Categorias
Futebol com Números

Quem são os times grandes?

POR LUIS FERNANDO TREDINNICK

Um feliz 2010 para todos nós e principalmente para o
Palmeiras!

Depois de uns dias de descanso mais do que merecidos, tenho
a firme convicção que 2010 será um ano muito melhor do que o ano passado!

Nesse tempo de descanso, li que o Coritiba conseguiu a
proeza de ser rebaixado pela QUARTA vez para a série B. Por enquanto outros
três times também foram rebaixados quatro vezes da série A, porém nenhum deles
havia sido campeão Brasileiro.

Fiquei pensando que um time que é rebaixado 4 vezes não pode
ser considerado “time grande”, apesar de ter sido campeão
brasileiro. Achei que seria preciso definir um critério próprio para definir
“time grande”.

QUAIS OS CRITÉRIOS PARA DEFINIR
SE UM TIME É GRANDE?

Pensando um pouco, cheguei a três critérios que devem
definir se um time é grande:

1)     
Time campeão de um torneiro internacional relevante: a
Libertadores

2)     
Time ao menos bi-campeão da série A

3)     
Time ao menos tri-campeão da Copa do Brasil

Os demais campeonatos nacionais anteriores, a Taça Brasil e
o Robertão, apesar de serem títulos nacionais, aconteceram há praticamente 40
anos.  Como o que é importante é definir se o time é grande hoje e não se
“foi” grande, simplesmente desconsiderei esses campeonatos.

QUAIS SÃO OS TIMES QUE SE APLICAM
AO PRIMEIRO CRITÉRIO?

Esses oito times devem ser conhecidos de todos aqueles que
realmente gostam de futebol:  Palmeiras, Grêmio, Internacional, Santos, São
Paulo, Cruzeiro, Vasco e Flamengo.

Quando se lê a lista, intuitivamente os nomes parecem fazer
sentido, não? 

QUAIS SÃO OS TIMES QUE SE APLICAM
AOS DEMAIS CRITÉRIOS?

Para a minha surpresa, apenas um time se aplica aos demais
critérios: o Corinthians.

Se fossemos utilizar os campeonatos antigos, três times
poderiam ser considerados grandes também, o Fluminense, que ganhou o Robertão
de 1970, o Bahia que ganhou a Taça Brasil de 1969 e o Botafogo, que ganhou a
mesma Taça Brasil em 1968.  Como esses campeonatos já ocorrem há muito tempo,
acho que eles realmente devem ser esquecidos.

QUEM FICOU DE FORA?

Os times que foram campeões Brasileiro ou tiveram um passado
de glórias e ficaram de fora foram: Atlético-MG, Atlético-PR, Guarani, além de
Coritiba, Fluminense, Botafogo e Bahia. 

Com todo o respeito que esses clubes merecem, acho que eles
realmente estão em um patamar inferior aos demais. 

POR QUE ISSO É IMPORTANTE?

Porque existe um movimento, ainda que sutil, de aumento
de diferença de valores pagos
(patrocínios, fornecimento de uniformes,
etc.) aos times grandes e aos times médios.  Com essa diferença
aumentando, os times que não conseguirem, no futuro próximo, se firmarem como
GRANDES, provavelmente ficarão definitivamente relegados a um segundo plano.

O que vamos discutir no próximo artigo é algo que vem
preocupando muitos clubes: “QUANTOS CLUBES GRANDES EXISTIRÃO NO FUTURO
PRÓXIMO?”.  Ou seja, que clubes terão altos valores de patrocínios e
quais não terão?

Existem teorias em que apenas 3 ou 4 clubes grandes
existirão no Brasil nos próximos anos.  Os demais clubes passarão ao papel de
“coadjuvantes” desses 3 ou 4.  Essas teorias se baseiam na
realidade européia onde para cada país existem no máximo 4 clubes grandes. 
Alguns sugerem que teremos 5 ou 6 grandes clubes.

Eu ainda não estou bem certo quantos clubes grandes
existirão no futuro próximo, mas certamente serão menos do que os 9 que eu
citei por aqui.

Alguém aí tem uma idéia de quantos serão e quais serão?

Saudações Alvi-Verdes

* Luís Fernando Tredinnick escreve às sextas-feiras no
3VV explicando a quem conhece, e a quem não conhece, os números do futebol

13 respostas em “Quem são os times grandes?”

