Categorias
Verdão na Mídia

VERDÃO NA MÍDIA 16-04-2014: Compreendido por “verde doente”, Kleina se cobra vaga na Libertadores ❘ GAZETA ESPORTIVA NET

NOTICIÁRIO ❘ GAZETA ESPORTIVA NET

• Compreendido por “verde doente”, Kleina se cobra vaga na Libertadores

Após a derrota para o Ituano que eliminou o Palmeiras do Campeonato Paulista, as críticas a Gilson Kleina aumentaram. Mas o técnico, em vez de debater, mostra ao “verde doente”, como chama o torcedor mais fanático, um semblante triste para despertar compreensão. Assim, ganha confiança para terminar o centenário, ao menos, com uma vaga na Libertadores – o que o satisfaria.

Antes da estreia no Campeonato Brasileiro, o treinador conversou por quase meia hora com a Gazeta Esportiva. Nesta entrevista exclusiva, o comandante do Verdão ainda mostra frustração por ter falhado no primeiro objetivo da temporada em que o clube completa 100 anos, mas não perdeu convicção no seu trabalho.

Apesar da queda precoce, o desempenho no Estadual convenceu Kleina a manter até a estrutura ofensiva, com praticamente só um volante, e traça planos de lutar pelo título da mesma forma que ganhou a Série B do ano passado sem sustos: surpreendendo adversários fora de casa.

Gazeta Esportiva: Após o título tranquilo na Série B do Brasileiro, qual é a sua expectativa para a Série A?

Gilson Kleina: Espero que sejamos igualmente competentes. Na Série A, não tem refresco, o nível de qualidade é outro, mas nos preparamos para a nossa qualidade aumentar. Precisamos entrar muito inseridos e temos nove partidas que são um campeonato à parte. Que possamos fazer o maior número de pontos possível e brigar pelos objetivos que estamos delineando.

Gazeta Esportiva: Na Série B, o Palmeiras respeitava até lanterna…

Gilson Kleina: E é esse o espírito que precisaremos ter. O respeito com o adversário é uma prática e vai ser normal com qualquer um. Porém, dentro de campo, cabe ao Palmeiras se impor, mostrar competência e qualidade. No Brasileiro, os jogos fora de casa têm uma exigência muito grande e teremos que ser, mais uma vez, uma equipe muito equilibrada, como na Série B, quando ganhamos vários jogos fora de casa e fizemos um campeonato muito forte dentro de casa. Essa consistência nos levou à elite, deu confiança a todos e tivemos o campeonato que fizemos no Paulista.

Gazeta Esportiva: Por conta do centenário, o Palmeiras começa o Brasileiro pensando só em título, não apenas em vaga na Libertadores?

Gilson Kleina: Queremos dar um calendário espetacular para o Palmeiras. Pensamos em título para colocar o Palmeiras na Libertadores de novo, faz parte do DNA do clube disputar essa competição. Mas todas as equipes têm esse objetivo. Da mesma forma que fomos muito consistentes no Paulista e, infelizmente, em um jogo o Ituano teve seus méritos para nos desclassificar, devemos entender que cada jogo é uma decisão. Temos que ir colocando um tijolinho de cada vez para que, realmente, façamos não só um campeonato consistente e regular, mas satisfatório nas metas que vamos estabelecer.

Gazeta Esportiva: O Palmeiras não teve sucesso sob o seu comando no mata-mata. O fato de o Brasileiro ser em pontos corridos facilita de alguma forma?

Gilson Kleina: Em pontos corridos, você tem a chance de recuperar pontos no segundo turno, porque disputa seis pontos contra todos os adversários. Se mantivermos regularidade, consistência e comprometimento no Brasileiro, será um grupo que, com certeza, vai nos dar orgulho mais uma vez e será muito feliz. Se em um X número de jogos tivermos um revés só, a pontuação ficará lá em cima e já poderemos recuperar no próximo jogo. Na semana da estreia, temos que desmembrar bem o Criciúma e o que é uma Série A. Essa conversa que temos sempre surtiu efeito e vamos realmente mostrar o valor e a força do grupo para dar a alegria que ficamos devendo ao torcedor no Paulista.

Gazeta Esportiva: Como você desmembra a Série A?

Gilson Kleina: É entender, primeiro, que a qualidade vai imperar. Os erros que tivemos na Série B e no Paulista têm que diminuir porque, com uma sucessão de erros, pode-se perder o jogo. As equipes que foram campeãs e à Libertadores em anos anteriores fizeram um campeonato à parte fora de casa. Vamos estrear a estrutura da Copa do Mundo, usufruir de arenas e gramados espetaculares, então a técnica, o talento, os recursos dos atletas têm que aparecer e a equipe precisa estar bem distribuída taticamente para fazer a diferença. A Série A demonstra o nível técnico da sua equipe. Jogadores de qualidade, cabeças pensantes, com talento e mais recursos, fazem a diferença, desde que entendam que o futebol, hoje, ficou competitivo. Mesmo que coloquemos mais jogadores de qualidade, temos que marcar forte também.

