Categorias
Verdão na Mídia

VERDÃO NA MÍDIA 30-03-2014: Para manter sonho do título, Verdão de Kardec encara a retranca do Ituano ❘ GLOBO ESPORTE COM

NOTICIÁRIO ❘ GLOBO ESPORTE COM

• Para manter sonho do título, Verdão de Kardec encara a retranca do Ituano

O Palmeiras aposta no poder de decisão de seu principal atacante para avançar à final. O Ituano confia no ótimo retrospecto do seu sistema defensivo para surpreender mais uma vez e se garantir na decisão. Desta maneira, Verdão e Galo jogam a sobrevivência no Campeonato Paulista neste domingo, às 18h30, em partida única válida pela semifinal da competição estadual.

Em excelente fase, Alan Kardec abriu caminho para os palmeirenses vencerem o Bragantino e garantirem classificação para as semifinais do Paulistão. Com nove gols marcados, o atacante lidera a tabela de goleadores do torneio ao lado dos já eliminados Luis Fabiano, do São Paulo, e Léo Costa, do Rio Claro. Além do camisa 14, os palmeirenses apostam na estrela de Valdivia, herói do título de 2008, para levar o Verdão à final depois de cinco edições ausente.

O momento é muito importante para o Ituano, Melhor defesa da competição, com apenas 10 gols sofridos em 16 partidas, o Galo aposta em uma partida como foi no meio da semana em Ribeirão Preto: jogo truncado, com possibilidade de decisão nos pênaltis

– A equipe está bem calma para a partida. O jogadores não sentem a pressão que Palmeiras está sentindo para vencer a partida. Esperamos investir em bolas paradas para tentar surpreender – afirmou o técnico Doriva.

Antonio Rogério Batista do Prado apita a partida, auxiliado por Fausto Augusto Viana Moretti e Luis Alexandre Nilsen. O canal SporTV transmite o duelo ao vivo, com Milton Leite e Mauricio Noriega. O GloboEsporte.com também acompanha a partida em tempo real e com vídeos exclusivos a partir das 18h.

AS ESCALAÇÕES

Palmeiras:  o time sofreu uma baixa de última hora. Com uma lesão na coxa direita, Wendel foi vetado pelo departamento médico. O técnico Gilson Kleina será obrigado a improvisar no local. A tendência é que Tiago Alves seja deslocado. Com isso, Lúcio e Wellington deverão formar a dupla de zaga. Outra opção seria colocar Marcelo Oliveira na defesa e Eguren no meio-campo. O time deverá atuar com: Fernando Prass; Tiago Alves, Lúcio, Wellington (Marcelo Oliveira) e Juninho; Marcelo Oliveira (Eguren), Wesley, Bruno César e Valdivia; Leandro e Alan Kardec.

Ituano: Apesar de ter uma postura defensiva, o Ituano deve ganhar uma novidade no meio ou no ataque para compensar a ausência de um dos volantes. Quem pode aparecer no time é o meia Marcinho, ex-Palmeiras, ou o atacante Marcelinho. Assim, o time de Itu vai a campo com Vágner; Dick, Alemão, Anderson Salles e Denner; Josa, Jackson Caucaia e Cristian; Marcinho (Marcelinho), Rafael Silva e Esquerdinha.

QUEM ESTÁ FORA

Palmeiras: Wendel se recupera de lesão na coxa direita. Bruno Oliveira está em fase de recondicionamento físico, enquanto Thiago Martins, se recupera de cirurgia no joelho direito.

Ituano: Paulinho (suspenso)

ÚLTIMO CONFRONTO

Palmeiras e Ituano se enfrentaram pela última vez na 9ª rodada do Campeonato Paulista deste ano. No dia 19 de fevereiro, jogando no Pacaembu, o Verdão teve dificuldades, mas conseguiu para bater o Galo com gol de Alan Kardec, aos 42 minutos da segunda etapa.

