que jogar essa partida como uma decisão.”

Pierre considera o Internacional um dos melhores times do Brasil. “É
uma base que foi mantida, isso é importante num campeonato longo
como o Brasileiro. Além disso, o Inter se dá ao luxo de ter um
elenco grande e de qualidade. Independente de quem jogar, eles
sempre continuarão fortes”, apontou, quando perguntado sobre as
possibilidades do time gaúcho poupar alguns titulares.

O sexto a cobrar… – assim como o zagueiro Marcão, Pierre contou
detalhes da classificação palmeirense sobre o Sport e revelou que
seria o sexto atleta a participar das cobranças.

“Eu viria logo depois do Cleiton Xavier, caso precisasse. É claro
que bateu um frio na barriga (risos)”, disse.

O ídolo palmeirense só admitiu que ficou com medo quando o
colombiano Pablo Armeto foi para a cobrança. “Depois ele
confidenciou que foi o primeiro pênalti que ele bateu na carreira. A
hora que ele falou isso, agradeci a Deus…”, brincou.