Gazeta Esportiva: O Palmeiras chegou e parou na semifinal do Paulista jogando com praticamente só um volante e os jogadores trocando posição na frente…

Gilson Kleina: Falam que os treinadores brasileiros precisam se aperfeiçoar, mas, sem sombra de dúvida, o Palmeiras faz o futebol moderno. Joga com um volante, dá rotatividade na frente para meias, laterais e atacantes e fomos uma das equipes que mais chutou a gol, mais driblou e mais criou no Paulista. Não teve o melhor ataque porque o Santos construiu goleadas na Vila Belmiro, mas, por muitas rodadas, fomos a defesa menos vazada. Cresceu muito o lado individual e teve jogos em que Prass, Alan Kardec, Valdivia e Leandro nos deram a vitória, o Lúcio iniciou e terminou o campeonato com uma regularidade espetacular. O Palmeiras, cada vez mais, agregou valores técnicos, foi abrindo mão de jogadores de contenção e colocando jogadores de criação, dinâmica e velocidade, mas com domínio total de bola.

Gazeta Esportiva: Mas dá para manter esse estilo ofensivo na Série A, mesmo depois da derrota para o Ituano?

Gilson Kleina: É o que queremos, e tivemos uma conversa em cima disso. Infelizmente, tivemos um resultado que não poderíamos ter, mas não quer dizer que o trabalho estava errado. Criamos situações mesmo naquele jogo, com todas aquelas dificuldades. Precisamos entender de uma vez por todas que, quando tivermos esse tipo de situação ruim, temos que nos superar de outra forma. O grupo entendeu e assimilou, por mais que tenhamos sofrido com a desclassificação. Todos colocaram isso como um crescimento, e deve ser assim para termos uma grande conquista no Palmeiras.

Gazeta Esportiva: O Palmeiras ainda parece sentir aquela eliminação.

Gilson Kleina: Fomos muito competentes contra o Bragantino nas quartas de final, com o nível de competitividade lá em cima, mas, não tirando o mérito do Ituano, que veio com uma marcação diferente, não conseguimos manter esse nível na semifinal. Nós nos preparamos muito para ser campeões, trabalhamos com muita seriedade. Fugiu, né? O grupo todo sentiu muito.

Gazeta Esportiva: Que lição é possível tirar de uma derrota com seis titulares machucados, como aconteceu naquela eliminação?

Gilson Kleina: Vamos colocar essa fatalidade em uma somatória, é uma das parcelas. Sempre demos moral para o elenco, que aquele que entrasse corresponderia. Mas perdemos jogadores de referência e o Ituano soube aproveitar por não termos repetido o nível. A leitura que fiz para eles é que foi circunstancial. Nos dez minutos finais, temos que entender que batemos 85 minutos tentando fazer o gol. Não deu, vamos fechar a casinha, sem espaçar, não tem razão. Na pior das hipóteses, iríamos para os pênaltis. Temos que entender esse caráter do mata-mata.

Gazeta Esportiva: A lição, então, é ser mais frio?

Gilson Kleina: Ser um pouquinho mais frio e analisar que, quando o Palmeiras joga contra uma equipe menor, se as coisas não acontecerem, não é só do grande a responsabilidade de arriscar e ter ousadia. Também é necessário o comprometimento de entender que, aquele jogo, tem que ser definido de outra forma. Só faltou isso, porque a equipe sempre lutou pela vitória. Querendo ou não, sabíamos da ansiedade da nossa torcida, do centenário. Dentro do Pacaembu, somos sempre fortes e a torcida nos deixa mais agressivos, acelerando, mas precisamos ter o equilíbrio em todos os aspectos. É a lição que temos. Infelizmente, em um jogo só, tudo pode acontecer. Sabíamos que era assim e não vamos justificar com isso, mas lamentar porque nos preparamos muito para ser campeão paulista e dar essa alegria para o torcedor.

Gazeta Esportiva: A ansiedade da torcida por um título no centenário atrapalha?

Gilson Kleina: O jogador quer resolver. Vê casa cheia com todos apoiando e quer dar uma resposta positiva. Isso gera ansiedade. Somos seres humanos, há situações que fogem, o impulso é maior, a vibração, a energia. Nos jogos da Champions, vi a mesma situação, não tem como. Todos vêm com foco, sentimento de resultado, as coisas não acontecem do jeito preparado, você quer resolver de outra maneira e, às vezes, vira o lado individual, já passa a não jogar coletivamente, a mentalidade passa a ser mais desorganizada. Contra uma equipe que tem a primeira proposta de marcar e, se tiver um gol, é tudo o que queria, bate o nervosismo.

Gazeta Esportiva: Mudou a abordagem dos torcedores na rua depois da eliminação?

