Categorias
Opinião

Prefiro jogar com 10

POR VICENTE CRISCIO

Refletindo um tanto sobre o fato de estarmos há apenas uma semana do início do Campeonato Paulista e o elenco para a temporada 2010 ainda não estar formado na SE Palmeiras, lembrei de um texto e vídeo brilhantes que vi recentemente (veja abaixo).

Nele o técnio Mike Singletary do San Francisco 49ers justificava a derrota na sua estreia e o porque ter tirado o principal jogador da equipe durante o jogo.

O “coach” queria um grupo que jogasse como um time.

Acredito que um dos grandes erros na formação dos elencos alviverdes dos últimos anos tenha sido um processo errático de formação de equipe. Falo EQUIPE, e não apenas do time ou do jogador.

O maior exemplo é Vagner Love. Todos nós vibramos com sua volta. Não lembro de um comentário negativo quando anunciaram sua vinda. Mas o fato é que Love é daquele tipo de atleta que pensa nele, e não no time ou na EQUIPE que está em campo.

E antes que digam que o romantismo no futebol acabou e isso não existe, lembro que temos ainda Marcos e Pierre na equipe. Além de outros (Danilo parece ser assim…). E naturalmente que é possível em pensar COMO EQUIPE sem abrir mão do sucesso profissional (e naturalmente a grana que virá com o sucesso).

Mas voltando ao ponto. Jogadores como Love, Keirrison, e talvez outros difíceis de serem nominados neste momento parecem ser jogadores que pensam neles antes de pensarem no grupo, na camisa que estão vestindo, ou na essência que o futebol é um esporte coletivo e é vencido pelo grupo, e não pelo indivíduo.

Acredito que a demora na contratação dos jogadores deva-se ao fato de que as pessoas começaram tarde e/ou também estavam mais preocupadas em avaliar o trabalho do técnico Muricy Ramalho do que propriamente definir QUEM teria as qualidades para jogar com a camisa do Palmeiras.

Mas também quero acreditar que há um processo internamente onde estão perguntando se o indivíduo é jogador de EQUIPE ou não. Eu sei que Gilberto Cipullo valoriza jogadores agregadores e que atuam pelo time, apesar dos erros recentes de contratação (erros talvez nem tanto por culpa do Vice-Presidente mas sim das pessoas que estavam por detrás dessas contratações).

Talvez por isso Borges não esteja contratado, ou mesmo o zagueiro Rodrigo. Independentemente dos nomes, o que a torcida palmeirense espera é ver 11 jogadores em campo e outros tantos no banco que tenham não somente a qualidade técnica para jogar no Palmeiras, mas sobretudo o comprometimento que a instituição merece.

Chega de LOVE. Queremos COMMITMENT (do inglês, comprometimento) por parte dos que vierem.

Concordam? Se sim, deixem seu comentário. Se não, deixem também.

Saudações Alviverdes! Vejam o texto e o vídeo abaixo.

O técnico Mike Singletary fazia sua estreia no San Francisco 49ers. E o time perdeu de 34 a 13. Na entrevista coletiva após o jogo o técnico se desculpou aos fãs, pelo desempenho ruim do time.

Questionado sobre a razão para haver tirado de campo um dos
principais jogadores (Vernon Davis), depois dele agredir um adversário,
Singletary dá um exemplo memorável sobre como jogar e vencer com um time.

“I will not tolerate players that think it’s about them, when it’s about the team.
We can not make decisions that cost the team
and then come off the side line and it’s ‘nonchalance
.
I would rather play with 10 people and just get penalized all the way
until we got to do something else, rather than play with 11
when I know that right now that person is not sold out to be part of this team.
Cannot play with them.
Cannot win with them.
Cannot coach with them.
Can’t do it.
I want winners.
I want people that want to win.”

(Tradução aproximada: “Eu não vou tolerar jogadores que pensem neles, quando deveriam pensar no time.
A gente não pode tomar decisões que prejudicam o time e sair na maior naturalidade.
Eu prefiro jogar com 10 jogadores e ser penalizado enquanto for necessário,
do que jogar com 11 sabendo que, nesse momento, a pessoa não está comprometida em fazer parte desse time.
Não posso jogar com alguém assim.
Não posso ganhar com alguém assim.
Não posso liderar com alguém assim.
Não posso.
Eu quero vencedores.
Eu quero pessoas que queiram vencer.
“)

Veja o vídeo abaixo.
O texto e o vídeo foram extraídos do blog
da empresa de consultoria Table Partners.


