Categorias
Notícias

“O Palestra continua no Palmeiras”

POR DANILO CERSOSIMO

A frase acima é de Enrico De Martino, que entre outras coisas era o 2º Vice-Presidente em 1942, ano em que o Palestra Itália passou a ser Palmeiras. 

No último sábado, 18 de Julho, o Palmeiras mostrou que De Martino estava certo quando proferiu frase tão profética. Me refiro à visita ao clube da Sra Etelvina Cervo, ou Lili, como prefere ser chamada, onde foi extremamente bem recebida pelo Cerimonial do clube, na pessoa da Sra Neive, pelo Sr Clemente Pereira e Sra., pelo Presidente Belluzzo, pelos integrantes do Departamento de História e Comunicação e por todos que lá estiveram de alguma maneira. Ela teve o respeito e a reverência que merece.

Conheci Dona Lili há 5 anos, fruto da incessante pesquisa que faço no intuito de localizar os descendentes e familiares dos fundadores e ex-jogadores do Palestra Itália.

Na época, eu não tinha certeza que o telefone que eu tinha era realmente de um familiar do Luigi Cervo. Arrisquei. Era um sábado a tarde e Dona Etelvina me atendeu. Perguntei por Dona Paulina (que aparentemente era a responsável pelo número que eu tinha) e ouvi:

“Tia Paulina faleceu há uma semana, quem está falando?”

Me identifiquei como um pesquisador especializado na História do Palmeiras, que estava ligando para a Sra. Paulina no intuito de encontrar os familiares de Luigi Cervo para uma entrevista. Dona Etelvina respondeu:

“Mas eu sou filha do Luigi Cervo, ele era meu pai”.

Desnecessário tentar explicar a emoção que tomou conta de mim naquele momento.

Dona Lili completou: “a Tia Paulina era irmã de papai, ela faleceu há uma semana, com 101 anos… estava lúcida coitada e sofreu uma queda em casa…”. Por muito pouco não conheci também a centenária irmã do fundador do Palestra, uma pena. Eu deveria ter ligado antes, fiquei 2 meses titubeando…

Posteriormente marquei de encontrar Dona Lili que recebeu a mim e ao colega Julio Ragazzi em sua casa, para uma pizza, é claro. Falamos muito sobre seu pai, sobre o Palestra e suas histórias e tantas outras coisas. Realmente me impressionei com a lucidez e a vitalidade de Donta Etelvina do alto de seus então 82 anos.

Permanecemos em contato todo esse tempo e hoje a tenho como uma amiga muito querida.

Em 2006 levamos Dona Etelvina para conhecer a sala de troféus do Palmerias e gravar uma entrevista numa tarde fria de segunda-feira. Ela não ia ao clube há quase 40 anos! Naquele dia fomos muito bem recebidos pelo então diretor administrativo Roberto Frizzo e pelo ex-Presidente Della Mônica. Foi uma visita rápida, apenas para gravarmos uma entrevista.

Há alguns dias Dona Lili nos pediu para assistir um jogo no Palestra, estava com saudades, dizia. O Presidente Belluzzo na hora em que soube fez questão que ela assistisse a partida em seu camarote.

Enfim, o sábado chegou e lá fomos nós. Foi emocionante vê-la abraçada ao retrato de seu pai que fica na sala de troféus. Foi ainda mais emocionante ver as lágrimas do Presidente Belluzzo e dos demais palestrinos. Foi lindo vê-la dar um depoimento sobre seu pai, sua relação de amor ao Palestra e ao Palmeiras. Perguntada sobre o que significam as palavras “Paixão” e “Palmeiras” ela respondeu: “significa um só sentimento. Eu não consigo definir o que sinto por este clube em palavras…”.

Ao final da partida, uma surpresa: os colegas da Assessoria de Imprensa levaram-na para conhecer seu ídolo, como ela mesma diz, “o nosso Santo protetor”. São Marcos mostrou que sabe o que é o Palestra e a recebeu com um carinho tremendo, digno de um ídolo de sua magnitude. Para todos que o admiram podem admirar ainda mais pois o que vi foi de emocionar.

