Categorias
Corneta do Cunio

Corneta do Cunio – Pimenta nos olhos dos outros…

POR ALBERTO CUNIO

Ardidos alviverdes, gostaria hoje de trocar algumas ideias com nossos
leitores sobre técnicos. Quando nos referimos a este assunto no Palestra, tenho
a perfeita imagem do “come sardinha e arrota camarão”. Vamos explicar porquê.

Em 1976 ganhamos o último título paulista antes do intragável tabu de 17
anos com o técnico Dudu, nosso ídolo e dono da camisa 5 da segunda academia.
Quase TRINTA E CINCO anos depois, já tivemos TRINTA E CINCO diferentes técnicos,
sem contar os que foram e voltaram e o atual interino Parraga (Fonte:
Futpedia). Ou seja, um técnico por ano na média. E quantos nos deram títulos? Apenas
DOIS!, que todos sabem quem são (não estamos considerando o título da Série B
com Jair Picerni). E olha que posso colocar na lista grandes treinadores e
campeões dos bancos de reserva, tais como Telê Santana, Rubens Minelli, Carlos
Alberto Silva...

Mesmo assim, creio que o Palmeiras e o palmeirense sofreram durante
estas últimas décadas uma espécie de trauma, quando o assunto é técnico.
Principalmente do ano 2000 para cá, parece que nada além de Luxa e Felipão
poderia nos salvar. A menor intenção de colocarmos um técnico que fosse diferente
destes dois, não seria “adequado” ao nosso nível, ou seria “aposta”
desnecessária, ou um “risco” de cair em desgraça com a torcida.

Desta forma, vimos novos valores do banco de reservas surgirem em outros
clubes, ganharem títulos, sem que fossem dignos de assumirem nossa “seleção”.
Até tentamos alguma coisa de melhor nível, com Tite e Muricy Ramalho, mas os
senhores lembram bem o final trágico que impusemos a estes dois bons
profissionais. Mas lembrem-se que preterimos a boa campanha que iniciava
Jorginho: afinal, não seria ele a nos manter na ponta do Brasileiro até o
final. Muito inexperiente. Preterimos Dorival Jr. (sobrinho do Dudu de 1976!): palmeirense
nato, mas sempre nossa segunda ou terceira opção, jamais um nome a comandar o
“esquadrão” alviverde.

Resultado de tudo isso, já sabemos. Hoje, Parraga assume interinamente a
equipe, começa com vitória, pode deslanchar. Porém, jamais o técnico que alçou
o Palmeiras B da série A3 para a A2 poderia ser solução para nós. Vamos atrás
de outro medalhão. Acabo de ouvir no Sportv que Péricles Chamusca do Avaí
interessa ao Palmeiras. Notícia plantada ou real? Não sabemos. Mas para que
discutir? Péricles Chamusca tem nível para dirigir o Campeão do Século
(passado)? Nunca. Técnicos assim, só para os outros.

Por isso que sou taxado de maluco quando digo que gostaria de Estevam
Soares hoje no nosso banco de reservas. Ressalvas: Estevam ficou, em partes, um
pouco arrogante desde que começou a ter notoriedade em 2004, saindo do
anonimato como treinador da Ponte Preta (já que era conhecido como ex-zagueiro
Leonor) e indo para o Palmeiras. Porém, o que ele fez à frente do nosso clube?
Pegou a equipe vinda da Série B, recheada de novatos e desconfianças, e colocou
em quarto lugar no Brasileirão 2004, nos classificando para a Libertadores
2005. Para aqueles que acham pouco, lembro nossos últimos fracassos na
tentativa de classificação para o torneio continental. E com elencos e técnicos
bem melhores.

Muito arriscado? Talvez… ousadia em tentar um treinador sem grife? Pode ser.
Mas vencer implica também em ousadia e risco, além de comprometimento. E isso
falta à nossa diretoria, covarde e hesitante. CORNETA na orelha destas
“gallinas” verdes, que de tanto conservadorismo estão nos conservando em
formol. Sem técnico e sem títulos.   

29 respostas em “Corneta do Cunio – Pimenta nos olhos dos outros…”

Dos técnicos em questão, prefiro Celso Roth e Estevam, nessa ordem. Condená-los porque não foram campeões é piada. Quantos títulos disputaram? E outros medalhões como Telê, Luxa, Muricy, Tite, Levir etc, quantos títulos disputaram e quantos ganharam? Ou, para melhor avaliar, quantos títulos perderam?

Até mesmo o Felipão, muito vaiado quando era o técnico, e endeusado depois, quantos títulos disputou e quantos perdeu? Certamente muitos mais que Celso Roth ou Estevam Soares.

Eu acho o Estevam um bom técnico. Ele se queimou naquele episódio com o Diego Souza bunda gorda.
Mas no atual momento só tem um cara para dirigir o Palmeiras: Felipão. Se não for o poderoso chefão, deixa o Parraga mesmo.

