Categorias
Opinião

OPINIÃO DO CRISCIO: necessidade de quebrar paradigmas


POR VICENTE CRISCIO
COLABOROU JOSÉ LUIZ TORRES JUNIOR

Os jornais O Estado de São Paulo e o Lance! de hoje mostram uma rápida matéria sobre o Goiás (e seu crescimento no BR’09, além do excelente 8o lugar de 2008), sobre Hélio dos Anjos (competente treinador) e sobre as categorias de base do alviverde goiano. Comentava que as estrutura de base do Goiás é fortíssima, já trazendo resultados: cinco jogadores do time que venceu o Flamengo por 3×2 no meio da semana foram formados dentro da equipe.

Isso me fez lembrar de um excelente estudo (que por falha minha não foi publicado no 3VV) do grande palestrino José L. Torres Junior fazendo uma comparação sobre as contratações do Manchester United e do Palmeiras.

Dizia o estudo:

“Na gestão Alex Ferguson, mesmo passando por sérias turbulências nos 6 primeiros anos, sem vencer a Premier League, o Manchester contratou 88 jogadores no total. Isso, em 22 anos! E olhe que estou considerando algumas contratações para as categorias inferiores, senão o número seria ainda menor.”

Apenas a título de comparação: o Palmeiras contratou 47 jogadores em 2,5 anos. Pouco mais da metade que as contratações do Manchester num período quase 10 vezes maior.

Para facilitar a conta: o Palmeiras contratou 3 jogadores a cada 2 meses; o Manchester contratou 1 jogador a cada 3 meses (ou 3 a cada 9 meses para ficarmos nas mesmas bases de tempo).

E dizia mais:

“Grande parte disto deve-se ao incrível trabalho desenvolvido nas categorias de base da equipe, que conta com uma incrível rede de olheiros e parcerias espalhados pelo mundo, permitindo trazer jovens promessas a baixos custos ou até de graça, atraídos pela fantástica estrutura do clube, inclusive formando-os desde os 15, 16 anos para as necessidades da equipe.

No site do clube, ao observarmos o que eles chamam de “first team”, onde também estão inclusos alguns atletas que estavam no time B e outros emprestados, apenas 14 dos 46 jogadores não atuaram nas categorias de base do clube. E olha que alguns chegaram com idade para atuar por lá (sem nunca terem atuado em times profissionais), mas foram direto à equipe principal.”

Oitenta e oito jogadores contratados em 22 anos. Mas qual a diferença entre os ingleses e os clubes brasileiros (todos, sem exceção)?

A mentalidade dos gestores do Manchester é “semear para usufruir”. Ou seja, o clube “planta” um jogador nas suas categorias de base, esse jogador se desenvolve e ele depois vai para o “first team” jogar e ganhar títulos.

A mentalidade dos clubes brasileiros – no geral, e assim sem conhecer me atrevo a dizer que funciona da mesma forma no Goiás – é “plantar para vender”. Há uma curva usada no mercado da bola onde o jogador atinge o ápice da sua valorização ao 25 anos de idade, e a partir daí é hora de vendê-lo para maximizar o retorno (veja quadro ao lado).

O que significa essa diferença entre a postura do Manchester e a dos clubes brasileiros? simplesmente a distinção entre a mentalidade de um clube grande versus a mentalidade de um clube pequeno. Entre uma marca global e um “clube formador”, que quer ganhar dinheiro vendendo jogadores (a tal história de vender o Mickey Mouse ao invés de ganhar dinheiro com o entretenimento que a Disney proporciona).

Os defensores dessa tese (vender rápido, antes dos 25 anos) se baseiam na tese de que não dá prá competir e nem comparar com os clubes europeus. Argumentam: os direitos de tv da Inglaterra, Espanha, Itália e outros são muito maiores que os do Brasil; a Champions League paga muito mais do que a Conmebol/Libertadores; a renda per capita desses países é maior; e blá blá blá.

Verdade! E ao mesmo tempo uma grande desculpa esfarrapada para deitarem em berço esplêndido e enriquecerem empresários, investidores ao mesmo tempo que empobrecerem os clubes do futebol brasileiro.

E O PALMEIRAS?

Sem buscar desculpas, as categorias de base palmeirense estavam esfarrapadas pelo tsunami administrativo anterior à gestão Della Monica. E há 3 anos iniciou-se um processo de transformação dessa estrutura. Pode-se argumentar que três anos é muito ou pouco tempo para se mostrar resultados, e de fato o CT para a garotada está longe dos sonhos de qualquer palmeirense. Mas já avançamos muito.

