Categorias
Verdão na Mídia

Verdão na Mídia 04-09-2013: Apesar de impasse com W.Torre, Palmeiras tem melhor modelo de novo estádio do Brasil ❘ Paulo Vinícius Coelho

BLOG DO PAULO VINÍCIUS COELHO ❘ ESPN BRASIL

• Apesar de impasse com W.Torre, Palmeiras tem melhor modelo de novo estádio do Brasil

A matéria sobre o impasse entre Palmeiras e W. Torre a respeito dos direitos de vendas de cadeiras no Allianz Parque, publicada na Folha desta quarta-feira, assinada por Bernardo Itri e por este colunista, não esconde que clube e construtora formataram o melhor modelo de negócio na comparação com qualquer outra arena do país. O negócio é bom para o Palmeiras.

Há uma falha na redação do contrato ao não especificar quantas cadeiras cada lado pode explorar. Mas o Palmeiras teve nos anos 90 a maior experiência em gerenciar uma relação com interesses difusos ao se relacionar com a Parmalat por oito anos. Todo mundo ganhou naquela relação. Com bom senso na relação, Palmeiras e W. Torre têm muito a conquistar na gestão do novo estádio.

Para entender que o negócio é bom para os dois lados é importante lembrar dois aspectos. Primeiro, que o clube não gastou nenhum centavo para levantar o estádio, diferente do Grêmio que paga o empréstimo de R$ 260 milhões do BNDES e mesmo do Corinthians que terá de devolver os R$ 400 milhões ao mesmo BNDES. É isso o que explica a W. Torre vender os direitos sobre o nome do estádio e dar “apenas” 5% ao Palmeiras nos primeiros cinco anos.

Sobre todas as receitas do estádio, o Palmeiras tem 5% nos primeiros cinco anos, 10% dos cinco aos dez anos, 20% dos dez aos quinze anos e assim sucessivamente até alcançar 100% no trigésimo ano do acordo. Os naming rights, os shows, a venda de cadeiras cativas, tudo isso dá 5% ao Palmeiras nos primeiros cinco anos — 95% para a W. Torre.

Mas o clube tem 100% da bilheteria dos jogos de futebol. Quer dizer que mesmo vendendo as cadeiras, a W. Torre tem de pagar o ingresso por cada cadeira que comercialize. O acordo diz que a construtora deve remunerar o Palmeiras em todos os jogos pelas cadeiras que vendeu pelo preço do ingresso mais barato da temporada anterior. Se a arquibancada custa R$ 30, a W. Torre deve pagar essa quantia por cada uma das cadeiras em todos os jogos.

Em outras palavras, se a W. Torre vender as 45 mil cadeiras, terá de dar ao Palmeiras em todas as partidas R$ 1,350 milhão. A melhor renda do Palmeiras no ano foi contra o Libertad, na Libertadores (R$ 1,324 milhão). Na Série B, a melhor arrecadação foi de R$ 1,016 com 29 mil pagantes no jogo Palmeiras 2 x 1 Paraná, em 10 de agosto.

Importante também dizer que o imbróglio começa porque o Palmeiras julga ter aprovado no Conselho Deliberativo a minuta do contrato e que esta previa a divisão das cadeiras oferecendo 10 mil à construtora. A W. Torre tem outra versão. Diz jamais ter se levado a minuta do contrato para aprovação. O que havia, segundo os construtores, era um documento chamado “Expectativa de receita na nova Arena”. Esse texto falava da divisão dos lucros a partir da venda de 10 mil cadeiras.

Pelo contrato, o estádio deveria ter no mínimo 42 mil lugares. Terá 45 mil assentos. Entre as 10 mil cadeiras que o Palmeiras pretende dar à W. Torre e as 22 mil desejadas pela construtora, é possível achar um meio termo entre 15 mil e 18 mil. Em vez de montar uma comissão de conselheiros para discutir com a construtora, o melhor que o Palmeiras tem a fazer é colocar José CArlos Brunoro na história. Quem fez Palmeiras e Parmalat terem tanto sucesso numa relação conflituosa, pode conseguir o mesmo êxito agora.

Leia aqui a matéria completa → BLOG DO PAULO VINÍCIUS COELHO ❘ ESPN BRASIL

••

NOTICIÁRIO ❘ FOLHA ONLINE

• Palmeiras entra em choque com construtora do estádio

Por Paulo Vinícius Coelho e Bernardo Itri

O Palmeiras não sabe quantos assentos poderá oferecer aos seus torcedores em seu próprio estádio.

O motivo é o conflito, mais acentuado a cada dia, com a construtora WTorre por espaço na arena paulistana, que deve ser aberta ao público em maio de 2014.