15 respostas em “Prefiro jogar com 10”

Hê Carmine, hein? Vai conhecer o Palmeiras assim lá na Itália.
Ele matou a charada. Este ano será moldado um Palmeiras à imagem e semelhança do seu treinador.
Uma pá de cal na Academia.
Mas é legal o seu texto, Vicente, e também o comentário do Carmine porque aí a gente vê que, cada Palmeirense tem a sua visão particular de Palmeiras.
Meu Palmeiras é “hors concours” – do francês fora de concurso, algo excepcional que vai ser apresentado numa exposição, numa mostra, sem estar competindo com os demais, até por ser de qualidade superior.
Que me perdoem os puristas, mas não acredito mais na lealdade das competições no Brasil. É tudo um jogo de cartas marcadas.
Meu Palmeiras tem César, Ademir, Julinho, Valdívia, Chinezinho, Marcos, Dudu, tem Alex, tem Edmundo. Tem Tupã, Artime, Fiume, Carabina, Luis Pereira e Djalminha e Diego Souza. Com Don Filpo e Brandâo. Estes ainda refletem a alma da Academia e que me fazem amar este time.
Não sou capaz de narrar um gol sequer do título Paulista de 2008, mas me lembro do 2º gol do Valdívia na semi final contra o spfw e a comemoração mandando passar a régua e fechar a conta. Lembro da chapelaria do Alex no Rio – São Paulo, coincidentemente contra o mesmo ex-freguês e vou me lembrar para sempre do gol do meio de campo do DS7 contra o Atlético no Parque.
Prefiro isso a sofrer com um time trancado, burocrático, cagando sangue pra não perder o jogo.
Meu conceito de futebol é outro, não serve para estes tempos.

Muito bom! Cehga de ‘chinelinhos’! Se não são todos como o Santo, Pierre ou Danilo; que sejam pelo menos PROFISSIONAIS e não sejam burros como o keirrison (com ‘k’ minusculo mesmo) e acabem com a carreira!

O que eu mais gosto no futebol americano é que não há lugar para “chinelinho”…

Olha comprometimento é o que a gente pede, mas que sempre uns não tem. Só pensam em si mesmo e não no grupo. É uma grande pena.

É por isso CRISCIO que eu acredito em alguns jogadores que serão promovidos da base pelo MURICY, ele fez isso nos bambi e eu acredito que dará certo no alviverde imponente. Jogadores em início de carreira, correm e lutam o tempo todo pois precisam aparecer para todos que o acompanham, vide o caso do LOVE no início da sua carreira. Saudações palestrinas!

Vicente,
Estive no jogo contra o Galo e lembro perfeitamente que, no golaço do DS, todos os companheiros vibraram com o gol e muitos foram abraçá-lo. Já o Love ficou impassível. Nesse e em vários outros jogos, o VL suou, sim, a camisa, mas foi extremamente fominha. Ele não deve ter brigado com ninguém do elenco, mas, certamente, não deve ser dos mais queridos pelos companheiros.
Mas, daí a acreditar nessa hipótese da direção estar procurando jogadores ‘”de grupo” e, por isso, estar demorando a contratar… não sei, não…
O Kléber, que a diretoria anda correndo atrás, não parece se encaixar nesse perfil.
Espero que o Carmine tenha razão sobre o Edmilson, porque se ele continuar a jogar como terminou o ano passado…