Gilson Kleina: O futebol é passional. Não adianta querer explicar o que aconteceu para todos os torcedores que me param, é só justificar e assumir. Muitas vezes, eles veem no meu semblante que também não fiquei contente. Falo sempre para eles: “Se há uma coisa que eu queria muito para a minha vida neste ano, era o título”. Sei o que trabalhei e abdiquei para levar o Palmeiras a isso. O torcedor viu o que aconteceu. Mesmo aquele torcedor ferrenho, aquele verde doente, viu que no futebol, quando acontecem algumas fatalidades, é difícil. Quem diria que Barcelona, Marchester United e Paris Saint-Germain cairiam? Que quase o Real Madrid caiu? Se me pedirem uma explicação para a eliminação do Palmeiras, vou enrolar e não vou dizer. Perder no mesmo jogo Prass, Alan Kardec, Wendel, Valdivia, Wesley, Juninho e Bruno César não é normal, qualquer equipe teria dificuldade. Fico com a cabeça erguida porque, por mais que ainda exista o sentimento de perda, vou focar mais forte para não errar no Brasileiro e, quem sabe, no final do ano não teremos uma grande comemoração. É o que quero. A motivação e a força de lutar vão existir sempre.

Leia aqui a matéria completa → NOTICIÁRIO ❘ GAZETA ESPORTIVA NET

••

NOTICIÁRIO ❘ FOLHA ONLINE

• Recuperado de lesão, Diogo mira Brasileiro pelo Palmeiras

Com apenas seis jogos pelo Palmeiras neste ano, o atacante Diogo projetou dar retorno ao clube na disputa do Campeonato Brasileiro, que inicia no próximo domingo, contra o Criciúma, fora de casa.

O jogador sofreu uma lesão muscular na coxa direita e por isso foi pouco aproveitado. Mas, antes do Nacional, ele deve participar de um jogo-treino do time nesta sexta-feira.

“Estou me sentindo bem. Já treinei com bola normalmente na sexta [dia 11] e hoje [terça] fiz um treino pela manhã. Estou me sentindo bem para o Campeonato Brasileiro”, afirmou, aos site oficial do clube paulista.

“É um torneio especial e difícil. Espero ter uma sequência e ajudar o Palmeiras”, projetou, se colocando totalmente à disposição do técnico Gilson Kleina.

“Já joguei como centroavante, mas me sinto melhor caindo pelos lados do campo. Mas, se o professor precisar, eu posso atuar nesta posição também”, declarou, quando questionado sobre substituir Alan Kardec em caso de lesão ou suspensão do companheiro.

Leia aqui a matéria completa → NOTICIÁRIO ❘ FOLHA ONLINE

••

NOTICIÁRIO ❘ LANCENET

• Na terceira tentativa por Moreira no Verdão, investidor topa pagar 100%

Por Fellipe Lucena

Audinei Azevedo, investidor que tenta ajudar o Palmeiras a contratar Moreira, do Libertad (PAR), virou protagonista da novela em que se transformou a busca pelo lateral-direito paraguaio. Ele topou bancar 100% da compra, deixando só os salários a cargo do Palmeiras.

Agora, tenta diminuir a pedida do clube paraguaio e do fundo de investimentos representado por Paulo Reichardt, que dividem os direitos econômicos. Eles pedem ao todo US$ 1,5 milhão (R$ 3,3 milhões) e a proposta de Audinei tem valor inferior. Se o negócio sair, o Verdão ficará com 20% do valor de uma futura venda. O investidor terá todo o resto.

É a terceira estratégia diferente na negociação. Em dezembro do ano passado, Verdão e investidor combinaram de dividir igualmente os gastos da compra, mas o clube recuou por causa dos valores. Em janeiro, Audinei se propôs a bancar todo o valor, desde que Roniery, lateral-direito do Paraná que pertence ao seu grupo de investimentos, também jogasse no Palmeiras, que recusou – o jogador acertou com o Bahia.

– O Palmeiras pagaria 50% do Moreira, mas acho que gastou o dinheiro comprando o Leandro. Agora o Brunoro (diretor-executivo alviverde) me falou que ele só virá se eu pagar os 100%. Estou negociando. Ele tem 70% de chance de jogar no Palmeiras, e está fazendo de tudo para isso acontecer – disse o investidor, em entrevista ao LANCE!Net.

Palmeiras e jogador já se acertaram. Moreira assinaria inicialmente um contrato de duas temporadas (limite máximo para estrangeiros), com renovação automática por mais uma. Ele chegaria recebendo US$ 25 mil (cerca de R$ 55 mil) mensais, com reajuste de US$ 10 mil a cada ano de clube, além de produtividade.

Ao Verdão, portanto, só resta torcer para que a proposta do investidor seja aceita e para que nenhum concorrente lhe dê um chapéu. Audinei Azevedo desconsidera a chance de o lateral ir para a Alemanha, alardeada pelo fundo que detém parte de seus direitos, mas diz que outros brasileiros já manifestaram interesse. O risco é se algum deles estiver disposto a abrir o bolso para a compra.

– Ele virá ao Brasil e a nossa prioridade é o Palmeiras, que está negociando há meses – disse Azevedo.

A janela de transferências internacionais reabre no dia 14 de julho. Moreira pode até desembarcar no Verdão antes, mas só poderá jogar após esta data.

As três tentativas por Moreira:

1) Em dezembro, Brunoro e Audinei viajaram ao Paraguai para negociar com o Libertad e o grupo de investidores – o Palmeiras pagaria 50%, e o investidor, os outros 50%. Eles conseguiram diminuir a pedida de US$ 2 milhões para US$ 1,5 milhão, mas o clube recuou.