Não há consenso entre clube e construtora sobre quantas cadeiras cada parte poderá negociar. Por incrível que pareça, o contrato, ao qual a Folha teve acesso, não indica como será essa divisão. Do total de 45 mil assentos previstos, o clube acredita ter direito de oferecer 35 mil para seus torcedores.

A WTorre, no entanto, quer mais. Para a empresa, cabe a ela um número maior que as 10 mil propostas pelo Palmeiras. Mais assentos para a construtora significaria, entre outras coisas, sufocar o programa de sócio-torcedor, que dá benefícios, como descontos no preço dos ingressos, para quem é membro.

As cadeiras negociadas pela construtora serão alugadas anualmente por um custo muito mais alto do que os assentos comuns que estarão sob o domínio do Palmeiras.

A última reunião entre as duas partes aconteceu no último dia 23 em meio a tensão. Mas o imbróglio é antigo.

Antes mesmo da eleição do presidente Paulo Nobre, em janeiro deste ano, o grupo que hoje conduz o Palmeiras questionava a relação das diretorias anteriores com a empreiteira. Entre o que foi aprovado pelo Conselho Deliberativo do clube e o contrato assinado, a atual gestão do Palmeiras julga haver divergências.

Pelo projeto inicial, sem valor de contrato, a construtora teria o direito de vender 10 mil cadeiras. “O previsto era isso, não sei como está agora. Mas não adianta brigar com a WTorre, o Palmeiras vai perder”, diz José Cyrillo Júnior, conselheiro que negociava com a construtora na gestão de Luiz Gonzaga Belluzzo (2009-2010).

Meses mais tarde, em nova rodada de reuniões, diretores da WTorre propuseram 22 mil cadeiras a serem exploradas. Feitas as contas, era o modo de tornar o negócio viável para a construtora.

A WTorre cogita, inclusive, vender até mesmo a totalidade de cadeiras: 45 mil.

Não há números “certos” ou “errados”. Assinado por ambas as partes, o contrato (veja reprodução de trecho à esquerda) não determina a quantia exata a ser explorada pela construtora.

O documento diz apenas que cabe à WTorre negociar cadeiras e camarotes –e a maior parte das receitas com essas operações vai para a construtora. Mais cadeiras para a WTorre implicam menos receita para o Palmeiras.

O impasse, tido por muitos envolvidos como insolúvel, é um forte baque na relação de clube e WTorre, programada para durar 30 anos.

“O caso pode ir para a arbitragem”, diz o diretor da WTorre e ex-diretor de marketing palmeirense, Rogério Dezembro. De acordo com o contrato, se houver discórdia entre as partes, um mediador externo será nomeado para resolver as pendências.

E DAÍ?

Como este imbróglio afeta o torcedor palmeirense?

O Palmeiras reforçou seu programa de sócio torcedor, que chegou a 31 mil integrantes e planeja terminar o ano com 40 mil membros.

Permitir que a WTorre negocie 22 mil cadeiras é um risco para o projeto. Nesse caso, sobrariam apenas 23 mil lugares para os atuais sócios.

A ameaça de a WTorre negociar todos os lugares aumentaria o problema, já que as cadeiras comercializadas pela construtora serão exclusivas de seus compradores.

Outros pontos geram discórdia. Um deles é o prédio onde ficam as quadras. A comissão de conselheiros, nomeada para negociar com a WTorre, entende que a edificação tem metragem menor do que o prometido. A construtora nega e diz que as mudanças no projeto foram só as pedidas pela prefeitura.

O clube reivindica também a retirada das cadeiras atrás dos gols para os torcedores assistirem às partidas em pé. A WTorre, porém, é contra.

Leia aqui a matéria completa → NOTICIÁRIO ❘ FOLHA ONLINE

••

NOTICIÁRIO ❘ GLOBO ESPORTE COM

• Cadeiras da Arena Palestra geram conflito entre clube e construtora

A Arena Palestra ainda não está pronta, mas já gera divergências entre o Palmeiras e a WTorre, responsável pela obra. A principal delas é a divisão das cadeiras do futuro estádio. Quando o acordo foi costurado, não foi colocada no papel a quantidade de assentos que cada lado teria direito. O Verdão fala em ceder 10 mil para a construtora, que quer pelo menos 22 mil. É o que aponta a reportagem do jornal “Folha de S. Paulo”, que teve acesso ao documento.

Se a WTorre tiver direito a mais do que 10 mil assentos dos 45 mil totais, o Palmeiras terá problemas com o programa de sócio-torcedor, que hoje conta com 31 mil membros, mas o objetivo do clube é crescer este número para 40 mil até o fim do ano. Não haveria cadeiras para todos os integrantes do programa.

– O previsto era isso (10 mil cadeiras para a WTorre), não sei como está agora. Mas não adianta brigar com a WTorre, o Palmeiras vai perder – disse, à Folha, José Cyrillo Júnior, conselheiro que negociava com a construtora ainda na gestão de Luiz Gonzaga Belluzzo (2009-2010).

