Categorias
Arenas

Arena Palestra – Início das obras

POR CLAUDIO BAPTISTA JR


                FONTE : www.wtorre.com.br

Pessoal, vocês já devem ter lido em outros sites e blogs palestrinos,
como o Parmerista – http://www.parmerista.com.br
– a informação que finalmente começarão as obras para a construção da nossa
Arena.

Primeiramente na parte social com a construção dos prédios administrativos, poliesportivos e posteriormente, no meio deste ano, o estádio Palestra Itália entrará em obras.

A ansiedade é tanta que muitos questionam os motivos de não entrar “derrubando tudo” e abrir todas as frentes de trabalho ao mesmo tempo (clube social + estádio).

Isso até poderia ser feito, porém, a S. E. Palmeiras tem responsabilidades perante seus associados e tenta minimizar ao máximo os impactos da obra às atividades sociais do clube. Ao mesmo tempo, o parceiro também deve ter motivos para equalizar o cronograma desta forma.

Um detalhe, até o momento em que escrevo esta publicação (19/01, 8:30hs) nem o site da S. E. Palmeiras e nem algum interlocutor oficial do clube ainda não noticiou oficialmente o início das obras, o que certamente deverá ser feito em algum momento desta semana.

Um outro “detalhe”, neste venho pensando já faz um bom tempo, diz respeito sobre a forma jurídica que serão iniciadas as obras.

A aprovação total do projeto junto a Prefeitura já se concretizou? Já existe sustentação contratual formalizada entre Palmeiras e WTorre? Ou;

O início das obras estará amparado por uma carta de fiança até que se resolvam os poucos entraves que restam junto a Prefeitura?

Até o momento, ao menos eu, não tenho essas respostas.

Contudo, tenho uma informação do presidente, dita diretamente a mim e presenciada por colegas Palmeirenses, entre eles o amigo Junior Gottardi – blog La Nostra Casa – http://www.lanostracasa.com.br/ -, que responde a uma grande dúvida e ceticismo de muitos, é o fato do parceiro possuir os recursos financeiros para a execução da obra.

Senhores, a confiança é total. A construção da nossa Arena é imperativa para o futuro de sucesso da S. E. Palmeiras.

Grande abraço,

Claudio Baptista Jr. – ansioso pela aprovação da nossa Arena junto a Prefeitura e muito contrariado com a falta de transparência nas discussões sobre a sede paulista e investimentos públicos na cidade para a Copa de 2014.

28 respostas em “Arena Palestra – Início das obras”

Eu não acho que o Palmeiras deva acabar com o clube social, porem reduzil-lo bastante, devido a nossa sede ter um terreno bastante reduzido.
Quem sabe com a verticalização eminente das atividades devido as obras da Arena o clube ganhe um novo folego.

Parece que a maioria quer decidir os destinos do clube, sem a contrapartida.
O Associado é co-responsável e destina uma receita fixa garantida ao Clube.
O Torcedor faz a coisa andar, mas não tem qq ligação formal com o Clube.
Acho que esse é o nó que temos que desatar, ou quem sabe, temos que unir.

#24 – Joao Carlos Falbo Mansur

Boa ideia! Vou fazer isso (depois que eu dominar o mundo, claro… ).

E pra que mora em Minas Gerais, como eu? Moro a quase 300 km da Capital Paulista! Vocês tem que lembrar que a maioria do palmeirenses NÃO moram em SP! Como que alguém que mora em Recife, por exemplo, e é torcedor da SEP pode ajudar a SEP?! Esse papo de ser sócio é pra quem mora em SP; e quem mora em outro estado é refém de alguns ‘conselheiros’ (ou sócios, se a mudança para eleições para Presidente for aprovada). Isso que está errado!!

Sugestão a quem pretende reduzir com o clube social.
Fique sócio, após 8 anos, candidate-se ao Conselho Deliberativo (obviamente que para ser eleito, precisa de votos de SÓCIOS).
Depois de eleito conselheiro, tente convencer os demais 298 conselheiros (ou pelo menos, 51% deles) a aprovar sua proposta de redução ou mesmo extinção do clube social.
Se você conseguir aprovar no conselho deliberativo, como trata-se de matéria de alteração estatutária, será preciso chamar uma Assembléia de Sócios (isto mesmo, precisa chamar os sócios), para RATIFICAR a decisão do conselho.
Esta Assembléia, precisa ter comparecimento de pelo menos 10% do número de sócios votantes (hoje estamos falando de cerca de 8.000 – estes dados estão disponíveis na secretaria do clube).
Após obtido o quorum mínimo, você precisa convencer 51% destes sócios a aprovar isto tudo.
Como podem perceber, é bem fácil !!!
De fato, se os 15 milhões de torcedores fizessem uma contribuição simbólica de R$ 10 por ANO, o Palmeiras DOBRARIA sua receita atual.
Não existe nenhum “grande” do Brfasil, que não tenha um clube social importante, tanto hoje, como na história !!!!!
Este papo de acabar com o clube social é historia de quem não se dá o trabalho de ir até a Turiassú, 1840.
Abs

Adilson, você tem razão; O Palmeiras deveria realocar as piscinas par um outro terreno e aproveitar essa área para criar algum complexo para gerar $$$ para o futebol!