2) Diante da necessidade do clube na lateral direita, o investidor ofereceu-se para bancar a contratação de Moreira. Em contrapartida, queria ver o também lateral-direito Roniery no Palestra Itália (havia acabado de adquirir os direitos do jogador do Paraná). Verdão não topou.

3) Moreira continua sendo o preferido de Gilson Kleina, mas o clube não tem dinheiro para investir. Por isso, pediu a Audinei Azevedo que bancasse todo o valor da compra. O investidor negocia para diminuir a pedida e colocá-lo no clube para o segundo semestre deste ano.

Leia aqui a matéria completa → NOTICIÁRIO ❘ LANCENET

••

NOTICIÁRIO ❘ ESTADÃO ONLINE

• Palmeiras abre negociações para contratar Serginho

Por Daniel Batista

Enquanto busca reforços para a disputa do Campeonato Brasileiro, o Palmeiras também define a situação dos jogadores que têm contrato chegando ao fim. A diretoria já comunicou ao Oeste que pretende contratar o meia Serginho e nos próximos dias vai discutir o assunto com representantes da equipe de Itápolis.

O vice-presidente e investidor do Oeste, Cidão, é quem vai negociar a transferência do jogador. Serginho está por empréstimo até o dia 31 de maio e seu contrato com o Oeste se encerra em dezembro de 2016. Na negociação, o Palmeiras vai adquirir 50% dos direitos do atleta e deve firmar um acordo de quatro ou cinco anos.

Serginho já deixou claro que gostaria de ficar, embora não seja titular absoluto. Além do meio, ele também é uma boa opção no ataque e na lateral-direita. “Acho que a essa versatilidade pode ser uma vantagem para eu ficar”, aposta o jogador.

Leia aqui a matéria completa → NOTICIÁRIO ❘ ESTADÃO ONLINE

••

NOTICIÁRIO ❘ UOL ESPORTE

• Após comida padrão Fifa, arena palmeirense ganha sorvete italiano exclusivo

Por Danilo Lavieri

Cada vez mais, o palmeirense vai ficando ansioso para poder voltar a assistir jogos no seu próprio estádio. E, na onda do conceito multiuso, o torcedor começa a ganhar outros motivos para contar os dias para a inauguração da Arena Palestra além da bola rolando. A última novidade apurada pelo UOL Esporte fica por conta de um sorvete italiano desenvolvido exclusivamente para a equipe.

Parceira da WTorre, a Diletto, marca italiana de sorvete, ou gelato, como gostam os mais tradicionais, criou o sabor Allianz Parque. Vendido em todas as lojas da rede a partir da semana que vem, o doce tem o gosto de café com um toque de baunilha. O que não é tão doce assim é o preço: R$ 8,00.

Após fechar com a construtora que reforma o estádio, a empresa chegou até a pensar em algum produto com as cores do time, mas preferiu inovar usando uma das principais manias em comum de brasileiros e italiano, o café.

Além dessa novidade, o estádio do Palmeiras também receberá os tradicionais picolés nos sabores de chocolate, limão e coco. Tudo para tentar dar a chance ao torcedor de provar do mais nobre, mas sempre sem esquecer as raízes de um estádio de futebol.

Qual bom e velho frequentador de arquibancada não tem a lembrança de tomar um sorvete de limão no escaldante concreto em um domingo de verão com 40° C?

O sorvete da Diletto se junta a vários outros itens de luxo que o estádio palmeirense oferecerá a seu torcedor. O mais chegado ao fast-food poderá se contentar com o Burger King ou então com um cachorro quente do Dog Haus. O mais tradicional poderá ficar na pipoca, com amendoim ou até sanduíche de pernil nos quiosques da arena.

Aquele que quiser levar a família ou se sentir em um palco europeu poderá provar de pratos rebuscados como ossobuco com polenta cremosa, gaspacho ou salada de frutos do mar. Tudo com o “padrão Fifa” da parceria desenhada entre a construtora, a AEG, gestora norte-americana de arenas, e a Gourmet Sports, braço brasileiro do grupo alemão K&K Group AG.

A Arena tem o custo estimado em R$ 550 milhões e tem toda a iniciativa do setor privado. A previsão é de que as obras sejam finalizadas em junho e que a partida inaugural aconteça em agosto, no mês do centenário palmeirense.

Leia aqui a matéria completa → NOTICIÁRIO ❘ UOL ESPORTE

••

NOTICIÁRIO ❘ GLOBO ESPORTE COM

• ‘Rolezinho’ pela cobertura da Arena Palmeiras mostra andamento da obra

Por Sergio Gandolphi

Quando o torcedor do Palmeiras estiver na arquibancada da sua nova casa, ele vai olhar para o alto e ver uma passarela pouco abaixo da cobertura do estádio. Este espaço é chamado pelos funcionários de “catwalk” e servirá de caminho para qualquer reparo ou manutenção na parte de cima da Arena. O GloboEsporte.com teve acesso a este caminho na última semana e mostra, no vídeo ao lado, os detalhes da visita.

