Categorias
Verdão na Mídia

Verdão na Mídia 24-11-2013: Sem expor planejamento, Nobre avisa críticos: “Não estamos dormindo” ❘ Gazeta Esportiva Net

NOTICIÁRIO ❘ GAZETA ESPORTIVA NET

• Sem expor planejamento, Nobre avisa críticos: “Não estamos dormindo”

Em meio à festa do título da Série B do Brasileiro, Paulo Nobre quis garantir à torcida que o Palmeiras não está parado. O presidente assegurou que existe um planejamento em execução para o ano do centenário, mas o trabalho é mantido sob sigilo. A ideia é acalmar quem pouco tem esperança por reforços.

“Não sei de onde tiram que não estamos planejando. O planejamento está acontecendo, só não fazemos propaganda”, avisou. “O palmeirense pode ficar tranquilo porque ninguém está dormindo, esperando o tempo passar. Estamos trabalhando.”

A morosidade no projeto para 2014, contudo, afeta até o elenco. Do plantel campeão da segunda divisão, 13 ficam sem contrato e ainda esperam pela definição de seus futuros, entre eles Leandro, artilheiro do time no ano. Além disso, ainda não há conclusão sobre o técnico da próxima temporada.

Há uma semana, o discurso de Nobre era de que precisava da definição do treinador para falar com atletas, mas agora ele dá a entender que já há uma lista de reforços à espera do aval da comissão técnica que assumir o clube. “Tão logo fechemos com o Kleina ou outra comissão técnica, nomes serão avaliados para concluir a contratação”, apontou.

“O trabalho continua independentemente de qualquer situação. Temos uma diretoria de futebol sempre atenta a quem jogou contra nós, a quem está à disposição, vencendo contrato, aos que são oferecidos. Hoje, muitos jogadores gostariam de estar no Palmeiras, bem diferente do que era em janeiro”, disse Nobre, orgulhoso por ver que seu trabalho mudou a imagem do clube no mercado.

Leia aqui a matéria completa → NOTICIÁRIO ❘ GAZETA ESPORTIVA NET

••

NOTICIÁRIO ❘ GLOBO ESPORTE COM

• Modelo salarial proposto a Kleina também será oferecido aos atletas

Por Marcelo Prado

Salários mais baixos e bônus pagos por objetivos alcançados. O que o Palmeiras ofereceu ao técnico Gilson Kleina para que ele renove o contrato por mais uma temporada também será proposto aos jogadores que discutirão um novo vínculo com o clube e aos reforços que poderão ser contratados.  

Assustado com os valores que são pagos atualmente, e ainda arrumando uma casa que enfrenta grandes problemas de dinheiro, Paulo Nobre tentará emplacar no futebol um conceito que faz sucesso no mercado financeiro.

– De onde eu venho, isso é uma prática muito comum. O conceito de produtividade motiva o funcionário. O variável pode ser muito maior de acordo com os resultados alcançados. Precisamos fazer alguma coisa. Isso, acima de tudo, é uma divisão de responsabilidade. Como é normalmente, todos ganham quando o clube vence, mas só o clube arca com o prejuízo quando perde. É preciso equilibrar isso e não tenho dúvida de que vou ter sucesso – afirmou o dirigente.

 Além de mudar a maneira de administrar o Palmeiras, Paulo Nobre espera que a postura adotada pelo clube para a próxima temporada motive e seja copiada outros clubes. Tudo para tornar o futebol brasileiro ainda mais forte. 

– É preciso saber administrar. Eu não posso gastar mais do que eu tenho. Muitos dirigentes, por um gesto populista ou por irresponsabilidade, agem de outra maneira e comprometem a saúde financeira do clube. O dinheiro não é meu, é do clube. Eu vim para ficar dois anos como presidente e não posso complicar a vida do próximo administrador. As pessoas precisam entender isso – ressaltou.

O cartola sabe que o início não será nada fácil. Até porque o Palmeiras perderá jogadores para rivais que vão pagar mais do que ele. Mas Nobre tem a convicção do que vai fazer.