Nunca mais vai existir clubes com mais de 100.000 socios como o Juventus ja teve. Isso não volta mais. Os condominios hoje tem piscina, sauna, lan house , academia de ginastica e outras comodidades que nem dá pra acreditar. A tendencia é os clubes ficarem cada vez com menos socios. As piscinas do Palmeiras ja atrapalham a expansão de estadio, não tem sentido insistir nisso. O clube deveria deixar apenas uma piscina de recreação lá no canto e boa. O futuro do Palmeiras é o Futebol e não o clube social.

Marco,
Só posso entender seu comentário como “calor da emoção”. Com o clube modernizado podemos agariar muitos sócios, independentemente do clube de futebol de preferência, e com isso fazer a sede igualmente superavitária.
Além disso é a sede social que permite o desenvolvimento de outros esportes que consolidam a marca Palmeiras e que trazem receita. Essas modalidades tendem a crescer, especialmente com patrocíonio e maior interesse gerados pelas olímpiadas do Rio.
Abraços
Zago, sócio e Palmeirense!!!

#18 Marco
E qual o valor de mercado da mensalidade?

O Juventus da Mooca chegou a ter mais de 100 mil
sócios pagantes, hoje está as moscas. E eles não tem futebol tão rentável para equilibras as contas.
Acabam vivendo de aluguel de salão de festas em baile de formatura.

Hoje em dia qualquer prédio tem piscina, tem academia de ginástica em toda esquina, um monte de lugar para aluguel de quadra de futebol.

Se a mensalidade for muito alta, com certeza vai diminuir o número de associados pagantes. Tem que se achar um equilíbrio para que a mensalidade não afugente os sócios pagantes e consiga pagar parte dos custos do clube. Sim, parte. Porquê com o cenário atual, nunca o clube social vai se sustentar.

Você pensa que acabar com o clube social é simples né?
Você não tem idéia que juridicamente isso é praticamente impossível.
O Palmeiras é uma instituição sem fins lucrativos, uma empresa. Onde os sócios do clube, são realmente sócios dessa empresa.
Caso o clube vá a falência, cada sócio tem responsabilidade civil sobre a dívida que levou a falência. Qualquer mudança estatutária desse nível precisaria passar pelo conselho e ser chancelada pelos sócios, e você sabe muito bem que isso nunca passaria.

Enfim, não crie devaneios. Não vai acontecer.

Você cita os 15 milhões de torcedores que são prejudicados por causa de alguns milhares de sócios. Só que você se esqueçe que esses poucos milhares de sócios são de fato donos do clube.

Concordo com vc Marco Tulio,

O clube social não serve para nada, só para onerar o futebol.

Os fundadores do Palestra Italia fundaram um TIME DE FUTEBOL E NÃO UM CLUBE.

Eu acabaria com o clube e nas piscinas construiria um edifício garagem para a nova Arena.

Só quem gosta do clube é quem é sócio, cerca de 5.000 pessoas que nada fazem para o engrandecimento do Palmeiras, contra 15 milhões de torcedores que na realidade constroem a grandeza do Palmeiras.

#17 – Luciano Stinchi

Entendo esse lado… mas agora já foi. Está certo que o social FOI importante, mas infelizmente agora ele não é mais importante. Mas já que ele tem que existir (é um mal necessário…), que pelo menos ‘exista direito’. Que seja bem administrado e que não prejudique o FUTEBOL do Palmeiras. Por exemplo, a mensalidade do clube social, pelo que sei, é bem abaixo do ‘mercado’… Por que não sobe isso?!

#9 Marco Tulio

Meu amigo, você so torce hoje pro Palmeiras e não pros bambis porquê a 95 anos atrás 46 italianos fundaram um CLUBE de futebol e não um time de futebol. Se fosse um time, já teria sido extinto a muitos anos, como vários times do começo do século 19.

O começo foi difícil, faltava dinheiro, mas graças ao clube social fomos crescendo, nosso patrimônio aumentando.

Ultimamente o clube vive do futebol, cotas de TV, patrocínio de camisa, mas e antes? E nos anos 10, 20, 30, 40, 50, 60, 70, e até 80. Quem sustentava o clube eram os milhares de associados. Por isso, mais respeito com os sócios.

Ou você prefere um time de futebol S.A. Como o Baruei, que enfrentaremos hoje, que não tem vínculo com nada e com ninguém?

Pense nisso.

Abraços

Rinaldo, o cronograma ainda está sendo detalhado, porém a informação é que o Palestra Itália será fechado para as obras da Arena a partir do meio do ano.

Abraço.

Dúvidas:
O início das obras no parte social poderá interditar o estádio? Digo isso pois caçambas de entulho geralmente ficam no meio-fio das calçadas e este entulho pode servir de “munição” para vândalos de plantão. Teremos um Palmeiras x S.Paulo no Palestra e isso pode preocupar.