Há outra divergência envolvendo cadeiras. O Palmeiras deseja manter, atrás de um dos gols, um setor popular, sem assentos, o que aumentaria a capacidade do local para até 12 mil (com cadeiras seria de 6 mil). A WTorre é contra.

Leia aqui a matéria completa → NOTICIÁRIO ❘ GLOBO ESPORTE COM

••

NOTICIÁRIO ❘ GLOBO ESPORTE COM

• Palmeirenses lamentam empate e criticam postura defensiva do rival

Por Marcelo Hazan

Os jogadores do Palmeiras deixaram o gramado do Pacaembu lamentando o empate por 0 a 0 com a Chapecoense. Principalmente pelo bom futebol mostrado pela equipe, que criou diversas oportunidades, mas falhou nas finalizações. Outro fator que dificultou bastante, na opinião dos atletas, foi a postura defensiva do rival catarinense que, mesmo precisando da vitória para fechar o primeiro turno na liderança, preferiu priorizar a marcação.

– Hoje enfrentamos a segunda melhor equipe da Série B e eles ficaram com todos os jogadores na defesa. Isso mostra que o campeonato não vai mudar para a gente. Temos de conviver com isso. Mas nosso momento é bom, hoje o time mostrou um bom futebol. Temos agora de voltar a vencer para recuperar o apoio do nosso torcedor – afirmou o volante Márcio Araújo.

O zagueiro André Luiz seguiu pela mesma linha de raciocínio.

– Infelizmente não conseguimos fazer o gol. Taticamente nos comportamos muito bem. Só que a Chapecoense se defendeu com os dez jogadores atrás do meio-campo em alguns lances. Sabíamos que o jogo seria assim, o Kleina já tinha avisado. Mas não podemos nos desesperar. É claro que queríamos a vitória, mas atingimos o objetivo inicial que era terminar o turno na primeira colocação – ressaltou.

Com 42 pontos, o alviverde segue na primeira colocação, com dois pontos a mais que a Chapecoense. No próximo sábado, o Verdão estreia no segundo turno diante do Atlético-GO, em duelo marcado para a cidade de Itumbiara (GO).

Leia aqui a matéria completa → NOTICIÁRIO ❘ GLOBO ESPORTE COM

••

NOTICIÁRIO ❘ GAZETA ESPORTIVA NET

• Kleina, Nobre, Valdivia e time são xingados por torcida no Pacaembu

Por Wiliam Correia

O primeiro jogo do Palmeiras no Pacaembu após a apática atuação que eliminou o clube da Copa do Brasil, na última quarta-feira, virou uma prova da insatisfação da torcida, mesmo com a conquista simbólica do primeiro turno da Série B do Brasileiro. Entre os 8.841 pagantes no 0 a 0 com a Chapecoense, houve quem vaiou o time, o técnico, a diretoria e até desfalques.

Quem já chegou ao estádio disposto a protestar foram os membros da Mancha Alviverde. Foi a primeira partida da organizada no Pacaembu após seu banimento devido à confusão em julho com membros da TUP, que também reapareceu no estádio municipal paulistano.

Responsável por preencher o setor que mais teve torcedores no Pacaembu, a Mancha logo gritou “Paulo Nobre, seu imbecil, pega esse time e vai para p… que pariu”. Esperou a execução do hino nacional e, quando acabou, atacou Valdivia com palavrões, embora o meia, problema em todos os jogos decisivos do clube desde sua volta, há mais de três anos, fosse desfalque mais uma vez, agora por estar à disposição da seleção chilena.

Quando Valdivia foi xingado, os torcedores que ocupavam os outros setores do estádio passaram a vaiar a Mancha. Apesar de ser em menor escala, a cena lembrou a divisão dos torcedores na derrota para a Penapolense, pelo Paulista, em janeiro, quando Valdivia e Luan, hoje no Cruzeiro, eram xingados pela organizada e aplaudidos pelo restante dos presentes no Pacaembu.

A união reapareceu quando a Mancha passou a cantar o hino do clube. Mesmo músicas de incentivo com o nome da organizada ganhava apoio de quem estava nas numeradas. A unidade ficou mais clara, entretanto, na irritação com o que se via em campo. Aos 36 minutos do primeiro tempo, já se ouvia vaias ao Verdão.

Quando o árbitro apitou o intervalo, os torcedores aparentavam extremo incômodo com a atuação ou bocejavam. O cansaço, contudo, deu espaço só aos protestos, principalmente em relação a Felipe Menezes, meia que não conseguiu articular a equipe e saiu de campo xingado.

A reprovação se estendeu a todos no apito final. Apesar das vaias, o que mais se ouviu foram xingamentos contra Gilson Kleina.