No Brasil temos 12 times grandes:

04 em SP
04 em RJ
02 em MG
02 em RS

Na minha visão o que conta é a tradição que vêm de longe, dos títulos e conquistas que estes clubes ganharam ao longo do tempo e da torcida que estes clubes conseguiram.

Os títulos atuais na minha visão não contam muito, já que a tradição destes 12 já é muito grande e mesmo que alguns deles fiquem muito tempo sem ganhar títulos importantes nunca deixarão de ter torcida e de serem grandes.Na minha visão a chance de times sem tradição, como Gremio Barueri ( que já até mudou de cidade), São Caetano, Sport Recife de virarem grandes é muito pequena, teriam que passar de 10 a 20 anos ganhando títulos e acumulando torcida para um dia pensarem em virar grandes.

O que vai acontecer, é que clubes mal administrados, que se recusarem a serem empresas vão virar pequenos ao longo do tempo, com este campeonato de pontos corridos que premia acima de tudo o planejamento e o bom elenco e com a vontade de todos para disputar a Libertadores, clubes como Botafogo ou até o Santos tem que mudar a maneira de gerir o clube.

Vejo hoje uma diferença existente entre alguns grandes, em termos de gestão.Clubes como, Bambis, Cruzeiro, Inter na minha opinião estão na frente, seguidos a uma certa distância por Palmeiras, gambás, Gremio e Flamengo.

O Atlético Mineiro me parece que esta no caminho certo, assim como o Fluminense, que precisa melhorar de presidente.

Eu considero que dos times citados como grandes, apenas o Santos pode futuramente deixar de ser… E o Atlético MG é um time que com a força de sua torcida um dia pode dentro desse critério engrenar, ganhar Brasileiro e Libertadores… O fluminense é um caso semelhante.. os demais jamais alcançarão o status de grandes… O Brasil jamais deixará de ter 7, 8 grandes, muito graças ao gigantismo dos estados…

Também acho que a tendência é uma diminuição de times considerados grandes. O que me preocupa é o nosso Palmeiras sem ganhar títulos de expressão. Esta década que se encerrou foi praticamente perdida em relação a conquistas.
O Palmeiras precisa retomar o caminho das conquistas.

Bertolla, concordo contingo nos dois aspectos.

Só que além de achar que não há espaço para o surgimento de times grandes, alguns times grandes deverão se tornar médios. Acho que esse é caso do Santos, e eventualmente do Cruzeiro e do Vasco. Depois quero discutir porque acho que esses times correr o sério risco de virarem times coadjuvantes.

Em relação aos contratos de patrocínio. Melhoramos muito e chegamos a 15 MM. Enquanto o Flamengo está fechando um de 28MM. E nós só reajustaremos os nosso valores em 2012.

Aliás, continuo achando que 28 milhões para patrocinar o Flamengo uma verdadeira pechincha! Esse é dos assuntos que eu quero explorar mais tarde.

Saudações Alvi-Verdes

Luis Fernando,

Não quero de forma alguma desmerecer seu texto… Apenas acho que o assunto é mais complexo, e tenho certeza de que você concorda comigo.

Por exemplo, falando em valores, o SP mesmo com o Tri brasileiro não conseguiu aumentar seu patrocínio, que permaneceu em 15 milhóes.

Enquanto isso o Palmeiras, sem ganhar um título importante há quase 10 anos, foi aumentando sua cota de patrocínio e hoje tem o mesmo valor que o SP.

Com isso quero dizer que o tamanho de um clube, assim como o valor de sua marca não estão atrelados apenas aos títulos recentes.

O que eu acredito é que não há mais possibilidades hoje em dia do surgimento de novos times grandes ou o crescimento significativo de times médios. Por exemplo, mesmo que o São Caetano tivesse engatado uma sequência boa quando teve a oportunidade, não acredito que teria se tornado um time grande.

Pois é pessoal, sempre achei que valeria muito à pena discutir esse assunto. Cada um tem bons argumentos para se definir critérios.

Fernando, o que eu pretendo com esse post e iniciar uma discussão sobre qual será o futuro dos clubes. Estou certo que não teremos os 9 clubes grandes citados no post. Quantos serão? Ainda não sei! Por isso a decisão de ignorar os títulos mais antigos.

Em relação ao Santos. Se formos desconsiderar a Libertadores, ainda temos o time sendo campeão brasileiro em 2002 e 2004, portanto continuaria sendo um time grande pelos critérios que eu escolhi.

