Categorias
Futebol com Números

A verdade (financeira) da Série B

Por Luís Fernando Tredinnick

Alviverdes, agora que o ano finalmente acabou – e muitos de nós dizem que o ano acabou quando o Palmeiras levou aquele gol contra o Tijuana – podemos avaliar o tamanho do nosso desafio na Série B.

Como muitos Palmeirenses assisti ao jogo contra o São Caetano com sentimentos contraditórios: se por um lado eu estava aliviado (não estava realmente feliz) de finalmente confirmarmos a nossa volta à Série A, por outro lado eu ficava pensando se aquilo não era simplesmente a nossa obrigação.

Então fui ver as finanças dos demais competidores que enfrentamos nesse ano. Certamente o Palmeiras seria o clube com maior receita, mas de quanto seria essa diferença? Outro ponto, nós já discutimos várias vezes que mais importante do que ter altas receitas seria investir corretamente o dinheiro nos jogadores certos. Será que isso também aconteceria na Série B?

Observem no gráfico abaixo as receitas de 2012 para o Palmeiras e sete outros competidores da Série B (eu não consegui achar as receitas do Icasa).

chart-receitas-tred

Se algum de vocês achou espantoso o tamanho da diferença de receitas entre o Palmeiras e os demais clubes, fiquem calmos, vocês não estão sós!

Algumas curiosidades: as receitas do Sport praticamente dobraram de 2011 para 2012 e realmente não consegui identificar a razão para isso. Para o Chapecoense eu realmente não consegui achar o Balanço Financeiro, o valor das receitas eu consegui em uma notícia de internet – mas temos que lembrar que no ano passado o clube estava na TERCEIRA divisão (e olha que nem chegou à final), então certamente as receitas de 2013 são bem maiores do que as do ano passado.

Bom, fica claro que a disparidade financeira é tão grande que a volta para a Série A era obrigação. Não vou discutir aqui se o aproveitamento que obtivemos até aqui era obrigação também ou não.

Quando comparamos os desempenhos dos demais clubes na Série B com o tamanho de suas receitas, observamos também que é melhor investir bem seu dinheiro do que ter maiores receitas.

Bom, então agora que a nossa obrigação em 2013 foi cumprida precisamos ver se conseguimos iniciar um ciclo “vitorioso” de maiores receitas -> melhores jogadores -> títulos -> maiores receitas!

Mas isso é papo para outro post!

Saudações AlviVerdes

* Luís Fernando Tredinnick escreve às sextas-feiras no 3VV explicando a quem conhece, e a quem não conhece, os números do futebol

15 respostas em “A verdade (financeira) da Série B”

Eu como torcedor quero o melhor para o PALMEIRAS. Mas tambem entendo que não adianta gastar fortunas em elenco se não der “liga”….. é dinheiro jogado no ralo.
recentemente assisti um filme chamada Moneyball – http://www.youtube.com/watch?v=AiAHlZVgXjk e me chamou muita a atenção porque lembrei da primeira passagem do Telê Santana no PALMEIRAS…..o time jogava muito pois o tecnico GOSTAVA DO QUE ESTAVA FAZENDO e ele conseguia fazer que, com todo respeito, Darinta, Baroninho, Carlos Alberto Seixas, Pires e Mococa jogassem bem…..esse time matou o Flamengo de Zico mas a fatalidade nos fez encontrar um Falcão num dia inspirado…..
Precisamos de um tecnico com esta mentalidade, que tenha tesão de treinar o PALMEIRAS e com PLANEJAMENTO consiga montar um TIME/ELENCO que honre a HISTORIA DO PALMEIRAS.

Torcedor Palmeirense: “não seja feliz!” “não seja feliz!” “não seja feliz!” “não seja feliz!” “não seja feliz!” “não seja feliz!” “não seja feliz!” “não seja feliz!” “não seja feliz!” “não seja feliz!” “não seja feliz!” “não seja feliz!” “não seja feliz!” “não seja feliz!” “não seja feliz!” “não seja feliz!” “não seja feliz!” “não seja feliz!” “não seja feliz!” “não seja feliz!” “não seja feliz!” “não seja feliz!” “não seja feliz!” “não seja feliz!” “não seja feliz!” “não seja feliz!” “não seja feliz!” “não seja feliz!” “não seja feliz!” “não seja feliz!” “não seja feliz!” “não seja feliz!” “não seja feliz!” “não seja feliz!” “não seja feliz!”…