Esse ano foi contratado o profissional Marcos Biasotto, que cuidava das categorias de base do Atlético PR e que está dando uma revitalizada administrativa em todos os processos (aquilo que eu chamo de soft). Enquanto isso, o “hard” (ou seja, a infra-estrutura) está nas mãos da Diretoria de Futebol e com o apoio de J. C. Brunoro para formatar um novo CT e receber os devidos investimentos.

Ou seja, aí está o caminho. Força nas categorias de base. Mas não para ser um time formador – mentalidade de time pequeno e síndrome de país subdesenvolvido – mas para se firmar no time principal e ser campeão.

Além disso, Palmeiras (através de sua Diretoria) e a Traffic deram uma prova irrefutável de tentativa de quebrar esse paradigma essa semana, quando anunciaram que nenhum jogador será vendido na janela de transferências de agosto. E estamos falando de Pierre (27 anos), D. Souza (24) e Cleiton Xavier (26).

E esse fato é prá lá de louvável.

Mas essa é só minha opinião: e a sua?

Saudações Alviverdes!

PS: Em tempo, um desejo de feliz dia a todos os pais & filhos
– palmeirenses e amantes do futebol – que nos leem nesse espaço.

A OPINIÃO DO CRISCIO é a nova coluna dominical do 3VV.
Substitui a antiga série Planejo Logo Existo e tem o objetivo de trazer
sempre um tema que provoque a reflexão do amigo do 3VV principalmente
sobre futebol; mas não ficará só nisso.

Sempre assinada por V. Criscio: ex-consultor, ex-marketeiro, ex-reestruturador,
e atualmente trabalhando no comércio eletrônico, adjunto do Planejamento da
SE Palmeiras; mas SEMPRE palmeirense e editor do 3VV.

Siga o 3VV no twitter: www.twitter.com/3vv
Siga V. Criscio no twitter: www.twitter.com/Criscio

22 respostas em “OPINIÃO DO CRISCIO: necessidade de quebrar paradigmas”

VCriscio,
como vc disse no programa lá na Record: temos q parar com essa mentalidade de querer formar jogador pra logo depois vender. Antes e SE vender temos q faze-lo ser campeao e ser idolo no time (na SEP no nosso caso). Concordo com o q vc falou …

Sei que não é o foco da coluna, mas bastou você escrever que o Hélio dos Anjos é um competente treinador para o cidadão vir à Gaiola das Loucas e botar o time em campo como se estivesse fugindo do rebaixamento. Eta treinadorzinho de time pequeno!

Vicente,

Da próxima vez, use uma foto mais nova… essa tem pelo menos uns 15 anos…rsrsrsrsrsrsrsrsrsrs

Bela coluna Vicente e feliz dia dos pais atrasado pra você também. Não acessei o blog este final de semana, sem jogo do Palmeiras a motivação diminui, apesar do excelente conteúdo que sempre encontro aqui no 3VV.

Quanto ao tema que foi exposto, acredito que a realidade por aqui está longe de mudar, quem sabe daqui uns 30 ou 50 anos…

Comentando a atitude do Presidente e da traffic, se o assédio fosse mais forte, por exemplo, Real Madrid, Barcelona, Manchester, Milan, entre outros, com uma BIG oferta, duvide-o-dó que a atitude seria a mesma.

Abraços.

Ótima coluna, Criscio. O caminhos adotado pelos clubes europeus em suas categorias de base são a chave para o sucesso. Esperamos mesmo que um dia o Palmeiras saia de sua tradicional mediocridade para ser um exemplo neste quesito.

Vicente, parabéns pela coluna!
Só tenho dúvidas como fica a relação clube X empresários X direitos federativos.
Com relação ao Erich Beting, é inegável que ele está jogando contra. Todo bom jornalista checa suas fontes mil vezes, e me parece que todas as fontes dele vem do pessoal da “pedra-lascada”.

Giba, beijão pro Tomás e Felipe.

O projeto da Lupo no basquete é independente do seu investimento no calção.

Não houve leilão. O Palmeiras não faz esse tipo de coisa. Mas seguramente as propostas estavam abertas e havia um valor mínimo esperado.