Leia aqui a matéria completa → NOTICIÁRIO ❘ GLOBO ESPORTE COM

••

NOTICIÁRIO ❘ GAZETA ESPORTIVA NET

• Palmeiras recebe Ituano para voltar à final estadual após seis anos

Por Yan Resende e William Correia

Depois de ver Santos e Corinthians protagonizarem as finais das últimas cinco edições do Campeonato Paulista, o torcedor do Palmeiras está muito perto de ver seu time voltar a disputar uma decisão estadual. Neste domingo, às 18h30 (de Brasília), a equipe comandada por Gilson Kleina recebe o Ituano, no Estádio do Pacaembu, em jogo único das semifinais, e precisa de uma vitória simples para garantir a classificação.

Apesar do favoritismo para o jogo, o Palmeiras terá que lidar com a ansiedade de um clube que não disputa a final do Campeonato Paulista há quase seis anos. A última vez na decisão foi em 2008, quando encarou a Ponte Preta em dois jogos, nos dias 27 de abril e 4 de maio, confirmando o título com uma vitória, por 1 a 0, em Campinas, e uma goleada, por 5 a 0, no Estádio do Palestra Itália.

Com uma campanha melhor do que o Ituano até o momento, o clube alviverde ganhou o direito de disputar a semifinal como mandante, mas não carrega nenhum tipo de vantagem dentro de campo: em caso de empate, a decisão será disputada nos pênaltis. Sendo assim, os comandados de Gilson Kleina poderão ter uma árdua tarefa pela frente, já que o adversário tem a melhor defesa do Campeonato Paulista.

Para o goleiro Fernando Prass, o fato de a decisão ser em jogo único deixa a margem de erro ainda menor. “É mais um jogo eliminatório, pois, com esse regulamento, todo jogo é ainda mais tenso. Qualquer descuido, qualquer erro, custa a classificação. É muito mais difícil reverter resultados, desgasta a parte física e também a parte mental”, avaliou o arqueiro palmeirense.

Na escalação, Gilson Kleina não poderá contar com Wendel, vetado por lesão na coxa direita. Como o reserva Bruno Oliveira continua sem condições físicas de jogar, o zagueiro Tiago Alves deve aparecer na lateral direita. Assim, Marcelo Oliveira seria recuado para a zaga, com Eguren entrando no meio-campo, ou Marcelo Oliveira continuaria como volante, com Wellington fazendo companhia a Lúcio no miolo da defesa.

Já pelo lado do Ituano, o discurso é de bastante cautela para tentar surpreender novamente no Estadual. Pelas quartas de final, a equipe comandada pelo ex-jogador Doriva visitou o Botafogo, em Ribeirão Preto, e explorou a força de sua defesa para desbancar o favoritismo adversário. Após segurar o empate sem gols no tempo normal, venceu a disputa por pênaltis.

Acostumado com decisões ainda como jogador, o treinador Doriva agora tenta conter a euforia de seus atletas, para que seu time mantenha a mesma postura que deu resultado na fase anterior. O comandante do Ituano, aliás, também mostra preocupação com relação ao clima entre os jogadores dento de campo, já que o duelo entre as duas equipes pela primeira fase ficou marcado por uma confusão no final.

Em um jogo muito equilibrado, que marcou a estreia de Bruno César com a camisa alviverde, o Palmeiras dominou boa parte do jogo, mas conseguiu marcar o gol da vitória apena no final do segundo tempo. O camisa 14 do Verdão, aliás, se envolveu em uma confusão pouco antes do apito final, e acabou sendo expulso, assim como Jackson Caucaia, do Ituano.

O encontro da primeira fase também serviu de base para Fernando Prass projetar mais um confronto muito igual no Pacaembu. “A tendência é que seja uma partida equilibradíssima novamente, como foi na primeira fase, ainda mais porque não tem tempo para se recuperar durante o jogo. A margem de erro é muito pequena”, acrescentou o goleiro do Verdão.

Ainda que o retrospecto fosse diferente, a partida deste domingo reserva contornos de tensão pelo momento decisivo da competição. Desta forma, Doriva tenta passar tranquilidade aos seus jogadores para manter o bom desempenho de seu ferrolho. O sistema defensivo, do Ituano, aliás, conta com Anderson Salles, o responsável pela bola parada da equipe, que despertou interesse dos dirigentes do próprio Palmeiras.

