Categorias
Arenas

Arenas – Desapropriação

Por Claudio Baptista Jr.

Na última semana foi publicada uma notícia que a S. E. Palmeiras terá desapropriada uma parte da sua área para dar espaço ao fluxo de veículos de uma das ruas que faz o entorno do clube. Especificamente o final da Rua Padre Antônio Tomás com a esquina da avenida Antarctica. Leiam a matéria ao final do texto.

Em princípio temos que ter consciência que esta ação por parte da prefeitura deve ter sido negociada dentro do pacote de contrapartidas que terão que ser realizadas na região com a construção da Allianz Parque.

E também não precisamos voltar a repetir sobre o Consórcio Palmeiras/WTorre ter que utilizar recursos do negócio para a realização deste tipo de melhoria quando clubes rivais as ganham gratuitamente do poder público e também são agraciados com incremento de patrimônio.

Vejam a figura abaixo a imagem da esquina da Av. Antarctica e a rua Padre Antonio Tomás (a rua mais estreita entre as árvores) que deverá perder uma área até a portaria do clube para o alargamento da pista.

B

Porém, ainda existem perguntas dentro desse processo.

Durante a fase de aprovação da construção, sempre se falou que nos encontrávamos no limite de área construída, entretanto, como vemos na matéria abaixo, o shopping Bourbon instalado ao lado do clube, pagou contrapartidas por ter construído além dos limites estipulados pela Lei de Zoneamento. Nós arcamos com elas por estamos no limite?

http://vejasp.abril.com.br/materia/bourbon-shopping-um-gigante-na-pompeia

Não acompanhei a construção do shopping, mas tem amigos questionando se foi realmente construído o piscinão exigido pela prefeitura para minimizar os alagamentos na rua Turiassu com a Pompéia.

Também, questiona-se porque não foi exigida uma contrapartida similar a esta da S. E. Palmeiras se o shopping utiliza pista da rua Turiassu para a entrada e saída de veículos do seu estacionamento, causando estrangulamento da rua. Abaixo imagem do shopping com a rua Turiassu.

CAgora, e se essa desapropriação exigida da S. E. Palmeiras não aparece explicitamente nas negociações das contrapartidas?

Poderíamos, por exemplo, ter maior espaço para a elaboração de projetos como o nosso Museu que será peça importante para a S. E. Palmeiras podendo “alimentar” exposições no memorial dentro da Allianz Parque?

E quanto ao sistema Stehplatz para o qual existe uma limitação de área para estocagem das cadeiras removíveis?

Bom, vamos trazer o discurso conforme a consideração do início de texto de que a negociação para esta contrapartida foi realizada de forma evidente dentro do processo de aprovação da obra e que o clube estava consciente dos detalhes de todas as contrapartidas.

Alguns amigos trouxeram propostas para que a prefeitura também pudesse do seu lado realizar ações na região e entorno do estádio:

– Na rua em questão, eliminar a ilha que separa os fluxos de veículos ao seu final e diminuir o passeio do banco Bradesco. Primeira figura no início do texto.

– Deslocar para outro local o ponto de ônibus da Av. Antarctica quase na esquina da rua Padre Antonio Tomas que trava o fluxo de veículos de quem quer virar a direita na rua Turiassu. Primeira figura no início do texto.

– Instalação de semáforos inteligentes.

– Na Av Matarazzo existe um enorme condomínio em fase de construção para o qual está sendo construída uma rua atrás do residencial visando atender sua entrada e saída de veículos. Poderia ser útil a extensão dessa rua que aparentemente só servirá o condomínio a fim de auxiliar o fluxo da Av. Matarazzo. A figura abaixo é antiga, mas percebe-se a área onde está sendo construído o condomínio.

D

 

Reestudo da rotatória da Av Sumaré com a Av Antarctica e rua Turiassu. Imagem abaixo.

E

 

Existem muitos Palmeirenses contrariados. Lutam contra a perda da nossa identidade e utilizam esse episódio para mais uma vez trazer de volta a lembrança da luta em defesa do nosso patrimônio em 42.

Não nos esquecemos de que a Av. Antarctica e a própria Matarazzo foram alargadas no passado em áreas da S. E. Palmeiras.

E vocês? Qual é o sentimento? Poderiam propor mais alternativas para o entorno que não sucateasse o patrimônio do nosso clube?

http://www.espn.com.br/post/343373_dono-de-unico-estadio-sem-isencao-fiscal-palmeiras-tambem-tera-de-ceder-area-do-clube-social-a-prefeitura

***

Somente como complemento ao post da semana passada que falava sobre o Maracanã ( http://3vv.com.br/2013/07/arenas-maracana-presentao/ ), abaixo tem uma análise do blog Novas Arenas que traz informações mais completas e compara o modelo adotado pelo Fluminense com o que será dotado pelo Flamengo.

Interessante após a leitura deste comparativo, que vocês tentem extrapolar os modelos de negócio que estão sendo assinados para o Maracanã para a gestão global do futebol de um clube.

http://exame.abril.com.br/rede-de-blogs/novas-arenas/2013/07/23/maracana-qual-clube-escolheu-o-melhor-modelo-fla-ou-flu/

 

Abraço,
Claudio.

12 respostas em “Arenas – Desapropriação”

Frequento o clube diariamente e para minha surpresa hoje tive essa informação, que a partir da semana que vem a portaria das piscinas estará fechada, pois o Palmeiras cedeu essa área para a Prefeitura. Vim na internet buscar informação e fiquei indignada!!! Pois o shopping Bourbon nada fez e faz para melhorar o entorno, muito pelo contrário, colocam cones nas pistas para facilitar a saída do seu estacionamento, prejudicando muito o trânsito. Agora nos associados temos que pagar a conta mais uma vez?? E para piorar uma tremenda burrice pois não é essa área q vai melhorar o trânsito….é puro capricho dessa Prefeitura Incompetente!!!! E uma grande decepção com a nova gestão que pelo jeito não esta nem aí para o clube e para os seus associados.