Sobre Unimed, vamos aguardar… (rsrsrs).

abs

Vicente os dois ragazzi são Tomás e Felipe. e estão mandando um abração. Quanto ao post do Erich, ele não menciona postura anti-ética, propriamente, mas ele sugere a existência de um leilão em cima de valores sem levar em conta que a proposta da Lupo, por exemplo segundo ele, traria no seu bojo um projeto de outras modalidades e teria no Palmeiras seu carro chefe no Futebol.
Que história é essa da Unimed? Lembre-se que a atuação dela no Fluminense não a recomenda…

Eu sou totalmente contra o investimento em categorias de base… O Palmeiras possui mais de uma centenas de jogadores por causa do Palmeiras B, que é na minha opinião um deposito de pessoas que sonham ser jogfadores de futebol… O Palmeiras precisa ter pessoas com olhar clinico para trazer jovens talentos e aproveitar em sua equipe principal ou emprestar 1 ano p/ alguma equipe menor.. como faz o Barcelona com Keirrison… A estrutura que envolve categoria de base é muito cara e só é exaltada quando surge um Vagner Love… desde qual craque revelou nossa categoria de base ??
Eu sou radical nesse assunto.. fim de categorias de base e montagem de um elenco com 30 atleta de otimo nivel para o time principal…
Abraço

Parabéns Vicente e todos os outros papais leitores e colaboradores do 3VV. Muito interessante a comparação. Abs.

Andre vou entender sobre o o caso desse jogador do time B para poder falar com propriedade.

Sobre a Lupo e Cosan, acredite o Erich está falando na boa intenção mas sem entender o que está havendo. Certos detalhes da negociação não podem ser revelados mas está longe de ser uma postura anti-ética da Diretoria.

Abs

Vicente,

Gostaria que voce comentasse as notícias de ontem…
1- jogador do time é liberado para o Penafiel de Portugal,clube apenas liberou o atleta pois pertence a empresários….como pode jogador de 22 anos ser de empresários……..não temos capacidade de ter jogador nosso no B,como esses empresários colocam jogador lá,a reportagem é do globo.com e diz que o verdão não leva nada,então pagamos salário e ficamos sem nada.É UM TAL DE RICARDO DO TIME B.
2- blog Erich Beting sobre a Unimed atravessar a Lupo,ele critica a postura da diretoria que está leiloando e fechando portas..para cosan e lupo.

Só uma idéia que tenho o Palmeiras devia fazer peneiras constantes e itinerantes…hoje com o advento da Internet é só abrir a cada 2 meses uma peneira,com cadastro pelo site do Palmeiras..por exemplo 300 vagas garotos de 12 a 14 anos,ter uma equipe de treinadores bem remunerados e fazer esse trabalho,chega de conivência com empresários,jogador do B não ser do clube é revoltante.

Vicente,
concordo contigo quando diz que em breve devemos ser formadores de jogadores para o time principal… e não para a venda… podemos até vendê-los… mas já campeões e valorizados.

uma coisa puxa a outra!

a garotada tem que ter vontade de jogar e ficar no Palmeiras… e não utilizar o Palmeiras como vitrine…

mas que vc tá com cara de mal, isso tá! hehehe…

verdaços.

OFF TOPIC – Diego Souza e Denilson revelam pq nao ganhamos o brasileiro do ano passado. Só tinha bichinha no elenco. Q q isso?!?! Depilação na concentração? Fazendo sombrancelha? Trocando creminho??? Entederam agora pq desmanchamos o time? Entenderam pq pararam d jogar e deixaram os bambis ganhar? ERA ESPIONAGEM BAMBI, facilitaram pro time do coração…

AAAAAH entrevista de jogador do PALMEIRAS terminar em discussão de quem depila, o que com o q eu?! É dia dos Pais e não das Mães. =P

Infelizmente, as diferenças entre Manchester e PALMEIRAS são mtas. Eles quase não vendem jogador, os jogadores não costumam querer sair – e talvez aí exista algo além do dinheiro, que poderiamos entender e copiar.

Eu não sei quantos, quais e por qt os jogadores do Goias foram vendidos nos ultimos anos. Mas eu sei que os laterais deles chamaram a atenção nos ultimos campeonatos e mesmo assim estão lá.

E jogador do time B, saindo DE GRAÇA é SACANAGEM. Nem 50tinha? NADA????