Cunio, como sempre brincamos “se a minha avó tivesse bigode, seria o meu avô”. O fato é que até hoje nenhum time brasileiro médio ou pequeno ganhou a Libertadores. E o que interessa é o que é um time grande no Brasil! Não quero saber sobre o Once Calda ou mesmo sobre o Boca, que aliám em breve deve se tornar uma subsidiária de times brasileiros.

Marco e Eduardo, duas das coisas que vou explorar no próximo post é justamente o fator torcida e o valor da marca. Nesse aspecto, acho que o Santos é o melhor exemplo, pois ainda que tenha dois títulos nacionais relativamente recentes, não acredito que será um time que conseguirá se manter entre os grandes e um dos motivos é justamente o tamanho da torcida.

Felipe, gostei do seu blog.E gostei do seu trabalho de pontos.

Enfim, esse tipo de discussão é o que enriquece o 3VV.

Saudações Alvi-Verdes

É preocupante e nosso Palmeiras pode estar neste meio tambem se não tomar cuidado. Pois hoje em dia as pessoas que administram os clubes de forma geral estão deixando a desejar.

Discordo do critério… Por que ignorar os títulos mais antigos? São tão importantes quanto os mais recentes… Pra mim, o Robertão da década de 60 vale tanto quanto o Brasileiro de 93 ou 94.

Se você for ter este critério, como dito anteriormente, as Libertadores do Santos não contam, nem alguns dos grandes títulos do Palmeiras. O que faz um time grande não são apenas os títulos recentes, mas principalmente sua história e tradição.

Se formos pensar da forma que você está colocando, o Palmeiras, em 92 não era um time grande… A história da seleção brasileira em 93 não valia nada pois não ganhava uma copa desde 70.

Quanto ao número de times grandes, não dá pra comparar com a Europa, pois no Brasil cada estado é equivalente a 1 país da Europa em termos de população e quantidade de times.

Tredinnick, o único risco de erro neste seu critério é se, por exemplo, o São Caetano tivesse ganho a Libertadores contra o Olímpia. Será que ele seria time grande ainda mesmo assim? O Once Caldas ganhou e para mim, inexiste.

” O Brasil tem vários times grandes.” – Opa, deslizei aqui. O Brasil tem ‘vários’ em relação aos europeus. Os ‘grandes’ que são poucos que falei antes, são em comparação aos vários times que existem no Brasil. Vamos ter um campeao nacional por ano… muitos times vao passar o ano sem nenhum titulo.

Acho que pra considerar um time grande, além da história (e aí incluo desde a fundação, os primeiros títulos, as batalhas, etc.) e dos títulos; não se pode ‘esquecer’ do fator mais importante de um time de futebol: a torcida! Um time grande na minha modesta opinião, tem de ter torcida gramde ( e que comparece ao estadio) e, claro, tem que ter títulos. Muitos títulos. Mas acho que um time como o Botafogo, por exemplo, é grande sim, tem tradição. Ele foi campeão no passado, ok. Mas tem torcida e titulos. Os times grandes sao poucos, e os que tem campeonatos nacionais (Brasileiros a partir de 71 e antes) são poucos também. O Brasil tem vários times grandes.

Luis e amigos do 3VV

Inicialmente feliz 2010 para todos da nação verde.
Eu li rapidamente o estudo sobre o valor da marca dos times brasileiros, Luís, você poderia abordar este estudo no próximo post.

Abs
Eduardo Colli

Luis, não entenda que estou tentando te corrigir, mas você não considerou campeonatos nacionais ocorridos há 40 anos atrás, mas considerou o Bi da Libertadores do Santos, ocorridos há muito mais do que 40 anos atrás, quando Libertadores tinha apenas 7 times, etc. A Libertadores de antes não tinha o mesmo peso nem o mesmo prestígio de atualmente. Muitos brasileiros até se recusavam a disputá-la antigamente, onde o “pau comia” nos campinhos da América do Sul.

Quanto ao nº de times grandes, acredito que teremos mais do que 4, pois o que nos difere de qualquer país europeu é o nosso tamanho. O Brasil é um continente, por isso tem mais clubes grandes do que em Portugal e Itália, que são países muito menores.

Eu fiz uma pesquisa em meu site, onde comprovo quais são os maiores clubes do Brasil. Confira o meu ranking no menu do meu site: http://www.futebolismo.com.br

Se vc quiser divulgá-lo e analisá-lo por aqui, seria uma honra e um prazer para mim, que me dediquei dias e dias para chegar a tais conclusões.

Abraços e Feliz 2010.

Os comentários estão desativados.