Leia aqui a matéria completa → NOTICIÁRIO ❘ GAZETA ESPORTIVA NET

••

NOTICIÁRIO ❘ UOL ESPORTE

• Palmeiras busca 1ª final de Paulistão ‘sem parceiros’ depois de 28 anos

1986. O ano representa a última final de Campeonato Paulista que o Palmeiras alcançou sem a ajuda de parceiros, como a Parmalat e a Traffic, empresas que bancaram o clube nas últimas décadas. Neste domingo, a equipe alviverde encara o Ituano na semifinal podendo voltar a disputar uma decisão de Estadual ‘com as próprias pernas’. O duelo acontece às 18h30, no estádio do Pacaembu, que receberá o melhor público do ano em jogos do Palmeiras.

A última final de Campeonato Paulista do time foi disputada em 2008, quando o clube recebia apoio da empresa Traffic. Na ocasião, liderada por Valdivia, a equipe do então técnico Vanderlei Luxemburgo superou a Ponte Preta (após duas vitórias: de 1 a 0 em Campinas e 5 a 0 no Palestra Itália) e conquistou seu 22º título estadual.

Na década de 90, o Palmeiras conquistou três títulos estaduais, todos eles já sob o ‘comando’ da Parmalat: 1993, em final contra o Corinthians, e 1994 e 1996, com o torneio sendo disputado em pontos corridos.

A equipe alviverde ainda disputou outras três finais na década: perdeu para o São Paulo em 1992, no primeiro ano da empresa italiana no clube alviverde, foi derrotado pelo Corinthians em 1995, e voltou a ser batido pelo arquirrival em 1999, logo após ter conquistado a Copa Libertadores.

Mas a última decisão de Paulista do Palmeiras ‘com as próprias pernas’ aconteceu há 28 anos, em 1986. Na ocasião, porém, a equipe alviverde foi derrotada pela Inter de Limeira, após empate de 0 a 0 no primeiro jogo e derrota de 2 a 1 na grande decisão, no Morumbi.

Neste domingo, o Palmeiras tem a chance de voltar a uma final de Paulistão sem receber maiores ajudas. Para isso, contará com o maior público do ano e defenderá um tabu de 23 jogos sem perder no estádio do Pacaembu, sendo 18 vitórias e cinco empates. O último revés aconteceu há quase um ano, diante do Tijuana, em jogo válido pela Libertadores, em maio de 2013.

“Jogar no Pacaembu é especial. Compramos a ideia, é a nossa casa momentânea. A torcida vem e a gente vê a força palmeirense. Fazer todas as decisões aqui é um diferencial”, declarou Gilson Kleina.

Para esta partida, o treinador alviverde não poderá contar com o lateral direito Wendel, vetado pelo departamento médico por conta de lesão na coxa direita, sofrida no duelo da última quinta, diante do Bragantino. Para a vaga, Kleina deve optar por improvisar o zagueiro Tiago Alves, dando assim uma chance a Wellington na zaga, ao lado de Lúcio.

Outra opção seria colocar Marcelo Oliveira na defesa e promover a entrada do uruguaio Eguren no meio de campo. Os 11 titulares só devem ser confirmados no vestiário do Pacaembu, minutos antes do jogo deste domingo.

Leia aqui a matéria completa → NOTICIÁRIO ❘ UOL ESPORTE

••

NOTICIÁRIO ❘ ESTADÃO ONLINE

• Palmeiras vai sufocar o Ituano para ir à final

Por Daniel Batista

Diante do Bragantino, o Palmeiras mostrou que sabe muito bem o caminho das pedras para bater o Ituano neste domingo, no Pacaembu, e chegar na decisão do Paulistão. Basta se impor e não dar chances para a zebra aparecer.

Caso consiga a classificação, o Palmeiras volta a uma final de estadual após seis anos. Em 2008, comandado por Vanderlei Luxemburgo, o time enfrentou a Ponte Preta na decisão e sagrou-se campeão.

O adversário deste domingo tende a ser bem mais complicado do que o time de Bragança Paulista foi na quinta-feira. O Ituano tem a melhor defesa do campeonato – com 10 gols sofridos – e deu muito trabalho para equipe alviverde na primeira fase, quando foi derrotado por 1 a 0, em jogo que Fernando Prass saiu como destaque.

Para chegar à decisão, o Palmeiras deve contar com a força de sua torcida. A expectativa da comissão técnica é de que pelo menos 30 mil estejam no estádio gritando pelo time.