Assista aqui → GLOBO ESPORTE COM

Arquibancada com barras para evitar uma “avalanche” de torcedores, restaurante na parte superior do estádio e a instalação de um dos dois placares eletrônicos são algumas das novidades do vídeo, além da boa visão do gramado que a “catwalk” possui. 

Construtora responsável pela reforma do antigo Palestra Itália, a WTorre espera que o estádio seja entregue ao Verdão no fim de julho, para que o clube já volte a atuar na sua casa durante o Brasileirão.

Leia aqui a matéria completa → NOTICIÁRIO ❘ GLOBO ESPORTE COM

••

BLOG DO ROBERTO AVALLONE ❘ UOL ESPORTE

• Reforços, a angústia da espera

Não seria terça-feira o dia em que Alan Kardec, pai, dissera que aconteceria a definição do acordo entre seu filho, centroavante, e o ansioso Palmeiras? Pois a terça passou e a menos que tenha acontecido o encontro decisivo e mantido em sigilo, o torcedor palmeirense continua sem saber se poderá ou não contar com seu artilheiro para o resto da temporada.

É por essas e outras (a falta de um patrocínio máster ou até mesmo algum mais modesto, no ombro ou nas mangas), que pela primeira vez sinto questionados os métodos do presidente Paulo Nobre, de Brunoro e dos resultados obtidos pelo marketing. É ano do Centenário, sim, mas também ano eleitoral e já existe quem esteja prevendo disputa muito mais acirrada do que parecia entre situação e oposição.

A conferir.

Leia aqui a matéria completa → BLOG DO ROBERTO AVALLONE ❘ UOL ESPORTE

••

COLUNA DO ANTERO GRECO ❘ O ESTADO DE S.PAULO

• Encruzilhada

O futebol no Brasil está no mato sem cachorro – e não me refiro à assembleia que hoje aclamará Marco Polo Del Nero, sem concorrência, como novo presidente da CBF. Muito menos às ações na Justiça comum que ameaçam emperrar o início das Séries A e B de 2014. A encruzilhada com que o esporte mais popular no País topa é de raiz, de transição, sem que se saiba qual rumo tomará daqui em diante.

A dúvida atroz é a seguinte: os Estaduais definham, estão numa penúria de dar dó, morrem por inanição. Se desaparecerem, pelo menos na forma como são disputados atualmente, devem varrer do mapa muitas agremiações, pequenas porém tradicionais, além de enterrar tesouros em histórias de títulos e conquistas.

A tendência que sejam substituídos pelas competições nacionais – o Brasileiro e a Copa do Brasil. Há intenção de fortalecer os grandes duelos, porque interessam mais às emissoras de televisão e aos patrocinadores. Esses torneios, no entanto, não conseguem estimular no público rivalidades tão intensas quanto aquelas bairristas, paroquiais, de fundo de quintal. Ou seja, a rixa entre times do mesmo estado.

Por mais que a tabela da elite, por exemplo, aponte confrontos entre equipes de forte apelo popular, dificilmente veremos estádios cheios e comoção com os resultados, salvo exceções de praxe. Ainda agora provocam mais polêmicas e discussões de boteco um Corinthians x Palmeiras, um Flamengo x Vasco do que clássicos como Corinthians x Fla e Vasco x Palmeiras.

No mínimo, deveriam equivaler-se, já que estão todos em busca da hegemonia. Não é o que ocorre, independentemente do sistema de disputa. Quando havia fase de classificação e, em seguida, os confrontos de eliminação direta, lotação só nas partidas finais, aquelas decisivas. A primeira parte era um mar de lugares vazios nas arquibancadas. Nos pontos corridos, em que cada rodada tem significado único e coloca em jogo pontos imprescindíveis para o título, não mudou muito o panorama – o mais corriqueiro são espaços vagos à espera de gente que venha a ocupá-los.

Algo está muito errado, e não existem programas para quebrar esse círculo vicioso. Pipocam iniciativas, aqui e ali, com estudos universitários, com propostas do Bom Senso, com factoides promovidos por CBF ou federações, que deveriam ser as principais interessadas em encontrar soluções. Entra ano, sai ano, e ocorre esvaziamento dos estádios; no momento, espera-se que, por milagre, as praças esportivas erguidas para o Mundial atraiam freguesia só por sua beleza. Conversa fiada, porque as que estão em funcionamento só viram torcedores a espirrar pelo ladrão em ocasiões esporádicas.

Evocar as diferenças regionais como chamariz não funciona. No máximo, a estratégia se revelará positiva em casos isolados. Por mais que se tente um tira-teima amplo, o Brasil não é como a Alemanha, a Itália, a Espanha, a Inglaterra, a França. Esses países, juntos, não dão metade do nosso. A dimensão territorial pesa – e como! Em todos os sentidos: nos costumes, no antagonismo, nos deslocamentos.

Na Itália, tifosi do Napoli (no sul) levam pouco mais de duas horas de carro, ou uma hora e pouco de trem rápido, para percorrerem os 226 km que os ligam a Roma (no centro). Simpatizantes do Grêmio (no sul)terão de fazer 1.350 km, se quiserem ver o time deles enfrentar o Cruzeiro (no centro). Complicado, não?

