Categorias
Você manda o Recado

Fato ocorrido em Porto Alegre; para discussão

O texto abaixo foi enviado pelo leitor do 3VV Luiz Antonio Borinatti Jr. Ocorreu em Porto Alegre. O Luiz reportou o fato no fórum do PTD, mas também quis compartilhar conosco.

Obrigado Luiz.

Saudações Alviverdes!

“Pessoal, postei aqui no principal, pois acho que o assunto é de extrema relevância.
Bom,
minha mãe estava na sala de espera de um cardiologista, quando comçou a
ouvir uma conversa entre avó e neto. O menino deveria ter uns 8 anos,
segundo mi madre e a dona uns 70 & lá vai pedrada. Conversa vai
conversa vem, o menino, ao folhear uma revista olha para a avó e diz:
”quero ser torcedor do Palmeiras”. Minha mãe na hora pensou em chegar
em casa para me contar, mas a surpresa veio logo após, com a
recriminação da querida vovó: ” que palmeirense o que, esse time só
tem marginal, torcedores vagabundos” – entre outras coisas parecidas,
que não me recordo. Minha mãe (curintiana que torce pro palmeiras
ganhar pra n ver pai e filho tristes), gentil como eu (?), defendeu
nosso clube e disse que não era bem assim, que seu filho era
palmeirense e que uma minoria (vou colocar assim pra n travarem o
tópico) cometia atos que a fazem pensar algo como esse. A vovó ficou
sem graça e minha mãe tentou consertar e falou brincando ”se gosta de
verde, torça para o Juventude.” O garoto sorriu e a conversa acabou.

Qual é a moral dessa história?

Primeiro:
vejam como a divulgação da marca é importante – sei que é chover no
molhado -, mas o garoto viu algo sobre o Palmeiras na revista e se
interessou pelo clube. Poderia até não ser Palmeirense para todo e
eterno sempre, já que em Porto Alegre existem dois grandes clubes, mas
mostra como é importante e de certa forma fácil conseguir novos
”clientes”.

Segundo: vejam a imagem que ficou dessa história
do Love. Como um empresa, o Palmeiras tem um nome a zelar, uma história
a preservar. A torcida representa o clube e, dependendo das ações,
prejudica-o de maneira bem séria. Do mesmo jeito que o Leo Lima deixou
de vir para cá – sem entrar no mérito da questão, já que poderia ser um
outro jogador – um torcedor pode trocar de time por causa desses
incidentes. É uma camisa vendida a menos, um sócio a menos, um ingresso
a menos e, quem sabe, até um futuro investidor que se vai.

Sei
que muitos vão rir e achar que é besteira, mas quem entende o mínimo de
Marketing ou pelo menos quem tem o mínimo de bom senso, sabe do que eu
estou falando. Do mesmo jeito que o Palmeiras não faz uma ação eficaz
para atrair o público feminino, não cuida dessa gentalha que suja o
nome do clube que amamos. Eu e todos que estão lendo, se em um dia de
jogo, com a camisa do palmeiras, vacilarmos e fizermos alguma patifaria
ou vandalismo, sobra pro meu avô italiano, pro seu avô baiano e para
todos os torcedores palestrinos, que querem apenas torcer; tanto os que
o fazem com todas as forças como os que o fazem por que apenas gostam
de verde.
Eu, SINCERAMENTE, fiquei envergonhado. E tudo isso numa
semana que vi muitas camisas do Palmeiras pela rua. Poderia ter
terminado sem essa.

Abraços!



13 respostas em “Fato ocorrido em Porto Alegre; para discussão”

Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa.
Sim, temos alguns bandos de marginais que torcem para o nosso time. Mas a questão para refletir é: Por que entre tantas torcidas marginais a que ficou mais marcada foi a do Palmeiras?? Ou será que a vovó lá do sul não viu a torcida do grêmio botar fogo no estádio? Ou será que a vovó lá do sul não sabe que tem gremista bandido que mata colorado e vice versa? Nunca ouviu de cruzeirense atirando em atleticano em ponto de ônibus? Nunca ouviu de gavião emboscando ônibus na subida da serra? Nunca ouviu de gavião invadindo vestiário para bater em jogador? Nunca ouviu de bambi levando bomba para estádio?

