Categorias
Verdão na Mídia

Verdão na Mídia 30-08-2013: Após conversa com elenco, Brunoro banca Kleina mesmo com derrota no Ceará ❘ Lancenet

NOTICIÁRIO ❘ LANCENET

• Após conversa com elenco, Brunoro banca Kleina mesmo com derrota no Ceará

Diálogo com o elenco ocorreu nesta manhã e relação com o grupo foi elogiada; apesar de reclamações dos jogadores por discurso do Nobre, Brunoro disse que presidente é ‘adorado’

O diretor-executivo José Carlos Brunoro reuniu-se com o elenco do Palmeiras antes do treino desta sexta-feira, para falar sobre a apática atuação contra o Atlético-PR, que rendeu a derrota por 3 a 0 em Curitiba (PR), eliminação na Copa do Brasil e fortes críticas do presidente Paulo Nobre à atuação. De acordo com ele, a conversa foi “transparente” com o grupo, que entendeu a perda da calma de seu chefe.

– Estamos criando um novo tipo de administração. Sempre que há problema, existe cobrança, mas não significa demissão. É avaliação do trabalho. É uma cobrança de realinhamento. A cobrança mais forte do presidente foi em relação à motivação do grupo para o jogo. Como ele é muito autêntico, queria que o grupo tivesse se doado mais, e foi o que passamos na reunião de hoje (sexta) para eles – afirmou o dirigente nesta manhã, na Academia de Futebol.

– A reunião foi muito legal, a relação é muito franca e assim fica mais fácil o entedimento. A reação então foi tranquila – completou.

Embora o zagueiro Henrique tenha dito que o elenco ficou “triste” com as declarações de Nobre, que teve sua postura criticada após derrotas, Brunoro avisou que o elenco gosta do jeito autêntico do mandatário alviverde.

– O Paulo é autêntico. Não podemos perder isso nele. Ele é um novo dirigente que tem tido na sua autenticidade sua grande forma e carisma, e os jogadores adoram, seja bom ou ruim. Ele não tem meias-palavras, fala o que sente dentro de uma normalidade, nada para prejudicar ninguém. Eles sabem que o Paulo é assim e entenderam. Ele não esconde o que está pensando e faz muito bem. Ele é um exemplo de transparência – acrescentou.

Gilson Kleina, por sua vez, foi respaldado pelo diretor-executivo. Ao analisar o trabalho do técnico, Brunoro alegou que demorou para que ele tivesse as melhores peças para trabalhar e que o seu trabalho agrada. A discussão sobre a renovação com o comandante, que tem contrato só até o fim do ano, porém, foi minimizada pelo dirigente.

– As avaliações são feitas constantemente. O planejamento (para 2014) não pode começar em dezembro de 2013, tem que ser feito rapidamente e se há um técnico que tem tido toda a força de um clube é o Kleina. Eu particularmente gosto muito do trabalho dele, já disse isso. Temos dado o exemplo, fomos eliminados na Libertadores, não teve mudança, nem no Paulista quando perdemos de 6 a 2 (para o Mirassol), perdemos a Copa do Brasil e ele é nosso treinador, começou a receber condições muito mais tarde. Quando conseguiu o ideal, liderou a Série B. Para 2014 ainda não tem nada decidido – explicou.

A confiança no trabalho de Kleina é tão grande que Brunoro avisou: nem uma derrota no Ceará, neste sábado, pela 18ª rodada da Série B, fará com que o Palmeiras decida mudar o seu comando técnico.

– Para mim, tudo normal, é só uma derrota a mais. Tem de ver toda a campanha na Série B – encerrou o dirigente, que mais uma vez avisou sobre a responsabilidade de o time subir para o ano que vem.

Leia aqui a matéria completa → NOTICIÁRIO ❘ LANCENET

••

NOTICIÁRIO ❘ GLOBO ESPORTE COM

• Brunoro explica saída de Vilson e diz que Verdão não contratará substituto

Por Marcelo Hazan

Depois de toda a polêmica ocorrida na tarde da última quinta-feira, com o anúncio da venda do zagueiro Vilson para o Stuttgart, da Alemanha, o diretor executivo do Palmeiras, José Carlos Brunoro, concedeu entrevista coletiva nesta sexta-feira para explicar a negociação. Ele disse que o Verdão já sabia que havia o risco de perder o defensor para o futebol europeu durante a Série B. Por isso, recebeu o que havia pago ao atleta quando ele foi incluído na negociação que levou Barcos para o Grêmio.

Brunoro afirmou ainda que o valor que o clube recebeu não foi pela venda. O Verdão não pagou ao Grêmio para ter o zagueiro. Ele fez parte de um pacote de jogadores cedidos pelo clube gaúcho em troca de Barcos. O Verdão pagou ao defensor R$ 700 mil de luvas e deixou acordado no contrato que, caso ele saísse, teria de devolver esse valor.

– Eu estava louco para falar sobre isso. Quando o Vilson veio naquela negociação, estava praticamente livre. Fez um contrato de um ano, com os direitos cedidos ao Palmeiras. Só que havia uma negociação praticamente certa com o futebol europeu. Naquele momento, achamos que era importante contar com o jogador. Acertamos um valor e, caso ele saísse, teria de ressarcir o clube, que foi o que aconteceu. É preciso que fique claro que não vendemos o Vilson por aquele valor  – afirmou.

Apesar de saber que o jogador poderia sair, Brunoro diz que foi pego de surpresa com a chegada da proposta oficial. Vilson fez questão de entrar em campo e enfrentar o Atlético-PR, na última quarta-feira, pelas oitavas de final da Copa do Brasil – o Verdão perdeu por 3 a 0 e foi eliminado.

– Fomos avisados em cima da hora da proposta. Mesmo assim, o Vilson fez questão de jogar, mesmo correndo risco de se machucar já negociado. O treinador sentiu firmeza e o escalou. Se o negócio não desse certo agora, ele assinaria por três anos com o Palmeiras – ressaltou o dirigente.

Mesmo com a saída do defensor, Brunoro afirmou que nenhum substituto será contratado.

– Temos Henrique, André Luiz, Tiago Alves, Tiaguinho (Tiago Martins), Wellington. Mesmo com a saída do Henrique para a seleção, estamos preparados. Se aparecer alguém no radar, tudo bem, caso contrário vamos em frente com o que temos – finalizou.

Leia aqui a matéria completa → NOTICIÁRIO ❘ GLOBO ESPORTE COM

••

NOTICIÁRIO ❘ UOL ESPORTE

• Brunoro ameniza cobrança e diz que Kleina fica no Palmeiras até fim do ano

Por Mauricio Duarte

Após uma reunião com elenco e comissão técnica do Palmeiras, motivada pela insatisfação do presidente Paulo Nobre coma  eliminação da Copa do Brasil, o diretor executivo José Carlos Brunoro disse que o cargo do técnico Gilson Kleina jamais esteve ameaçado e que cobrança não significa demissão.



“Nós estamos criando um novo tipo de administração. Cobrança no Palmeiras não significa demissão. É realinhamento de trabalho. No caso da eliminação na Copa do Brasil é uma cobrança um pouco mais forte do presidente em relação a motivação do grupo no jogo. Foi o que a gente passou para o grupo de jogadores na reunião de hoje. É um realinhamento e avaliação constante. Temos reuniões periódicas com a comissão técnica e o presidente participa”, justificou.



Brunoro elogiou o trabalho de Kleina e disse que o cargo do comandante não ficou em risco por causa da eliminação. O técnico tem contrato até o fim deste ano e o dirigente afirmou que até lá ele está garantido. No entanto, deixou em aberto o futuro do treinador para 2014, dizendo que ainda não é o momento de pensar nisso.

