Categorias
Corneta do Cunio

Corneta do Cunio – Pioneirismo de risco

Alberto Cunio

Bonificados alviverdes, há limites para ser vanguardista. E o Palmeiras está vivendo um momento inusitado neste final de ano, o qual não temos certeza no que vai dar.

No início dos anos 90, num lampejo inédito de modernidade para os padrões brasileiros, o Palmeiras estabeleceu com a Parmalat um sistema de cogestão futebolística que deu no que deu. E que jamais conseguiu ser copiado nos mesmos moldes, apesar de outros formatos similares terem também conseguido algum êxito.

A gestão de Paulo Nobre, desta feita num repente de “genialidade”, tenta emplacar um modelo de contrato para os profissionais de futebol do clube que inclusive foi elogiado aqui na semana passada: baseia-se na “produtividade”.

Com apenas uma pequena semelhança ao usual modelo de “contrato de risco”, quando um jogador efetivamente recebe seus vencimentos de acordo com sua assiduidade em campo, a produtividade busca estimular o profissional a empenhar-se continuamente ao longo das temporadas em busca de conquistas. Desta forma, pode angariar muito mais dinheiro do que num contrato convencional, com salários e direitos de imagens fixos. Presumem-se assim, neste modelo, polpudos prêmios por conquistas.

Sem dúvida alguma, seguindo o perfil profissional do mundo corporativo, o futebol pode começar a valorizar efetivamente as vitórias, classificações e taças, deixando os salários estratosféricos para a história. Porém, como toda novidade, vêm no vácuo os problemas.

Longe de ser um entendido do assunto, certos pedregulhos no caminho parecem óbvios. O primeiro deles é o “fator cobaia”. Se um jogador hoje ganha R$ 1000 e vai ter que renovar seu contrato, como convencê-lo a ganhar R$ 500 e se conquistar X, Y e/ou Z torneios ganhar o equivalente a R$ 3000? Da mesma forma, como um clube pode ir atrás de jogadores disputados no mercado e persuadi-los a receber R$ 500 e as promessas de R$ 3000 se há mais 3 propostas para ele no mercado que lhe dão R$ 800, R$ 1000 e R$ 1500, imediatamente, nas mãos, ganhando ou perdendo?

A tarefa está parecendo um tanto quanto ousada. E os riscos de não contratarmos ninguém e ainda perdermos os que lá já estão, cresce a cada tentativa.

O fato de GK ter aceitado uma redução salarial condicionada, não pode ser considerada um triunfo neste aspecto. Afinal, há uma sensação de que a coisa foi “ajeitada” por ambas as partes por falta de opções bilaterais, além do que é uma situação que dá margem a um breve rompimento que não onere ninguém.

Enquanto aguardamos para saber se nosso mandatário está querendo “causar” ou construir um resort no sertão do Piauí, deixo minha CORNETA para os dinossauros que elegeram nesta segunda mais 6 múmias para o sarcófago do CD palmeirense. Triste.

A Corneta no Twitter clama por profissionalismo de verdade. Siga! @Corneta3VV

51 respostas em “Corneta do Cunio – Pioneirismo de risco”

Pessoal, é obvio que a ideia é boa, mas que não dará certo. Não adianta criticarmos o jogador, quando provavelmente faríamos o mesmo. Isto devia ser feito desde os tempos mais primórdios… hoje em dia, aonde um Luan ganha 100 mil mensais livre de impostos e um Fernandinho do OESTE ganha uns 30 mil mensais, os caras vão sempre querer o “fixo”, de acordo com o valor pago pelo mercado. Não critico, pois eu, se tivesse na mão a oportunidade de ganhar todo mês 1500 ao invés de 1000 + máximo de bonificações chegando a 2000, certamente escolheria a primeira opção.

Lembrem-se que o jogador não joga sozinho, e não dá pra ele prever uma lesão. Isso precisa estar bem descrito no Contrato. O cara depender de um time todo, onde vão ter estrelinhas que não terão contrato no mesmo molde, com certeza ele não vai gostar e haverão sérias desavenças…
Tira a mão do bolso Nobre! Vamos ter receitas, teremos mídia.. Se o ano do Centenário for decepcionante, podem ter certeza de que a torcida palmeirense continuará diminuindo, pois hoje as crianças só torcem pro palmeiras quando são influenciadas pela família, e não pelo momento atual.

Faremos nossa parte…. faça a sua.

Abraço,
Gian.

