Categorias
Direto da Fonte

Versátil, Marcão incorpa espírito de liderança junto ao elenco

Agência Palmeiras
Fábio Finelli
30/09/2009 19h33

Apesar de não ter sido titular absoluto durante os primeiros meses
da temporada, o zagueiro Marcão é um dos atletas do elenco que mais
jogou nesta temporada, em 35 partidas. Só neste Campeonato
Brasileiro, o jogador atuou em 21 dos 26 jogos e vem exercendo um
papel importante de liderança junto ao elenco palmeirense.

“O nosso time tem vários líderes, e eu também procuro exercer esse
papel, passar alguns conselhos e alertar sobre os erros da equipe. O
legal é o elenco escuta e está sempre conversando sobre isso”, disse
o jogador, durante entrevista coletiva nesta quarta-feira, na
Academia de Futebol.

Marcão reconheceu que o seu início foi um pouco complicado quando
chegou ao clube. “Tive algumas dificuldades de adaptação. Além
disso, os zagueiros do time estavam bem demais e eu entrava em
alguns jogos, não vinha conseguindo um ritmo de jogo”, explicou.

Atualmente, o camisa 13 do Verdão é tido como um dos atletas mais
versáteis do elenco: já atuou como zagueiro, líbero e lateral-
esquerdo. “Eu procuro usar em campo toda a minha experiência e não
tenho medo de dar ‘chutão’. O que os torcedores sempre vão ver em
mim é um atleta de muita raça e vontade. Procuro ajudar e atuar nas
posições que o treinador precisar.”

Mesmo com tudo isso, Marcão deixou claro que não pode ser ‘perfeito’
quando exerce a função de lateral-esquerdo, como aconteceu na
partida contra o Atlético-PR, no último sábado.

“O Muricy sabe que eu nunca vou conseguir ser um atleta de
velocidade, igual ao Armero, por exemplo, pois não é minha
característica. Mas eu já joguei nessa posição e tento procurar
fazer o melhor, tanto na marcação quanto no apoio.”

O defensor palmeirense lembrou que uma das conversas que teve com o
elenco neste Brasileiro surtiu o efeito desejado, após a derrota de
3×2 para o Vitória, em Salvador.

“Teve uma cobrança após aquela partida, pois deixamos muito a
desejar. Entramos em campo achando que iríamos ganhar. Posso dizer
que aquela derrota serviu de lição, pois aprendemos com os erros e
demos a volta por cima.”