Os protestos começaram antes mesmo do fim do jogo, quando o técnico, em vão, chamou Caio para entrar na partida já aos 46 minutos do segundo tempo. “Burro” gritavam os que não adotavam palavrões com o treinador.

Leia aqui a matéria completa → NOTICIÁRIO ❘ GAZETA ESPORTIVA NET

••

NOTICIÁRIO ❘ GLOBO ESPORTE COM

• Kleina entende vaias, mas diz: ‘Nosso time se entregou, buscou o resultado’

Por Marcelo Hazan

É claro que o resultado não foi o esperado. Mas o técnico Gilson Kleina viu pontos positivos na equipe do Palmeiras, que ficou no empate por 0 a 0 com a Chapecoense, na noite desta terça-feira, e encerrou o primeiro turno da Série B do Campeonato Brasileiro como líder, com 42 pontos. No entanto, o torcedor que compareceu ao estádio do Pacaembu vaiou a equipe.

– A gente entende o torcedor, mas hoje fizemos de tudo. Quem veio ao estádio viu uma equipe que se entregou ao máximo, que buscou o resultado o tempo todo. Enfrentamos um adversário que, apesar da boa campanha, jogou ainda mais recuado que outros times que vieram enfrentar o Palmeiras. Infelizmente, o gol não saiu. Mas, sem dúvida, merecíamos melhor sorte – analisou o treinador.

Kleina acredita na evolução da equipe nas próximas partidas.

– Jogadores importantes começaram a voltar. Hoje pude contar com o Vinícius depois de um mês. E ele fez muita falta, afinal é uma das nossas peças de velocidade, que desafoga o time. Logo mais, os jogadores que foram convocados estarão de volta e o time encorpará novamente. Nunca vou lamentar os desfalques e sim, dar apoio a quem vai entrar. Todos trabalham juntos aqui – ressaltou.

Por outro lado, o treinador deixou claro que a equipe precisa voltar a vencer o mais rápido possível para recuperar o seu equilíbrio e, principalmente, o apoio do torcedor.

– Precisamos do torcedor do nosso lado. A Série B é equilibrada. É claro que incomoda o fato de não termos vencido os últimos jogos. Mas contra o Ceará, por exemplo, criamos muitas chances e não fomos eficientes nas finalizações. Hoje, ocorreu a mesma coisa. Agora teremos uma nova sequência pela frente na Série B e temos de recuperar o embalo e manter a vantagem que temos sobre os adversários que estão fora do G-4 – disse.

Leia aqui a matéria completa → NOTICIÁRIO ❘ GLOBO ESPORTE COM

••

NOTICIÁRIO ❘ UOL ESPORTE

• Kleina culpa erros de finalização e retranca por empate e nega crise no Palmeiras

Por Mauricio Duarte

O treinador Gilson Kleina atribuiu o empate sem gols com o Chapecoense na noite desta terça-feira a dois fatores: a retranca do time adversário e a falta de precisão dos atacantes alviverdes. De acordo com o comandante, o setor ofensivo precisa aprimorar a finalização para voltar a vencer. São quatro partidas sem vitória.

“A Chapecoense abdicou de jogar. Jogou por uma bola. Nossa equipe se movimentou, tentou sair da marcação. Tivemos condições de sair na frente. Faltou poder de definição. A estratégia deles era empatar e tiveram êxito”, explicou.

De acordo com Kleina, é a segunda partida seguida em que o time desperdiça muitas chances. O mesmo aconteceu na última rodada, no empate com o Ceará.

“Nos últimos dois jogos tivemos poder de criação muito grande, faltou para nós poder de definição. Melhorar esse fundamento é importante. Se nós continuarmos criando,  vamos ter condições de colocar essa bola para dentro”, reiterou.



O comandante alviverde negou que a seca de vitórias represente uma crise no Palmeiras. Segundo ele, é normal uma equipe oscilar em um campeonato de pontos corridos. Além disso, ele citou desfalques importantes, como o chileno Valdivia, o zagueiro Henrique e o atacante Leandro. Os dois primeiros foram convocados para sua seleções e o terceiro cumpria suspensão.
.

“Nós estamos passando por um momento de oscilação. Perdemos jogadores por cartão, lesão, seleção. Você perder peças importantes, nenhum clube consegue manter o nível de atuação”, disse.

“Nós temos que voltar a ter vitórias. O empate tira dois pontos. Quem vem atrás vai tirando a diferença. Vamos rever. Temos que saber administrar esse momento para retomar os resultados positivos”, completou.
.

Mesmo sem vencer nesta terça no Pacaembu, o Palmeiras ficou com o simbólico título de campeão do primeiro turno da Série B do Campeonato Brasileiro. Com 42 pontos conquistados, a equipe é líder isolada da competição, seguida de perto pela Chapecoense, com dois pontos a menos.

