Categorias
Italiano

Campeonato Italiano 2009/2010: abrindo o jogo

POR CARMINE PACIELO

*   LOVE 
LOVE  LOVE  fratelli palestrini, tudo bem? Tudo azul?

*   As férias de verão acabaram e,
com o curso quotidiano da vida, volto novamente a entreter vocês sobre o
campeonato italiano, temporada 2009/2010, na busca de atrair o vosso interesse sobre
esse torneio.

*    Campeonato  que, com o adeus de Kaká e Ibrahimovic tem, com certeza, menos “appeal” comparado com a Liga espanhola (onde
os dois foram parar) e com o campeonato inglês que, com um marketing de vanguarda, gestão séria e competente da
federação, estádios cheios e lindos e “atores” de 1° nível, permanece a melhor
competição na Europa. Mas a Liga Calcio está aí e tem um
Eto’o (que levou 2 vezes a “taça com orelhas”, como è simpaticamente conhecida a Taça dos
Campeões) e um Diego Ribas da Cunha, que convenhamos não
são dois Zé ninguém da vida. 

*   Pois é! O italiano pode nao
ser mais o Eldorado dos tempos de Zico, Falcão, Careca, Maradona e Platini mas
na Velha Bota também neste período de “austerity” ganhar o título continua a
não ser simples: são 38 batalhas, 38 jogos de xadrez com estratégias sempre
renovadas, um campeonato  com certeza  meno pirotécnico e “ofensivo” que a Premier inglesa mas muito
tático e outro tanto competitivo, como reconheceu o mesmo Mourinho  depois a sua primeira experiência na Itália.  

*    Agora, com 2 rodadas jà disputadas parece que
o título serà  um “discurso” entre a renovada
Inter e a Juventus que, com Diego e Felipe Melo, tenta impedir o penta dos nerazzurri.

*    É uma Juve monstruosa que
abandou o 4/4/2 de Ranieri por um 4/3/1/2 perfeito para as características da dupla Diego-Felipe. Com a chegada de Grosso, Ferrara  (a pouca experiência  pode ser o ponto fraco desse novel Guardiola);
reforçou também a defesa que representa os 4/5 da Itália; o meio campo tem
força (leiam F. Melo, Sissoko, o jovem Marchisio e Poulsen) e técnica  com Diego, Giovinco e Camoranesi enquanto o ataque oferece o talento de Del
Piero, a força de Iaquinta, o oportunismo de Trezeguet  e, afinal, as qualidades do próximo
“nazionale” Amauri.  A diferença com a
Inter que não terá mais Ibra-cadabra foi anulada: duvido que a Juve chegará a
10 pontos de destaque da Inter como aconteceu na passada competiço.   

*   
Em tempo. Apesar que a Inter pensa mais 
a fazer um longo caminho na Europa, não creio que o Special One (leiam Mourinho) esteja
muito disposto a renunciar tão facilmente ao seu pessoal  bi-campeonato. Em um conjunto jà verificado e
solido a experiencia internacional aumentou com a chegada de Lucio, de Eto’o e
do mesmo Snaijder.  A incógnita está na indecisão tática de
Mourinho pois com a permanência de
Quaresma e Mancini nas alas e com Milito e Thiago Motta acostumados a jogar
assim no Genoa, como o mesmo Eto’o no
Barça, o uso do 4/3/3  seria natural. Então com Snaijder que
Mourinho  lançou sem medo no derby, sem
uma apropriada rodagem e apenas  48 horas
depois da sua chegada de Madrid, o time
jogará essencialmente na base do 4/3/1/2.

* 
  A força dos dois consolidou o respeito dos
outros times que também querem ganhar o “scudetto”! Um desejo que a meu
ver ficará como um sonho para a Roma órfão de Spalletti (que errou a não aceitar o Tottenham poucos meses antes) que
se demitiu após sofrer a derrota em casa contra a Juve, desanimado  pelos poucos recursos humanos à disposição. O cenário é
deprimente: sem dinheiro para reforçar o time e ainda obrigados a ceder
Aquilani ao Liverpool, a Roma, não
obstante a presença de capitão Totti e (capitão futuro) De Rossi tem zero possibilidade de vencer o título. A
maior razão agora com Ranieri como técnico, homem pragmático mas pouco
brilhante respeito a Spalletti, que é apontado como próximo treinador do Milan, a
menos que não aceite o convite para assumir a guia do Zenith de Sao Pedroburgo. 

*  
Milan? Pobre  diabo! No terceiro
derby em menos de um mês (um nos EUA) sofreu a terceira derrota, a mais dolorosa por ser  no campeonato e de goleada. Foi um massacre! Mas
crucificar Leonardo é como atirar sobre a Cruz Vermelha: sim, esse jovem técnico
errou em traçar o plano de ação mas o que 
fazer quando o teu Messias (e o teu
destino) se chama Ronaldinho? Ou seja, por enquanto e até agora, um ex jogador?
Apesar disso acho que com um módulo equilibrado no qual Pirlo terá uma função
fundamental  e com o dentuço recuperando
as antigas glorias (não seria  apropriado  testá-lo em ataque em dupla com Huntelaar?), e se, afinal, chegarem os reforços prometidos da
Berlusconi (Beckham deve voltar e Rafinha é dado como o próximo lateral direito) o time poderá
ainda surpreender tanto na Itália quanto
na Champions League.

*    Até
agora é tudo, um abraço, Carmine.

5 respostas em “Campeonato Italiano 2009/2010: abrindo o jogo”

a Juve só falta o Luis Fabiano no lugar do Trezegay…a sim naum tem para ninguém…grande abrax do Signorini

Este ano a Juve deve faturar praticamente tudo! A Inter está mais fraca. E o Milan… os bambis italianos estão indo ladeira abaixo. Talvez nem se classifiquem para a Champions do ano que vem.

Para minha alegria….. VOLTOU OS POSTs DO CAMPEONATO ITALIANO!!!!

E ainda mais contente pois a JUVE está bem estruturada rumo ao título italiano e da Champions!

Apesar de ser “cria” do time da baixada…. Diego já mostrou que será o grande jogador do time e tem tudo para aparecer na lista dos melhores do mundo nos próximos anos.

Os comentários estão desativados.