”As avaliações são feitas constantemente. O planejamento para 2014 deve começar rapidamente. Agora o Kleina, se há um técnico que tem tido toda a força de um clube, é o Kleina. Gosto muito do trabalho dele. Ele começou a receber as condições ideais muito mais tarde. Quando começou a receber, ele lidera uma série B. Para 2014 vai chegar o momento em que vamos decidir”, declarou.

O dirigente disse que nem mesmo uma derrota para o Ceará, no sábado, tira Kleina do Palmeiras. “Já ficamos ao lado dele em momentos piores. Para mim não tem problema nenhum, seria mais uma derrota, temos que analisar a campanha na Série B”, afirmou.



Por fim, Brunoro disse que está contente com o elenco e que os atletas entenderam as cobranças do presidente.

“Em primeiro lugar, o Paulo é autêntico. É um novo dirigente que tem na sua autenticidade seu carisma. E os jogadores adoram, seja para o bom ou para o ruim. Desde que nós assumimos temos uma relação tranquila com os jogadores. Eles sabiam disso na reunião que tivemos hoje com eles e entenderam”, finalizou.



Líder isolado na Série B do Brasileirão, com 40 pontos conquistados, o Palmeiras viaja para Fortaleza ainda nesta sexta-feira. No sábado, a equipe enfrenta o Ceará às 21h (de Brasília).

Leia aqui a matéria completa → NOTICIÁRIO ❘ UOL ESPORTE

••

NOTICIÁRIO ❘ UOL ESPORTE

• Brunoro revela que Palmeiras foi ‘trampolim’ para Vilson jogar na Europa

Por Mauricio Duarte

O diretor executivo José Carlos Brunoro afirmou que o zagueiro Vilson já veio ao Palmeiras com proposta e tanto clube quanto jogador já sabiam que ele sairia nesta janela. Ele foi negociado com o Stuttgart, da Alemanha, nesta quinta-feira. De acordo com o dirigente, já chegou ao clube alviverde, vindo do Grêmio, com proposta do exterior.



“A condição dele vir é que estava quase certo para ele ir para a Europa. Naquele momento achamos importante ter o jogador e estipulamos um valor para o clube ao menos ser ressarcido”, explicou.



Segundo o dirigente, a proposta da equipe alemã foi formalizada momentos antes da partida contra o Atlético-PR pela Copa do Brasil, na última quarta-feira. Por pouco o zagueiro não ficou de fora do jogo.



“A gente foi pego meio em cima da hora pela proposta. Aí pensamos ‘joga ou não joga’. Mas o Vilson fez questão de jogar. O treinador sentiu firmeza nele para jogar”, afirmou Brunoro.

Questionado sobre quanto o Palmeiras irá ganhar com a transação, Brunoro deu a resposta padrão desta gestão alviverde.

“O Vilson foi uma ação de acordo que já tinha com ele. E valor a gente não fala por questões internas”, declarou.  



Vilson tinha contrato com o time alviverde até o dia 31 de dezembro e já poderia assinar um pré-contrato com qualquer outra equipe. Desde o acerto do Palmeiras com o zagueiro no dia 9 de fevereiro, o acordo era que, caso surgisse uma proposta da Europa até o dia 31 de agosto, o time liberaria o jogador mediante compensação financeira. O clube, no entanto, não revela quanto ganhou com a negociação.

O atleta foi contratado pelo Palmeiras neste ano, em negociação que levou o atacante argentino Hernán Barcos ao Grêmio. O defensor foi cedido definitivamente à equipe paulista, que também recebeu por empréstimo o volante Léo Gago, o meia Rondinelly e o atacante Leandro.

Usado pelo técnico Gilson Kleina como volante e zagueiro, Vilson rapidamente se consolidou entre os titulares do Palmeiras. Na última quarta-feira, ele formou a zaga alviverde com Henrique.

Agora, para a posição defensiva o Palmeiras conta em seu elenco com Henrique, Tiago Alves, André Luiz, Thiago Martins, Wellington, Marcus Vinícius e Luiz Gustavo.

Leia aqui a matéria completa → NOTICIÁRIO ❘ UOL ESPORTE

••

NOTICIÁRIO ❘ GLOBO ESPORTE COM

• Palmeiras identifica apatia antiga e promete cobrança geral no grupo

Por Marcelo Hazan

“Faltou tesão”. A expressão usada por uma das fontes ouvidas pela reportagem do GLOBOESPORTE.COM resume o sentimento da direção palmeirense sobre a atuação da equipe na derrota por 3 a 0 para o Atlético-PR, na última quarta-feira, na Vila Capanema, pelas oitavas de final da Copa do Brasil. A forma como o time caiu diante do Furacão irritou o presidente Paulo Nobre, que externou o descontentamento após o jogo, em entrevista coletiva.

Antes, ainda no vestiário, completamente tomado pelo silêncio, ele mesmo conversou com o técnico Gilson Kleina, acompanhado do diretor executivo José Carlos Brunoro, como usualmente faz após as partidas. Mas preferiu deixar a cobrança geral ao elenco e à comissão técnica para a sexta-feira, quando o grupo volta a treinar normalmente na Academia de Futebol.

Sem cogitar a demissão do comandante a curto prazo, Nobre e a diretoria alviverde vão reforçar a cobrança pelo que avaliaram como falta de entrega, e não por defeitos táticos. Por isso mesmo, a saída de Kleina não foi estudada, ao menos por enquanto. O comandante, inclusive, identificou o mesmo problema, ao criticar a falta de uma “pegada” na equipe em uma partida de mata-mata, defeito também admitido por alguns jogadores.

Conforme o próprio presidente externou, aliás, a avaliação é de que a queda no desempenho do time não ocorreu apenas contra o Furacão, mas sim há alguns jogos. As viradas contra Paysandu (3 a 2), Paraná (2 a 1) e São Caetano (2 a 1) são usadas como exemplo de que o rendimento não é tão bom há mais tempo. Nessas ocasiões, a equipe só acordou após levar o primeiro gol, fato não repetido diante do Atlético-PR.

– As cobranças existem normalmente e precisamos identificar o que está acontecendo. O time não está demonstrando doação em campo há alguns jogos. Vamos identificar o problema e dar uma chacoalhada – disse Nobre, após a eliminação, na última quarta-feira.

Apesar da temeridade por protestos da torcida na chegada da delegação alviverde em São Paulo, na última quinta-feira, o desembarque foi tranquilo. Depois da reunião nesta sexta-feira, Brunoro concederá entrevista coletiva para falar da atual situação do Palmeiras.
Vivendo nas nuvens até o último sábado, quando perdeu para o Boa Esporte com time misto, pela Série B, partida que encerrou a série invicta de 12 jogos, a equipe agora vive clima tenso. A intenção é reagir já contra o Ceará, neste sábado, no Castelão (CE), para seguir na liderança da competição – atualmente o time tem 40 pontos, um a mais do que o Chapecoense.

Leia aqui a matéria completa > NOTICIÁRIO ❘ GLOBO ESPORTE COM

••

NOTICIÁRIO ❘ LANCENET

• Postura de Nobre desagrada elenco, que reclama de Omar Feitosa

Por Caio Carrieri e Fabricio Crepaldi
A bronca pública de Paulo Nobre depois do atropelamento do Atlético-PR e eliminação na Copa do Brasil, na última quarta, em Curitiba (PR) não foi bem aceita pelo elenco do Palmeiras. Capitão do time e referência para os companheiros, o zagueiro Henrique admite que as declarações chatearam os palmeirenses.

– O grupo ficou triste com a declaração do presidente. Nessas situações, nós estamos no mesmo barco e a responsabilidade é de todo mundo – declarou ao LANCE!Net.



Questionado se o plantel merecia ser repreendido pela queda no torneio que poderia levar o Verdão à Libertadores no ano do centenário, o defensor ponderou:

– Depende da cobrança que for feita. Nós sabemos o que deixamos de fazer em Curitiba. Temos de manter a liderança da Série B, porque o nosso objetivo é o título.