Leia aqui a matéria completa → NOTICIÁRIO ❘ UOL ESPORTE

••

NOTICIÁRIO ❘ LANCENET

• Mendieta pede tranquilidade à torcida do Palmeiras: ‘Estamos jogando bem’

Sem vencer há quatro jogos, o Palmeiras recebeu vaias na noite de terça, quando empatou por 0 a 0 com a Chapecoense. Apesar da impaciência da torcida com o momento vivido pelo líder da Série B, o meia Mendieta pediu tranquilidade aos palmeirenses. De acordo com ele, a equipe está jogando bem, e o problema tem sido de finalizações.

– Tranquilo, o torcedor tem de ficar tranquilo, estamos jogando bem, só está faltando acertar finalização. O time está tranquilo, vamos pensar no próximo jogo – disse o camisa 8, ainda no Pacaembu.

Desde que venceu o Atlético-PR no Pacaembu por 1 a 0, na ida das oitavas de final da Copa do Brasil, o Verdão não conseguiu outros triunfos. Foi derrotado pelo Boa (1 a 0), pelo o Furacão na volta (3 a 0), em vexatória atuação, empatou com o Ceará (2 a 2) e agora Chapecoense.

– Não estamos ganhando, mas estamos muito bem. Trabalhando bem, jogando bem, só falta acertar. Contra o Ceará foi igual, criamos muito e erramos nas finalizações – completou o paraguaio.

Com 42 pontos, o Palmeiras tem dois de vantagem para a vice-líder Chapecoense, e 11 mais do que o Joinville, primeiro clube fora do G4. Já nesta quarta a delegação alviverde volta aos trabalhos, de olho no confronto com o Atlético-GO. A partida está marcada para o próximo sábado, em Itumbiara (GO).

Leia aqui a matéria completa → NOTICIÁRIO ❘ LANCENET

••

BLOG DO ROBERTO AVALLONE ❘ UOL

• Palmeiras, liderança amarga

Sim, o Palmeiras segue líder da Série B e conquistou o título simbólico de “campeão do primeiro turno” ao empatar sem gols coma Chapecoense, no Pacaembu. Mas também segue jogando o  futebol em queda livre dos últimos jogos, que provocou vaias de sua torcida e levou menos de 9 mil pagantes ao estádio. A derrota para o Atlético Paranaense, do jeito que foi, teve imediata consequência negativa pata o torcedor palmeirense.

E, sinceramente, embora o Palmeiras tenha contado com 70 por cento da posse de bola e criado algumas chances (Tiago Alves perdeu um gol feito, por exemplo), o futebol exibido não agradou- e o goleiro palmeirense, Fernando Prass, também teve trabalho, embora a Chapecoense tivesse adotado a retranca.

Ah, o Palmeiras jogou desfalcado? Sim, jogou. Mas a turma de Chapecó também não teve o seu goleador, também artilheiro do Campeonato, Bruno Rangel. E, convenhamos, com todo o respeito à Chapecoense, o Palmeiras não precisava estar completo para vencer o seu adversário.

Ou será que o Palmeiras só joga quando tem Valdivia? Tipo da dependência perigosa.

Leia aqui a matéria completa → BLOG DO ROBERTO AVALLONE ❘ UOL

••

BLOG DO VITOR BIRNER

• Vanderlei Luxemburgo não será contratado pelo Palmeiras

O treinador do Palmeiras no centenário do clube não será Vanderlei Luxemburgo.

Explico.

Semana passada, fui procurado por conselheiros do Palmeiras que apoiam o presidente Paulo Nobre. Queriam falar sobre o temor de ver o presidente palestrino e Brunoro contratarem Vanderlei Luxemburgo para o lugar de Gilson Kleina.

Na minha coluna de sábado no Lance, tratei do tema.

Atlético MG, Flamengo e Grêmio, clubes comandados por Luxa desde 2010, melhoraram bastante após a saída do treinador.
Por isso, acho muito arriscado o clube que pretende ser campeão no centenário investir em Luxa.

A notícia sobre o desejo de Peter Siemsen, presidente do Fluminense, querer demitir Vanderlei Luxemburgo, aumentou os boatos de que o destino dele será o Palestra Itália.

Falaram disso bastante no meu twitter e no Facebook

Acabo de conversar com uma pessoa da atual administração do Palmeiras, que está ao lado de Nobre na gestão do clube e conhece profundamente os planos do presidente para o futebol.

Ela foi enfática:

“Vanderlei Luxemburgo está completamente descartado”.

Meu interlocutor afirmou também que a atual gestão apoia o trabalho de Kleina e não tomou decisão alguma sobre o futuro do treinador ( o contrato dele terminará em dezembro).