Excelente Coluna, Vicente.
Pois então, essa mentalidade dos clubes europeus em fortalecer as categorias de base, com o intuito de ganhar titulos no “first team” é o que muitos clubes brasileiros deveriam fazer. A exemplo, o próprio Man. United e também o Barcelona, que revela muitos jogadores que continuam atuando no clube.
No Brasil, vários clubes tem uma boa estrutura nas categorias de base, mas que ao subirem pro profissional, nao seguram. Aí está o erro.
As ‘variáveis’ que você disse, como o investimento da Conmebol, renda per capita, direitos de tv e blablabla, fazem sentido pra dizer que o país deles é de ‘primeiro mundo’, e não pra dizer que é impossível manter jogadores revelados no clube por muito tempo.
Mas o que atrapalha – e muito – os clubes, são os empresários. Esses não ganhariam muito se o seu jogador continuasse no mesmo clube durante toda a carreira…são as transações milionários que os enriquecem. Essa semana tivemos o exemplo de um jogador do time B do Palmeiras, que foi para um time de última linha em Portugal, e o Palmeiras não ganhou NADA com isso. Justamente pq um grupo de empresário estavam por trás. Além do mais, pesquisando em algumas fontes, esse clube no qual o jogador foi, está entre os últimos no campeonato. Ou seja, não haverá valorização do jogador. Nessa história toda, só houve um beneficiado: os empresários.
E é isso que há de se haver uma modificação, os empresários. Mantendo os jogadores formados nas categorias de base, haverão vantangens econômicas pro clube, e também ideológicas e técnicas. Mas, infelizmente, o negócio fala mais alto.

Aproveitando, um feliz dia dos pais aos pais palmeiristas, rs.

Grande Giba, pai da Bia e de mais dois moleques que a idade e meu companheiro de papo, Johnny, o andarilho, me impedem de lembrar os nomes. Parabéns pelo dia e obrigado pelas palavras.

Abraçao…

Gostaria de enviar meus cumprimentos ao Leo e ao Renan, leitores assíduos e compulsórios desta nova coluna pelo Grande Pai quer eles tem.
Abraços a todos os Paismerenses.

Fernando tem razão. O Barcelona é um excelente exemplo de formação de jogadores.

Sobre a saída dos jogadores, seria importante alguém explicar a saída (e também a entrada) de alguns do time b.

Caramba, 88 jogadores se bobear é a quantidade que o Palmeiras tem hoje jogando por empréstimo em outros times, ou encostados. Saiu uma matéria ha um tempo atrás, onde mostrava que o Palmeiras tinha mais de 100 jogadores registrados na CBF. É um absurdo pois deveria ser exatamente o contrário. O melhor produto do futebol mundial (jogadores) está justamente aqui no Brasil, e na Argentina também. E concordo totalmente que o principal nessa questão não é ter uma base forte simplesmente para vender e fazer dinheiro, e sim para formar times fortes com jogadores próprios, e com certeza a valorização será uma consequência natural. Só que hoje no Brasil temos algumas dificuldades para implantar esse trabalho nos clubes: driblar os empresários que cada vez mais cedo se “apoderam” dos jogadores, e a própria mentalidade da molecada, que antes de fazer história por aqui já tem o sonho de jogar na “Oropa”. A própria mídia induz a esse pensamento. É um desafio grande, e precisa de um bom planejamento, e com certeza é um dos caminhos que o Palmeiras deve seguir. Parabéns Vicente.

q cara de mal… uahuaha

mas entao vicente…

de uma olhada nessas 2 noticias..

jogador do Palmeiras B e negociodo para portugal e nao ganhamos nada com isso..

o TIME B nao era pros melhores jogadores serem aproveitados no time Principal e os outros nao aproveitados darem lucros em negociações para manter o time B???

e como explicar isso?? empresarios mandando em tudo…. eu devo imaginar como estao as categorias de base cheio de empresarios arrancando a molecada que o time banca e sustenta..

http://globoesporte.globo.com/Esportes/Noticias/Futebol/0,,MUL1259123-9825,00.html

com essas leis nao tem como proteger a molecada da Base.. e os clubes vao ficar cada vez mais dependentes de parcerias..

Estao matando o Futebol aos poucos..

outro assunto..

olha como o time de Dortmund divide os ingressos..

http://negociosdoesporte.blog.uol.com.br/arch2009-08-02_2009-08-08.html#2009_08-08_17_11_33-136381883-0

interresante..

sobre seu artigo..

concordo com vc… ficar nesse blablabla de q la na europa os times tem grana nao da mais….

o Palmeiras e Traffic mostraram q da SIM pra segurar os jogadores, ganhar titulos de pois vende-los MUITO mais valorizados…

do q simplesmnente chorar e vender a preço de banana…

se nao me engano esse time do barcelona q venceu TUDO na temporada passada so tinha uns 3 jogadores q nao eram da base..

e sempre vemos o barcelona lançando jogadores da Base e sempre otimos..

abracos

Os comentários estão desativados.