– Aqui, tudo que estiver no papel será rigorosamente cumprido. O jogador às vezes escolhe outro clube para ganhar três vezes mais e não recebe. Tudo pode funcionar. Se dá certo no mercado financeiro, pode dar certo no futebol. Basta ter vontade e trabalhar. Sei que vou tomar muita porrada no início. Mas é a melhor maneira de administrar o clube – disse.

Leia aqui a matéria completa → NOTICIÁRIO ❘ GLOBO ESPORTE COM
••

NOTICIÁRIO ❘ LANCENET

• Sondado pelo Villarreal, Henrique diz que quer ficar no Verdão em 2014

Novamente sondado pelo Villarreal (ESP), o zagueiro Henrique disse que seu desejo é ficar no Palmeiras em 2014. Capitão e titular absoluto na zaga do campeão da Série B, ele tem contrato com o clube até 2017 e avisou que deseja cumpri-lo.

– Tem muita coisa para acontecer ainda, tenho contrato até 2017. Vou cumprir, não depende só de mim, muito pode interferir. Minha vontade é ficar no Palmeiras, e ajudar o Palmeiras a conquistar títulos no ano que vem – explicou o camisa 3, após a vitória por 4 a 1 sobre o Ceará, no sábado, no Mato Grosso do Sul, pela penúltima rodada da Série B. O Verdão recebeu a taça da competição após o jogo.

Desde 2011 no Palmeiras, Henrique está em sua segunda passagem (ele jogou em 2008 também no clube). Ele já tinha sido consultado antes pelo clube espanhol, em julho, mas o capitão também não quis sair.

O centenário e a volta à Série A seduzem o jogador, que sonha ir à Copa do Mundo de 2014 pela Seleção. O zagueiro, agora, negociará para receber o valor da dívida que o Verdão contraiu com ele na volta, há dois anos.

Leia aqui a matéria completa → NOTICIÁRIO ❘ LANCENET

••

NOTICIÁRIO ❘ UOL ESPORTE

• “De semana que vem não passa”, diz Kleina sobre definição de futuro

Com contrato apenas até o fim do ano com o Palmeiras, Gilson Kleina falou neste sábado, durante a festa do título palmeirense, após a vitória por 4 a 1 sobre o Ceará, em Campo Grande, que seu futuro será definido até a próxima semana. Segundo o técnico, não será preciso esperar até o fim do ano para saber se ele continuará no clube.

“A gente não está valorizando, não, esta renovação. Vamos com tranquilidade, melhor acordo é o bom para os dois lados. De semana que vem não passa, a gente define se sim ou se não. De repente é um novo conceito, tem que entender essa situação. Vamos ver como é que é”, disse o treinador.

O presidente Paulo Nobre mantém o discurso otimista após a retomada das conversas com Kleina: “Não sei dizer se está perto, mas estou otimista. O Palmeiras tem intenção de contar com ele, e ele de ficar com o Palmeiras. O diálogo com o Gilson Kleina é muito bom, transparente e repito: estou otimista. O desfecho não tem data, mas pode acontecer nos próximos dias”, disse Nobre.

Nessa semana, Kleina recebeu do Palmeiras uma proposta de renovação abaixo do valor que recebe atualmente do clube. O treinador recusou e mantém conversas com a diretoria por um novo acordo.

Antes, o Palmeiras procurou o argentino Marcelo Bielsa, mas não conseguiu chegar a um acordo financeiro. Agora, segundo o diretor executivo José Carlos Brunoro, Kleina é o único técnico em quem o Palmeiras pensa para a próxima temporada.

“Por enquanto a gente só pensa nisso, estamos muito otimistas. A gente não fala em situação financeira. A proposta é boa para os dois lados. Vamos chegar lá. Hoje [Kleina] é o único nome”, falou Brunoro, ainda no gramado.