O desafio maior talvez se concentre em estimular o torcedor a ir ao estádio, seja lá qual for o campeonato, só pelo prazer de ver seus ídolos em ação. Não importa se o time esteja na rota da taça, no meio da tabela ou na boca do precipício. A tese, levantada pelo colega Leo Bertozzi, da ESPN, faz sentido. Não adianta decretar o fim dos Estaduais e dar moral para os Nacionais, se não se reconquistar o público, se ele não entender que vale a pena sair de casa para um bom programa de lazer.

Enquanto isso não ocorrer, na maioria dos casos estádios semidesertos serão símbolo de indiferença.

••

COLUNA PAINEL FC ❘ FOLHA DE S.PAULO

Por Bernardo Itri

• Tema universal

No Palmeiras, a eleição no fim do ano provoca entra e sai no escritório de Roberto Frizzo, ex-vice de futebol. Ele tem discutido com grupos de conselheiros quais poderiam ocupar as vice-presidências.

• Dividida

“Negociação é negociação“ – Alan Kardec – Principal jogador do Palmeiras, ao explicar que ainda não sabe se continuará no clube e que afirma esperar uma resolução para a negociação entre Benfica e o clube paulista em até duas semanas

••

COLUNA DO JORGE NICOLA ❘ DIÁRIO DE S.PAULO

• Bola fora

O ex-presidente palmeirense Arnaldo Tirone causou constrangimento ao aparecer no lançamento da biografia de Djalma Santos procurando pelo ex-jogador do Verdão — Djalma morreu há nove meses.

••

23 respostas em “VERDÃO NA MÍDIA 16-04-2014: Compreendido por “verde doente”, Kleina se cobra vaga na Libertadores ❘ GAZETA ESPORTIVA NET”

Notícia Urgente: Victorino sentiu a contusão e não joga domingo. Grande REFORÇO: CHICO VAI SE JUNTAR AO ELENCO. 2a. divisão aí vamos nós!!!

Credo que desânimo ver a cara desse Kleia. O pior ainda é comentários sobre Frizzo e Tirone. Agora temos esse Brunoro que é a maior decepção. Fizemos outra idéia do cara quando estava na Parmalat. Também com o dinheiro que tinha até o Frizo/Palaia/Perscamona/Gilton Avalone/Beluzzo/Paulo Nobre/MUSTAPHÁ traria jogadores. Estamos ferrados com Bruno, Wendel, Juninho Pampers, Felipe Menezes, Miguel, Caio Mancha, Chico, KLEINA etc. Segunda divisão ai vamos nós novamente.
ATENÇÃO PAULO NOBRE O KARDEC QUER FICAR. SÓ FALTA VOCÊ APROVAR SEU MÃO DE VACA, MESQUINHO. MANDA O BRUNORO O FEITOSA E OS OUTROS QUE CITEI ACIMA EMBORA E RENOVA COM O CARA PORRA. LUXEMBURGO JÁ!!!!

Futebol do interior quer animal com a noticia abaixo:
São Paulo, SP, 15 (AFI) – Artilheiro do Campeonato Paulista e vivendo sua melhor fase na carreira, tanto é que seu nome vem sendo cogitado para defender a Seleção Brasileira na Copa do Mundo, o atacante Alan Kardec pode formar dupla de ataque com seu ídolo de infância. Isso porque, o francês Thierry Henry estaria negociando com o Palmeiras e tem grandes chances de defender o Verdão no Brasileirão.

O ex-atacante da seleção francesa, do Barcelona e do Arsenal foi visto em uma casa de show em São Paulo nos últimos dias e segundo uma pessoa que se nomeava o seu empresário, afirmou que o jogador está com conversas adiantadas com o Palmeiras e um desfecho deve acontecer em breve.

Categoria de base ZEROOOOOOOOOOOOOOOOOOOO. Patrocínio ZEROOOOOOOOOOOOOOOOOOO. Títulos importantes ZEROOOOOOOOOOOOOOOOO. Contratações ZEROOOOOOOOOOOOOOOOOOO. Comemorações do centenário ZEROOOOOOOOOOOOOOOOOOOO. Mudança do estatuto do clube ZEROOOOOOOOOOOOOOOOOOOO. Brigar com as federações, com a comissão de arbitragem, com a Rede Globo que não passa jogo da SEP, ZEROOOOOOOOOOOOOOOOOOOO. Agora eu pergunto, você torcer é idiota? Você faz a diferença? Lógico que não, tanto faz reclamar, tanto faz não assistir jogos, tanto faz não ser sócio torcedor. Pergunte para um torcedor da Portuguesa se ele faz diferença? Vamos virar um time pequeno, isso é fato, enquanto isso as famílias que mandam na SEP continuam chupar até a última gota. “COMENTÁRIO DE UM TORCEDOR NO BLOG TURMA DO AMENDOIM. Sinceramente, ele está certo.

Valdivia precisa entrar na competiçao consciente. de que o time depende muito dele e parar de tomar cartões amarelos bobos.Cabe ao treinador conversar com o jogador sobre isso mas duvido
que seo Gilso tenha autoridade pra isso.