E a insatisfação de parte do grupo com o mandatário não se restringe apenas ao discurso irritado de Nobre – ele se disse envergonhado com a atuação da equipe, considerou a apresentação inadmissível e prometeu cobranças duras ao elenco e à comissão técnica.

Atletas se incomodam com a vulnerabilidade do comportamento do presidente após derrotas. Afirmam que Paulo Nobre muda totalmente a postura no vestiário e evita ao máximo conversar depois de resultados negativos, enquanto uma vitória o faz dar “tapinhas nas costas” dos heróis palestrinos.

A reclamação também atinge Omar Feitosa, gerente de futebol contratado no início da gestão, em janeiro, com indicação de Nobre. Na época Feitosa ocupava o cargo de preparador físico do Furacão. Ele chegou à Academia de Futebol com a missão de fazer a ponte entre elenco e diretoria, mas jogadores palmeirenses não confiam nele.

Nos últimos meses, José Carlos Brunoro, diretor-executivo, deixou o departamento de futebol nas mãos de Omar Feitosa e se dedicou a tarefas de outras áreas do clube, como marketing e poliesportivo.

Leia aqui a matéria completa → NOTICIÁRIO ❘ LANCENET

••

NOTICIÁRIO ❘ GAZETA ESPORTIVA NET

• Time discorda de apatia, mas aceita bronca de Nobre e se envergonha

Por William Correia

A repercussão do irritado discurso de Paulo Nobre após a eliminação na Copa do Brasil foi de aumentar a vergonha nos jogadores. Wesley já tinha deixado o campo na derrota por 3 a 0 para o Atlético-PR usando exatamente essa palavra e, por isso, o elenco do Palmeiras aceitou a bronca. Mas sem concordar com a apatia apontada pelo presidente.

“Não foi apatia nossa. Foi mérito do adversário, que teve mais postura e conseguiu o resultado que precisava”, simplificou Fernando Prass, jogador mais velho do elenco e disposto a minimizar os efeitos da péssima atuação no Paraná.

Na visão do goleiro, o que foi visto em Curitiba não passou da imposição de anfitriões que buscavam um placar elástico para se classificar, e que teve sucesso. “Faltou equilibrar o jogo. O Atlético-PR foi bastante competente na proposta que teve e conseguiu impor uma pressão”, afirmou.

Mas Paulo Nobre enxergou a partida de uma forma diferente. O presidente questionou em sua entrevista nos vestiários do estádio Durival de Britto “Cadê o Palmeiras brioso que tanto orgulhou seu torcedor?”, e avisou que não foi o único jogo em que enxergou um time apático com a camisa do clube.

Capitão, Henrique aceitou a cobrança. “Não esperávamos que fosse desse jeito, não demonstramos o futebol que vínhamos jogando. Para nós, foi vergonhoso”, admitiu o zagueiro, avisando, contudo, que os atletas já sabem a solução necessária. “Sabemos o que deixamos de fazer lá.”

Com esse discurso, e uma expectativa de reação, o Verdão volta a campo no sábado para enfrentar o Ceará, em Fortaleza. Na partida, marcada para as 21 horas (de Brasília), o clube defende a liderança na Série B do Brasileiro – iniciou a rodada com quatro pontos e um jogo a mais em relação ao segundo colocado.

Leia aqui a matéria completa → NOTICIÁRIO ❘ GAZETA ESPORTIVA NET

••

NOTICIÁRIO ❘ FOLHA ONLINE

• Venda de zagueiro do Palmeiras estremece relação de Kleina com o clube

Por Bernardo Itri, Paulo Vinícius Coelho e Diego Iwata Lima

Anteontem à tarde, o presidente do Palmeiras, Paulo Nobre, recebeu uma notícia que o deixou irritado. Ao embarcar para Curitiba, onde assistiu ao jogo contra o Atlético-PR, foi informado por José Carlos Brunoro, seu principal executivo, que Vilson, zagueiro titular, estava muito próximo de deixar o clube.

Ao mesmo tempo, em Curitiba, horas antes da partida decisiva pela Copa do Brasil, Gilson Kleina recebeu a mesma informação. O treinador se enfureceu da mesma maneira que Paulo Nobre, pois perdia, de uma hora para outra, seu zagueiro titular.

A irritação do presidente se deu porque o contrato acertado com Vilson previa que, se o zagueiro recebesse uma proposta e quisesse sair, bastaria pagar R$ 700 mil para deixar o clube. Ou seja, nessas condições, o Palmeiras não teria nada o que fazer para segurá-lo no clube.

Este fato foi consumado ontem: Vilson vai para o Sttutgart, da Alemanha, e o Palmeiras receberá R$ 700 mil.

A notícia sobre a negociação de Vilson não apenas afetou a atuação do time ante o Atlético-PR. Gerou desconforto na relação de Gilson Kleina com a diretoria alviverde.Do lado do treinador, o mantra a ser seguido prevê subir o time para a Série A, mas a permanência em 2014 é dada como inviável.

Dentro do Palmeiras, cada vez mais há quem defenda a saída do técnico após o término do Brasileiro. O presidente Paulo Nobre, no entanto, não está convicto de que essa é a melhor solução.

Mesmo assim, é praticamente certo que Kleina não será o treinador da equipe no ano do centenário, mas a troca no comando do time não acontecerá agora, às pressas.

E o caso de Vilson é o mais recente estopim para esses questionamentos. Após a eliminação para o Atlético-PR na Copa do Brasil, que colocou fim ao sonho do time de disputar a Libertadores no ano do centenário, Nobre expôs sua insatisfação.

“Sem sombra de dúvida, ser eliminado assim é uma vergonha para todos. Não fizemos uma grande partida, temos de pontuar tudo e tirar lição disso. A cobrança tem de existir em todos os segmentos do clube”, afirmou.

Kleina negou estar preocupado em ser dispensado. “Não temo, não tenho receio [de ser demitido]. Sei do trabalho que estamos fazendo. Cabe ao presidente analisar.”

Um nome é apontado como o preferido para 2014: Vanderlei Luxemburgo. O técnico, com contrato com o Fluminense até dezembro, é querido pela cúpula alviverde.

Luxemburgo trabalhou com Nobre em 2008 no Palmeiras, quando o cartola era diretor de planejamento. Com Brunoro, foi bicampeão brasileiro na década de 90, também com o Palmeiras.

Leia aqui a matéria completa → NOTICIÁRIO ❘ FOLHA ONLINE

••

NOTICIÁRIO ❘ GAZETA ESPORTIVA NET

• Demissão de Gilson Kleina custaria cerca de R$ 1 milhão ao Palmeiras

Por William Correia

Mais uma vez, Paulo Nobre enfrenta forte pressão interna para demitir Gilson Kleina, além de lidar com a própria irritação. Mas, como ocorreu após a derrota por 6 a 2 para o Mirassol em março, o que pode atrapalhar a troca de técnico são os custos que a decisão gerariam. O valor se aproxima de R$ 1 milhão só para o treinador.

O Palmeiras ainda deve a parte da comissão técnica um mês de direito de imagem (maior parte do salário) que deveria ter sido pago pelo ex-presidente Arnaldo Tirone no ano passado. E, para romper o contrato que mantém com Kleina até dezembro, seria necessário desembolsar parte dos salários restantes.

Somando a dívida existente e os vencimentos a que o treinador tem direito, ceder às cobranças por troca no clube e à própria indignação fará Nobre gastar quase R$ 1 milhão. Um valor considerado alto e que, mais uma vez, pode fazer Kleina continuar no clube.

Optar por gastar o montante seria uma alternativa contraditória à política econômica que o presidente quer implantar. Por isso, o mais provável é que o diretor executivo José Carlos Brunoro, escolhido para dar entrevista coletiva depois do treino na manhã desta sexta-feira, reforce a permanência do treinador.