Em campo, Kleina avisou que não pretende fazer grandes invenções, mas que vai trazer mais surpresas, como aconteceu contra o Bragantino, quando colocou Wesley caindo mais pelas pontas e desmontou a defesa do time adversário. “Está dando gosto de ver o time jogar”, resumiu o Juninho.

Após o jogo contra o Bragantino, Valdivia apareceu com o tornozelo direito inchado, por causa de pancadas recebidas na partida e chegou a ser colocado como dúvida. Mas sábado ele fez um teste no treino e vai para o jogo. Por outro lado, Wendel sofreu uma microlesão na coxa direita e está fora de combate.

Com isso, a tendência é que Tiago Alves seja deslocado para a lateral direita e Wellington ganhe nova oportunidade na zaga. O Palmeiras conta com seis jogadores pendurados, além de Wendel. Casos de Marcelo Oliveira, Valdivia, Bruno César, Mendieta, Eguren e Wellington.

SEM SER AZARÃO

No Ituano, o técnico Doriva adota mistério, mas deve promover apenas uma alteração em relação ao time que derrotou o Botafogo nas quartas. O volante Paulinho está suspenso pelo terceiro cartão amarelo.

Caso Doriva opte por uma formação mais ofensiva, ele pode apostar no experiente Marcinho, ex-Palmeiras, Corinthians, entre outros. Caso decida manter o esquema tático, Claudinho aparece como primeira opção.

Leia aqui a matéria completa → NOTICIÁRIO ❘ ESTADÃO ONLINE

••

NOTICIÁRIO ❘ LANCENET

• Mesmo antes da final, Palmeiras pode ter melhor público do Paulistão

A relação entre torcida e time no Pacaembu vai continuar quente quando a bola rolar às 18h30 deste domingo, contra o Ituano. Invicto há 22 jogos como mandante no estádio, o Verdão terá seu melhor público em 2014 e pode também ter o recorde do Campeonato Paulista. Até o fim da tarde de sábado, cerca de 27 mil ingressos já tinham sido vendidos.

Os maiores públicos do Verdão no torneio foram contra Bragantino (24.231), nas quartas de final, e contra o São Paulo (23.694), no início da primeira fase. As arquibancadas verde, amarela e laranja estão esgotadas, assim como o tobogã. Restam apenas bilhetes para as cadeiras.

O maior público do Paulistão é do Corinthians, com 29.119 pagantes na derrota por 3 a 2 para o São Paulo, em 9 de março. O Verdão tem a segunda melhor média do torneio (12.858), atrás do rival, com 14.978.

– Jogar no Pacaembu, para nós, é especial. Compramos a ideia de que aqui é a nossa casa momentânea e cada vez que pedimos, vem mais força. Brigamos para fazer as decisões aqui porque, para mim, é um diferencial – disse Kleina.

– Que continuemos com essa invencibilidade com vitória para irmos à final – completou o técnico.

A última derrota no Pacaembu aconteceu em 14 de maio, na eliminação para o Tijuana (MEX) na Copa Libertadores. O Palmeiras registrou o melhor público de 2013, com 34.896 pagantes, naquela derrota por 2 a 1. Caso Verdão e Santos vençam neste domingo, o primeiro jogo da decisão será com mando alviverde.

Leia aqui a matéria completa → NOTICIÁRIO ❘ LANCENET

••

COLUNA DO PAULO VINÍCIUS COELHO ❘ FOLHA DE S.PAULO

• A final encantada

Sócrates desceu do ônibus e chamou todos os jogadores do Corinthians para seguirem o trajeto caminhando. A delegação estava presa no trânsito, na altura do Palácio dos Bandeirantes, a 1,6 km do Morumbi. Faltavam 30 minutos para começar o clássico contra o Palmeiras, semifinal do Paulistão de 1983. O Corinthians entrou no estádio na hora certa. A pé!

Menos de uma hora depois, aos 21 minutos do primeiro tempo, Sócrates driblou Márcio Alcântara e chutou no canto direito de João Marcos. Gol do Corinthians! Na véspera, o São Paulo tinha despachado o Santos com empate por 1 x 1, gol de Zé Sérgio. A final foi Corinthians x São Paulo. Palmeiras e Santos eliminados.

