Categorias
Meninos Eu Vi

Pizza Bicicleta

POR JOTA CHRISTIANINI

A turma do 3VV , exceto o Cunio, o Carmine e o
Oberdan, reuniu-se na Pizzaria S.Pedro, na Moóca,  e como esperado
 o assunto surgiu.

Quantas são pizzas e quantas são tortas neste cardápio
Imenso?

Sou liberal no assunto, eu diria um liberal de centro
esquerda, ortodoxo.

Aceito além das duas únicas pizzas que os mais fanáticos
aceitam, mais umas 3 ou 4.

A margherita, eu aceito alguns desvios: muzzarela, quatro
queijos, catupiri; enfim pizza de queijo vá lá. Pode!

Idem no alicci. Abrimos a guarda para presunto, pode ser com
ovos e cebola, atum, presunto de Parma, enfim como disse, sou um
liberal.

O resto é torta!! Eu gosto mas não chamem de pizza, por
favor.

São todas tortas do gênero: abobrinha com iogurte; salsicha
com agrião; ou então a delícia dos noviços descolados: pizza de banana com
sardinha. Ou ainda os que frequentam as chamadas pizzarias chiques onde
vendem saladas em cima de bolacha Maria com azeite.

Sim! Mas e o Palestra com tudo isso?

Voltemos no tempo, em 1942, véspera do jogo de nossa vida;
a Adega Castelões, atual Pizzaria Castelões, na Jairo de Goes, no
Braz – existe no mesmo lugar até hoje. Havia um time de futebol há mais de
80 anos cujos jogadores após as partidas reuniam-se nesta casa para fazer e comer
pizzas regada ao bom chianti.

Mas voltemos à Castelões. A Adega da época  resolveu
incrementar a partida decisiva do campeonato de 42.

Numa jogada de marketing – não usaram essa palavra
que nem existia – rebatizaram a pizza “mezza-a-mezza” de
“bicicleta”, homenageando Leônidas pelas bicicletas ofensivas e o
nosso Junqueira pelas bicicletas defensivas, que habitualmente praticavam (vejam
recorte da Gazeta noticiando o fato).

Vê-se pela matéria abaixo que não havia o que discutir de como
seria a pizza bicicleta. A ex  mezza-a-mezza era meia alicci, meia
queijo, e ponto final; até porque a Castelões só servia pizzas, não servia
tortas.

Nota da Redação: o troféu Campeoníssimo, que  a matéria
cita e seria disputado naquele jogo, esta lá no salão de troféus da
SOCIEDADE ESPORTIVA PALMEIRAS. Tem, contando com a base, mais de 3 metros
de altura, e foi ofertado pela Gazeta e por um time cujo nome esqueci. Estes
 eram “furbos”  na esperança  que ganhariam aquela
taça.

Pequeno engano deles: a taça está no Palestra Itália e eles
fugiram do campo.

Crédito: Luciano Pasqualini

12 respostas em “Pizza Bicicleta”

Opa Jota…. Sabe que vc me pos a pensar….Hum não pelo futebol e sim pela Pizza….
Não sei se vc já foi a Italia, mas creio que sim …. então pelo estilo da massa vou mais longe tudo aqui é torta … pois a massa é diferente o recheio (mesmo nas tradicionais ) é diferente…percebo que esse assunto daria um bom forum de discussão, Alias daria para discutir outras coisas…vc (como um ortodoxo) já sentiu vontade de bater em quem corta o macarrão? PUTZ que aflição que dá!
Deixe eu ficando por aqui ….
Um grande abraço

CHRISTIANINI – estas tais pizzas “inventadas” na São Pedro não existem, por sinal, não existe pizza melhor, isso se ficarmos na Muzzarela, Alixe, Calabreza e Portuguesa. Deus nos livre, se o Seo Rafael e o Cacau souberem que houve criticas a respeito.

Jota,

O Palmeiras em crise, e os palestrinos comendo pizza?!??!?!? Bonito, hein…..

Mudando se assunto. Ganhei uma camisa do Palmeiras, numero 4, dos anos 70. É da Adidas e tem as 3 listras no ombro, e foi usada em um jogo e o antigo dono MÔ-RREU. Não sei de que jogo é.