Acho, modestamente, que a grande raiz disso tudo foi a exploração que fizeram daquele episódio do Pacaembu. As imagens mais violentas mostradas foram de palmeirenses batendo em bambis. No final tinham uns marginais palmeirenses que foram presos por matar um pacifista bambi que estava de passagem pelo gramado do pacaembu.
Não se trata de defender, mas de alertar que bandido tem em QUALQUER torcida, mas parece que o nosso fedor é mais mal cheiroso que o fedor alheio. Será que a imprensa tem alguma coisa a ver com isso?

E finalmente: sim, nossa marca sofre e muito com isso!

Bom texto! Concordo! Infelizmente, é a realidade! O problema é que tem muita gente no Palmeiras que só atrapalha! Temos que nos livrar desses malditos!

Feliz ano novo a todos.

Galera, nas proximidades do meu trabalho e da minha casa é a coisa mais normal do mundo. Sempre vejo camisas do Palmeiras, às vezes vejo do sp e raramente do corinthians.

Mas isso parece não interessar aos dirigentes. A torcida “comum” parece não merecer mais respeito. O respeito que a organizada consegue na base da intimidação.

A paixão do torcedor “comum” deveria ser levada a serio, pelos dirigentes do clube, pela imprensa, justiça e polícia. Para mim, essa é a base para conseguir tranformar o futebol amador e picareta em profissional. Com certeza passa pelo respeito ao torcedor. Keep dreaming!

Marginais existem em qualquer clube. Nos gambás jogadores já foram perseguidos e surrados. No Palmeiras isso só está dando Ibope pq o sem caráter quer ir jogar no FRAMENGO.
Quanto às camisas no Litoral, eu e nosso ilustre colunista assecla das leis fraudulentas Emreson Prebianchi acabamos de voltar de alguns dias no litoral sul e constatamos: Palmeiras na cabeça, maioria esmagadora. Só dava verdão nas camisas da galera.

Eduardo,
Você não viu nenhuma camisa dos gambás porque o indulto de Natal já acabou e os que não voltaram pra “casa”, estão escondidos…kkk
Falando sério, algo que poderia ser feito e elevaria muito o conceito do clube juntos aos “novos clientes”, seria ir atrás dessa história, descobrir quem era o menino e convidá-lo a visitar a delegação na próxima passagem do time por Porto Alegre. Garanto que a imagem do clube perante à vovó e às pessoas que a cercam seria outra.

quem acabou com a imagem do clube este ano não foi a torcida, por mais que tenham errado…
quem acabou com a imagem do clube foram os próprios dirigentes incompetentes e os jogadores sem vergonhas que continuam todos aí…rindo da nossa cara…
este ano torcerei, como sempre, mas gastar dinheiro com esses pilantrtas…sem chance…
esse cara apanhou foi pouco perto do que merecia…

Além de não contribuir com o Palmeiras, ainda acaba com a imagem do clube. Essa é a mancha verde.

Mais uma “grande contribuição” da maravilhosa mancha verde.

Até quando a diretoria do Palmeiras vai permitir que esses vagabundos usem o nome do Palmeiras?

O assunto é mto interessante e acho que o PALMEIRAS deveria investir mto em “exposição despretenciosa” da marca. Usar arte e coisas simples sópara espalhar as cores e o nome do time.
Mas, o que eu queria falra mesmo é sobreo final do texto… O PALMEIRAS ganhou algum titulo q eu nao fiquei sabendo? Ontem, em 1 hora e meia de caminhada pela orla no litoral paulista, eu vi cerca de VINTE camisas do PALMEIRAS, TODAS de modelos dos ultimos 3 anos. A 2a camisa de time q eu mais vi foi do Santos, 3. A 3a, pasmem, da LUSA, vi 2. Dos gambas eu nao vi nenhuma.

Parece que a mania de brasileiro vem forte a favor do PALMEIRAS. A torcida se enche de orgulho no momento do quase, na hora que o time chega perto mas nao ganha. Nossa torcida é a que mais se apresenta em todos os lugares por onde eu ando.

Ontem a noite fiquei impressionado e passei a noite pensando em 2 coisas, no orgulho PALMEIRENSE e naquela loira de fio dental que eu vi de manhã… barbaridade, quase q me afoguei…

O pior é que esses meliantes, que começaram tudo isso, não são sócios do Palmeiras, não contribuem com o clube e muito menos torcedores. Apenas membros de uma instituição perigosa, apática e falda.

Não podemos esquecer que foram os mesmos que invadiram o gramado contra o Boca e prejudicaram o time que iniciava uma reação incrível naquele jogo. Mais uma vez, jogamos uma oportunidade no lixo.

Os comentários estão desativados.