Olha, concordo com quase tudo o que disseram, menos quando “detonam” Estevam Soares. Concordo que ele está para lá de ser um técnico brilhante, mas tanto ele como o Celso Roth 9meu Deus, nunca pensei que falaria isso), deveriam ter mais oportunidades. Fizeram bons trabalhos com o Palmeiras, mas acabaram não sendo campeões. Concordo também que estrutura é importante e nem sempre um bom técnico resolve, caso do Leonor.

Complemento:

Só pra lembrar, o atual técnico leonorino é o inexpressivo Ricardo Gomes, vitorioso no “grande” Paris St. Germain como jogador e onde também viveu uma jornada como treinador. Não faz muito tempo, fracassou numa tentativa de classificação da seleção brasileira para alguma olimpíada. A torcida cor de rosa contestou muito o cara este ano, não venceu nenhum clássico e o time dos caras não estava jogando porra nenhuma, mas, estão perto da final da libertadores novamente. Como se pode explicar isso? Será que técnico faz tanto a diferença assim? Ou a estrutura de futebol é que deve prevalecer?

Só mais uma coisinha, tb acho o Estevan Soares um bom treinador e fez uma boa campanha, pena que na época ainda não tinhamos passado por tantos treinadores medíocres para comparar, se já tivessemos passado acredito que ele teria uma sequencia maior e renderia mais.

Só pra ser mais preciso, tivemos 3 treinadores que nos deram títulos. Além do Vanderlei e Felipão, em 2000 fomos campeões da Copa dos Campeões com o Murtosa. Se contar a série B, tb entra na lista o Picerni Pega Pega Pega, mas série B acho que não conta.

Bem de todos esses técnicos de segunda linha ainda prefiro Celso Roth. Extremamente injustiçãdo no Palestra Italia. Em 2001, após ser derrubado pelo juiz nas semi finais da libertadores, fomos roubados ao maximo na argentina, ele levava o Palmeiras como o melhor time do Brasil.

Na 20 rodada do brasileiro, aquele ano tinhamos só 27 rodadas em uma fase classificatória, o time era só o PRIMEIRO COLOCADO, com 35 pontos. Mas após perder para o nosso maior rival, O INTERNACIONAL DE PORTO ALEGRE, a turma do amendoim, mas alguns da arquibancada pediram a cabeça do técnico. Detalhe, naquele ano se classificavam 8 para a segunda fase.

Entoces, mandaram o Burro embora, e o Palmeiras que estava praticamente classificado, com um time mediocre, simplesmente perdeu 6 das ultimas 7 partidas.
Em 20 rodadas, 35 pontos, em 27 rodadas 38 pontos. Claro, que o culpado foi o Celso Roth, afinal quem mandou os jogadores seguirem a risca o que ele pedia, dentro das limitações de um time que tinah por exemplo, o craque MIsso, e o fenomenal atacante Donizete Pantera.

Bem pra mim, de todos esses que sobram no mercado ele é o menos pior, tira agua de pedra e não custa caro. Levou o Palmeiras a liderança do campeonato de 2001, antes da sequencia do ano passado, era dele a maior sequencia na liderança do Palmeiras, justamente em 2001. De la pra ca, tivemos : Jairs, Estevans, Luxemburgos, Levirs, Muriçocas, Leãos, Caiojrs, etc. Todos com times muito melhores, no que falamos de nomes, todos com elencos caros. Mas no fim das contas, o ruim era ele, que largou o time na liderança, pra depois sentar no sofa e ver a derrocada, que no outro ano, levou o time a segunda divisão.

Pra se ter uma idéia, olha o time que o cara levou a liderar o brasileiro até a vigésima rodada:
Marcos, Alexandre, Thiago Matias, Arce, Misso (Juninho), Fernando, Magrão, Pedrinho, Tadei, Donizete (Fábio Júnior), Muñoz (Edmilson)

Podem detonar o cara, é um técnico realmente que não tem sorte, que não ganhou nada, mas se não for pra contratar um FELIPÃO, prefiro o Celso Roth, pois é barato, não causa estrago financeiro, e ainda quem sabe muda a sorte com um time melhorzinho.
XXX D. G. XXX
ps: eu era um dos otarios que o chamou de burro e ficou superfeliz com a saida dele na segunda feira depois do jogo. Mal eu sabia que o pior ainda estava por vir.

Tenho a seguinte opinião ou é o Felipão ou é o Felipão. Do jeito que este clube esta uma verdadeira bagunça acredito que só ele pode dar jeito.

Acho que o técnico é complemento, lógico que pode fazer uma diferença absurda.

Sei que dói reconhecer os méritos do inimigo do jd leonor, mas, vejam quantos técnicos foram campeões lá nos últimos 15 ou 20 anos? Mais de três pelo menos. É a estrutura que tem que fazer a diferença pra um bom técnico poder levar a equipe as vitórias, não a toa eles estão às portas de mais um final da libertadores. É ou não é para refletirmos e debatermos um pouco? O que acham?

Só complementando o que eu disse no comentário 8, para sermos campeões não temos a menor condição de experimentar técnicos com a estrutura, modelo de gestão e gestores que ocupam o clube a mais de 30 anos.