Parabenizo a você Claudio, pelas matérias importantes, sendo por mim sempre acompanhado, item a item, dos seus posts, que considero além de bem feitos, materialmente informativos de serem anexados aos inúmeros itens a adicionarem pontos ao projeto do ALLIANZ PARQUE, desta maneira creio que todo contato possível com Junior Gottari e Ricardo Galassi, produz bagagem técnica as ser disponibilizada aos empreendedores , já que de forma dinâmica , todas as ARENAS MUNDIAIS, absorvem quase que mensalmente novas tecnologias, que avançam receitas e disponibilizam recursos, a diversos investidores.

Boa tarde Claudio Baptista Junior, sou Arquiteto, desta maneira acompanho de perto toda a “evolução´´, politica do entorno da Sede Social Alviverde, lembrando que já temos um parecer negativo, perante as contra partidas efetuadas pelas obras as quais sempre mencionamos ou serão mencionadas, pois o Shopping Bourbon é sem duvida uma irregularidade comum pelo fato que ocupa o triplo da área útil que responde a toda obra obrigatoriamente , desta forma se avaliarmos o terreno da Sociedade Esportiva Palmeiras no total de 93.279 metros quadrados, só O ALLIANZ PARQUE, possui 93.129 metros quadrados, que obriga o clube a ter a manutenção alegada de todo o entorno, do leito carroçável, disponibilizado, nas Ruas Turiaçu e Padre Antônio Tomaz, e nas Avenidas Francisco Matarazzo, Pompeia, e arredores , fato que ao mesmo tempo não é considerado causa e feito aos edifícios Comerciais, e Residenciais, concretizando o efeito nocivo, com caráter politico das “autoridades ´´ municipais, sempre destacada que o clube não simpático aos já mencionados administradores publicos, é sempre a bola da vez, com “alegações legais ´´estapafúrdias, que mencionadas pela mídia predatória, tem caráter nocivo, desmedido, perante aos já beneficiados, panetone do jardim Leonor e latrina da zona leste, sendo que ao lermos e ouvirmos depoimentos dos inúmeros idiotas que são entre aspas, entendidos, vemos o quanto o Palmeiras tem a ser perseguido!

Resumindo: O Shopping Bourbon expandiu sua área além dos seus limites e agora o Palmeiras é que tem que doar uma área para compensar aquela que o shopping invadiu, ou seja, estamos doando uma área para o shopping.

É inadmissível, não podemos aceitar em ceder um pedaço da área do clube para prefeitura de SP, no minha opinião o Shopping Bourbon não era pra está colado no clube, tenho certeza que o responsável de ceder essa área pra construir o shopping na época, foi o mustafá (verme maldito), se esse verme não tivesse doado essa área para construir o shopping, o clube seria maior, infelizmente a realidade é essa, para os amigos tudo, para os inimigos o rigor da lei. Em outras palavras não deveria doar área nenhuma, essa área é nossa e não deveria permitir que a prefeitura vem do nada e chegar a dizer que tem que ceder essa área para aumentar o fluxo da Av. Antártica e blá-blá-blá. Para mim a prefeitura só quer os caprichos e chantagens com a maior safadeza e cara de pau. Até quando vamos aguentar e aceitar isso ???

A questão central é que se exige do Palmeiras contrapartidas e compromissos que não foram exigidos das obras vizinhas e muitos menos dos outros estádios da cidade. Um construído incentivos fiscais e recursos públicos e outro tendo obras de mobilidade para facilitar o acesso. Não se lembram da discussão sobre a linha 17 ouro?
Aos amigos tudo, aos inimigos o rigor da lei! Não é por ai.
Outro ponto fundamental é que o tratamento dado ao Palmeiras não merece destaque na imprensa, tanto na esportiva quanto na política. Basta imaginar o barulho que seria feito se o envolvido em situação semelhante fosse o time do Jardim Leonor ou o time da marginal.
Não se poderia esquecer também que a S.E. Palmeiras dará para a cidade de São Paulo um equipamento esportivo, sua Arena, com custo zero para os cofres públicos e ampla valorização comercial para a área próxima ao estádio.

Eu queria saber se o bourboun realmente contruiu o que tinha que construir, Se os prédios comerciais que estão subindo lá DE NOVO, terão contrapartidas, Se os prédio residências também terão contrapartidas.
O que me deixa puto é que ALI é tudo na conta do clube.

Eu acho que não deveria doar àrea nenhuma, apesar de não achar que somos vítima de nada. O Palmeiras ganhou a concessão do C.T. da Barra Funda da prefeitura e não quis o parque ecológico do Tietê… Mas obviamente se vc abaixa a guarda e deixa os caras levarem o terreno de graça, vc não passa de um bundão…

Antes que escrachem em praça pública vou esclarecer alguns pontos (não vai adiantar nada na verdade):

– sou palmeirense; – também acho um absurdo o proceder do Poder Público com outros clubes;

Todavia, acho correto a medida de compensação, pois, São Paulo é um caos urbanístico e a obra palestrina, realmente causa impacto, nessa medida, fico feliz que meu clube não esteja contribuindo para piorar a cidade.

Oi Claudio no pst que comentou a entrega da area falei o que vc escreveu,
cuidado apenas com a turma que fez manifestação sobre as arvores, ali tudo e culpa do Palmeiras.

Os comentários estão desativados.