Esse modelo já nasceu morto, nenhum jogador virá nestes moldes, a não ser casos como do Adriano. Lembro-me do Denilson em 2008 que aceitou este tipo de contrato.

Se iniciar a medir a incapacidade da atual gestão, terei trabalho por doze meses seguidos, na atual situação administrativa do Palmeiras , não há uma medida marcante, uma atitude correta, uma postura coerente, mas um discurso midiático nanico, concordo com todas as palavras de você Alberto Cunio , que apenas ressalta os fatos de uma forma autentica, mostrando as duvidas que são geradas a cada dia, a cada palavra, a cada olhar e principalmente a cada boato, mas como você ressaltou , na Segunda Feira dia dois de Dezembro, fomos alvejados por mais um projetil desferido pelas mesma mãos, que já feriram anteriormente aos 18 milhões de Palmeirenses, ávidos e certeiros , os ferimentos mantem em coma novamente a democracia alviverde , que anestesiada pela inoperância da imatura politica de favores, mantem a feudal dança de interesses, em pauta a cada dois anos, já que são visíveis os novos acordos entre MUMU, e Della Monica, já que os fantoches do modernismo, mantem os velhos vícios, de aplaudirem os vultos de uma sinfonia macabra, orquestrada pelo mais abastado senhor feudal alviverde, sim , um mandatário do poder transparente , com influencia neste pequeno território, chamado Palestra Itália!

O fato do GK ter aceitado é que ele mesmo sabe da sua “competência” e que com ela não iria achar um clube que pagasse nem o salário reduzido.

O melhor modelo do momento é o Cruzeiro, tecnico barato, elenco grande com varios jogadores experientes como Dede,Julio Batista,Tinga,Borges,Dagoberto, Willian ,bom goleiro, promessas que não vigavam,como Egidio,henrique e Nilton e Luan,que ficaram em boa fase,um armador que sempre jogava bem como Everton Ribeiro,mas não tinha chance, e varios jogadores de medio prá cima cima novatos,como Souza,leo,ricardo goulart e outros.Enfim um elenco com reposição de medio prá cima ,com varias opçōes e tecnico moderno jogando prá frente e pelis jornais o elenco do Cruzeiro é 600 mil ,mais barato que o nosso.

Caros

Apenas para informar para quem havia perguntado a que grupos políticos pertencem os recém-eleitos vitalícios.
Dois deles são do Mustafá, tres são Della Monica e um é “em cima do muro”.

E, complementando, vale a pena analisar a quantidade de votos dos eleitos. Contrariando os mais otimistas, que apostavam em 2 eleitos no máximo, tivemos 6 eleitos com quantidade expressiva de votos (mínimo de 117 votos), somando mais de 150 no mais votado.

Essa quantidade de votos significa que houve apoio de vários grupos, além dos tradicionais. O atual grupo de PN contribuiu de maneira expressiva nesta votação. Lembro que havia uma pré-disposição bastante acentuada para o voto em branco ou nulo (não faz diferença nesta eleição se o voto é branco ou nulo, o que conta é o voto no candidato) por parte da chamada ala vanguardista. E, com muita surpresa, assistimos uma votação bastante disputada e com votos efetivos nos candidatos.

Isto também significa que já está havendo um início de composição para as próximas eleições. Essas composições podem indicar quais pré-candidatos terão reais chances de passarem pelo filtro no CD.

Abraço

Sérgio o voto Branco e Nulo faz diferença sim, o branco é como se fosse uma escolha e aumenta o coeficiente para eleger, ja o nulo não conta e diminui a conta para se eleger.

Cassiano
Essa diferenciação só existe na votação para eleição de Conselheiro pelo Associado. Nessa eleição existe o conceito de “chapa”.
Nas votações para Vitalício é contado apenas o voto unitário. Nesta última eleição quem conseguisse mais do que 117 votos foi eleito. A dificuldade da eleição de Vitalício está no número de votos que o Conselheiro precisa angariar dentro do CD. Para ser eleito precisa ter 50% dos votos dos Conselheiros presentes. mais um.
Abraço.

A eleição de mais 6 múmias biônicas para o CD mantém vivo o projeto tricampeão da Série B em 2015. Reforma do estatuto já!!!!!

Muito boa essa coluna, meu caro Alberto.
Eu creio que para jogadores, essa política de contrato de produtividade é difícil de emplacar. Pelo menos para bons jogadores no mercado.
Entretanto, chama a atenção para o fato de que jogador de futebol possui remuneração altíssima, se arrisca pouco e está supervalorizado.
Quanto à eleição dos tais vitalícios, ISSO É PALMEIRAS. Fazer o quê?