amici miei, perdonatemi se evito di tradurre in portoghese il mio pensiero ma sono sicuro che tutti comprenderete il mio italiano: non desidero sostituirmi a cipullo o muryci ma approfitto della bella colonna di vicente riguardo alla necessità de trazer jogadores que atuam pelo time per avanzare una mia opinione in proposito. è proprio così il calcio è un gioco di squadra, di equilibri, di coesione, di condivisione di un idea, di un progetto; forse è anche questo è il motivo x il quale l’italia, pur senza gli zico, i maradona, i ronaldo ha vinto 4 volte i campionati del mondo. ma questo è un altro discorso. tornando al nostro palmeiras io credo che, potenzialmente abbiamo la possibilità di prendere questo tipo di calciatore, un elemento di qualità e di esperienza, un leader naturale grazie alla sua intelligenza e non interessato a porsi in evidenza x ottenere un ingaggio in europa: FERNANDAO. com ele o palmeiras teria x 4 / 5 anos um jog. que atua pela camisa e nao pelo proprio ego.
riguardo poi alla squadra mi sento di dare credito al palmeiras che vedremo, forse sarà una squadra poco bella da vedere (um time à italiana, molto attento alla fase difensiva, perchè i titoli si vincono non realizzando 5 gols a partita ma incassando = encaixando pochi gols durante tutto l’arco della competizione) ma, credo, estremamente concreta. e, vedrete che anche il tanto “indesiderato” edmilson sarà una pedina importante, se non fondamentale, nella disposizione tattica que muryci ha in mente di dare alla squadra (personalmente lo immagino come “libero” nella difesa a 3 con leo e danilo). infine speriamo di vedere molti giovani (penso a gabriel, a felipe che è stato ceduto in prestito x fare esperienza o allo stesso souza che già orbita stabilmente nella prima squadra) essere adeguatamente valorizzati dalla commissione tecnico, sono loro il nostro futuro. ciao e … aquele 2010!

Adoro acompanhar o 3VV por isso. Concordo plenamente, futebol se joga em equipe, fora disso, acontece o houve ano passado, perdemos por excesso de brilhantismo pessoal.

O plantel do Palmeiras não é fraco, ouso dizer que, exceto o ataque, é o mais forte do Brasil.

Allan, bate na madeira. Não sabia sobre a eliminação do 49ers mas vamos apenas nos ligar no discurso. O resto nem coincidência será.

Abs

Love é uma mala que quando foi fabricada já não tinha alça no lay out.

Acompanho muito a NFL e os 49ers são meu time.

Vi essa entrevista ao vivo.
Realmente Singletary animou a todos com seu discurso e havia grande esperança para essa temporada.

Entretanto, mais uma vez estamos fora dos playoffs. O 7o ano consecutivo.

Espero que esse post não seja um prenúncio do que irá ocorrer com o Muricy em 2010.

Abs.

Precisamos ficar atentos a todo jogador que volta da Europa querendo “ficar mais perto dos olhos do Dunga” ou quem quer que seja o treinador da seleção brasileira. É a dica que o cara pensa mais nos resultados pessoais dele do que nos resultados da equipe.

Eu prefiro tudo aquilo que falamos no 3VV…..termos um cenário onde os administradores façam um Palmeiras forte, não somente time e elenco mas uma estrutura duradoura….As últimas contratações refletem este direcional pois são contratações do Palmeiras e não da parceira….vamos, em pouco tempo, acabar com esta dependência. Desta forma os jogadores podem ficar de 2 a 3 anos defendendo as nossas cores e não termos mais casos como o de Henrique e Keirrickson.
A comissão técnica também deve ser mantida por um bom tempo para poder trabalhar as categorias de base….
Com relação ao Vagner, se não houver compensação financeira deixa ele treinar em Guarulhos…

Bom, quando o Vagner Love veio eu disse q gostava mto da contratação dele MAS ficava preocupado com o fato de um elemento estranho entrando no grupo com o salario mais alto do que o de qualquer outro jogador, maior até do que do maior ídolo do time e de um jogador consagrado na Europacomo o Edmilson. Pelo jeito, aconteceu o que eu temia, mtos outros perderam a gana de lutar.

Mas, acho tambem que o Love jogou para a equipe. Se esforçava, corria, lutava DE VERDADE e nao como o DS-7 que só da 2 ou 3 arrancadas curtas para fingir q ajudou na marcação. Acho q ele esteve mal tecnicamente e que o time caiu pela atitude dos outros em relacao a ele e nao dele em relacao aos outros.

Tenho uma certa desconfiança em relação ao Edmilson, acho q ele é um dos meio mascarados, meio egoista.

Nossa situação do ataque esta complicada. Mas com alguma sorte o Robert continuara sendo o bom jogador que vem demonstrando e o Lenny votara a ser o atacante q foi no 1o semestre do ano passado. E eu vou passar o ano inteiro lamentando a saída do Williams.

Bravo, Bravo …
Concordo plenamente, precisamos de jogadores comprometidos com o time, mais vale meio Pierre que 2 vagner loves…. eu nao tinha pensado muito nisso, mas faz todo o sentido o Rodrigo nao ter sido contratado, mto estrelinha..

Os comentários estão desativados.