Kleina eu quero o TÍTULO!!! Não somente vaga para a libertadores.
Sobre o Tirone, melhor deixar pra lá.

Credo que desânio ver a cara desse Kleia. O pior ainda é comentários sobre Frizzo e Tirone. Agora temos esse Brunoro que é a maior decepção. Fizemos outra idéia do cara quando estava na Parmalat. Também com o dinheiro que tinha até o Frizo/Palaia/Perscamona/Gilton Avalone/Beluzzo/Paulo Nobre/MUSTAPHÁ traria jogadores. Estamos ferrados com Bruno, Wendel, Juninho Pampers, Felipe Menezes, Miguel, Caio Mancha, Chico, KLEINA etc. Segunda divisão ai vamos nós novamente.

O Levi tinha dito isso do tinhonhe em outro post. Isso é inacreditável, ridiculo, essa caa JAMAIS deveria ter sido presidente do Palmeiras, meldels do céu, cocõ é muito naquela cabeça.

onde está o MARKETING DO PALMEIRAS ??? CADÊ OS PATROCÍNIOS ??? Gambás acabam de fechar mais 2 e o Flamerda outro !!! NINGUÉM DÁ SATISFAÇÃO ALGUMA DOS CUSTOS DESTE DEPTO. X RETORNO ZERO !!! INACREDITÁVEL !! UM VEXAME !!! UM DESPERDÍCIO !!! E AINDA O KARDEC VAI ACABAR NOS GAMBÁS !

Essa mentalidade dos times brasileiros de se contentarem com classificação para a libertadores é medíocre e perdedora. A verdade é que todos os times grandes entram para serem campeões, mas mesmo aqueles com bom elenco, de tanto medo em afirmar isso dizem que a classificação é excelente. Pior que repetem tanto isso que no meio do caminho, no primeiro sinal de dificuldade, acabam acreditando que a classificação é excelente e entregam o título. É praticamente aquela velha história da mentira que quando contada muitas vezes se torna verdade. Esse falso moralismo e respeito praticado com o intuito de esconder as falhas de planejamento e de decisão de diretoria, técnicos e jogadores é mais um dos motivos do futebol estar ficando a cada dia mais chato e politicamente correto pela frente, mas bagunçado e corrupto por trás. Hoje ainda só lembramos e celebramos os campeões, mas no fundo nos portamos como derrotados e acomodados que se contentam com a simples classificação de uma libertadores da américa ao invés do título brasileiro, mesmo sabendo que com o título também ganhamos a vaga! Rídiculo esse Kleina e todos que pensam assim, deveria pensar em ser campeão! Que Pena.

Esse tirone não tinha condições mentais de ser presidente do palmeiras. Pior que ele são aqueles que colocaram ele lá.

Caros amigos do blog, o campeonato brasileiro começa no fim de semana e devemos ficar atentos para fatores que se repetem e nos custam caro todo ano, independentemente de quem dirige o clube. Agora é minha vez de dar uma de filho da mãe Dinah e fazer previsões. E em vez de reclamarmos da vida, acredito que deveriamos ficar atentos para a turminha que sempre nos sacaneia ou continuar reclamando, reclamando:…………………………………………………1. ARBITRAGEM
Nos rebaixou em 2012 e é quem decide os campeonatos no Brasil….No Paulista deixaram quebrar nossos melhores jogadores no mata-mata….Como o conselheiro do clube, o del nero, que será o novo presidente da cbf vai se comportar?…Vai DEIXAR nos roubarem mais uma vez para provar que é “neutro” (merda que todo palmeirense da tupiniquim press faz…. ou ao menos tentar que não nos prejudiquem), o que já será uma baita ajuda?…O Marin e o André Sanches batem no peito que defendem seus clubes….e esse conselheiro que colocou o filho para faturar nos lucrativos deptos de Marketing e justiça na gestão Tirone?……………………………………..2. PAULO SCHMIDT E A CAPITANIA HEREDITÁRIA CHAMADA STJD
O tal procurador que só assiste jogos do Palmeiras vai perseguir nossos melhores jogadores como de costume?
Aposto no Kardec e Valdívia….Quantos mandos de campo iremos perder nesse tribunal de araque que julga pela cor da trancinha?…Quantos de nossos jogadores serão MAIS UMA VEZ JULGADOS POR IMAGENS? ……………………………………….3. TUPINIQUIM PRESS
Vai continuar elogiando e escondendo os podres de nossos rivais e criando crises no Palmeiras?…Por dar uma risada em uma pergunta safada de um repórter sobre o 3. amarelo, Valdívia foi suspenso 2 jogos….graças ao gambá risek que ligou para o filho herdeiro da capitania hereditária Zweiter para suspende-lo. E olha que isso não aconteceu para jogadores dos gambás e flajuto. E O FELIPE QUE DISSE QUE TÍTULO ROUBADO É MAIS GOSTOSO?????….Onde andam os arautos da moral e bons costumes da mídia que usam 2 pesos e 2 medidas quando se trata de Palmeiras?….E os covardes dos tais jornalistas palmeirenses como o Noriega, Mauro Betting e pvc vão continuar se calados quando o Palmeiras é roubados, para provar que são “ISENTOS”???…………………………………………………..4. GLOBO
Vai continuar não transmitindo nossos jogos e assim matar 2 coelhos com uma cajadada só?Ao não transmitir nossos jogos, afasta potenciais patrocinadores que não têm sua marca exposta….MAS ela não abre mão de sua grana palmeirense no PPV e força vc a assistir os jogos do Palmeiras lá………E apesar de ter sempre 8 câmeras nos jogos, sempre mostra só o ângulo que pode nos prejudicar ou está em dúvida….e desaparece com os que provam os roubos?….O guaciba, Márcio Rezende, o PCO (agora comentarista da globo) e o Arnaldo Rabbitt vão continuar brigando com as imagens, quando se trata de palmeiras?
Seus comentaristas torcedores de nossos rivais vão relativar os erros de arbitragem, com a velha ladainha de que eles “ERRAM PARA OS 2 LADOS”, e que no fim os erros se anulam?……………………………………………………4. TORCIDA PALMEIRENSE
Vai continuar reclamando da vida em vez de tentar ajudar o clube, cobrando das arbitragens, del nero, globo e tupiniquim press neutralidade?…Ou vai continuar caindo na pilha da tupiniquim press que sempre publica notícias safadas do Palmeiras e esconde os podres dos rivais?…Vamos perder quantos mandos por causa da tal TO?…Pq a TO jamais protestou contra o Mustafá, que há anos manda no clube e sempre vira oposição dos presidentes que ele ajuda a eleger, depois do 1. anos de mandato?…Vamos continuara A PROPAGAR e MULTIPLICAR as notícias negativas que a tupiniquim press inventa sobre o Palmeiras e entrar em desespero?…Vai continuar a escrever nos sites e blogs que só pq o Palmeiras não tem medalhões MERECE SER ROUBADO pelas arbitragens?…Vamos cobrar dos dirigentes e presidente do clube que tome posição TODA VEZ QUE o CLUBE FOR ROUBADO E SACANEADO NESSE CAMPEONATO?
……………………………………………O campeonato começa em poucos dias, depois não reclamem do que já sabem que vai acontecer…………………………….Sugiro que os blogs da outrora unida tal mídia palestrina, publiquem depois de todo os jogos SCREENSHOTS dos lances que nos roubaram, para os cegos da torcida e da diretoria ver se abrem os olhos.

