Categorias
Italiano

A Juve no fundo do poço


POR CARMINE PACIELLO

* Ao sair do baile de Udine
com a 12^ derrota no  campeonato  a costipada diretoria da Juventus  apresentou as desculpas à própria torcida e
deu motivos para um silêncio <sine die>.                                                                              

* Zaccheroni que trabalhou
3 anos na região deixando uma boa lembrança escalou a dupla Del Piero e Amauri
no ataque (tendo Camoranesi  em apoio) e
a infantaria pesada no meio ou seja 
Felipe Mello e Sissoko. Ideas opostas àquelas de Marino que em avante preferiu
a agilidade de Sanchez e Di Natale com Pepe na linha intermédia: um time
disposto em 20 metros com a ordem de fazer um pressing alto não deixando espaços
aos rivais. Ao 9° um forte chute de Di Natale atingiu o travessão e
Sanchez  foi rápido ao rebater  a bola no gol. No 2° tempo depois de uma pálida
reação juventina o chileno levou vantagem sobre os 2 zagueiros da Itália,  Cannavaro e Le Grottaglie (o zagueiro evangélico
que vê Deus mas, evidentemente, não os atacantes rivais) permitindo a Pepe de
marcar o 2° gol. No final Di Natale ao fazer o seu gol n° 22 se confirmou o
artilheiro da Série A.           

* Claro que com essa vitória
(4 pontos a mais que a Atalanta, em terceiro último lugar) a Udinese está próxima
da salvação enquanto uma Juventus sem organização nem orgulho, mesmo sofrendo outro
 vexame e de ter caído para 7° lugar,
ainda pode esperar a conquista da 4^ vaga considerando a derrota do Palermo e
os empates de Napoli e Sampdoria. Mas, mesmo conquistando a vaga na Champions,  Zaccheroni não será confirmado pois fez um péssimo
trabalho: Massimiliano Allegri do Cagliari e Cesare Prandelli  da Fiorentina são os nomes mais cogitados  sendo que a opção Benitez  foi um bluff 
pois o técnico espanhol custa muito e a Juventus não tem dinheiro para
contratá-lo.

* Apesar dos 5
desfalques, na ordem: Eto’o, Lucio, Maicon e Samuel  mais o capitao Zanetti  que foi suspenso depois de 137 jogos
consecutivas disputados no campeonato,  uma
lnter concentrada e tranquila venceu (3 x 0) contra o Bologna no jogo que viu a
volta de Balotelli (1 gol) que pediu desculpas e foi reintegrado ao time.
Thiago Motta foi o destaque do jogo ao comandar o time com
autoridade  junto com Cambiasso e a fazer
os outros 2 gols.

* Mais de 10.000
torcedores acompanharam a Roma a Bari na certeza de celebrar outra vitória
dos  giallorossi. E para longe 10 minutos
(do 19° ao 29° até a Inter marcar) eles acariciaram o sonho da liderança.  Ranieri apresentou pela 1^ vez o trio de
ataque Toni – Totti e Vucinic, que marcou ao 19° o solitário gol da vitória. O time
joga por música e justamente Totti afirma sentir o mesmo perfume de 2001, ano
do último scudetto: no gol o 3° melhor goleiro do mundo como ironicamente o
apelidou Spalletti, ou seja  Julio Sergio
conquistou merecidamente a posição; a defesa com Burdisso e Juan é firme,  Cassetti na lateral direita está em boa fase
enquanto Riise assegura apoio constante no ataque. Pizzarro e De Rossi bem
coadjuvados por Taddei e Perrotta asseguram proteção  e fosfato enquanto Toni, na função de pivô, è
fundamental no ataque  que pelo  rush final recupera o seu histórico capitão,
Totti.

* No clássico da
Sicilia o Catania dominou o Palermo conseguindo uma tranquila posição na
classificação (+7 sobre a zona de rebaixamento) e mostrando ser um time
compacto e lutador. Mascara e Maxi Lopez foram decisivos, com o argentino que
festejou o seu 26° anniversario marcando os 2 gols da vitória: ele se confirmou
um bom negócio e desde janeiro marcou 6 gols em 11 jogos, melhorando o time em
qualidade e garra.

* Sem brincar em
serviço a Sampdoria não deixou escapar a possibilidade de vencer (2 x 1 contra
o Chievo) e se encostar ao  4° lugar,
junto ao Palermo,  com 51 pontos. Cassano
ao 1° minuto e Pazzini no 2° tempo anotaram pelos blucerchiati.  

* Em queda de
rendimento o Cagliari lutou antes de cair diante do Milan. Todos os gols (2 x
3) foram marcados no 1° tempo enquanto na 2^ etapa Dida se destacou ao fazer duas
excelentes defesas segurando o resultado final e deixando Leonardo esperar
ainda no título.

* Para uma Lazio que
deveria vencer para afastar o fantasma da Série B e o Napoli empenhado na luta
pela Champions,  o empate era o único
resultado ruim. De fato empataram!  Reja
escalou um ataque com Rocchi e Floccari enquanto Mazzarri insistiu com
Quagliarella e Hamsick em suporte a 
Lavezzi, ponta central.
Aproveitando do ótimo lance
de Mauri ao 4° min. Floccari abriu o placar marcando de cabeça.
O Napoli não foi pronto a reagir e, assim como
aconteceu no jogo contra o Milan, a Lazio desperdiçou  a oportunidade de desferir o golpe do K.O!
Sorte dos azzurri que logo depois  empataram
com Hamsick  que com doce e cirúrgico
toque de bola superou um atônito Muslera.

* Irmãos de fé palestrinos:
quero informar que a coluna italiana vai silenciar-se  por um turno pois nesse fim de semana (de sábado
até segunda feira) o vosso amigo Carmine vai dar um passeio em Praga.  
Com licença!

* Seleção  da rodada n° 32.

Técnico: Mihajlovic (4/4/2)

Viviano  (Bologna, apesar dos 3 gols tomados) – Cassetti
(Roma),  Zapata (Udinese), Manfredini  (Atalanta) e Riise (Roma) – Mascara (Catania),
Mauri (Lazio) Tiago Motta (InteR) e Cossu (Cagliari)-  Maxi Lopez  (Catania) e 
Di Natale (Udinese)

3 respostas em “A Juve no fundo do poço”

Como o Riise tem jogado bola nessa temporada, impressionante. “Seleção” justa pra ele nessa rodada!

E o time da Roma, nessa temporada, merece os seus justos elogios. Tem jogado muito bem e não à toa está há mais de 20 jogos invicta no Calcio!

o reflexo da diretoria vai pra dentro de campo…..a juve como o verdão faz cada contratação orripilante………

Os comentários estão desativados.