Categorias
História Nossa Meninos Eu Vi

La Prima Volta: a história das 5 coroas (parte 3)

POR JOTA CHRISTIANINI

Ganha a segunda coroa e a imprensa aos  poucos passou a
comentar a possibilidade do Palmeiras ganhar a terceira coroa.

Era o Rio-SP até então o mais importante torneio entre
estados no Brasil. Costumava-se chamar seu vencedor de campeão brasileiro.

As dez equipes reuniam praticamente a totalidade dos
jogadores convocados para a seleção brasileira. E as seleções paulista e
carioca haviam ganhado todos os campeonatos brasileiros de seleções.

O Palmeiras começou o Rio-SP oscilando, meteu 7×1 no
Flamengo na estreia do Liminha que marcou quatro gols, mas perdeu alguns jogos
e chegou na última rodada precisando ganhar do Vasco no Maracanã para
igualar-se ao leal adversário na tabela e provocar as partidas de desempate.

O Palmeiras venceu e goleou os cruzmaltinos. 4×1, com gols
de Liminha (2), Aquiles e Valdemar Fiume.

Foram para a melhor de três.

E como final contra o Corinthians é sinônimo de taça para o
Palmeiras, nem precisou a terceira partida.

Com Jair jogando tudo o que sabia, Liminha e Aquilles
fazendo gols decisivos o Palmeiras venceu as duas partidas.

Na primeira 3×2 com Pacaembu lotado e na segundo com
mais público ainda, o Palmeiras fez 3×1, gol do Aquilles e dois do Jair Rosa
Pinto que após o terceiro gol aos 7 do segundo tempo passou a comandar o baile.

 Liminha, novo no clube, mas já possuindo a alma
palestrina fintava de todo jeito. A coisa foi tal que no finzinho do jogo os
dois mais educados e disciplinados jogadores em campo foram expulsos: Luiz
Villa e Claudio.

Ninguém resistiu àquela tarde palmeirense.

Terceira coroa na cabeça, taça na sala de troféus, bicho
pago, volta olímpica, e a “paura” dos outros:

Em sete meses esse time já ganhou três taças onde é que eles
vão parar?

A torcida aproveitando a música vencedora do carnaval
daquele ano, “é dos carecas que elas gostam mais” improvisou:

“Nós os palmeirenses
No futebol somos maiorais
Pois já temos três coroas
E vamos ver se ainda
Cabe mais, mais, mais”.

3 respostas em “La Prima Volta: a história das 5 coroas (parte 3)”

do Ipiranga
Liminha, Rubens., Cilas, Bibe e Walter, time vice campeão de 48, todo veterano declama esse ataque com saudade. Alias declama o time todo:
oswaldo, Homero e Giancoli. Belmiro, Reinaldo e Dema, era a defesa………….JOTA

Nossa JOta…
SOBRE O CAUSO … SENSACIONAL !!
Demais como sempre… eu viajo nesses causos..
MAS e o Liminha? Veio de onde ??

A coisa tá feia mesmo, ninguém apareceu pra comentar mais um excelente post do Jota.

É legal reviver o grande passado que temos, porém, perde um pouco o sentido quando o presente está uma lástima e as perspectivas futuras são incertas.

Os comentários estão desativados.