Categorias
Corneta do Cunio

Vuvuzela do Cunio – Gepofte maïs para lá, gosto amargo para cá

POR ALBERTO CUNIO

Apreensivos alviverdes, a
Copa acabou e finalmente descobrimos quem é o “curíntia” do velho continente.
Pelo amor… Essa Holanda mostrou que Copa do Mundo não é com eles mesmo. Pelo
menos chegou em três finais, coisa que os marginais s/n jamais ousaram cheirar
na Libertadores.

Os grandes craques se
definem nas partidas decisivas: Casillas fechou o gol, fez duas defesas vitais,
enquanto Robben preferiu degustar sua “gepofte maïs”, mas conhecida como
PIPOCA. Restou aos laranjas azedas fazer um corredor polonês para reverenciar
os campeões, com todos os méritos.

Mas o que nos importa
agora é o que fazer com os cacos que está o Palmeiras. Um monte de pirotecnia
para trazer o Gladiador pode ter sido cortina de fumaça densa para acobertar o
que todos nós sabemos: o Palmeiras está em frangalhos sob todos os sentidos.
Ações de final de mandato estão sendo feitas para tentar salvar o ano, que foi
mergulhado no vinagre depois de um 2009 catastrófico. Para tal, nossa
competentíssima diretoria se aproveitou do clima de Copa do Mundo para dar um
choque amnésico na torcida, prometer mundos e fundos, sem ter certeza das
possibilidades reais de concretizar esses sonhos. Achando que esquecemos das
mazelas do primeiro semestre.

Vamos lá, começando do
começo: Felipão. Quem é o brasileiro que não sabia que o anão da CBF seria
substituído, trazendo ou não o caneco? Só um alienado. Se tivéssemos consultado
Paul, o polvo, então, já saberíamos de antemão. Mesmo assim, nossos brilhantes
dirigentes anunciaram Felipão sem pensar na hipótese que um revés canarinho
faria recair sobre o bigodudo dos pampas a única esperança de não fazer um
fiasco em 2014. Agora, somos reféns de uma situação. Lembram-se do último time
que Telê Santana dirigiu? Foi… O Palmeiras. Dirigiu? Não. Tancredou. Recebeu
a incumbência e jamais assumiu. Felipão está no mesmo caminho. A CBF não pode
se arriscar de jeito nenhum. O Nabucodonosor da Granja Comari vai engolir todos
os sapos que precisar para contar com nosso novo-velho ex-técnico. O qual já
abriu seu desejo de voltar à seleção, “desde que a CBF se entenda com o
Palmeiras”. Resultado: Pôncio Pilatos, jogando a granada sem pino nas mãos do
tucano presidente esmeraldino, que terá que fazer a escolha de Sofia entre o
clube do coração e a pátria. Que desalento. Que desespero.

Segunda parte: el Mago.
Ontem, DO NADA, aparece um dos milk-shakes do Al-Capim para dizer que Valdívia
não sai nem que tenham que invadir os Estados Unidos. Ué? Mas durante a semana
não saiu que a proposta palmeirense fora aceita pelos árabes? Que árabes? Quem
recebeu o nosso peessedebista-mor? Será que fomos encontrar o Saddam achando
que era dirigente do Al-Capim? Ou será que o dono do clube árabe é o mesmo que
sumiu com o passaporte do Rivellino?

Alguma coisa está
errada. A assessoria de imprensa do Palmeiras, com todo respeito e admiração
pelo Finelli, está sendo levada “no bico” por essa diretoria. Já não sabe mais
nem o que anunciar. Acabamos ficando à mercê de uma imprensa que nos detesta
dar e “desdar” notícias para levar-nos da euforia à depressão em poucos dias.
Estamos cansados. Estamos exaustos.

Para não terminarmos a
VUVUZELADA sem citar a Copa, essa última vai para o Arjen “gepofte maïs”
Robben. Sem mais explicações, né? Precisa?

Uma resposta em “Vuvuzela do Cunio – Gepofte maïs para lá, gosto amargo para cá”

Os comentários estão desativados.