Eu gostaria de saber em quais campeonatos e ocasiões o Palmeiras jogou com esse uniforme. Até o momento, encontrei apenas um jogo de 77 (PalmeirasxBambis) onde ela foi usada pelo Vacaria. Mas eu creio que ela foi usada pelo grande Pedrinho, quando este subiu para o time principal (eu adoraria saber que a minha camisa foi do Pedrinho, e não do Vacaria, pô).

Abraços e obrigado

Meu pai dizia que pizza era de muzzarella e o resto era invenção de brasileiro. Como ele veio da terra da pizza, preferi nunca contrariá-lo.

Jota, quanto a minha ausência, já expliquei e agradeço por ter sido “ovacionado” aos brados na São Pedro, viu? Fico devendo esta a todos!

Abraç os!

Essa taça “Campeoníssimo” é maravilhosa, não só pelo seu porte como pelo modo que foi conquistada. De todos os tesouros da sala de troféus, é ao lado dessa que eu ainda terei uma foto ao lado, daquelas que merecem uma boa ampliação em uma bela moldura.

Qualquer dia eu vou escrever o causo em que o Jota teve que comer uma pizza (opa, ou seria torta) de abobrinha com muzzarela no Camelo de Higienópolis.

o Junqueira num derby, que estava empatado salvou o gol deles, no minuto finaol, ; ao dar um bicicleta em cima da nossa linha de gol.
ja foi causo publicado ha alguns meses…..JOTA

Eu sou radical quando o assunto é pizza. pizza pra mim são as duas tradicionais. o resto é qualquer coisa, menos pizza. e que me desculpem os amigos cariocas, mas colocar catchup na pizza deveria ser considerado crime.

Ótima a história. não sabia da existência da bicicleta defensiva do Junqueira. aliás, para ser sincero não me lembro de ter visto alguem dando uma bicicleta na defesa, até mesmo porque acredito que seja um lance bem mais difícil de se executar na defesa que no ataque pelo risco envolvido (em caso de erro o atacante ficaria sozinho enquanto o zagueiro estaria deitado na grama)

Eu vi a taça de campeoníssimo quando visitei a exposição do Julinho tirei fotos com meus filhos ao lado dela.

Tem a seguinte inscrição: “Instituido pelo S.Paulo F.C. Patrocinado pela “A Gazeta” – 1942 – SOC. ESP. PALMEIRAS. (Campeão Paulista de Futebol) Vencedora do “Campeoníssimo” em disputa direta com o S.C. Corinthians Paulista e S. Paulo F.C nos dois turnos do campeonato da F.P.F”.

Como a visita a sala de troféus não tinha acompanhamento achei estranho um troféu “instituído pelo SPFW” na nossa sala de troféus e justo no ano da arrancada heróica. Agora, graças ao Jota, conheci a história.

Sensacional, Jota…

Eu também sou meio talibã com pizzas…outro dia fui obrigado a comer uma de abobrinha, coisa mais sem graça…

Porém, às vezes me permito umas heresias, desde que incluam queijo na mistura…assim, descobri a pizza de “Gorgonzola com Abacaxi”, do Santa Pizza…

A casa não é uma pizzaria tradicional (estilo Braz, por exemplo), repleta de famílias e conversa alta…ao contrário, o ambiente é todo rústico, escuro (velas na mesa), charmoso e silencioso…ideal para levar aquela gata pra jantar (eu recomendo, não teve uma até hoje que não tenha feito algum comentário do tipo “adorei o lugar”)…

São 2 endereços em São Paulo, Moema e Vila Madalena (prefiram o da Vila Madalena, ambiente muito mais aconchegante)…

Apesar da maravilha de gorgonzola com abacaxi e do delicioso calzone, os sabores das pizzas são modernos demais, e a massa é bem fininha (diferente da pizza de verdade)…Mas, no geral, vale a visita com a gata…

Abraços a todos…

Jota.

A história da bicicleta é realmente deliciosa.

Mas as elocubrações filosóficas sobre a natureza da pizza ou da torta, essas são simplesmente imperdíveis…

Os comentários estão desativados.