E garantiu que mesmo se o vínculo profissional com o atual comandante não for renovado, ” não existe a menor chance de Luxemburgo ser contratado para o lugar de Kleina”.

Leia aqui a matéria completa → BLOG DO VITOR BIRNER

••

COLUNA DO JORGE NICOLA ❘ DIÁRIO DE S.PAULO

• Filme queimado

De volta ao Palmeiras, Vilson ficou mal com Paulo Nobre. A amigos, o presidente admitiu ter se decepcionado com o zagueiro, que forçou a barra para jogar no Stuttgart, apesar dos insistentes apelos da diretoria.

• Sinal de alerta

“ O atual time do Palmeiras vai voltar com tranquilidade para a Série A. Mas precisará de reforços em 2014 “ – Luiz Carlos Granieri – Membro do COF alviverde

••

COLUNA DE PRIMA ❘ LANCE!

Por Marcelo Damato

• Cabeça feita

Aliados de Paulo Nobre dizem que ele já não segue tanto as opiniões de José Carlos Brunoro como no início da sua gestão no Palmeiras. Afirmam que não há atritos, mas que, com mais experiência, Nobre tem mostrado mais firmeza ao defender suas ideias.

• Onda verde

Na véspera dos jogos do Palmeiras, a venda de produtos oficiais é 30% maior do que nos demais, segundo a Meltex, que opera as lojas. Além das camisas de jogo, lideram as vendas a linha feminina e a maquete da nova arena. Desde a abertura da primeira loja, a receita da Meltex subiu 32%.

••

OUTRAS NOTÍCIAS :

LANCENET – BLOG PITACOS DO PALESTRA → ‘Fim do primeiro turno: está bom para você?’
 
TRIVELA – BLOG DO UBIRATAN LEAL → Palmeiras perde chance de igualar melhor 1º turno da B
 
LANCENET → Palmeiras e WTorre entram em conflito por cadeiras no Allianz Parque
 
GAZETA ESPORTIVA NET → Líder do turno, Verdão se apega à meta atingida com oscilação normal
 
ESPN BRASIL → Após título do 1° turno, Kleina e Prass citam cansaço, mas dizem: ‘Qualidade do Palmeiras deve prevalecer’
 
GAZETA ESPORTIVA NET → Palmeiras culpa empresário e já não fala mais em renovar com Vilson
 
GLOBO ESPORTE COM → Brunoro diz que Vilson retornará, e partes discutirão um novo contrato
 
GLOBO ESPORTE COM → Wesley e Mendieta minimizam jejum de vitórias: ‘Estamos no caminho’
 
FOLHA ONLINE → Kleina diz que Palmeiras vive momento de oscilação
 
TERCEIRO TEMPO → Palmeiras fecha 1º turno com segunda melhor campanha da história, mas não escapa de vaias
 
BAND ESPORTE → Kleina não vê Palmeiras em crise e valoriza campanha
 
JP ONLINE → Kleina lamenta série sem vencer, mas pede apoio da torcida palmeirense
 
ESPN BRASIL → José Roberto Lux acredita que o Palmeiras irá subir para série A com tranquilidade
 
SPORTV – REDAÇÃO → Comentaristas dizem que Palmeiras tem tudo para voltar à série A do Brasileirão
 
ESPORTE INTERATIVO → Gilson Kleina explica empate do Palmeiras.
 
TV GLOBO – GLOBO ESPORTE → Palmeiras termina primeiro turno na liderança da Série B
 
LANCE TV → Gilson Kleina fala do empate sem gols contra o Chapecoense
 
LANCE TV → Palmeiras empata e sagra-se Campeão do Primeiro Turno
 
SPORTV → Belletti sobre empate entre Palmeiras e Chapecoense: ‘Goleiros foram destaque’
 
SPORTV → Melhores Momentos: Palmeiras 0x0 Chapecoense, pela 19ª rodada da Série B
 
••

26 respostas em “Verdão na Mídia 04-09-2013: Apesar de impasse com W.Torre, Palmeiras tem melhor modelo de novo estádio do Brasil ❘ Paulo Vinícius Coelho”

Senhores, confesso não estar entendendo toda esta discussão. A W Torre publicou nota oficial onde simplesmente reafirma, entre outras coisas, que: 1) 100% da renda dos jogos de futebol pertencem ao Palmeiras e @) Os cerca de 45 mil assentos da nova arena do Palmeiras estarão integralmente à disposição da torcida do Palmeiras. Segue o link da reportagem feita pelo Lance a respeito deste assunto: http://www.lancenet.com.br/palmeiras/WTorre-conflito-reafirma-jogos-Verdao_0_986901456.html. Para mim está claro que a globolixo ( e toda a imprensa gambá) está, NOVAMENTE, tenta criar notícias e tumultuar o ambiente do Palmeiras e suas relações com os seus parceiros comerciais.