ACHO OUSADO DE MAIS ESSA NOVA POLÍTICA, POIS JOGADOR DE FUTEBOL NÃO PODE SER COMPARADO COM UMA PESSOA DO MERCADO FINANCEIRO, COM O GRAU DE INSTRUÇÃO E BAGAGEM QUE POSSUI UMA PESSOA DESSE RAMO. JOGADOR É PIOR Q PUTA E SE O FLAMERDA, POR EXEMPLO, OFERECER UMA PROPOSTA BEM MAIS VANTAJOSA, MESMO O JOGADOR SABENDO Q ELE PODE NÃO RECEBER, A PROPOSTA SERÁ ACEITA .

E a reforma do estatuto?
E o patrocinio master?
E o direito a voto para o associado?
ACORDA NOBRE

Quem aumentou os salários dos jogadores foi o próprio Palmeiras/Parmalat no intuito de formar um grande time e conquistar títulos e deu certo.Hoje o Palmeiras tenta reverter a situação, porém é fácil acostumar com o bem bom, difícil acostumar com o que pode ser ruim, não acho a melhor hora para inovações, se tivéssemos já um bom time e ganhando títulos vários jogadores até arriscariam esse tipo de contrato, mas não é o caso.Quanto a contratações, não adianta trazer vários jogadores para disputar posição, contrata 3 para serem titulares – Wellington Nem, Conca e Mariano – para as outras carências arrisca jogadores que podem render – Uendel, Lins, etc.

Nao acredito neste tipo de modelo de remuneracao. Ninguem gosta de sair da zona de comodidade. Isso vale e é aplicado apenas pontualmente com jogadores polemicos ou em fim de carreira tipo Adriano ou Lucio (que os bambis estao doidos para se livrarem de 450 pilas mes). Para técnicos pode ser.
Expectativas dessa quarta-feria: que comece a se desenrolar, favoravelmente ao Palmeiras, o enrosco com a WTorre; e que anunciem pelo menos um reforco ( pode até ser o Pikachu) e o acerto com um patrocinador master – senao as cornetas vao silenciar e o silencio de torcedor é desagradavel e triste.

Perfeito Cunio, é por ai mesmo, tem dois aspectos neste caso, o lado bom como dito é quanto mais vitorias maiores os ganhos, de uma certa forma é o antigo sistema de bicho usado no futebol, só que com uma roupagem diferente. Mas a maior dificuldade realmente vai ser conseguir reforços, hoje duvido que algum jogador com certo status vai deixar sua zona de conforto, onde o dele virá de qualquer forma, para ter que jogar mais pressão em si próprio.

Ótima analise Cunio. Acredito que mais adiante vamos saber mais sobre esse tipo de contrato por produtividade (base contratual). Outro ponto, ver como o Kleina ( também Nobre e Brunoro) vão administrar possíveis brigas no elenco, de um lado jogadores que ganham por produtividade COBRANDO os que não são, vai ficar interessante.

Pois é.. mais uma vez penso em Belluzzo.. tão criticado.. mas foi o único diretor que chegou perto da grandeza do Palmeiras nos últimos 30 anos.

Muita gente ligava o Brunoro à Parmalat.. mas o fato é que quem levou a Parmalat pro Palmeiras foi o Belluzzo.

Seu maior erro foi ser afoito e querer dar de qualquer maneira o Brasileirão pra nós.. mas quem poderia imaginar quem em 2009 o elenco iria tremer na base com 9 pontos na frente?? Com o Love chegando..

Enfim.. se ele se re-candidatar, terá facilmente meu voto.

Realmente, o Belluzzo era bastante corajoso. Agora temos a política de pés no chão para conter gastos, que sabemos bem onde termina. Acredito que propor contratos de produtividade para jogadores nos trará péssimos resultados. Jogadores bons, com potencial no mercado, jamais aceitarão, enquanto que jogadores sem mercado podem até aceitar por falta de opção. Será este o caminho? Olha que não estamos nem conseguindo renovar como Leandro e com o Vilson, o negócio está feio. para

Belluzzo?? Quem montou o time de 2009 foi o luxa junto com a traffic. Em 2010 quando ficou a cargo dele e da equipe dele montar o time, nós nem precisamos falar o que aconteceu né?