Levi, assino embaixo.
Já temos problemas demais para ainda ter que lidar com todos esses que você descreveu.

E aí Levi, tudo bem? Concordo com tudo que você disse, mas as vezes acho que você usa todos esses argumentos para desviar o foco dos erros de nossa diretoria. Mas tenho certeza que mesmo que NÃO acontecesse todas essas previões que você fez, ainda sim não temos time, elenco, técnico e receitas para, sequer, brigar por uma vaga na Libertadores. Sem ovos, mesmo que joguem uma tonelada de pimenta malagueta depois, não dá para fazer omelete.

Não Gustavo, tem muita coisa que não concordo (Marketing, jogadores meia-boca, empréstimos, política nojenta do clube…). Mas o presidente e o diretor de futebol ficam até o fim do ano. E do tal Perin, eu nunca tinha ouvido falar até se candidatar. Depois da eleição ninguém sabe por onde anda e o que faz. Em vez disso só se ouve falar de Pescamona e Frizzo como candidatos. Belluzzo teve a chance de dar uma canetada e separar o clube do social e não fez. PN pode fazer isso também e não fará infelizmente. Apenas penso que se alguém quer mudar algo no Palmeiras, vai lá e tira o Mustafá e o Della Monica. Se ninguém consegue e quer fazer isso, não adianta ficar reclamando e sim procurar ver o que se pode fazer para neutralizar esses outros fatores que há anos simplesmente acabam com qualquer tentativa de se reerger o Palmeiras. N~åo entendo como até hoje a torcida organizada jamais protestou ou tomou alguma iniciativa contra o Mustafá.E nós torcedores infelizmente ainda não descobrimos a força que temos, mas para isso, precisamos todos atirar na memsma direcão e não entre nós mesmos.

Quanto a torcida ficar reclamando sobre erros de arbitragem, jogos na Tv aberta, jornalistas tripudiando o Palmeiras, etc, estamos de acordo. MAs quem tem que atuar e minimizar isso, e o PRESIDENTE do clube que tem que levantar a bunda da cadeira e se mexer. Se reunir com gente que tem poder no futebol, Del Nero, Ministro Aldo Rebelo, etc e nao ficar se reunindo com o Sapo do COF que fora do Palmeiras nao apita porra nenhuma. Enquanto esse Banana 3 se reunia com o diretor do Facebook para receber elogios e nada de grana, o JJ Whisky se reunia com o Diretor de Esportes da Globo e pegava 54 milhões de adiantamento de cotas, com esse diretor da Globo dizendo que estava abrindo uma exceção para bicharada. Entendeu a diferença? O que nos torcedores, blogs, temos que fazer e cobrar sim a Diretoria do Pameiras para esses caras se mexerem e pararem, esses sim, de reclamarem que nao tem dinheiro, etc
Abraco

Os comentários estão desativados.