Não há receita que seja desviada para a WTORRE, quando ocorrerem jogos do Palmeiras, pois em contrato os 186 camarotes e algumas cadeiras serão negociadas pela parceira, o resto é conversa mole, já que os antigos proprietários dos velhos camarotes e cadeiras cativas do antigo Palestra Itália já estão sendo contatados, para disponibilizarem seus domínios no ALLIANZ PARQUE!

Se o estadio é uma concessão, então o que importa é a grana e a manutenção do patrimonio. Se a WTorre tiver 10mil cadeiras isso siginifca que já temos 5% da renda de 10mil ingressos ? se sim, estrega os outros 35mil. Lotação Esgotada. PVC é uma das poucas cabeças iluminadas nesse mundo de fofocas esportivas. Deixa o Brunoro cuidar disso. É coisa pra Profissional. Nosso Programa Avanti vai crescendo : passamos de 31mil. É isso ai….e aMooca está mais bela : Inaugurada hoje a Academia Store no Shopping Mooca com a presença de Kardec, Luis Gustavo e Felipe Menezes. O shopping parecia um estádio de tanta gente com camisas do Verdão. Puta Orgulho. Loja dos Gambas e Bambis …as moscas…Torcida Que Canta e Vibra. Vamos em frente que a esperança é Verde. Abs

E essa história que o Birner contou é pra acabar mesmo. Então conselheiros do Palmeiras vão conversar com um jornalista sãopaulino sobre as preocupações de ter o Luxemburgo como técnico? Embora a preocupação seja legítima – já que parece que ninguém, além do CEO, quer o Luxa de técnico -, o que o jornalista tem com isso? Por que não foram conversar direto com o Nobre?

O que dizer de mais essa atitude lamentável da diretoria de brigar com a W.Torre. Conseguimos uma Arena moderna, a reforma do clube, sem por a mão no bolso e ainda recebendo parte lucros gerados. Contrato invejável sob todos os pontos de vista. Mas a nossa diretoria prefere pensar pequeno e em vez de potencializar o negócio com a W.Torre, fica expondo essas brigas na imprensa, fragilizando ainda mais o Palmeiras. A Arena é uma das poucas coisas que nos darão orgulho no centenário, e a imprensa praticamente não tinha argumentos para criticá-la. Agora, graças à ajudinha básica da diretoria do Palmeiras, terão o que falar. Por que não tentam resolver as pendências como adultos e de forma amigável, em vez de ficar cutucando a W. Torre pela imprensa?

Estão reclamando que a oferta do avanti diminui pois os lugares disponíveis seriam só os do Palmeiras e as cativas que estivessem livres. E reclamam também que a empresa vai lucrar encima da cativa mas o Palmeiras pode aumentar o ingresso mínimo e recuperar esse valor.

ai está a arte de falar e n dizer nada, n respondeu ao ponto levantado pela reportagem, “os 45 mil lugares estão a disposição da torcida do Palmeiras “, n está em discussão se a quantidade de cadeiras para a WTorre será ocupado por torcedores rivais, é obvio que está destinado a torcida do Palmeiras, a questão é, quanto o Palmeiras vai poder negociar, n quantos palmeirenses vão está na arena. Viva o eufemismo corporativo.

Eu ainda avisei que a situação ia criar briga com a WTorre em vez de negociar. jogaram na imprensa essa história pra pressionar um acordo pra eles. Assim fica difícil, parceria desse jeito é complicado.

VOCêS SABEM QUANTOS ANOS DUROU A PARCERIA DO PALMEIRAS COM A CIA. ANTARCTICA ?
FORAM MAIS DE 80 ANOS DE PARCERIA.
ISSO É UM RECORD MUNDIAL.
SÓ OS IDIOTAS, INCULTOS OU MAL INTENCIONADOS QUE CAMPEIAN NO FUTEBOL NÃO SABEM OU ESCONDEM ISSO.

Não existe melhor markerting que time vitorioso e jogando bem e disputando campeonato pra ser Campeão, aí tudo melhora, e nòs estamos na direção contrària, saímos no primeiro mata do Paulista,no primeiro mata-mata da libertadores e Copa do Brasil, não existe torcida que fique satisfeita om isso, o flamengo começou esse modelo de admnistração monetària do Nobre e viu que ia cair ,demitiu jorginho ,trouxe o mano e ainda tà pagando o erro.Se voce olhar o balanço do Palmeiras no primeiros 7 meses de 2012 e 2013 (tà no site) em 2012 tivemos mais receitas e pagamos mais dividas que em 2013..Estamos sendo iludidos,hoje a dívida è maior,sem patrocinio e se subir e ficar com esse elenco caí de novo.Nòs precisamos è entrar num ciclo virtuoso onde se alongue a dívida e tendo um time vitorioso a torcida garante,via socio torcedor,patrocinio,produtos e etc o pagamento,adiantar receita è mais barato que pagar juros bancarios,.Sem Produto de qualidade nenhuma empresa grande sobrevive. ACORDA PAULO NOBRE,AINDA DÀ TEMPO,OUÇA A TORCIDA.