Leia aqui a matéria completa → NOTICIÁRIO ❘ UOL ESPORTE

••

BLOG DO ROBERTO AVALLONE ❘ UOL

• Palmeiras, um show de bola e o futuro

Comecemos pela goleada e o show de bola do Palmeiras, graças um belo segundo tempo, no Morenão, em Campo Grande, no dia em que recebeu a taça de campeão da Série B: mais importante do que o placar de 4 a 1 sobre o Ceará (que luta pelo acesso à elite) foi a exibição da equipe, cheia de vontade, firmeza e com algumas individualidades bem interessantes.

Quais?

Por exemplo, Fernando Prass, um goleiraço; o capitão Henrique, muito seguro em suas roubadas de bola; Alan Kardec, desta vez se movimentando muito bem pela direita e pela esquerda, autor do terceiro gol do time ao converter o pênalti sofrido por ele mesmo após “pedalar” várias vezes diante do goleiro; e especialmente Leandro, que quase fez um gol de placa (ao chapelar o zagueiro em velocidade) antes de chutar paras redes, aí sim, depois de driblar o goleiro, com frieza e habilidade, no quarto gol do Palmeiras.

Antes, no primeiro tempo, não estava tão fácil. O Ceará marcou primeiro (Magno Alves), o Palmeiras empatou (Eguren, de cabeça) e partida ficou assim, com o empate de 1 a 1 de bom tamanho. Faltava no meio-campo do Palmeiras, pois Serginho estava indeciso entre ser meio-campista ou atacante.

Aí, sejamos justos, o técnico Gilson Kleina mexeu bem. Ele trocou Serginho por Charles (liberando mais Leandro) e corrigiu o que estava errado: inclusive coube a Charles desempatar a partida, com um gol de cabeça. Dali para afrente foi show de bola, com as jogadas e os gols fluindo para verdadeira festa, sobrando um tempinho até para entrada do jogador que a torcida pedia- Valdivia, o craque do time, que, no entanto, nem teve tempo de pegar na bola, pois o gastou com uma confusão om Vicente, o que quase custou a expulsão de ambos.

E  o futuro…

Bem, segundo as palavras de José Carlos Brunoro, diretor-executivo do Palmeiras, estão indo bem as conversas para renovação do técnico Gilson Kleina (embora ainda não definida) arrematando que acha que “vamos chegar lá”. Por sua vez, ainda cauteloso, Kleina disse que “da próxima semana essa questão não passa”.

Minha dedução: clube e técnico vão se entender.

E os reforços?

Segundo um conselheiro que respeito, o Palmeiras deve fazer, em princípio, cinco contratações- um lateral-direito, um lateral-esquerdo, um meia (para quando Valdivia não puder jogar), um centroavante para a reserva de Alan Kardec (ou para disputar a posição com ele) e mais um outro atacante.

Nomes?

Muitas especulações, sendo falados, pelo menos os nomes de Lins, do Criciúma, assim como o lateral-esquerdo Marlon (do mesmo time), embora que para esta posição há quem prefira Uendel, da Ponte Preta, 25 anos, o melhor em campo na vitória sobre o São Paulo, por 3 a 1.

Na verdade, os nomes estão sendo mantidos em sigilo e vai depender também da definição da Comissão Técnica. Este blogueiro não acredita em contratações de grande impacto. Em todo o caso, quem sabe uma surpresa para o Centenário?

Leia aqui a matéria completa → BLOG DO ROBERTO AVALLONE ❘ UOL

••

COLUNA DO ANTERO GRECO ❘ O ESTADO DE S.PAULO

• Fim de ano, fim de feira

Rapaziada, 365 dias parecem coisa pouca, na sucessão de folhinhas, mas podem provocar mudanças estonteantes. Nesta época, um ano atrás, havia clima empolgante entre os principais times paulistas. O Corinthians, no embalo da conquista da América, se preparava para a bem-sucedida expedição para o Mundial de Clubes no Japão. O Santos se confortava com o tri estadual e com a Recopa Sul-Americana. O Palmeiras ia pro buraco na Série A, com o consolo de ter erguido a Copa do Brasil, o que lhe garantiu vaga na Libertadores de 2013. O São Paulo estava no caminho do título inédito da Copa Sul-Americana.