Dona Lili ficou emocionada e extremamente feliz. Nos agradeceu inúmeras vezes. Nós é que agradecemos Dona Lili!

Foi muito bom ver o Palmeiras se encontrar com o Palestra novamente de maneira tão viva. Essa chama não pode nunca ser apagada.

29 respostas em ““O Palestra continua no Palmeiras””

Oi, cresci escutando que meu avô jogou no palestra Itália, gostaria se saber se isso é mesmo verdade. Ele se chamava Heitor Ragazzi , eu me chamo Heitor Ragazzi Neto,se me tirarem essa dúvida ,ficaria muito grato,obrigado

o Sbrighi (a Lapa não esquece os Sbrighis) tinha a carteira numero 1 de sócio/veterano do Palestra-Palmeiras.
O Vitor mostrou-a , realmente eram tempos do mal, mas agora pode ter certeza; a sala de trofeus acolhera aquela preciosidade…………….JOTA

Victor, muito legal! Aguardo seu contato!

Os tempos agora são outros – seu avô terá o reconhecimento que merece!

abraço!

bom dia
entrarei em contato via e-mail, a se lamentar apenas que meu avô não esta mais entre nós, da reprotagem feita em 1978, antes do jogo final contra o guarani, pode-se destacar, as frases:
– eu corria muito, jogava em qualquer posição, e junto com heitor fiz grandes jogadas (ele era atleta dos 100 metros rasos).
– não usavamos as roupas esquisitas de hoje ( ele estranha porque o antigo Palestra nas disputas dos campeonatos chegava nas cidades em inconfundíveis ternos, e elegantes chapéus.
em outro trecho:
– isso não importava eram italianos. E quando enfrentavam o santos suportavam heroicamente as agressões pessoais dos jogadores da aguerrida baixada santista. os palestrinos retrucavam com suas teorias, muitas vezes orientadas pelo Rei da Malicia, o apelido que Sbrighi da a seu velho mestre, Heitor Domingos Marcelino…
e por ai vai, acredito que minha tia tenha mais histórias que a minha mãe
Heitor dispensa comentátrios pra quem sabe da história do palestra/palmeiras, e quando meu avô não jogava ia caçar, o que é comentado na reportagem.
tenho as carteirinhas em cópias coloridas e aumentadas, conforme for podemos combinar, enquadra-las e coloca-las na sala de troféus ( se existir essa possibilidade). uma vez recusei isso, pois era época do mumu
lhe escreverei
abraços a todos

Pessoal, obrigado pelas palavras.

Gostaria de dividi-las com meus amigos Jota Christianini, Luciano Pasqualini, Fernando Galluppo, Julio Ragazzi e José Ezequiel, que são historiadores palestrinos de altíssimo nível e que muito fazem pela história desse clube.

Danilão, sou obrigado a fazer uma pausa nas minhas críticas contundentes, às vezes ácidas, mas sempre em benefício do Palmeiras, para RASGAR elogios a você e a esta reportagem. Foi realmente um marco para este site, o qual sou novato como colunista, mas que por estas e outras razões eu me orgulho tanto de fazer parte. Mesmo que humildemente, é uma honra incomensurável conhecer pessoas com este talento, perseverança e, acima de tudo, amor por este clube que tanto representa para nós, como homens, como pessoas, como esportistas. Parabéns, com todo louvor. Você merece. Um abraço do Cunio.

Sensacional!!! sem palavras, a história dos fundadores e todos que ajudaram o Palmeiras a ser o gigante que é deve ser sempre valorizada! Parabéns!

Sem palavras…

Prezado Victor Sbrighi Pimentel, obrigado pelas informações.

Venho trabalhando há 10 anos nessa pesquisa histórica sobre os descendentes dos jogadores e fundadores e realmente é um trabalho incessante. Porém, são tantos personagens e informações que não tenho como cobrir tudo, daí que sua mensagem foi muito oportuna.