O que complica a troca no comando são também os custos de um sucessor para Kleina. O novo treinador já chegaria com o peso de comandar o time na temporada do centenário do clube, no ano que vem, e cobraria caro. Nomes que agradam a Nobre, como Vanderlei Luxemburgo e Abel Braga, têm alto custo. Assim, seria melhor manter o salário de Kleina à espera do acesso em seus últimos quatro meses de contrato.

Leia aqui a matéria completa → NOTICIÁRIO ❘ GAZETA ESPORTIVA NET

••

NOTICIÁRIO ❘ ESTADÃO ONLINE

• Recuperado, Valdivia volta ao Palmeiras contra o Ceará

Por Ciro Campos

O meia Valdivia vai voltar ao time do Palmeiras neste sábado para o jogo contra o Ceará, em Fortaleza, pela 18ª rodada da Série B. Após ficar fora da equipe nas últimas cinco partidas para se recuperar de um edema na coxa direita, ele será relacionado pelo técnico Gilson Kleina e nesta sexta-feira treinou normalmente pela primeira vez com o restante do elenco.

O último jogo de Valdivia foi no dia 10 de agosto, na vitória por 2 a 1 sobre o Paraná, no Pacaembu. Logo depois ele embarcou para a Dinamarca, onde se apresentou à seleção chilena para um amistoso e lá descobriu o problema muscular. A comissão técnica palmeirense explicou que a contusão provavelmente foi originada pelo jogador ter embarcado para uma viagem de 12 horas de avião até a Europa sem ter feito trabalhos regenerativos após a partida.

Nos últimos compromissos palmeirenses o substituto de Valdivia foi o paraguaio Mendieta, que tem sido elogiado pelo treinador. O chileno volta em um momento importante para o time. Após a eliminação na Copa do Brasil, na última quarta-feira, para o Atlético-PR, a equipe retoma o foco para a Série B.

A duas rodadas para o fim do primeiro turno e o atual líder está ameaçado. A Chapecoense está apenas um ponto atrás do Palmeiras e conta com um tropeço do time paulista e uma vitória em Santa Catarina para assumir a primeira posição. Os dois líderes, inclusive, vão se enfrentar na próxima terça-feira, no Pacaembu.

Leia aqui a matéria completa → NOTICIÁRIO ❘ ESTADÃO ONLINE

••

BLOG DO COSME RÍMOLI ❘ R7

• Adeptos de Mustafá e Beluzzo avisam Paulo Nobre. Se ele contratar Luxemburgo para 2014, o centenário do Palmeiras será cenário de guerra. O decadente treinador é mesmo o desejo de Brunoro. Kleina disfarça, mas sabe que não ficará…

Paulo Nobre está conseguindo implodir sua base eleitoral.
Conselheiros se mostram decepcionados com várias atitudes.
Como a incompetência em conseguir um patrocinador master para o clube.
Desde o Campeonato Paulista quando a Kia Motors ficou quase por favor.
Mas se recusou a ligar seu nome a um clube rebaixado.
E foi embora na disputa da Série B.
A movimentação para o centenário do Palmeiras é um fracasso.
As críticas à administração da nova arena só crescem.
As dívidas aumentam.
O time de futebol e a Comissão Técnica estavam com dois meses de atraso.
No início da semana, o Palmeiras pagou um mês.
O inconformismo de ex-presidentes por 30 dias de atraso é enorme.
Tudo piorou com o acesso de cólera de Nobre no Paraná.
Após a derrota por 3 a 0 diante do Atlético ontem.
O resultado eliminou o time da Copa do Brasil.
Nobre perdeu o controle.
Ele já sonhava em arrecadar pelo menos mais R$ 2 milhões.
O dinheiro viria de uma eventual quartas de final contra o Inter.
A eliminação impediu esse novo confronto.
Gilson Kleina sabia muito bem dos planos dos dirigentes.
E mesmo assim não conseguiu impedir o massacre em Curitiba.
Nobre se sentiu traído.
Apesar de desmentir, no Palestra Itália todos sabem.
Nobre e José Carlos Brunoro querem sim Vanderlei Luxemburgo em 2014.
Não há a intenção em continuar com Kleina.
A informação foi passada pelo blog desde que ele foi demitido pelo Grêmio.
Houve um levante entre os conselheiros.
Principalmente os ligados a Mustafá e Belluzzo.
Os dois inimigos mortais se juntaram contra Luxemburgo.
Nobre entendeu que não haveria motivo para demitir Kleina.
Com o fraco time que tem nas mãos lidera a Segunda Divisão.
Mas ele terá de renovar seu contrato no final do ano.
Basta anunciar que não houve acordo e o cargo estará livre.
Nas Laranjeiras, o último defensor de Luxemburgo está cedendo.
Depois da eliminação da Copa do Brasil para o Goiás, Celso de Barros se revoltou.
Viu o time apático, sem disposição, entregue.
A covardia tática virou marca registrada do Fluminense de Luxemburgo.
Seu contrato só vai até dezembro.
Os jogadores já se começam a cansar dele.
Das incoerências.
Das declarações à imprensa e a maneira com que treina o time.
A eliminação do Fluminense custou pelo menos R$ 2,5 milhões.
Era o que a diretoria esperava dos clássicos com o Vasco.
Jogos que não acontecerão pela queda diante do Goiás.
Luxemburgo é amigo íntimo de Brunoro.
Mustafá e Belluzzo garantem que haverá guerra se o técnico pisar no Palestra.
Uma batalha interna no centenário palmeirense seria absurdo.
O clube já deve R$ 287 milhões.
É o sexto entre os maiores devedores do País.
A venda de Vilson para o Sttutgart foi constrangedora.
Titular e homem de confiança de Kleina ele saiu barato demais.
Apenas R$ 700 mil, valor colocado no seu contrato.
Conselheiros não se conformam pela multa rescisória tão baixa.
Nobre espera o final da janela na Europa.
Torce para que algum clube médio leve Wesley.
Se não surgir ninguém o espera repassar ao Atlético Mineiro.
Caso algum clube da Série A pague alto, até mesmo Henrique sai.
Nobre esperava algum dinheiro extra com a Copa do Brasil.
Mas o time caiu logo nas oitavas de final.
Perdeu o título que Arnaldo Tirone conseguiu.
Seguidores de Mustafá e Belluzzo insistem.
Paulo Nobre é muito inexperiente.
E tem seguido cegamente as orientações de Brunoro.
Como a de preparar o terreno para a volta de Luxemburgo.
Gilson Kleina já sabe que não interessa para 2014.
O sonho da diretoria é a chegada de um grande patrocinador.
Com dinheiro para contratar jogadores renomados.
O que obrigará o time a ter um técnico experiente, vivido.
Os desmentidos não convencem ninguém.
É bom Kleina ter a consciência que está subindo o time para outro assumir.
O ambiente no Palmeiras vai piorar muito depois da eliminação da Copa do Brasil.
Pelo menos acabou a hipocrisia.
Não existe apoio total e irrestrito a Gilson Kleina.
Nunca existiu.
O caminho está sendo aberto para Luxemburgo.
Mustafá e Belluzzo perceberam.
Se Paulo Nobre quiser guerra no centenário já sabe o que fazer.
Deixar Brunoro contratar seu amigo decadente Vanderlei Luxemburgo…

Leia aqui a matéria completa → BLOG DO COSME RÍMOLI ❘ R7

••

BLOG DO RICARDO PERRONE ❘ UOL

• Presidente do Palmeiras apresenta projeto de nova antecipação de receitas

Na última terça, Paulo Nobre, presidente do Palmeiras, apresentou um novo projeto de antecipação de receitas para tentar pagar parte das dívidas do clube.  A apresentação foi feita a membros do COF (Conselho de Orientação e Fiscalização).

