Categorias
Arenas

Série Arenas Esportivas – Iluminação (5/6 e 6/6)

Da Série Arenas Esportivas
Recomendações e Exigências Técnicas FIFA

POR CLAUDIO BAPTISTA JR

Pessoal,

Hoje iniciamos a 10ª e última parte do documento da FIFA falando sobre telecomunicações e espaços complementares.

Necessário dizer algo a mais?

A FIFA inicia esta última parte falando que em função da rapidez que evolui a tecnologia, os gestores e aqueles que projetam estádios devem tomar as medidas necessárias para que a instalação continue a responder às necessidades das telecomunicações durante vários anos.

Segue em negrito o posicionamento dos temas desta publicação perante o conteúdo total:

1 – Decisões preliminares.
2 – Segurança.
3 – Orientação e estacionamentos.
4 – Áreas de jogo.
5 – Autoridades e jogadores.
6 – Espectadores.
7 – Hospitalidade.
8 – Mídias.
9 – Iluminação e alimentaçã
o elétrica.

10 – Telecomunicações e espaços complementares.

10.1 – Condições necessárias em termos de telecomunicações.
10.2 – Concepção do programa.
10.3 – Sistemas de telecomunicações, aplicações e utilizações.
10.4 – Salas de telecomunicações.
10.5 – Concepção do projeto.
10.6 – Telefones.
10.7 – Espaços suplementares.
10.8 – Mastros.




10.1 – Condições necessárias em termos de telecomunicações

O aumento das necessidades no sentido de uma implementação confiável e a grande escala dos sistemas de comunicação eletrônica baseada em uma arquitetura aberta necessita de uma planificação imediata da infra-estrutura de base. Esta deve se dar ao mesmo tempo da concepção dos estudos da arquitetura do estádio.

A maior parte dos sistemas eletrônicos convergem no sentido de um protocolo de dados comum e aberto, conhecido como “protocolo Internet – IP“ que utiliza tipicamente a conectividade Ethernet para conectar os sistemas de rede, que é a tecnologia dominante de vários sistemas como telefonia, dados administrativos, transmissão de dados sem fio (Wi-Fi), sistemas de gestão de construção, de controle de acesso, vídeo segurança, televisão e outros sistemas eletrônicos de baixa tensão.

Os sistemas eletrônicos continuarão a evoluir utilizando o protocolo Internet tornando o planejamento mais necessário que nunca. Em função da convergência e interação (interface) dos sistemas, o planejamento imediato e a longo prazo são vitais para assegurar a longevidade dos sistemas. Os critérios devem ser desenvolvidos pelas normas de telecomunicação existentes que ajudam a antecipar as futuras tecnologias, como: IOS/IEC, ANSI/TIA/EIA, IEEE e BICSI

10.2 – Concepção do programa

A concepção do programa de tecnologia pode ajudar a identificar todos os sistemas de utilização e aplicação que a instalação terá necessidade. Deve-se expandir para determinar a interoperabilidade, a convergência e a alocação dos recursos de rede utilizados para fixar as responsabilidades de atender aos trabalhos e a instalação dos sistemas. Freqüentemente os proprietários das instalações fornecem e alocam um sistema de cabeamento unificado para todo o conjunto do estádio.

O programa deve ser desenvolvido em função dos critérios seguintes:

  • Sistemas e aplicações implementados;

  • Nível de convergência IP dos sistemas;
  • Assistência para os sistemas, utilizadores e aplicações;
  • Atribuições de serviço;
  • Confiabilidade e redundância do sistema;
  • Serviço ininterrupto e conectividade;
  • Futura expansão e potencial crescimento.

Os sistemas de telecomunicações comportam seis elementos de base que necessitam ser revisados e avaliados:

I – Infra-estrutura de base.
Salas de telecomunicações específicas, redes de cabeamento e proteção.

II – Sistemas de assistência.
Dispositivo de aterramento específico, aquecimento, ventilação e ar condicionado, eletricidade e iluminação.

III – Infra-estrutura de cabos.
Rede unificada de instalação e cabeamento horizontal.

IV – Sistema eletrônico.
Padrões telefônicos, comutador de dados, servidores e computadores.

V – Implementação.
Assistência, aplicação, alocação de recursos de rede e serviços.

VI – Administração.
Gestão, manutenção e atualizações.

Amigos, as publicações irão tirar breves férias. Ninguém é de ferro. Voltamos no dia 23/07.

Grande abraço,
Claudio Baptista Jr.

Claudio Baptista escreve todas as 5as feiras; o post acima e as imagens foram baseados  em documento
da FIFA que fala sobre recomendações e exigências  técnicas para arenas esportivas e adaptado para a
realidade do nosso  mercado; reprodução permitida mediante  explícita divulgação do autor  do post, do
site da FIFA e do blog www.3vv.com.br


3 respostas em “Série Arenas Esportivas – Iluminação (5/6 e 6/6)”

Cara, duvido q o panetone pode se adequar … DUVIDO …

Nossa ARENA claro, sera !!!

Valter, fico imaginando a briga homérica que não se daria dentro do SPFC com a venda de 40% do estádio. Ficaria muito surpreso se isso ocorresse.

Essas construtoras não têm interesse em gerir o estádio como a WTorre está fazendo com o Palmeiras, até porque dificilmente o Morumbi se tornaria uma Arena multiuso da qualidade da nossa. Os caras querem grana na mão.

Abraço.

Claudio boas férias!!!
A nossa Arena sera padrão Fifa, portanto, quando acompanho semanalmente seu post para inteirar-se antecipadamente de como será.
Vi agora pouco uma matéria que fala sobre o Morumbi onde a Odebrecht financiaria totalmente a reforma mas quer ficar com 40% do estadio delas.
O que não fazem para ter a abertura, estão totalmente desesperadas.
http://www.copa2014.org.br/noticias/574/SPFC+BUSCA+PARCEIROS+PARA+O+MORUMBI.html

Os comentários estão desativados.