Esses “MALABARISMOS” contabeis são complexos( pra mim) e devem ser discutidos por quem entende do assunto. Nao é o meu caso. Eu sou TORCEDOR do PALMEIRAS e o que interessa realmente é o elenco para 2014. Subir esse ano foi OBRIGAÇAO mesmo. Ate com o mumu nos subimos. Caimos e subimos. Mas e agora? A mentalidade da diretoria para 2014 qual sera? Vamos seguir os CONSELHOS(sabios) do mumu e investir no bom e barato? Isso so existe na cabeça dele. Bom é caro e barato é, regra geral, ruim. Eu como TORCEDOR quero um time que resgate a autoestima do torcedor,que lute para ganhar TODOS os campeonatos que disputar e que, de fato, ganhe algum(uns). Para isso é preciso INVESTIR. Então tem que ter GRANA. De onde ela vira? Nos nao temos o BNDES para nos socorrer e então é preciso PATROCINADORESSSSS. Onde eles estao? No PALMEIRAS ate o momento não vejo. E o que a DIRETORIA esta fazendo para atrai-los? E o AVANTI? Com 33 mil socios estamos satisfeitos? Eu nao estou porque o nosso potencial é para 100 mil em um ano e 200 mil a partir da conquista de titulos. O que esta sendo feito com e pelo AVANTI. Eu como TORCEDOR quero ver isso. Entender se o adiantamento das cotas entrou no balancete de 2012 ou 2013 pouco importa. O que me interessa é ter o PALMEIRAS grande e vencedor de volta. Posso estar errado mas o meu sentimento é esse. Afinal DE CONTAS ( sem trocadilho) EU SOU TORCEDOR!!!!!!!!! FORÇA PALESTRA,, AVANTI PALMEIRAS.

Lendo isso, fica claro que só não subiríamos se a CBF resolvesse manipular o campeonato todo. Subir não era nem obrigação, era lógica, não subir é que seria a coisa mais surreal do mundo. Pode internar quem se vangloriar de termos subido ou chamar pra si a glória.

Maurizio, mas refiro-me a 2012. Naquele ano, adiantamos as receitas de TV, tínhamos um patrocínio bem razoável da Kia, tivemos as receitas com o título da CB, enfim, era um cenário melhor do que o atual, que você bem relatou. E entramos 2013 pior do que 2012! Entramos 2013 com salários atrasados, sem paga a LDU, sem pagar o Werder. Como pode?

Despesa>receita+adiantamentos. Simples assim. E mesmo com essa política de contenção, este ano ainda não fecharemos no azul. Agora, como se chegou a isso, aí que está o X da questão. Má administração, falta de títulos, jogadores “bem” comprados e mal vendidos, times medíocres, perda de espaço na mídia, contratações e demissões de comissões técnicas, tributos, perda de mando de campo (sim dá prejuízo), perda do número de associados e queda na frequencia no clube social, etc…

Esse gráfico, independente do quanto possa estar perto/distante da realidade, só atesta que nada mais fizemos do que cumprir com a nossa obrigação.

O que me assustou mais, na verdade, nem foi a diferença entre nós e os times da série B. O que me assustou foi a diferença entre nós e os times da série A. Este valor de R$ 183 mi em 2012 -ANO QUE AINDA ESTÁVAMOS NA SÉRIE A – é receita de times medianos, como Botafogo, Galo e afins. Nossos rivais regionais têm cifras acima dos R$ 300 mi. Mostra o quanto paramos no tempo.

Atenção. NA SEP os adiantamentos de receitas são lançados como despesas. Contabilmente não sei se é correto, mas é o único clube que lança assim. Por isso que as cotas de TV de 2012 foram de 30 milhões (contabilmente). De fato, foram mais de 80 milhões.

Bom observado, Maurizio. Creio que esta receita não esteja contemplando os adiantamentos que o Tirone fez. Aliás, uma pergunta: o que foi feito com o adiantamento das receitas de 2013? Onde foram investidos estes R$ 50 mi? Quem foi contratado? Que dívidas foram quitadas? O que foi feito?

Julio, por incrível que pareça as despesas são maiores que as receitas + adiantamentos. São coisas, penduradas, débitos não pagos, tributos bater no azul é bem complicado. Os gambás, com libertadores mundial, patrocínios tiveram lucro de pouco mais de 2 milhões. Imagina a gente na B, sem Liber, sem CB, sem master, sem time e devendo. Aí entram as duas soluções: 1) corta tudo, enxuga e deixa a torcida louca da vida ou 2) arregaça no investimento, monta um timaço e corre atrás de receitas. Ambas são bem arriscadas, pois geram reflexos em vários níveis.

Maurizio,
Na verdade as coisas são um pouquinho diferentes. Os clubes em sua maioria estão ajustando os seus balanços.

Os adiantamentos não entram como despesa, mas como uma espécie de “contas a receber”. Então, de fato, qualquer adiantamento de receita não vai aparecer como receita NO ANO QUE FOI RECEBIDO.

Por exemplo, se adiantássemos em 2012 R$ 30 milhões da TV referentes ao ano de 2013, no balanço do Palmeiras não apareceria NADA como receitas em 2012, mas em 2013 apareceriam esses R$ 30 milhões na receita do clube. Pode parecer estranho, mas o fato do dinheiro ter entradao efetivamente na conta bancária não quer dizer que será considerado receita.

Saudações AlviVerdes

Luiz, daí não bate. Pois saiu uma reportagem que foram pagos apenas 30milhões de cota de tv. E esse valor não corresponde ao, de fato, recebido.

Maurizio, você se refere a 2012 ou 2013?
os números acima são de 2012.
Se a reportagem disse que foram pagos 30 milhões de TV em 2012, certamente é por que parte do total já havia sido adiantado em 2011. O que irá aparecer como receitas de 2012 seriam os 30 milhões e mais o adiantamento de 2011. Se esse esses 30 milhões são adiantamentos da cotas de 2013, ele só aparecerá como receita em 2013.
Saudações AlviVerdes

Os comentários estão desativados.