O blog apurou que o plano prevê a antecipação de verbas de até cinco anos com a ajuda de uma instituição financeira.  Inicialmente, a maioria dos “cofistas” não se empolgou com a ideia. Na opinião deles, as antecipações têm sido feitas com frequência sem resolver os problemas financeiros.

Apesar da sinalização negativa dos conselheiros, a opção ainda não foi descartada pela direção palmeirense.

Uma das dificuldades de Nobre ao assumir a presidência foi justamente ter suas receitas engessadas por antecipações feitas pela administração anterior.
Procurada, a assessoria de imprensa do clube disse que questões relativas ao COF serão discutidas internamente.

Na maioria das vezes, acontecem por meio de empréstimos. Uma instituição financeira repassa quantia próxima ao montante de um ou mais contratos firmados pelo clube. O responsável pelo pagamento, um patrocinador ou emissora de TV, por exemplo, repassa o dinheiro para quem emprestou a verba na data que havia sido combinada com a agremiação. O estabelecimento que fez o empréstimo ganha juros pelo negócio.

Leia aqui a matéria completa → BLOG DO RICARDO PERRONE ❘ UOL

••

COLUNA DO ANTERO GRECO ❘ O ESTADO DE S.PAULO

• O vulcão alviverde

Os sicilianos vivem de olho no Etna, o principal vulcão ativo da Europa. O cuspidor do fogo e da lava que vêm das entranhas da terra de vez em quando parece adormecido, quieto, preguiçoso no meio do verde do parque que o circunda na cidade de Catânia. De repente, o danado se sacode, solta fumaça espessa, derrama a bile fervente e deixa a população local com a pulga atrás da orelha e pronta para dar no pé em caso de emergência.

Pois o Palmeiras se assemelha ao vulcano do país de onde vieram vários dos imigrantes que o fundaram há quase 100 anos. Ou seja: a vida aparenta normalidade nas paragens do Parque Antártica (mudou de nome, mas continuo no tradicional), o time engorda o superávit, o retorno à elite é questão de tempo. A paisagem palestrina segue envolta em brisa suave, clima de primavera… até explodir um fato para soar alerta geral.

Desta vez a ebulição ocorreu logo após os 3 a 0 para o Atlético-PR pelas oitavas de final da Copa do Brasil. E quem cutucou o dragão natural foi Paulo Nobre. O presidente ficou furibundo com o desempenho da equipe em Curitiba. Classificou a atuação de apática, advertiu que haveria cobrança a “quem de direito” (entenda-se Gilson Kleina) e, por tabela, deixou no ar cheiro de fritura do treinador. Um Furacão curitibano atiçou o Vesúvio paulistano.

Concordo em parte com o dirigente. A derrota decepcionou, porém a equipe jogou o que pode e consegue. O duelo com um protagonista da Série A escancarou as limitações de quem disputa a Divisão de Acesso. O Palmeiras nada de braçada no meio de adversários de categoria inferior. E levou choque de realidade em Curitiba, notou que não está pronto para fazer bonito no Brasileiro de 2014, para onde certamente regressará. A liderança não passa de obrigação, compatível com currículo e folha salarial de maior valor. E não se pode considerar em boa fase time grande na Série B. Se caiu, é porque errou pra chuchu e tem muito a corrigir.

Nobre desviou o foco, e suponho não o tenha feito por maldade. Porém centralizou luzes sobre os métodos do treinador e a influência que exerce no elenco. Sugeriu debilidade do chefe, mas se esqueceu da analisar a qualidade do material de que dispõe. Como observaram amigos no Twitter, a questão no Palmeiras é técnica e não “o” técnico, assim como não adianta cobrar vontade em vez de capacidade dos atletas. Talvez por isso tenha jogado água na fervura ontem ao confirmar Kleina.

O elenco não é maravilhoso nem ruim; adequado para a Segundona. E ainda perdeu Vilson por uns trocados alemães. Os bons resultados não podem estimular a empolgação, nem fazer com que torcedores e cartola vislumbrem versão verde e branca do Barcelona ou do Bayern. Lembram da Barcelusa de 2011? Arrasava na B, subiu fácil e por pouco não retrocedeu em 2012.

Da mesma forma, não é um bando de pernas de pau à disposição de Kleina. Há gente com qualidade ou potencial para brilhar no meio de rivais gabaritados. Outros são medianos. Inevitável, portanto, uma varredura tão logo se carimbe o passaporte para a Primeira. Vale também uma reflexão: não falta referência para um time que tem como ídolo jogador (Valdivia) que passa mais tempo na enfermaria do que no campo?

Nem adianta Nobre apelar para o discurso de que não fará loucuras para festejar o centenário. Ele tem o dever de tirar os pés do chão, se quiser brilho em período tão especial. Não deve pensar pequeno, nem rezar pelo catecismo de capos superados que insistem em dar as cartas. O Palmeiras pede e merece ousadia.

Talvez não seja sob o comando de Kleina, profissional correto e que não empolga os fãs e a direção e que, pelo jeito, vai roer o osso e não provará o filé. Mas preocupante se a tarefa for entregue a Luxemburgo, como escreveu ontem o colega Luís Augusto Simon no blog dele. O professor teve passagem brilhante no clube no início dos anos 1990. Ultimamente atravessa turbulência. Seria motivo para acordar o vulcão…

••

COLUNA DE PRIMA ❘ LANCE!

Por Marcelo Damato

• Tirando o atraso

O balanço de 2012 do Palmeiras será finalmente submetido à votação no Conselho Deliberativo, no próximo dia 9, com quatro meses de atraso. A previsão orçamentária de 2013 também será votada. Conselheiros preveem a reprovação das contas da gestão Tirone e a aprovação do orçamento da atual diretoria.

• Pancadaria

Uma “guerra” de arranjos de flores, que começou como brincadeira, quase virou briga no fim da festa de aniversário do Palmeiras, na segunda-feira. Cerca de dez convidados ficaram sem brindes na saída da festa, e houve empurra-empurra e troca de ofensas.

••

COLUNA DO JORGE NICOLA ❘ DIÁRIO DE S.PAULO

• Exagerado...

Palmeirenses estranharam a fúria de Paulo Nobre com a eliminação para o Atlético-PR. “Ele se esqueceu de que jogamos a Série B e eles estão no G4 da A?”, indagou um cartola.

• …e descabido

Nobre também foi criticado por ter vendido Vilson horas antes do jogo com o Furacão. “Ele tinha de ter esperado acabar a partida para acertar a questão”, reclama Gilto Avalone.

• Esquema descoberto

O árbitro Ricardo Marques Ribeiro expulsou, na quarta-feira, o preparador físico do Verdão, Carlos Mazolla. O motivo: ele estava usando uma comunicação eletrônica, algo proibido pelo regulamento.

• Ponto de Vista

“ O problema não é o técnico. Demitiremos o Kleina e tudo ficará da mesma forma “ – Piraci Oliveira – Diretor jurídico da gestão de Arnaldo Tirone

••

COLUNA PAINEL FC ❘ FOLHA DE S.PAULO

Por Bernardo Itri

• Lei da exceção

Projeto de lei que transita na Câmara de SP prevê uma flexibilização da Lei Cidade Limpa para facilitar a exposição dos “naming rights” dos estádios da cidade. O texto, de autoria do vereador Eduardo Tuma (PSDB), exclui da lista de anúncios proibidos as fachadas de arenas, ginásios e outras instalações esportivas que tenham negociado os direitos sobre seu nome. Se aprovado, beneficiará o Itaquerão e o Parque Antarctica.

• Contagem regressiva

“O Brasil, sede da Copa, não pode ficar atrás de outros países. Essa medida eleva o nível da questão esportiva”, argumenta Tuma. O vereador diz ter pedido urgência na Câmara para a aprovação do projeto. Quer ter o texto em vigor até o fim do ano.