Quando iniciar as obras no estádio ele será totalmente interditado?

# 6 Paulo e # 8 Gustavo
O modelo do negócio é cessão da superfície da área do estádio. Inclusive o estatuto foi mudado para permitir esta operação. A partir da escritura, a área será cedida por 30 anos e a SEP recebe uma parcela das receitas líquidas. Mais simples e mais seguro.

abs

Mansur

Maravilha, essa notícia é um ótimo presente de aniversário adiantado!
Nosso verdão vai ser o maior das américas e um dos maiores do mundo!
Seremos tratados como gente na arena, conforto e segurança, e o melhor, não vai ser qualquer timinho da ucrania, russia, japão, oriente medio, que vão vir aqui e comprar nossos ídolos.

Grande notícia..

espero que ampliem para 50 mil lugares o projeto.. falta pouco..

Assim poderiamos sediar uma abertura de Copa e deixaríamos os bambis chorando pro BNDES..

Agora, se os bambis conseguirem essa grana pra reforma do Panetone, entramos bem, pq eles receberão pro tabela um investimento bilionário para as reformas das redondezas.. com trem vindo de aeroporto e tudo.

Acho que tá na hora de os palmeirenses mobilizarem-se. Divukgarem a Arena e tornar uma vergonha pública o uso do Morumbi como sede.

Tem um abaixo-assinado chamado morumbi não, segue o link:

http://www.abaixoassinado.org/assinaturas/assinar/4468

abraços

Gustavo,
Não possuo o conhecimento técnico e mais profundo da operação. Minha idéia na verdade seria criar SPCs para gestão das modalidades profissionais da SEP, e não apenas da gestão da Arena. Concordo que esta é uma alternativa complexa e que necessita de um aparato jurídico e político muito complexo. Porém acredito que seria uma alternativa para blindar as modalidades da SEP dos “feudos políticos”.
Falando em securitização, a SEP poderia securitizar seus os “direitos de TV” como forma de baixar o custo do funding atual, similar ao feito pelos adquirentes de cartão fizeram. Esse é uma assunto que poderíamos explorar na seção “futebol com números”.
Caso tenha falado alguma besteira, peço que me corrija.
Abraço Zago

Mais uma vez o clube social ‘prejuducando’ o Palmeiras. São mais de 15 000 000 de palmeirenses, e os interesses de (quantos???) alguns milhares de ‘socios’ (muitos deles não-palmeirenses) atrapalham o interesse maior do PALMEIRAS!!! Por mim, acabava com o clube e ficava só com o futebol do PALMEIRAS!

Zago,

Trabalho com análise de operações estruturadas, e o mecanismo da SPC é realmente bem interessante, pois protege a “empresa operacional” de eventuais problemas com os negócios administrados pela SPC por ser uma estrutura off balance sheet.

Nesse caso, a SPC protegeriao clube de eventuais problemas com a Arena. Mas creio que não seria viável por questões estatutárias, o Palmeiras teria que passar para a SPC o estádio Palestra Itália,

Uma alternativa seria fazer uma SPC para os recebíveis da Arena, e assim seria possível utilizar instrumentos de securitização para captação de recursos para o clube. O problema nesse caso é que a receita da arena não é estável, como um aluguel por exemplo.

O ano que começou perdido acho que nós PALESTRINOS vamos ter mais para comemorar do que aqueles que nem casa tem e estão comemorando 96 anos de freguesia para nos….SAUDAÇÕES PALESTRINAS.

Cláudio, boa tarde!
Você está certo. O Blog “La Nostra Casa” inclusive cita o Banco do Brasil como cedente da carta de fiança.
O Palmeiras dá um grande passo a modernização de suas instalações, concorrendo com clubes como Pinheiros, Paulistano e Payneiras, além de rivalizar a preferência dos alunos das academias da região. Como oportunidade, o Palmeiras pode oferecer diferenciação no preço, em função da maior escala operacional de seu portfólio de modalidades.
Não sei se este é o foro mais adequado, mas tenho uma proposta a fazer. A quem possa interessar:
A criação de SPCs (Specific Purpose Companies) para administração das linhas de negócio da SEP. A profissionalização passaria a ser completa e a SEP receberia gordos royalties, logicamente proporcionais às receitas (participação societária nas diversas SPCs).
Estou aberto a discussões sobre este tema.
Abraços
Zago

pega meu e-mail com o Vicente, me manda seus contatos, assim fica mais fácil !!!

Mansur, fique a vontade. Toda informação é bem vinda.

Abraço.

se você quiser, eu te passo os próximos passos, tenho isto atualizado semana a semana. 🙂
Abs

Claudio,
O inicio de qualquer movimentação está amparada na fiança.
Após a aprovação final pela Prefeitura, o parceiro assume seus deveres contratuais.
Lembrando que tanto a fiança como o fato de assumir qualquer movimentação após a aprovação do projeto, estão amparado em contrato entre as partes.
Abs
Mansur

Os comentários estão desativados.