Você poderia me escrever em pvt para conversarmos melhor?

Meu email: danilocersosimo@uol.com.br

Fico no aguardo!!! Valeu!!

Danilo

Baralho, fiquei comovido e olhos marejados……………………….,enfim noticias que não são críticas a Gestão Belluzzo……………………………Parabéns, Parabéns, Parabéns.

apenas acrescentando, minha tia tem uma foto do avô em que ele aparece ao lado do seu ford 1930 e no parachoque do mesmo se vê o simbolo do palestra.
no livro da federação paulista de futebol, o time do palmeiras que aparece na capa, aparece meu avô.
e lamentavelmente que assinou a carteirinha de numero 1 a época foi o mustafá como diretor administrativo

Sensacional !! Emocionante !! Aqui é PALESTRA/PALMEIRAS !! Isso é o Palmeiras !! Isso é ter história !! Viva a SEP !!!

Boas
no terceiro apragrafo do seu texto, você escreve:
da incessante pesquisa que faço no intuito de localizar os descendentes e familiares dos fundadores e ex-jogadores do Palestra Itália.
até onde sei, nem a minha mãe, nem a minha tia ( que jogou volei no palmeiras/ sel paulista, quando ainda se escrevia VOLIBOL) foram procuradas por você, uma vez que o pai delas, meu avô, jogou no Paletra Italia.
tenho comigo as carteirinhas de quando ele jogava à época, tanto a da federação de futebol quanto a do palestra, que acredito nem o palmeiras as tenha. também tenho carteirinha dele de veterano de futebol numero 1 dada a ele em 1978 e que o oberdan queria que fosse dada a ele, mas não foi, inclusive reportagem feita pelo jornal da tarde neste ano, sobre ele ser o sócio numero 1.
qualquer coisa é só me dar um toque, quem sabe bem tambem sobre a minha familia ( que é toda da Lapa) é o fernando galuppo, você deve conhece-lo.
abraços

Sem dúvidas é muito bom ver pessoas como você, Danilo, que se preocupam em mostrar a história de nosso time de coração!

Que esta demonstraçao de amor pelo Palmeiras não termine nunca!

PARABÉNS!!!!!

Emocionante! Não consigo dizer mais nada… Parabéns Danilo.

Parabéns Danilo.
Que bom que temos verdadeiros palmeirenses que nos mostram a nossa história verdadeira.
Uma história muito emocionante, mexeu comigo.
Abraço.

Linda história! Belíssima!
É por essas e por outras que eu amo este clube.
Vai Palmeiras!

Danilo,

É por essas e outras que eu tenho orgulho de ser Palmeirense. Quantas histórias emocionantes!

Acho que é isso mesmo, você nasce Palmeirense e o destino se encarrega de fazer você torcer para esse time maravilhoso. Acho que esse é o meu caso, uma vez que meu pai é estrangeiro e não gosta de futebol. Acho que o sangue italiano da família da minha mãe falou mais alto!

Saudações AlviVerdes

Emocionante! Parabéns pelo trabalho, Danilo! É ótimo saber que temos pessoas como você e o Jota trabalhando para preservar e divulgar nossa história.

Parabéns Danilo,

O Jota está fazendo escola……
Parabéns!

clap, clap, clap, de pé e batendo palmas.
parabéns, Danilo.
e parabéns ao Palmeiras e sua linda história.

Parabens Danilo…

isso e um time q tem historia… ja um certo vizinho…

abracos

cara, que coluna emocionante…até eu fiquei com o olho cheio de lágrimas lendo isso…

Meu Deus, que lindo! Emocionante! Lindo trabalho de vocês, lindo saber como nossa história é preservada tão bem! É realmente muito emocionante!

Sensacional Danilo! Parabéns pela busca e pela descoberta.

História emocionante. Aqui é Palestra, porra!

Os comentários estão desativados.