Agora, com a temporada a dar os respiros finais, o quarteto anda um tanto macambúzio. Para início de conversa, e salvo por graça e obra de alguma reviravolta tricolor diante da Ponte Preta, nenhum cavou lugar na Libertadores. Isso já os deixa atordoados – e, por extensão, provoca aflição nos meios de comunicação, sobretudo nos que dependem de publicidade e audiência.

Para você não achar que é má vontade, ressalto que o Palmeiras festeja o retorno à elite. Assim, no ano do centenário, poderá brigar por taças de destaque. Mas com ressalva necessária: cumpriu a obrigação, pela diferença de elenco, investimentos e recursos em relação aos outros 19 concorrentes.

Mesmo com o gosto duvidoso do bi da Série B, não há calmaria geral pelas bandas do Palestra Itália. A diretoria mantém queda de braço brava com o parceiro que constrói o novo estádio – sei, tecnicamente se trata apenas de reforma – e não se sabe como a história vai terminar. A casa toma forma linda; no entanto, briga-se para definir quem tem direito a explora o quê e como.

Indefinido, também, o planejamento para o período singular que se aproxima. A cartolagem em público entoa discurso de conciliação com Gilson Kleina, o timoneiro na campanha para sair do limbo. Nos bastidores, deixa transparecer processo de fritura em fogo alto do técnico, que não conta com simpatia ampla na agremiação. Ou não soou estranha a proposta de reduzir o salário de Kleina, em troca de bônus por objetivos alcançados? Quando um empregador apresenta tal oferta ao funcionário, um dos dois está em dificuldade.

O São Paulo recebe o Botafogo, neste domingo, em clima de apreensão. No Brasileiro, não corre riscos nem almeja saltos ousados. Resta-lhe a Sul-Americana para fechar o ano com um feito significativo. O bi da competição internacional ficou muito ameaçado com a derrota por 3 a 1 no meio da semana. A tarefa de superar a Ponte não se mostra impossível, não chega a ser os 12 trabalhos de Hércules. Mas equivale a uns dois ou três do herói mitológico.

Chato mesmo, nesse episódio, é o empenho dos administradores tricolores para cutucar o rival. Primeiro, conseguiram mudar o local da partida de volta, com o argumento de que o Moisés Lucarelli não dispõe de 20 mil lugares, como manda o regulamento. Arenga legal, mas sem nenhum espírito esportivo. Agora, cismam com o fato de que receberão menos ingressos do que esperavam. A preocupação deveria concentrar-se em jogar futebol, ganhar na bola.

Bola murcha é a do Corinthians. O campeão mundial vai ao Rio, para o clássico das multidões, num desânimo só. Não sobe nem desce na tabela, acumula empates (16 até o momento), já avisou que não continua com Tite, e se arrasta numa vontade danada de sair de férias. Não deve perder tempo para iniciar reformulação, de preferência ampla.

O Santos passou por 2013 como sombra. Não houve nada de notável, exceto a perda de Neymar. E que baixa! Sem o astro e referência vagou como espectro. Anulou-se tanto que manteve um técnico como interino por um semestre. Por isso, o jogo com o Fluminense, à tarde, é só pra cumprir tabela.

Quer saber, meu amigo, vou ficar de olho na Ponte e na Lusa, contra Grêmio e Bahia, respectivamente. Ambas correm risco de rebaixamento e devem entrar em campo com adrenalina a mil. Isso é divertido.

••

COLUNA DO PAULO VINÍCIUS COELHO ❘ FOLHA DE S.PAULO

• Plano de Carreira

Gilson Kleina não foi o primeiro técnico brasileiro a receber proposta de redução salarial neste ano. Em fevereiro, o Flamengo tentou fazer o mesmo com Dorival Júnior. A diferença são os números. A diminuição de 40% ainda deixaria Dorival acima dos R$ 400 mil mensais.