Nos últimos 30 anos, a decisão mais repetida do Paulistão foi Corinthians x São Paulo. Foram sete vezes (1982/83/87/91/97/98/03), além do Rio-SP de 2002 e do Brasileirão de 1990. E tem os Estaduais de 1936 e 1957 também!

Isso só aumenta o desejo de ver Santos x Palmeiras na decisão deste ano. Final direta entre os dois só em 1959. Antes, em 1927, a penúltima rodada colocou frente a frente o líder Santos contra o Palmeiras, em segundo. O resultado, Palestra 3 x 2 no ataque dos cem gols de Araken e Feitiço, tirou a taça da Baixada.

O jogo do título também aconteceu entre Palmeiras e Santos em 1944, 47, 60 e 68, mas nunca com os dois juntos brigando pela taça.

Nem em 96, quando o Palmeiras sacramentou o troféu para seu ataque dos 102 gols, nos 2 x 0 marcados por Cléber e Luizão. Aquela partida decidiu o returno e deu o campeonato ao time alviverde, mas o alvinegro terminou só em quinto lugar.

Decisão entre Palmeiras e Santos é encantada. É como se pagassem o preço por terem vencido juntos 12 campeonatos seguidos entre 1958 e 1969. Cinco vezes um foi campeão e o outro vice, mas em torneios de pontos corridos, sem finalíssima.

Há dez anos, o Corinthians foi eliminado na primeira fase e o São Paulo caiu nas quartas de final. Nas semifinais, o São Caetano meteu 4 x 0 no Santos de Diego e Robinho. O Paulista venceu o Palmeiras nos pênaltis -São Caetano campeão.

A diferença hoje é o nível dos dois times. Depois do fim de semana em que o melhor futebol do Brasil se jogou em Madri, entre Barcelona e Real, Santos e Palmeiras deram sinais de que o bom jogo sobrevive por aqui.

Os jogos do meio de semana mostrou talento de Cícero, Valdivia, Thiago Ribeiro, Wesley, Gabriel, Alan Kardec e Geuvânio.

Futebol moderno, compacto, atualizado.

Penapolense e Ituano merecem respeito e talvez seja até a final mais adequada à fórmula de disputa do Paulistão.

Mas para Penápolis e Itu ninguém quer ir. Nem de avião.

Santos e Palmeiras merecem que se vá. Nem que seja a pé.

••

COLUNA DO ANTERO GRECO ❘ O ESTADO DE S.PAULO

• Bruxas existem…

A garotada não sei. Mas a turma veterana, dos tempos da concha acústica no Pacaembu, conhece o ditado espanhol de tradução facílima, que dispensa até conferida no são Google: “No creo en las brujas. Però que las hay las hay”. Forma meio gaiata de mostrar ceticismo quanto a existência de forças do além e, ao mesmo tempo, não negá-las. Em versão nacional equivale a: “Não acredito em macumba. Em todo caso, não mexo num despacho”.

Pois digo que, em futebol, creio em tudo – de bruxas a duendes, de pais de santo a benzedeiras, de feitiço a olho gordo. Sem contar, claro, em juiz atrapalhado, em bandeirinhas distraídos e em olheiros (os moços que ficam na linha do gol) que não se comprometem. A função exata deles até hoje provoca controvérsias. Boto fé em superação, também.

Isto posto, caro leitor dominical, afirmo que não sou maluco de cravar que Santos e Palmeiras voltam para casa, no final da tarde e no início da noite, respectivamente, com os bilhetes garantidos para a disputa do título paulista de 2014. Ambos são pra lá de favoritos, diante de Penapolense e Ituano. O bom senso, a lógica, a obviedade empurram qualquer prognóstico na direção dos dois gigantes. Tão disparatadas as campanhas que o cronista pode parecer cretino, se disser o contrário.

Mas, depois do que Corinthians e São Paulo viveram recentemente, dou-me o direito de fazer ressalvas nessa conversa de candidatos ao título. A categoria de santistas e palestrinos é maior; em proporção idêntica, a responsabilidade de ambos. E o tombo, se ele vier, como já ocorreu com os dois rivais, doerá. Por isso, não espanta se houver sortilégios espalhados por aí.