• Revisão de valor

A medida não deve alterar a quantia acertada pela Allianz, que adquiriu os “naming rights” do estádio palmeirense. Mas pode respingar no acordo que o Corinthians tenta fechar para ceder os direitos sobre o nome do Itaquerão.

• Dividida

” Negociar o Vilson agora é uma vergonha. O Palmeiras não para de dar passos para trás ” – José Corona – Conselheiro do Palmeiras, criticando a negociação do zagueiro com o Stuttgart

••

OUTRAS NOTÍCIAS :

BLOG DO JORGE NICOLA → Paulo Nobre vira alvo de cornetas após vender Vilson e detonar crise no Palmeiras
 
BLOG DO ANTERO GRECO → E a transferência de Barcos ainda tem desdobramentos…
 
GAZETA ESPORTIVA NET → Vilson já chegou falando em sair e não deixou prejuízo, diz Brunoro
 
FOLHA ONLINE → Dirigente apoia Kleina e diz que presidente do Palmeiras foi autêntico em declarações
 
JP ONLINE → Diretor palmeirense elogia Kleina e ameniza declarações de presidente
 
GLOBO ESPORTE COM → Brunoro recorda dificuldades e banca Kleina até com derrota para o Ceará
 
GLOBO ESPORTE COM → Sob pressão, Palmeiras terá volta de Valdivia na partida contra o Ceará
 
TV GLOBO – GLOBO ESPORTE → Gilson Kleina é mantido no cargo no Palmeiras

••

51 respostas em “Verdão na Mídia 30-08-2013: Após conversa com elenco, Brunoro banca Kleina mesmo com derrota no Ceará ❘ Lancenet”

Quem è mais covarde?

Kleina com esse elenco de bosta em jogar prà não perder, ou Nobre com o Palmeiras e sua torcida e sò falar em falta de dinheiro eu não ousar em ganhar titulo???

Nosso verdadeiro problema não è a falta dinheiro, mas a incompetenceia de nossos presidentes,
Incompetência é a inabilidade de alguém de desempenhar adequadamente uma determinada tarefa ou missão.Tanto Tirone como Nobre agora tem se mostrado inapto prà função, sò fazendo cagadas e destruindo a imagem do Palmeiras, serà que não existe um minimo de competencia no conselho do Palmeiras e mais quantos anos vmos passar vergonha?? ??

Hoje esta mais claro pra mim o Brunóquio negociou o Barcos para o amiguinho, passou a noite em claro pra expulsar o Barcos, trouxeram 4 jogadores que nunca foi do Palmeiras, o Vilson que seria do Palmeiras saiu do Gremio por treta com o amigo do Brunóquio, agora o Vilson foi liberado, na minha opinião Vilson era o melhor zagueiro que o Palmeiras tinha, mas Brunóquio esta preparando a vinda dele, vai ser complicado aguentar os 3 patetas, Luxa, Brunóquio e Nobre que confia em tudo que o Brunóquio fala.

O mais triste de tudo é que provavelmente o centenário do Palmeiras será ridículo…

P. Nobre deixou bem claro que fará contratações PONTUAIS… traduzindo: Continuaremos na mesmice e brigaremos para não CAIR!!!

é triste dizer isto, MAS “ELES” ESTÃO NOS TORNANDO A MAIS NOVA PORTUGUESA…. infelizmente…

Como Palmeirense doente e apaixonado…
Vejo o Palmeiras se acabando a cada dia!

Não adianto ficarmos nos iludindo com a GRANDEZA do Palmeiras, devemos ser REALISTAS!!!

Centenário ????? Centenário se resumirá em vender 6 camisas comemorativas à torcida pela bagatela de R$ 250,00. Essa é a Grande estratégia de marketing profissional prevista para 2014. Afinal, como já disse o B3 não vai fazer loucuras, nem será escravo da data comemorativa. É incrível o discurso: não faz LOUCURAS para comprar jogador, mas comete verdadeiras INSANIDADES para negociar o patrimônio da SEP. Essa história do Vilson não me passará NUNCA pela garganta. Teremos que esperar terminar o mandato desse B3 para esperar a eleição de uma nova diretoria verdadeiramente capacitada… em resumo, no andar da carruagem, na melhor das hipóteses, estaremos disputando a Libertadores de 2016. E eu acreditei que esses dois bananas-MOR eram gestores capazes para mudar nosso rumo. São piores que os antecessores, pelo menos o B1 levou uma CB.

Uma derrota e eliminação cria muita intriga mesmo… como é interessante ver o torcedor do Palmeiras, apaixonado e carente de títulos, ficar sempre na balança nos maus momentos. E se tivéssemos passado pelo CAP? Perdemos para um clube em ascensão no brasileirão, em 4º lugar, n~]apo perdemos para o ASA de Arapiraca em pleno Palestra Itália, aquilo sim foi vexame. Acho que torcedor tem que pensar melhor e refletir um pouco. Temos problemas no elenco SIM, eu sei e todos sabem disso, mas ser desclassificado não é o fim do mundo! Continuam falando do Barcos, mas porra, o cara mesmo disse que não queria jogar segunda divisão, que queria sair. Acreditar nessa nova história agora, é brincadeira! Só sei que no Palmeiras ele era convocado e era artilheiro, saiu porque quis! E o Palmeiras vai evoluir muito, ajustando cada vez mais o time. O Fluminense foi eliminado pelo Goiás, e nem por isso falam tanto dos dirigentes e do presidente como aqui. Deem um tempo ao tempo…

Nossa, o Nobre não sabia que o Vílson podia sair?
Ele e o Kleina foram pegos de surpresa?
Hã???!!???
A diferença entre essa administração e a anterior é que esta usa terno e a outra camisa xadrez e chapeuzinho de pescador.
A decepção é tão grande que fico pensando que o B1 teria trazido o Riquelme e mantido o Barcos e talvez nós estivéssemos melhores.
Volta B1, hahahahaha.

Como confiar em Paulo Nobre e sua trupe de apoio, já que negocia a politica do Palmeiras com o luciferiano MUMU?
Alguem tem a ideia de quanto o Palmeiras deve, e quem são os credores?
Quais são as estratégias desenvolvidas para o ano do centenário ?
Porque Paulo de Almeida Nobre , não mantem contato com Walter Torre Junior?
Quais são os obstáculos para que tenhamos um forum politico dentro do Palmeiras , com a participação de todas as correntes politicas?

Eu oficialmente parei de discutir com adversários e inimigos q dizem q o Palmeiras é Guarani da capital. Atualmente é mesmo. Um time de história linda e gigante do futebol mundial até o começo deste século, mas isto virou passado mesmo. Curiosamente, o único indício de grande q temos é o orçamento inflado e descabido e a torcida apaixonada q ainda abraça este arremedo de time por pura teimosia e amor. Gasto de time gigante (brasileiro), futebol de time médio pra pequeno. A meta do nosso centenário será não passar sufoco na série A. É de desesperar.
E aí mulheres de CEO malandro, continuam achando do caralho a negociação do Barcos com o Grêmio? Temos Rondinelly, Léo Gago e Leandro blasé. Excelente né?

Vexatório, vergonhoso, humilhante a forma de condução dos negócios na SEP.
O Centenário será de muitas outras desilusões.
Fora Kleina e Brunoto Urgente !

Perdão por apresentar um link de uma figura tão pequena do jornalismo esportivo. Mas vejam o que escreveu a pequena criatura na ocasião da doação do Barcos aos gauchos. Na época pensei que o escriba menor queria agitar mais ainda nosso conturbado clube, mas agora acho que o infeliz têm razão. Infelizmente!!

http://blogdojuca.uol.com.br/2013/02/na-folha-de-hoje-4/

Quero ver alguém agora dizer que a negociação do Barcos foi uma boa para o Palmeiras. Fica pior a cada detalhe que vem à tona.
Só os apaixonados pelo Paulo Nobre, e quem não tiver vergonha na cara será capaz de continuar dizendo que foi um bom negócio.

