Categorias
Resenha dos Jogos

Análise da Arbitragem: Palmeiras 3×1 Cruzeiro

Por Danilo Cersosimo 


Num jogo bom e gostoso de se ver o Palmeiras venceu o Cruzeiro por 3×1, de virada e vimos mais uma arbitragem polêmica – que desta vez nos beneficiou.


O árbitro Leandro Vuaden famoso por deixar o jogo correr e não assinalar falta por qualquer esbarrão viu falta de Marcão em Wellington Paulista, que originou o gol dos Cruzeirenses. Eu não teria marcado falta.


Mas a maior polêmica viria alguns minutos depois, com o gol de empate de Marcão. Seu auxiliar Altemir Haussman, validou lance em que a bola bateu na linha e saiu – eu, na hora, não tive dúvidas de que a bola batera na linha, apesar da rapidez do lance.


No entanto, muitos comentaristas de rádio e televisão hesitaram sobre o lance e precisaram revê-lo em câmera lenta no replay. Na transmissão do Sportv por exemplo foi possível ouvir frases do tipo: “parece que a bola bate dentro do gol e sai” ou “precisaremos de mais imagens” ou ainda “é um lance para ser analisado” ou melhor ainda “na imagem mais aberta ficou pra mim que tinha entrado”.


Tais frases refletem a dificuldade do lance, muito rápido e difícil para o auxiliar. No entanto, não deixa de ser um erro crasso, que traz novamente a questão de se utilizar o recurso eletrônico para jogadas como essas.


***


Há ainda quem tenha visto pênalti sobre Diego Souza no lance do gol de empate – eu sinceramente não vi nada de anormal, como também nada marcaria no alegado pênalty para o Cruzeiro em lance com Wendell.


***


Por fim, o gol que selou o 3×1 nasceu também de uma jogada polêmica, cuja interpretação do árbitro foi correta – lembrando que o auxiliar assinala impedimento do Keirrison, embora a bola tenha sido lançada para Wendell. Lance difícil, até porque o K9 correu em direção a bola no primeiro momento, mas o árbitro seguiu a orientação da FIFA e deixou o lance correr.


***


Nunca é bom perder com erros do juiz. E sou da opinião de que também não é bom vencer com erros de arbitragem. Detesto a frase “vamos ganhar com gol de mão impedido aos 49 do 2º tempo”. Se por um lado é positivo notar que no Palestra Itália, em dúvida, a arbitragem tem voltado a errar a nosso favor – ao contrário dos últimos 10 anos pelo menos – por outro é triste ver o nível dos erros da arbitragem do futebol brasileiro como um todo.


Seja por despreparo, seja por pressão externa ou qualquer outra razão, o nível da arbitragem no Brasil preocupa, pois temos vivenciado erros fatais que tem mudado placares dos jogos.


***


O Brasil venceu o Egito por 4×3 nesta segunda-feira, com o lance capital do jogo sendo definido através do ponto eletrônico – não é salutar a utilização desse recurso para que se evitem injustiças?


O que seria um escanteio virou um pênalty [correto!] a favor do Brasil. É bem verdade que a FIFA não permite esse tipo de recurso e a atitude do árbitro infelizmente não é a regra, mas deveria.


***


Para o jogão desta quarta-feira contra o Nacional a arbitragem será equatoriana. Carlos Vera apita o jogo, tendo Juan Cedeño e Luis Alvarado como bandeirinhas. Não gostei. Teremos fortes emoções, pois trata-se de um árbitro com pouca experiência nesse tipo de jogo.


Apesar do trio de arbitragem, venceremos.


E na terça-feira, 16 de junho de 2009, comemoramos 10 anos de uma conquista inesquecível – Parabéns Felipão! Parabéns a todos os jogadores que fizeram parte dessa memorável honraria! Que o time de 2009 se espelhe nesse feito e busquem a imortalidade que só as grandes conquistas proporcionam!


 

8 respostas em “Análise da Arbitragem: Palmeiras 3×1 Cruzeiro”

Pensamento positivo Sergio vamos ganhar e não vamos nem perceber que o juiz esta em campo.

“Nunca é bom perder com erros do juiz. E sou da opinião de que também não é bom vencer com erros de arbitragem. Detesto a frase “vamos ganhar com gol de mão impedido aos 49 do 2º tempo”. Se por um lado é positivo notar que no Palestra Itália, em dúvida, a arbitragem tem voltado a errar a nosso favor – ao contrário dos últimos 10 anos pelo menos – por outro é triste ver o nível dos erros da arbitragem do futebol brasileiro como um todo.”
Danilo, achei perfeito o parágrafo acima. Eu acho chato demais ganhar roubado (chego a torcer para não sair gol em faltas marcadas equivocadamente, por exemplo), porém sempre existiram erros de arbitragem e continuarão existindo. Quando esses erros ocorrem em proporção justa (exemplo do Palmeiras, na minha opinião 2 vezes prejudicado – Coritiba e Bambis – e 2 vezes favorecido – Vitória e Cruzeiro), acaba sendo normal. ANORMAL É UM TIME GANHAR 3 CAMPEONATOS SEGUIDOS COM UMA PROPORÇÃO DE AJUDA X PREJUÍZO DE NO MÍNIMO 5 PARA 1… QUE TIME É ESSE HEIM???

A conquista nossa já foi a 10 anos então temos que correr atras de outra conquista e desta vez tem que ser este ano, vamos mais uma vez levantar esta taça

Eu acho que no 3º gol é que os mineiros foram mais prejudicados. No 1º gol o lance foi muito rápido não dá pra condenar o bandeira, é logico que se fosse contra nós estaríamos putos da vida. Mas, concordo com o Danilo, na dúvida aqui no Palestra, a arbitragem tem nos favorecido, ao contrário do que vinha acontecendo nos anos. Exceção foi o pênalti não marcado no DS-7 contra as bibas.

No 3º gol a indecisão entre a marcação do bandeira e a continuidade do lance assinalada pelo árbitro bagunçou a defesa do cruzeiro, que parou momentaneamente, Wendel e K-9 muito espertos continuaram no lance e tiveram a missão facilitada por isso.

pra mim a bola passou uns 90%.. mas num lance rapido desses q o bandeirinha tem q decidir numa fração de segundos eu acho q ele ACERTOU em ter dado gol..

agente tem visto sempre q em lances duvidosos sao a favor do ataque… so com o verdao nao era assim

Eu já achei que a maior falha da arbitragem foi não ter marcado o pênalti do Wendel no Bernardo, pois, no lance do nosso 1o. gol, se não dessem o gol para o Marcão, fatalmente o K9 marcaria. No 3o. gol, os caras deles nem reclamaram tanto, já que sabiam que o árbitro estava correto.
E já passou da hora de usar o recurso eletrônico para lances polêmicos.

Os comentários estão desativados.