Esse negócio é mais sério do que a gente pensa. Antes de escrever a crônica, tive a precaução (na verdade, cara de pau) de consultar dois torcedores que não brincam em serviço, em jogo decisivo. O Nilsão Pasquinelli, diagramador do Estadão de sangue verde, recorreu a Santo Expedito, fitinha do Senhor do Bonfim e a uma figa (“Sempre é bom variar”) para nada sair errado.

O doutor Paquetá Almeida, médico tarimbado, peixeiro que perdeu a conta do número de sandálias de dedo que atirou no gramado da Vila em momentos de desespero, já espalhou coleção de santinhos à frente da tevê de plasma (“Eu queria pôr em cima, mas esses aparelhos são fininhos”), segundo tradição enraizada na família desde a final do Mundial de 1963 com o Milan.

Para os céticos de verdade, a maior feitiçaria pode vir de Santos e Palmeiras mesmo, sob o nome de presunção. Ambos têm consciência da força e do fato de que enfrentam franco-atiradores. O Santos coleciona campanha vibrante até o momento: 12 vitórias, 3 empates e só uma derrota. O ataque fez 43 gols, disparadamente o mais objetivo. A defesa levou 16. O Penapolense se apresenta com 6 vitórias, 2 empates e 8 derrotas, fora os 14 gols que marcou e os 17 que levou. Saldo negativo.

Mas eis o nó: foi o único a bater o Santos, e com autoridade, nos 4 a 1 do dia 16 de fevereiro. Isso Oswaldo de Oliveira levou em conta e passou para os rapazes. Clara advertência de que a zebra já passeou. O treinador pode reforçar mais o meio e mexer na frente, como o repórter Sanchez Filho mostrou ontem: Geuvânio, por um lado, Rildo por outro e Thiago Ribeiro (ou Leandro Damião) é uma formação possível. Narciso, o bruxo do Penapolense, aposta no conjunto aguerrido. Não é pouco.

O Palmeiras segue o Santos de perto nos números: 12 vitórias, 2 empates e duas derrotas, com muito equilíbrio entre ataque (29 gols) e defesa (só 13 contra). Mesmo assim, Gilson Kleina tem preocupações: o tornozelo de Valdivia é a principal delas. Em seguida, o número (7) de pendurados com dois amarelos. A ansiedade pode ser fator adversário adicional.

O Ituano, em si, já é suficiente para dar dor de cabeça a Kleina. Econômico na hora de marcar (16 gols) e sovina na hora de abrir-se (só 10, defesa mais consistente). Não é à toa que venceu 8 jogos, empatou 5 e perdeu 3. Tem jeito de pênaltis? Tem.

••

COLUNA DO UGO GIORGETTI ❘ O ESTADO DE S.PAULO

• O futuro

Penapolense e Ituano estão nas semifinais do Campeonato Paulista. Podem chegar às finais, e até ao título. Dão a impressão de que o futebol do interior de São Paulo está mais vivo do que nunca, sólido e vigoroso. Pena que seja apenas uma impressão.

Esta semana conversei com Fernando Martinez, pesquisador, estudioso, observador incansável do pequeno e invisível futebol que quase ninguém vê e poucos notam. Faz parte de um grupo que produz um site chamado “Jogos Perdidos” que, como o nome indica, tenta jogar alguma luz sobre um futebol que se dá nas sombras e fora dos noticiários.

Fernando percorre cidades e mais cidades vendo jogos incríveis, em estádios semivazios, onde se exibem jogadores anônimos e outros nem tanto. Todos perdidos na Segunda, Terceira, Quarta Divisão dos campeonatos organizados pela Federação Paulista de Futebol. Parece coisa de louco, mas é coisa de sábio. Porque com suas andanças Fernando fica sabendo de tudo.

Nas suas palavras, o interior não tem mais nem dez anos de vida. Está morrendo diante dos olhos de todos. Times tradicionais estão perdidos na Terceira Divisão, como Juventus e Noroeste de Bauru, os dois a caminho da Quarta. E a Quarta é a última, além dela é o nada. De lá não se volta, como do Inferno de Dante. Lá estão times como a Portuguesa Santista, o XV de Jaú ou o Nacional. É uma verdadeira destruição organizada.