Meu amigo, nem vou entrar nos méritos de 2010. Que foi um ano muito melhor que 2011, 2012 (fora o golpe de sorte da copa do Brasil) e 2013 juntos.. mas enfim.. sei só que Belluzzo foi quem trouxe a Parmalat, foi um dos responsáveis pela Arena (que fora o mau caratismo do W Torre é um puta negócio) e foi quem quase nos deu um Brasileirão.. ahh e foi quem vestiu a camisa do Palmeiras e enfrentou a CBF e a Comissão de Arbitragem..

Comparar ele com Tirone e outros é sacanagem..

Concordo com tudo,e desde 2009 ,não vejo nada melhorar,só promessas,nem patrocínio temos.

Sr. Nobre, precisamos urgente oferecer um contrato de produtividade para o Brunoro e para o Departamento de Marketing. Afinal, se queremos contratar jogadores deste modo, porque não fazer o mesmo com o CEO. Contrato de produtividade só para o inútil do APRENDIZ, jogador de futebol não entra nessa. É mais uma idéia de absurda do piloto de rally, SONHADOR. Aliás, Sr. Nobre acabamos de criar mais 6 conselheiros vitalícios, filhotes do coisa ruim, assim caminharemos rapidamente para a terceira, quarta divisão. Presidente e as REFORMAS? Sumiram? Para onde o Sr. Nobre, este filhote do Mustafá, está nos levando? Reformas quando, NUNCA?????

Essa ideia do Nobre no papel seria excelente, mas, na prática…já tivemos 2 respostas do que virão pela frente, pois, os estupendos Uendel e o outro lateral do Criciúma (ele é tão craque que nem me lembro o nome) já esnobaram o Palmeiras. E a realidade será: NESSE MODELO NÃO CONTRATAREMOS NEM JOGADORES MEDIANOS (como os 2 citados acima). IMAGINEM JOGADORES ACIMA DA MÉDIA? Pois, se nem pagando mais, querem jogar no Palmeiras…como já houve alguns casos anos anteriores?
A saída (que deveria ter sido feita quando ele (Nobre) assumiu), seria arrumar empresas que banquem as contratações (modelo Traffic talvez), usando a vitrine Palmeiras e o mesmo ganhando uma % nas vendas. E pra bancar os salários dos futuros craques que “viriam”, seria da economia dessa caçamba lotada que temos. Mas, parece que querem até renovar o contrato do PÉSSIMO (pior goleiro da história do Palmeiras) – O tal Bruno. Piada!!! Temos, além desse Bruno, mais uns 25 jogadores de série-b e c, medonhos de ruins. Basta mandarem embora…trocando, vendendo (milagre) e doando, desde que o clube enganado, banque os salários. Se somarmos os salários desses 25 da caçamba, e se em média ganhassem 150 mil/mês cada um, teríamos uma economia mensal de 3,5 mi. Brincadeira?? Só com essa economia pagaríamos 6 craques/600 paus/mês cada. Portanto, Nobre e Brunoro, VAMOS TRABALHAR…POIS, ESTÃO MUITO DEVAGAR, E É SÓ DESCULPINHAS NAS MÍDIAS. A verdade é que falta OUSADIA, PENSAREM COMOTIME GRANDE!!! Isso sim.

Perfeito, Cunio! Brasileiro em geral não valoriza o mérito, é o povo da “boquinha”, “lei de Gérson”, etc. O PN está certíssimo, já acho um lucro repactuar o salário do técnico, pelo menos. Tomara que viralize e acabe com esse absurdo de no futebol se pagar salários de presidente de companhia petrolífera árabe aos jogadores.

O grande problema também será quando o jogador receber uma proposta de outro clube pois a multa é baseado nos vencimentos.

Esqueceu de cornetar a falta de patrocínio master… já estamos em Dezembro e nada!

O conceito de produtividade é o ideal/justo p/ ambas as partes, porém sem uma “unidade” com outros clubes, corre o sério risco reforçar ainda mais a indesejada imagem adquirida nos últimos anos, pelo nosso Palmeiras, de “o clube em crise, que paga pouco”.

Essa sempre foi minha dúvida com relação aos contratos de produtividade… se você tem duas propostas, uma de receber 1500 reais sem compromisso algum, e outra para receber 500, mas que pode chegar a 2000, dependendo de seu desempenho, o que a maioria aceitará, levando-se em consideração a “cabecinha” da vasta maioria de nossos jogadores de futebol?