Como já disse várias vezes em outros locais, o Felipão só foi campeão com o Palmeiras, pois agia como presidente, diretor de futebol, interlocutor oficial junto a imprensa e também técnico de futebol.
O Luxemburgo, pelos times que tinhamos.

Qualquer outro técnico que que não tenha esse perfil e que demande prazo para funcionar será engolido pelas mazelas do clube. Muricy é o exemplo mais recente, e olhe que chegou com 3 títulos brasileitos nas costas.

De novo Estevam Soares,Cunio.Seu raciocínio tem lógica, mas Estevão não dá.

“Se um dia todos os treinadores do mundo desaparecessem e só sobrassem Estevam Soares e Péricles Chamusca,eu prefiro o Chamusca”.

Que fique claro,eu quero o FELIPÃO, e uma estrutura profissional administrando o Palmeiras.

Estou com o Cláudio quando ele fala em estrutura e Gestão. – Nem sempre tivemos medalhões no comando de nossos esquadrões. Filpo Nuñes, Brandão (1ª e 2ª academias) e Luxemburgo, fizeram o seu nome no Palmeiras. Foram apostas que deram certo porque havia Gestores do futebol.
O Palmeiras precisa de um gestor ou de um grupo de gestores, que entenda de bola e de Palmeiras, não precisa entender do “futebolcomoumtodo”. Precisa dar uma “cara” pro time, estabelecer um padrão de jogo (tipo academia) e por em prática com as peças certas nos lugares certos.
Mas valeu o post. – Pelo menos a turma esquece Felipão e Abel Braga e começa a pensar em Chamusca, Caio Jr., Estevão, etc… Bota aí em discussão os “inhos” – Nelsinho, Geninho etc…

Eu sempre falo isso quando discuto com amigos sobre os técnicos do Palmeiras.
Mas a minha linha de raciocínio é um pouco diferente da sua, Cunio.

Se o Estevam com o time que tinha conseguiu colocar em o Palmeiras na Libertadores, por quê diabos o time do ano passado não conseguiu? Os culpados? Eu culpo os jogadores. Esses, quando querem, não precisam de técnico bom ou de nome. Só precisam se unir e querer sair da lama sozinhos.

Por isso prefiro dar esperanças a um técnico da base que conheça a molecada e a estrutura do clube, que não receba valores astronomicos, que não queira colocar o clube a mercê da imprensa nas coletivas e que saiba fazer o feijão-com-arroz humildemente. Os jogadores, se quiserem, vão acolhê-lo e vão conseguir os objetivos. Era o caso do Jorginho ano passado..

É o caso do Dorival Jr. no Santos. O que ele faz lá?! Nada além do feijão-com-arroz! Pelo contrário, até hoje não arrumou aquela defesa deles que, quando sufocada, toma gol atrás de gol! O diferencial é que no ataque eles jogam soltos e fazem mais gols do que tomam.

Lembrem do Alex Mineiro, não é um excelente jogador mas em 2007 o atacante era o Washinton!

Eu ainda Prefiro o Caio Junior, que fez um belo trabalho sem os jogadores que ele pediu e depois foi entregue ao Luxa!

Eu falei… A comunidade palmeirense quer sempre alguém “de nome”, “de mais peso”… E assim a carruagem passa… E a fila aumenta… E os inimigos vencem…

Concordo com o Cláudio (#8): o raciocínio faz sentido, o nome (Estevam) é que não agrada. Precisamos de alguém mais ousado.

PS (para fazer uma pequena correção): em 2005, estávamos disputandoo 4o. lugar palmo-a-palmo com o São Caetano quando ocorreu a punição àquele clube. Tínhamos chance de obter a vaga pra Libertadores independente da tal punição.

Cunio, sem entrar nos méritos do treinador, mas nossa classificação a Libertadores de 2005 deu-se ao fato da morte do jogador Serginho que fez o São Caetano perder pontos, senão, ficaríamos em 5°.

Porém, entendo muito bem seu raciocínio e partilho dele, não do nome em questão.

Necessitamos de uma estrutura, de uma gestão, de GESTORES COMPETENTES.

Abraço.

Cuinio, sem entrar nos méritos do treinador, mas nossa classificação a Libertadores de 2005 se deu ao fato da morte do jogador Serginho que fez o São Caetano perder pontos, se não, ficaríamos em 5°.

Porém, entendo muito bem seu raciocínio e partilho dele, não do nome em qustão.

Necessitamos de uma estrutura, de uma gestão, de GESTORES COMPETENTES.

Abraço.

Interessante que ja e a terceira ou quarta vez que vc fala neste individuo para ser tecnico do Palmeiras,deve estar ganhando algum $$$ para fazer campanha para ele Alberto so pode ser !!!!!

Estevan Soares so pode ser piada hahahaha
Precisamos de um tecnico de verdade, nao e o caso deste Estevan Soares…

O cara que chamou marcel de leivinha…..
O cara que foi xingado pelo diego bunda de urso!!!!!
Sem mais!!!!!

Os comentários estão desativados.