Dorival Júnior não aceitou. Ficou desempregado entre março e julho, quando aceitou receber no Vasco exatamente o valor proposto pelo Flamengo.

Há diferenças entre o caso rubro-negro e a proposta de redução salarial do Palmeiras a Gilson Kleina. Uma delas é o preço.

O Flamengo podia contratar técnicos de peso, como Mano Menezes, com o que pretendia pagar a Dorival Júnior. Não há bons técnicos empregados em grandes clubes do Brasil por menos de R$ 200 mil.

O Palmeiras oferece a Kleina menos do que o Vitória paga a Ney Franco e o mesmo que o Atlético-PR dá a Vágner Mancini.

Há duas leituras desses números:

1 – O Palmeiras não contrata ninguém por esse salário se não renovar com Gilson Kleina.

2 – Kleina arrumará emprego para receber o mesmo salário em clubes menores, com menos pressão.

A dúvida é se o mercado para Kleina já se abriu em clubes grandes como Santos, Fluminense e Botafogo. É mais provável ter emprego em times médios como Vitória e Coritiba. Nesse caso, Kleina terá de receber o que o Palmeiras oferece, em outro lugar, como aconteceu com Dorival Júnior.

Poderá se olhar no espelho e sentir orgulho de si mesmo. Ou se arrepender por não lutar por títulos nacionais, projeção que o Palmeiras oferece. Oferece?

O Palmeiras não propôs redução salarial a Kleina para forçá-lo a pedir demissão. Fez por julgar que seu valor de mercado está mais próximo do valor proposto, entre R$ 150 mil e R$ 200 mil. Não é mentira.

Sem a redução, Kleina está na faixa salarial de Ney Franco, campeão da Copa do Brasil pelo Flamengo e da Sul-Americana pelo São Paulo.

A ambição de Kleina tem limite. A falta de ambição do Palmeiras também. Kleina pode aceitar a diminuição salarial, ser campeão no Palmeiras e multiplicar seus ganhos com prêmios e novas propostas de trabalho. Tirando o orgulho ferido, a decisão parece certa por R$ 150 mil mensais –ou um pouco mais.

Hoje, o Flamengo aposta em Jayme de Almeida e anuncia que lhe proporcionará cursos e estágios. “Não basta contratá-lo. Tenho de capacitá-lo”, diz o vice de futebol do Fla, Wallim Vasconcelos, explicando como pretende fugir do círculo fechado dos megassalários. O caso de Jayme pode se revelar visão estratégica do Flamengo ou apenas sorte, dependendo do que a história contar daqui a alguns meses.

No caso do Palmeiras, o preço mais caro é passar mais alguns anos sem ser campeão.

••

COLUNA DO JORGE NICOLA ❘ DIÁRIO DE S.PAULO

• Na Justiça

Palmeiras e WTorre foram notificados extrajudicialmente por não terem entregado três quadras de tênis  — elas constam do contrato da construção do Allianz Parque. A ação é movida por sócios do clube.

••

OUTRAS NOTÍCIAS :

UOL ESPORTE → Cercada de incertezas, diretoria do Palmeiras diz que não está ‘dormindo’
 
BAND ESPORTE → Em dia de troféu, Kleina diz que negociação acaba na semana que vem
 
GAZETA ESPORTIVA NET → Kleina tenta mostrar desapego a salário e cobra reforços para ficar
 
UOL ESPORTE → Em festa, Henrique despista sobre saída e pede Gilson Kleina em 2014
 
GAZETA ESPORTIVA NET → Na mira do Villarreal, Henrique vê interferência para ficar no Verdão
 
UOL ESPORTE → Valdivia atende pedido em festa, joga machucado e Palmeiras vence o Ceará
 
LANCENET → Artilheiro do Verdão no ano, Leandro diz ter o dom para ser frio ao finalizar
 
BAND ESPORTE → Palmeiras recebe a taça e goleia o Ceará, que fica fora do G4
 
SPORTV → Palmeiras goleia o Ceará em tarde de entrega do troféu do Brasileirão série B
 
SPORTV → Os gols de Palmeiras 4 x 1 Ceará pela 37ª rodada da Série B do Brasileirão 2013

••

24 respostas em “Verdão na Mídia 24-11-2013: Sem expor planejamento, Nobre avisa críticos: “Não estamos dormindo” ❘ Gazeta Esportiva Net”

KKKKKKKKKkkkkkkkkkkkkkkkkkk….