Nunca achei o Brunoro grande coisa. Na época da Parmalat se colocassem um macaco para contratar jogadores com a fortuna que tinham em mãos teriam grandes times.
E agora está a prova disso, com suas negociações no mínimo estranhas e seu sorrisão constante.

O Barcos pra mim é um mercenário de mão cheia, vejam o histórico profissional do sujeito e vcs confirmarão o que estou dizendo. Ele fica por uma ou duas temporadas nos clubes e vaza msm pra onde ele puder ganhar um real a mais. A questão é que o Palmeiras não estipula um valor de mercado real aos seus jogadores. No final do ano passado o Tirone recusou uma proposta de 10 milhões de euros da Fiorentina. O Barcos queria sair? Ao assumir a primeira coisa que o Brunoro deveria fazer era ligar de volta pra Fiorentina e dizer: ” O último presidente não quis vender mais eu vendo”. Por isso que eu falo que tem mutreta, o cara não é nenhum acéfalo, aposto que 100% das pessoas que estão lendo este post fariam a mesma coisa. Espalham para os 4 cantos que o Palmeiras deve na praça, e na hora de uma oportunidade boa de se fazer dinheiro me vendem jogadores dessa maneira. Bobo é o ovo que não para em pé.

Só digo uma coisa. Um pai que consegue manter um filho palmeirense com essa desgraceira toda merece um busto no Palestra.

kkkkkkk o meu quando volta dos treinos canta o hino no chuveiro….. É ESSE AMOR QUE NINGUÉM CONSEGUE EXPLICAR, por mais que exista mustafá, tirone, gilto, piraci essas assombrações todas.
PALMEIRASSSSSSSSSSSSSSSSSSS FIU FIU FIU

Agora, onde estão os verdadeiros palmeirenses que alardeavam que pagavam ingressos por R$11 e que nós éramos os reclamões e predadores?

Resumindo. Barcos foi embora por salário alto, trouxemos 4 jogadores emprestados. Apenas 2 são titulares e olhe lá. Com o salário desses 4, não dava pra continuar pagando pelo salário do Barcos? Olha.. é indecente isso.

O Luxemburgo na época até deu entrevista para a ESPN se gabando da rasteira que deu no Palmeiras. O Palmeiras cedeu o Barcos ao Grêmio e de brinde ainda assumiu os salários de 3 jogadores que não serviam para eles. Lembram quando tentamos emprestar o Maikon Leite e não encontramos nenhum trouxa que quisesse pagar os salários? O Grêmio achou.

Boa tarde a todos, como eu disse no comentário anterior acho que o Luxembrurgo já deve ter algum tipo de acerto com o Palmeiras, pois foi ele que dispensou o Vilson do Grêmio e para ele vir o mesmo teria que ser vendido.

Que decepção com Brunoro. Que troca absurdamente amadora. O que o Palmeiras ganhou com ela? Por favor.. pedimos apenas profissionalismo e um pouco de inteligência.

Acho que nem é pela multa. Como vão contratar outro técnico, pra série B, ganhando o que o Kleina ganha? O Kleina encaixa na política do ‘bom e barato’ do mustafá.

Senão me engano, o Dorival ganha menos do que ele atualmente.
Vai entender?!?!?!

Fora Kleina, técnico para time pequeno !

Fora Brunono, um CEO que ganha salários dignos de grandes multinacionais, e que faz uma LAMBANÇA atras da outra e está colocando o Palmeiras no ridículo !

Fora área de Marketing, que ganha salários de grandes executivos e não consegue nada de receita !!!

Este CEO e o Diretor de Marketing seriam demitidos na empresa em que trabalho, com estes resultados pífios e constrangedores !!!!

Está muito difícil acompanhar as coisas no nosso Verdão. Parece um filho, pai ou mãe, em estado de saúde muito ruim e nos sentimos sem forças para fazer algo.

E olha que sou sócio do clube e sócio do Avanti, onde tenho condições de ajudar meu amado Palmeiras. O poço não tem fundo para nós..angustiante !!!!

Luxemburgo é um treinador em decadência? Sim!

Porém, não acho pior que Gilson Kleina!

Essa gestão, que não sou a favor mas está aí, vem fazendo um trabalho dificil, felizmente vão ter de mudar de postura de qualquer maneira pois viram que esse chororo todo que vem fazendo não está levando as coisas a lugar algum.

“Ousadia e alegria!”…. é o que precisamos, acredito e tenho fé que pro ano que vem as coisas tendem a se tornarem melhores, beluzzo , com o qual gostei do que fez e não deu certo infelizmente e diga-se de passagem que acho que fez varias cagadas, fez uma gestão ousada e por detalhes “sacanas” não conseguiu o tão sonhado título de 2009, ano que tivemos varias emoçoes, Nobre deve ter a mesma ousadia no fim das contas, mas já consiente do que deu errado naquela época e evitar tais erros, se quer o profexo que traga o profexo mas saiba que a situação vai tomar um caminho que se ele não estiver no controle será irreversível! Torço para que tudo de certo, mesmo com sorte(que tirone teve na CB) e que cheguemos vivos em 2015 e aí sim vejamos nosso palmeiras, como palmeiras, e não como esse amontoado de dirigentes que se dizem profissionais mas vem fazendo burradas atras de burradas… vamos tentar ser otimistas….

Outra coisa estranha, muita estranha, não tinha grana para pagar barcos e PRECISAVA vender de qualquer jeito. Onde arrumou 700 para pagar de luvas a Vilson?????? que não jogaria mais pelo gremio de qualquer jeito???? Não entendo…..amadorismo!??!?!??!

A chefe, tem coisas que só no palmeiras mesmo…o Vilson é um keirrison! Porém acho que cumpriu seu papel aqui, foi profissional enquanto jogou no palmeiras. Então toda sorte ao zagueiro e mais sorte ainda pra nós com o Tiago Alves…. vai que o cara destroi?!

pelo que me lembro o decadente técnico da época não gostou da saída do keirrison e falou que com ele ele não jogaria mais, e acabou perdendo o emprego.
já o palerma atual fica calado com a venda repentina do Vilson, por isso que ele não foi mandado embora.
ano que não vai ter técnico de ponta porque vai querer time pra disputar título, e o PN só que jogador que receba no máximo 100mil mês.

Repito: quem senta na mesa para firmar acordo, conversar a aconselhar-se com Mustafá Contursi não tem vergonha na cara, não tem ética, não tem honra, não tem caráter. Constursi elegeu Arnaldo Tirone e depois elegeu Paulo Nobre. E estamos vendo aí as consequências. Temos que exigir a renúncia de Mustafá Contursi, bem como sua exclusão do quadro de associados. Como o SCCP fez com Dualib. Tá na hora de a torcida mostrar um pouco de amor próprio.

Infelizmente tenho que concordar que o SCCP É O EXEMPLO muito bem feito de como expulsar um feudo como o Dualib, o Palmeiras deveria fazer o mesmo com o Mustafá, mas não faz, prefere ter os mesmos de sempre que estão destruindo o clube pouca a pouco, ter troca de votos por carteirinha, vaga de estacionamento e outras porcarias. JÁ ESTÁ MAIS DO QUE NA HORA DE MOSTAR O VERDADEIRO AMOR AO PALMEIRAS E EXPULSAR MUSTAFÁ DE UMA VEZ POR TODAS. Só cornetar, xingar não vai resolver nada, TEM QUE TOMAR ATITUDE, tem que ter CORAGEM DE ENFRENTAR, tem que ir para as ruas igual as manifestações que estão ocorrendo nas ruas, temos que seguir esse exemplo, se não vai ficar do jeito que estar no mais do mesmo ou piorar. TORCEDOR, QUEM PODE MUDAR O PALMEIRAS SOMOS NÓS E MAIS NINGUÉM!!!!