O que não dá pra entender e não dá para aceitar é essa BRIGUINHA dos conselheiros por causa das rendas de shows, tudo o que eles querem na verdade é apenas ter acesso aos camaotes para poder assistir aos shows sem pagar nada, tudo de graça e isso não pode acontecer.

Gostei muito da reportagem do PVC, mas ele deixou de fora uma informação importante.
Não disse que o Palmeiras não terá os custo de manutenção durante os 30 anos. ou seja, 100% da renda é caixa, enquanto os outros terão estes custos (que não são baratos). Mais um motivo importante que mostra ser o nosso , o melhor modelo de arena. OBRIGADO BELUZZO !!!
Porque se dependesse do Mustafá e Cia, já viu né….

bem lembrado, isso da uma despesa monstro, manutenção. o curintia vai ter que pagar pela dele, o gremio tb (aliás a do gremio é uma barca furadíssima)

Eu vi o GambáXanxa falando disso, eles fizeram uma estimativa muito acima, pois não sabem realmente o quanto vai ser o custo do estádio por mês. Se for esse valor está dentro do planejamento deles. ######## Realmente nós não vamos pagar o custo do estádio (manutenção), não sou expert em Show, mas um show que fizer na Arena deve custear 1 ano de manutenção.

multiplica por 30, ve quanto se economiza…Conselheiro tem que enteder ( e deveria, pois não faz nada para o clube) que por mais que o Walter Torre seja palmeirense, ele é do ramo de construções, NINGUÉM NO MUNDO, por mais fanático constrói um estádio e dois prédios de graça pro clube do coração. O palmeiras ganhou um estádio moderno e dois prédios (um poliesportivo e outro administrativo/esportivo), esta isento da manutenção do estádio por 30 anos e como já explicado vai ganhar progressivamente uma grana até o final. Imaginar, supor, achar que o cara ia fazer de graça ou que não ia ganhar uma grana (pois investiu) é ser tonto. Aliás tem nego lá que não investe nada e ganha não é verdade?

Outro ponto de vista a ser analisado é o “duration” (termo em inglês usado no mercado financeiro que fala sobre prazo médio) da cessão de 30 anos.
O pagamento crescente dos percentuais fazem ao final da conta que os 30 anos virem como se fosse uma cessão de 20 anos seca. (sem considerar a renda de 100% dos jogos). Talvez seja complicado minha explicação.
Mas, é como se o Palmeiras tivesse cedido o terreno por 20 anos para ser explorado pela WTorre em troca da obra da Arena sem ganho adicional além da renda.

pelo que entendi do seu cometário, isso que dizer que as receitas chegaria a 100% ou perto disso nos 20 anos, é isso?, é a única explicação lógica.

Victor, o Walter Torre é santista. Eu ouvi em uma entrevista ele dizendo que torce para o peixe. E eu concordo, o Palmeiras fez um bom negócio.

é mesmo? ouvi que ele era palmeirense……rs vai ver tava fazendo média hehehehe, de qualquer forma não muda nada.

Acho que a preocupação da diretoria faz sentido, pois vai ser ruim para o Programa Sócio Torcedor, mas acho que da pra chegar num consenso.

Há uma confusão quando se fala do Grêmio. O estádio é da Arena Porto-Alegrense por 20 anos. Essa empresa é 65% do Grêmio e 35% da OAS. De todo o lucro do estádio, o clube embolsa 65%. O Grêmio ainda recebe uma anuidade da Arena. Depois de 20 anos, a Arena passa a ser 100% do Grêmio. O Grêmio não pegou empréstimo nenhum junto ao BNDES. Quem fez isso foi a construtora, OAS. O que o Grêmio tem que fazer é pagar à Arena (que é 65% sua) o ingresso dos seus sócios (que pagam diretamente ao clube).

Só erra PVC ao atribuir tal missão ao CEO. Esse aposentado é uma completa piada. Com o dinheiro da parmalat, até eu. Vai cuidar das netinhas, Zé Carlos, aqui não é o pão de açucar

Como é que fazem um contrato e não estipulam um número de cadeiras a serem comercializadas? A minuta do contrato foi feita por alguém, quem? quem apresentou no conselho deliberativo? Não acredito que isso seja difícil de acordar desde que as DUAS partes estejam dispostas, cada um cede um pouco, senão não sai acordo. O PVC ia tirar 10 na explicação, mas ai recomendou o Brunoro…………peguei a caneta vermelha.

Os comentários estão desativados.