Categorias
Direto da Fonte

Palmeiras já foi Brasil contra o Uruguai

Crédito: Academia de História do Palestra-Palmeiras

Neste sábado (06), Brasil e Uruguai se enfrentam em Montevidéo, pelas Eliminatórias da Copa do Mundo. Esse é um bom momento para lembrar que, há 44 anos atrás, mais precisamente em 7 de setembro de 1965, o Palmeiras representou a Seleção Brasileira num amistoso contra a poderosa Celeste Olímpica do Uruguai, na inauguração do Estádio Magalhães Pinto, o Mineirão.

Pela primeira vez na história do futebol brasileiro, uma equipe de futebol foi convidada para compor toda a delegação do Brasil, do técnico ao massagista, do goleiro ao ponta-esquerda, incluindo os reservas, da então Academia do Palmeiras, treinada pelo saudoso Filpo Nuñes, único estrangeiro (era argentino de nascimento) a dirigir -mesmo que por uma única vez, o comando da seleção brasileira.

A partida foi organizada, na época, pela antiga CBD. E, numa época áurea em que existia o Santos de Pelé e o Botafogo de Garrincha, o Palmeiras foi escolhido por se tratar da melhor equipe do futebol brasileiro em atividade na ocasião.

Já o Uruguai acabava de obter a classificação para o Mundial de 66 de forma invicta e apresentava craques como Manicera (que depois desfilou sua técnica no Flamengo), Cincunegui (que faria história no Atlético-MG), além de Varela, Douksas, Esparrago…

Mas não teve jeito. Numa partida em que entrou para a história do futebol mundial, o Palmeiras goleou por 3 a 0, gols de Rinaldo, Tupãzinho e Germano, e cravava definitivamente uma das páginas mais gloriosas de sua vasta trajetória de títulos e conquistas.

“Foi algo mágico, imensurável na época e nos dias atuais. Foi o dia em que um clube de futebol representou toda uma nação. Não sei se vai existir uma homenagem desse tipo algum dia. É algo que até hoje sou lembrado. E que o Palmeiras vai carregar para o resto de sua vida”, afirmou Valdir Joaquim de Moraes, atual consultor técnico do Verdão e goleiro naquela ocasião.

O troféu, que estava em disputa na partida para o vencedor, ficou na sede da CBD (depois CBF) por exatos 23 anos. Em 1988, decidiu-se pelas partes que o Palmeiras deveria honrosamente ficar com a taça, hoje brilhantemente exposta na Sala de Troféus da Sociedade Esportiva Palmeiras.

“Até hoje fico pensando naquele jogo. Foi uma homenagem feita pela CBD ao nosso grande time, a Academia do Palmeiras. Os mais jovens precisam sempre saber disso e ter orgulho desse jogo. O Palmeiras um dia foi Brasil, e isso ninguém mais vai apagar”, destacou Ademir da Guia, camisa 10 na partida contra a Celeste.

Ficha Técnica BRASIL (PALMEIRAS) 3 x 0 URUGUAI

Brasil [Palmeiras]
Valdir de Moraes (Picasso); Djalma Santos, Djalma Dias e Ferrari;
Dudu (Zequinha) e Valdemar (Procópio); Julinho (Germano), Servílio,
Tupãzinho (Ademar Pantera), Ademir da Guia e Rinaldo (Dario).

Uruguai
Taibo (Fogni); Cincunegui (Brito), Manciera e Caetano; Nuñes (Lorda)
e Varela; Franco, Silva (Vingile), Salva, Dorksas e Espárrago
(Morales). Árbitro: Eunápio de Queiroz

Data: 07/09/65
Local: Estádio Magalhães Pinto, em Belo Horizonte (MG)
Público: aproximadamente 80.000 pagantes
Renda: Cr$ 49.163.125,00
Gols: Rinaldo, aos 27, e Tupãzinho, aos 35 minutos do primeiro
tempo. Germano, aos 29 da etapa final.

Fábio Finelli – Assessoria de Imprensa S.E.PALMEIRAS
Colaboração: Academia de História do Palestra-Palmeiras

6 respostas em “Palmeiras já foi Brasil contra o Uruguai”

LIndo lindo !!
Isso ninguem tira de nós !!
Somos gigantes não cabemos em um clube só!

Isto é um marco na nossa historia que ninguem pode mudar é um orgulho da nossa nação.

Meu pai me conta a história deste jogo desde que eu era criança e sempre via lágrimas em seus olhos enquanto ele me contava.

Também tive a felicidade de ouvir esse jogo pelo rádio. Esse time era fantástico, e 1965 foi um ano de ouro, inclusive pela forma como fomos campeões do Rio – São Paulo, com jogos também inesquecíveis.

Nas grandes conquistas sempre reverenciamos os craques, mas as fotos mostram um personagem que pode passar desapercebido pelos mais jovens, mas que poderia fazer enorme diferença na nossa atual diretoria de futebol: Ferruccio Sândoli.

Meninos eu não vi, mas ouvi pelo rádio. À época estas coisas tinham mais valor. Pela primeira vez ouvi a frase de Fiori Giglioti: “Hoje o Palmeiras é Brasil!”
Todas as adaptações que se seguiram foram corruptelas desse grandioso epíteto.

Mas existe outra grande coincidência entre Palmeiras e Uruguai: 1 ano após o Maracanazzo de 1950, coube ao Palmeiras lavar a alma do Futebol nacional e sagrar-se o 1º Campeão Mundial Interclubes em 1951, no mesmo Maracanã. Ninguém discutiu ou duvudou desse Título. Na ocasião serviu para elevar o orgulho do futebol nacional.
Deveriamos ter feito como o General Mac Arthur: Gravem e fotografem tudo. Amanhã aparecerão idiotas para dizer que nada disto aconteceu.
Boa Noite, seu Vicente, tudo bem?

Eu ia falar uma grosseria aqui, mas apenas lembro que: “Só pode falar de história quem tem história”. O resto é baboseira. Palmeiras é Palmeiras.

Os comentários estão desativados.