Categorias
Corneta do Cunio

Vuvuzela do Cunio – Game Over e uma lição

POR ALBERTO CUNIO

Brazucas alviverdes, infelizmente nos despedimos da Copa e
poderíamos gastar umas boas colunas para enumerar as razões de nossa
eliminação. Ao contrário, vamos apenas creditar isso ao óbvio: jogamos melhor
no primeiro tempo, fizemos um gol. Jogamos pior no segundo tempo, tomamos dois
gols. 2×1, fim de jogo. Futebol é assim mesmo. Poucos detalhes decidem a
parada. No nosso caso, um gol.

Apesar de muitos de nós concordarem que
alguns de nossa equipe não mereciam eliminação tão chocha, casos de Lúcio,
Juan, Maicon e até do Elano, eles não são 100% do contexto e uma competição
deste nível exige equiparação de dedicação, preparo e técnica.
Caso contrário, um elemento
pode arruinar o trabalho de todos. Isso é equipe.

Porém, o que eu gostaria de deixar como “o jogo” desta Copa
2010, era a partida mais “patinho feio” das quartas-de-final. E foi a partida
que nos deu uma lição.
Abaixo estão dois dos vários vídeos que encontrei na
internet: no primeiro, o lance do pênalti. No segundo, mostra o momento
emblemático de todo o jogo: o herói, Suarez, que após salvar duas vezes o gol
ganense em cima da linha e ter sido expulso (reparem que o lance teve um
impedimento, quase imperceptível), acompanha a cobrança de Gian da entrada do
túnel que dá para os vestiários.
E vibra, com a sensação de dever cumprido, após a bola explodir
no travessão. 

***

***

***

Suarez,
jogador de vital importância para a campanha uruguaia até então,
não se resignou em sacrificar sua participação na Copa para dar à sua
equipe
ainda uma chance de alcançar as semifinais. E conseguiu.

A lição disso é que há momentos em que temos que entregar o
nosso lado para salvaguarda de todos. Ou alguém esqueceu que o capitão
do
Titanic afundou junto com o navio? Suarez, nota mil para você. Sou
brasileiro, mas
você é um orgulho para o futebol.

Como não poderia deixar de ser, até a eliminação do Brasil
na
Copa repercute no Palmeiras. A sombra da volta dos que nem vieram começa
a
passear nas alamedas palestrinas. Motivo pelo qual farei a primeira
VUVUZELADA
preventiva para o Nabucodonosor da CBF: NÃO VEM QUE NÃO TEM! FELIPÃO É
NOSSO!

5 respostas em “Vuvuzela do Cunio – Game Over e uma lição”

Eu queria ver Brasil x Argentina na final, seria o maior jogo de todos os tempos! Infelizmente não vai acontecer, então que vença o Uruguai. E o gol do título vai ser de Loco Abreu!

Ainda acho que se o lance ocorresse mais cedo, a reação do Suárez seria a mesma e, em caso de eliminação do Uruguai, seria eleito o culpado e até chamado de burro. Para mim, virou herói por acaso.

#1 Zambon, evidente que foi instintiva. Mas é justamente o instinto de preservação que faz este tipo de atitude. Como a mãe que se atira na frente de um filho no meio de um tiroteio. Sei que a comparação pode ser exagerada, porém a atitude do cara foi louvável.

Esse lance do Suarez, pra mim, é a imagem que ficará gravada na retina desta copa.

E veja como um lance com a mão é capaz de condenar para sempre e também pode elevar a condição de herói o seu autor, no caso do Suarez, herói, no caso do Henry, vilão.

Eu amo este esporte!

Advogado do diabo: se o lance do Suárez tivesse ocorrido, por exemplo, aos 30 minutos do 1o. tempo, será que ele teria deixado a bola entrar?
Não duvido do caráter do cara, só acho que a reação dele foi apenas instintiva.

Os comentários estão desativados.