Há inúmeras razões para isso. Quem se interessar e quiser conhecer o verdadeiro estado do futebol do interior procure o site www.jogosperdidos.com. Na realidade, ninguém mais torce pelos times do interior, a começar pelos habitantes da própria cidade. A cidade é a primeira a abandonar o clube quando ele entra numa fase particularmente ruim. Contam-se nos dedos cidades que permanecem fiéis a seus times, como Piracicaba ou Lins. Esta última jamais abandonou o Linense. Fernando cansou de ver jogos do Linense na Terceira Divisão, com casa cheia. O resultado é que ele voltou para a Primeira.

Mas essas cidades são poucas. Geralmente a própria imprensa da cidade não se ocupa mais do clube. A obsessão pela vitória e pelos vencedores atinge a tudo e a todos. Está atingindo, aliás, até os grandes clubes brasileiros que têm hoje menos espaço na imprensa que Real Madrid, Barcelona, Bayern ou Manchester.

Se isso acontece nos grandes centros, é fácil supor o que se passa no interior. Clubes estão desaparecendo, ou já desapareceram totalmente. Não há no mundo visível mais nenhum vestígio do Corinthians de Presidente Prudente, por exemplo, um tradicional clube integrante da Primeira Divisão do Paulista por vários anos. Nada resta, nem a sede, nem mesmo o estádio, hoje um shopping center. Ninguém em Presidente Prudente gosta muito de falar sobre isso. Parece que o time jamais existiu.

Essas pequenas equipes são cada vez mais vítimas desses nossos tempos predatórios. O Jabaquara, o velho Jabuca, não tinha dividas e suas finanças estavam equilibradas. Mas, no desespero de voltar das profundezas, se aliou a um empresário que lhe prometia um time inteiro de jogadores, supostamente de qualidade. O time do empresário foi um fracasso monumental e, não contente, ele ainda deixou o Jabaquara quebrado, com dívidas feitas em seu nome.

É isso que está acontecendo. O Comercial de Ribeirão, que acabou de subir a duras penas para a Primeira Divisão, já caiu de volta à Segunda. Quando terminar o atual Campeonato Paulista, muitos times do interior vão permanecer inativos por longo tempo. E serão desmontados, pois como pagar jogadores que não jogam?

Essa é a situação do interior: estádios vazios, cofres vazios, esquecimento da mídia, nenhum planejamento, nenhum futuro. A esperança desses clubes é gente como Fernando Martinez e a generosa loucura de seu pessoal dos “Jogos Perdidos”. No mais, parabéns e boa sorte para o Ituano e para o Penapolense.

••

3 respostas em “VERDÃO NA MÍDIA 30-03-2014: Para manter sonho do título, Verdão de Kardec encara a retranca do Ituano ❘ GLOBO ESPORTE COM”

A grobo resolveu transmitir a sensação Penapolense??? A grobo não quis transmitir o Palmeiras??? Que novidade!!! F0d@-se, ligamos para esse lixo de TV. Comparecemos ao estádio, nos reunimos em bares e casas de amigos, ouvimos no rádio e ficamos ligados na net. NÃO NECESSITAMOS DA GROBO.

Um solene VTC para essa merda de folha/uol que todo Palmeirense deveria evitar de dar qualquer tipo de audiência. E tem gente que nainda n acordou para ver a intenção desse lixo.

PVC : começar a coluna lembrando de uma semi-final que perdemos para o curintia é dose hein, pqp, Essa foi a introdução para dizer que ha tempos não se tem um Palmeiras e Santos na final??????????????????????????????????? diz-se palmeirense…

Antero Greco: vem me falar de zebra……………tb se diz palmeirense.

O único que é a favor e nego desce o cacete é o Avalonne, o resto quer que o Plameiras se dane.

Otimo texto do Girogetti.

Hoje, sem sustos, 3×1 (o deles será aos 48 do segundo tempo, depois o arbitro encerra).
Embora muitos técnicos prefiram decidir fora, acredito que o Santos empata e vença nos penaltis, nós ganhamos no tempo normal, e a manchete amanhã será: INVERTEU.

Os comentários estão desativados.