Há tempos não lia um comentário sensato e muito bem colocado.
Aliás, em todos os sentidos, por sinal….

Parabéns !!!

FORA GILSON KLEINA, BRUNO, WENDEL, MÁRCIO ARAÚJO, JUNINHO, FERNANDINHO, ANDRÉ LUIZ, LÉO GAGO, RONDINELLI ETC. Engraçado até o Verdazo já está apoiando o Kleina. Não dá para acreditar em mais nada. FORA GILSON KLEINA. A TÉ PARECE QUE GANHAMOS A LIBERTADORES DE NOVO. SE ESSE KLEINA FOSSE BOM JÁ TERIA IDO EMBORA, TÁ VENDO QUE NINGUÉM O QUER. FORA KLEINA. NEI FRANCO JÁ
E para não esquecer EI MUSTAPHÁ VAI ….

Interessante o modelo com contratos por produtividade, mas ficou a impressão que foi coisa de última hora para queimar o Kleina, e para não ficar feio, estão falando que vão colocar esse modelo para os jogadores em suas renovações e futuros contratados. Pq. tenho essa dúvida? simples, poderiam ter usado esse modelo já esse ano, com os jogadores. Outro problema que acho que poderá acontecer, será difícil jogadores TOPs aceitar esse tipo de contrato, para ganhar menos, muito difícl, podem até vir, mas ganhando o mesmo e tendo $$$$ por produtividade. Sendo assim, modelo por produtividade, acredito que as contratações serão do naipe do LINS… Para termos um time FORTE, que terá chances ser campeão, teremos que contratar jogadores melhores do que já temos. Um time forte, jogando bem, consegue renda, vende produtos e chama interesse de patrocinadores.

Fiquei curioso para saber quais as metas que o Brunoro vai propor para o Kleina e Jogadores, principalmente para SEDUZIR os novos contratados. A grana tem que valer a pena (Produtividade) porque as raposas dos empresários sabem fazer contas… podem ter certeza que não queimam $$$$$$

Ja que a diretoria só pensa em ECONOMIZAR, Que tal pagar os jogadores por GOL MARCADO ?IMaginem uns dois 0x0 mais uns dois 1×1 Quanto que a diretoria iria economizar heim?

Acho uma boa essa do PN de oferecer contrato de produtividade, irá demonstrar quem realmente quer lutar por títulos (mais dinheiro na conta) ou quem quer só ganhar o dinheiro do clube sem interesse, se o Kleina almeja brigar por títulos no Palmeiras ele deve aceitar e dar o melhor. Se todos fizessem isso acabaria a má vontade no futebol, ou melhor, em qualquer ambiente de trabalho, o cara tem que ganhar pelo que faz! Justo!

Bacana. Só que só funciona se todos (ou pelo menos a maioria) dos clubes adotassem o mesmo modelo. Se apenas nós o adotarmos enquanto do outro lado do muro se paga 600 mil ou mais pro treinador e sei lá quanto pros jogadores de peso, sem precisar de produtividade, vamos sempre ficar com estes Kleinas e Juninhos da vida. E nada de títulos.

É isso que eles (Diretoria) querem, nada de títulos. Depois não reclamem da imprensa marrom por não transmitir jogos do Palmeiras (E COM RAZÃO) e ao contrário é nós que não aprendemos nada com a queda para a segundona, do jeito que vai, RUMO AO TRI EM 2015 DA SÉRIE-B!!! O Palmeiras vai ficar só nisso DESCE, SOBE, DESCE SOBE…

Chega de sobrinhos da mãe Dinah fazendo previsões aqui no blog. São os mesmos que disseram que não subiríamos esse ano. Esperem primeiro os campeonatos acabarem, esperem o Palmeiras montar o time de 2014 e depois façam suas previsões apocalípticas. Quem ficou calado quando “tirone e frizzo” atrasaram de propósito a montagm do time de 2014 e até hj se conforma com Mustafá, gilto, Piraci, Del Nero sacanaeando o clube, pode esperar um pouco até janeiro sem entrar em histeria.