O CEO conta um absurdo desses, que foi a venda do Vilson, com a maior cara de pau. E, pior, inclui um jogador que já era do Palmeiras numa troca por valor irrisório na ‘doação’ do principal atacante do time (voltou atrás em uma negociação concluída só para poder dizer que tínhamos trocado 5 x 1). Depois diz que o Palmeiras só serviu de trampolim para o Vilson – se ele sabia disso, por que não estipulou uma multa contratual alta, já que o jogador sairia mesmo? Assim, ao menos, os cofres do clube ficariam menos vazios. Qualquer lado que se olhe, as conclusões são terríveis: 1) O Palmeiras contratou uma pessoa para cuidar dos interesses do clube e essa pessoa está fazendo negociatas que beneficiam qualquer um, menos o clube; 2) O empenho absurdo empregado pelo CEO pra negociar o Barcos a todo custo (virou a noite) resultou nada menos do que numa conspiração para afanar o dinheiro do Palmeiras, que perdeu não só o jogador, pelo qual já tinha pago várias parcelas, mas credibilidade. Vai ficar sem dinheiro e sem jogadores (e tem gente que critica quem reclama da negociata de ‘viúvas do Barcos’ – quero ver como vão justificar mais essa trapaça do CEO agora!). 3) Para este CEO, que recebe e bem, é normal que jogadores façam do glorioso Palmeiras apenas um trampolim para clubes maiores. 4) Se o Nobre fosse homem, no sentido de dignidade e honra que a palavra comporta, já teria demitido esse CEO logo após a doação do Barcos. Mas como ele é fraco, manipulável pelo mustafá, e não se segura, ele vai manter esse sujeito, que está rindo e enriquecendo às custas do palmeirense, no cargo. Só falta mesmo trazerem o Luxa (que deve ter sido o comparsa do CEO na armação do Barcos, para ser o técnico do Palmeiras, para a gangue ficar completa. 5) Depois dessa, vou ter que reler a entrevista do Barcos – começo a acreditar que ele foi mesmo ‘forçado’ pelo CEO a sair do Palmeiras. Afinal, quem tem mais credibilidade: o Brunóquio ou o Barcos?

Sabe que me veio à mente que o Barcos pode ter falado a verdade? Deve ter sido obrigado e aceitar a jogatina. Putz é surrealista o que esta administração da SEP está fazendo.

Há 20 anos sou torcedor da Sociedade Esportiva Palmeiras, e nesse longo tempo jamais vi tamanho amadorismo e situações que depreciam a imagem desse grandioso clube como nos primeiros 6 meses da gestão Nobre/Brunoro, nem Mustafá Contursi e Arnaldo Tirone fizeram tantas coisas erradas em pouco tempo. Logo nos primeiros meses da gestão Tirone, alguns sites da mídia palestrina e muitos torcedores pediam a sua renúncia ou impeachment do B1, e eu concordava, já que sabia que aquele cidadão iria levar o clube para o buraco.
Por isso, considero que os verdadeiros palmeirenses devem mais do que nunca priorizar o clube, e não vejo outra saída á curto prazo do que a saída imediata de Paulo Nobre e José Carlos Brunoro do comando administrativo do Palmeiras. Suas fracassadas ações já criaram um terrível clima de instabilidade para o restante da série B, podendo acarretar em uma grande tragédia, que é a permanência do clube na segunda divisão no ano do seu centenário.
Paulo Nobre, sua vitória não surtiu o efeito esperado e se você realmente é palmeirense, renuncie ao seu mandato e leve o Brunoro junto com você. Assim você realmente mostrará a todos que é um grande torcedor do Palmeiras, e pelo menos para mim, mostrará a sua honradez.

Os fatos ja refletem o que falo de BRUNORO dos do dia da eleição do P. Nobre. Dei a noticia em primeira mão no 3VV e acrescentei que era a maior decadencia trazer Brunoro. Cada dia que passa ta mais claro.

Ao contrário, gostei da vinda do Brunoro, achava uma ótima ter esse profissional nos ajudando. Mas hoje não penso mais assim. Porque tudo no Palmeiras é mais difícil? Em relação ao Nobre, até antes da eleição julgava seria um bom presidente, fui mudando de opinião quando o mesmo votou a favor do filtro junto com o Mustafá e piorou quando aceitou o apoio do mesmo… isso pra mim foi a gota d’água, saberia que o mais do mesmo reinaria nas alamedas.

Mario, como vai? Eu acho que pra trabalhar na SEP é preciso ver o curriculo do cara e ver o que ele esta fazendo no ultimos 2/3 anos. Além claro de ver o conjunto de sua obra. Então assim como não existe espaço pra Brunoros no Palmeiras, também não existe espaço para Luxemburgos. Os dois não podem nem ser considerados decadentes, eles hoje são profissionais ruins, que não tem condições de estar no nosso Clube. O Palmeiras merece e tem que ter o melhor.

Realidade é que “profissional” no futebol é um termo muito amplo, sem qualquer definição ou restrição. Qualquer um pode virar um profissional do futebol, basta ter um passado favorável a essa imagem. Ou seja, é um tiro no escuro pois não existe formação adequada, experiências necessárias ou títulos que comprovem algo nessa “carreira”. O próprio Brunoro era um gestor de esportes amadores de um clube de Santo e por saber vender bem seu trabalho, veio pra Parmalat onde recebeu muito suporte (não só dinheiro mas toda infraestrutura de uma empresa).
Depois de sair do Palmeiras, constrói uma carreira basicamente de palestrante, usando os anos da Parmalat pra vender todo tipo de curso, projeto e etc, sempre com aporte financeiro de terceiros e sem ganhos documentáveis.

No futebol, as vezes é possível achar alguns “profissionais” que conseguem implementar projetos adequados e que obtém sucesso mas geralmente seu desempenho mas a maré de bons resultados sempre passa.
Talvez o erro seja querer achar alguém simétrico para um cenário assimétrico ou então acreditar em propaganda. Talvez o caminho correto seja criar nossos próprios “profissionais”, moldá-los e utilizá-los. No sistema americano, com ex-atletas são repatriados em funções chave (olheiros por exemplo), sendo incentivados a estudarem sobre a área que pretende evoluir e sendo testados em funções menores dentro dos clubes.
Clubes como Barcelona já fazem isso também há uns 20 anos já e colhem alguns frutos (Guardiola) mas estão longe ainda do padrão americano.
Seria o melhor caminho mas estamos na estaca zero atualmente.

Pior que pensar assim virou crime. Muitos partidários ficam dizendo que Perin queria o Brunoro como justificativa pros erros dele agora.
Mas isso escancara como é fácil ser enganado no futebol e o Perin também teria feito esse erro, com a única diferença de não ter gente arrogante na sua formação o que permitiria que o Brunoro caísse bem antes.

Justamente por causa da arrogância desses partidários que o Brunoro só saíra quando tiver causado uns 50 milhões em danos e nos mandar de volta a série B. Espero que o Nobre não seja como esses partidários e tome atitudes agora mas tenho minhas dúvidas.

Realmente as viúvas de barcos, não pelo jogador, mas sim pelo negócio estão cada vez mais com razão. Que merda de negociação foi essa??? Se livraram de 2 meses de atraso e de um salário alto, merecido pelos feitos, a troca de 4 jogadores emprestados, que nada rendem ao clube? Se Vilson foram 700 mil, de luvas antecipadas, não tínhamos participação nos valores, que negociação foi essa, meu deus, despreparo total, coisa de doido…não sei se seria diferente, mas eu aqui desde o começo disse que o que ouvi na campanha não ouvi na posse e não estou vendo ao longo de 8 meses. Somente ouço lamentações, falta de dinheiro, falta de preparo, falta de ousadia, falta de bons olheiros, falta de jogadores que possam realmente render, em suma falta tudo, pode até sobrar boa vontade, mas disso o inferno esta cheio…..

Os comentários estão desativados.