A maioria dos jogadores , pensam pelas cabeças dos seus empresários !! Por isto mesmo entre 1500 no certo e 2000 no duvidoso, eles ficarão com o certo !!! a revolução que NOBRE quer, ja nasceu MORTA !!!!

Um recado ao Nobre: Eu tbm sou do mercado financeiro e logo no começo ja pode fazer uma coisa, “virar a mão”. Nobre, vc sabe o q é isso e sua operação logo de começo ja se vê q não vai dar certo. Vira a mão nessa opereta aí pq ta na cara q bonificação no futebol não vai dar certo.

O que é mais lamentável, na eleição dos vitalícios, é que ela foi possível com ajuda de grupos que, inclusive, se diziam vanguardistas, que votaram nulo quando deveriam votar em branco. LAMENTÁVEL. Isso só mostra que o discurso é diferente das intenções e que a hipocrisia reina, cada vez mais forte. Alguns opositores não são nada mais do que políticos do mesmo quilate daqueles que sentam nas cadeiras dos que comandam e fazem usufruto do nosso clube. Mias uma vez: LAMENTÁVEL.

Esse seu lamento teria alguma razão se a regra fosse maioria dos votos válidos, mas não é. Dê uma olhadinha no estatuto que está no site do clube no artigo 80 parágrafo 1o. Lá diz que é voto da maioria dos presentes.

Rodolfo, isso é automático do site. Nos meus comentários também aparece isso. A moderação apenas verifica ofensas e palavrões. Relaxa, não há censura prévia como em outros sites FAMOSOS da mídia palestrina… Abraço!

a moderação é um mal necessario (e automatico do site, não é a escolha), agora no chapabrancazzo a moderação é para barrar opiniões

Perfeito Cunio. Em uma coisa acho que podemos confiar, o jogador que vier, é porque quer trablhar e crescer… nos torcedores estamos cansados de ver bebados e festeiros vestindo nosso manto. Temos que torcer para que dê certo. O primeiro ano vai ser o mais difícil, mas caso esse novo sistema funcione, muitos jogadores irão querer jogar no Palmeiras e muitos times irão copiar… há um filme chamado O Homem que Mudou o Jogo (Moneyball) com Brad Pitt, que é uma revolução no esporte e no jeito de administrar, pode ser um bom exemplo.

Paulo Nobre e seu Grupo de trabalho estão corretíssimos e continuem em frente que alcançarão o sucesso .

EU NÃO SEI QUAL O SEGREDO DO SUCESSOS, MAS MO SEGREDO DE FRACASSAR E TENTAR AGRADAR TODO MUNDO (Dana White)

No futebol, qualquer que seja o sistema de trabalho, não há certeza nenhuma de sucesso. Por produtividade ou não, não há garantia. Como está a situação dos clubes que pagam altos salários no Brasil? Conquistaram títulos? Ora, Vasco, Fluminense, estão na degola. Corinthians, Santos, Flamengo, Internacional, mal escaparam da degola. Pagam altos salários? Na minha simples opinião, o que leva um time a conquistar títulos é a competência de seu treinador, a competência da diretoria e a motivação dos jogadores, e, também, uma boa dose da acertos. Vejam o caso do Atlético Paranaense, o Mancini deu um padrão ao time, que o tirou da zona da degola para a cabeça da classificação. Como explicar isso? Entrosamento entre técnico e jogadores, com uma boa dose de motivação. No caso do Palmeiras, será que o Kleina consegue isso, com o elenco que está em suas mãos? Só no final do ano é que saberemos. Mas, de qualquer forma, há de se contratar reforços, tomara que sejam reforços certos.

Resumiu bem, o sucesso independe da forma de contratação (produtividade ou não), competência é a palavra chave para o Palmeiras conseguir êxito em 2014.

Por falar em reforço, consta do noticiário que o Ayrton está querendo voltar, temos que pegar correndo. Ele ainda é o melhor lateral direito, ou até ala, do Brasil.

Não foi o fato de “ressuscitarem” o Mustafa que fez com que fossem eleitos esses 6 vitalícios os grupo “progressistas” que formam a base da diretoria, mantiveram a coerência de não indicar e não votar em vitalícios. Agora o grupo do Mustafá indicar vitalícios ja era esperado, o que não era esperado era os grupos de beluzzo e Perin (UVB) tão contrários ao Mustafá tomarem parte dessa mentalidade arcaica de indicando e votando em vitalícios.

Os comentários estão desativados.