E para quem quer ser campeão, contratando 1.000 jogadores caros, Se não neutralizarm da stjd e seu escudeiro-mor Paulo Schmidt e não parros de CAIR na pilha da parcial tupiniquim press, nem com Messi e Cristiano Ronaldo vamos ganhar alguma coisa. Prefiro um bom técnico que mande o time chutar ao gol adversário e jogue ofensivamente. E mirarmos nosso ódio para quem realmente prejudica internamente o clube.

Contrato por pordutividade, venho falando isso ha tempos, é assim na NBA e lá ninguém vai pro DM a toa, o jogador quer ser campeão, pois assim ganha mais. Não precisa ser gênio, joga todas ganha mais (acaba com chinelinho), foi campeão ganha mais( vontade TODOS os jogos) e assim vai> Pra técnico então, se o cara encher o time com 5 volantes ta perdido, o cara vai ter que saber do riscado e não ficar jogando por empate. A e na NBA são 3 jogos por semana numa correria desgraçada e ninguém reclama.

Onde eu trabalho funciona mais ou menos assim. Tenho meu salário que invariavelmente vou recebe-lo todo dia 5, porem se eu não me atrasar, não faltar e entregar uma produtividade boa tenho um bônus no salário que pode chegar até o valor do meu salário, ou seja se eu fizar apenas a minha obrigação eu dobro o meu salário…É isso que tem que se propro mesmo, chegar de pagar salário astronomico pro cara se acomodar e saber que se for mandado embora tem multa estratosferica pra receber, chegar de pagar fortunas para jogador entrar na zona de conforto e não render…O futebol pede profissionalismo.

A ideia e’ boa SIM, mas pode demorar pra emplacar, principalmente porque os jogadores sao piores que PROSTITUTAS e querem GRANA NA MAO, nada de produtividade. E so’ uma correcao no seu post. NAO E’ ASSIM NA NBA !!! Os salarios na NBA, MLB, NFL, sao MILIONARIOS e pagos na sua totalidade. Na NFL voce tem alguma maneira de se livrar de um cara sem pagar o salario todo, e pode dar incentivos, mas MLB e NBA, salarios integrais !!! Nao da pra se livrar do cara ;-(

Bônus pagos por objetivos alcançados. mais de 95% da torcida não sabe o que é isso, mas adora escrever pedindo reforço caro. Muito boa a idéia. Ganhou e foi campeão….grana alta para eles. Foi desclassificado em todos os campeonatos? Recebe o salário normal. Isso evita salário fora da realidade para jogadores meia-boca, mas que ficam anos mamando no clube.

Concordo plenamente !

No entanto, tem que avisar os concorrentes.

Ainda tá na mente que trabalhar, sendo ou não campão, eles ganharão o salário integral.

E se os concorrentes dispuserem a tomar nossos bons jogadores com argumento de campeão ou não, receberão salário integral ?

A expectativa realmente é que eles estejam trabalhando/executando o planejado. A falta de noticias a respeito de contratacoes deixa a torcida irritada e sem esperancas, já que nosso time é inferior aos outros grandes de S. Paulo e do Brasil. Tomara que venha o patrocinio, que se resolva o imbroglio com a WTorre e que reforcos de nível sejam anunciados nos próximos dias. Merecemos isso.

Reduzir despesas, ok
Reduzir salários, ok
Criar uma política de meritocracia, ok
Mas……. cadê a qualificação dos profissionais? SEJA DO TÉCNICO OU DOS JOGADORES.
QUERO TIME !!!! QUERO VOLTAR A SER CAMPEÃO !!!!!!

Os comentários estão desativados.