Categorias
Verdão na Mídia

VERDÃO NA MÍDIA 28-04-2014: Palmeiras anuncia contratação do atacante Henrique ❘ UOL ESPORTE

NOTICIÁRIO ❘ UOL ESPORTE

• Palmeiras anuncia contratação do atacante Henrique

O Palmeiras anunciou nesta segunda-feira a contratação do atacante Henrique. O jogador chega para reforçar o setor do time, que pode perder o titular Alan Kardec para o São Paulo nos próximos dias.

O jogador de 24 anos foi contratado por empréstimo até o fim de 2014. Henrique pertencia ao Mirassol, mas defendia a Portuguesa. Neste ano, ele marcou sete gols no Paulistão.

“Brigo muito pela bola, gosto muito do contato físico. Tento me superar nisso, ter superioridade nos adversários no vigor físico. E, dentro da área, tenho muita tranquilidade para fazer gols e isso vem dando resultado até hoje”, afirmou Henrique ao site oficial do Palmeiras.

Henrique se destacou na boa campanha do Mogi Mirim no Paulistão de 2013 e foi contratado pelo Santos após o Estadual, porém, não se firmou no time alvinegro e acabou repassado para a Portuguesa.

O ataque do Palmeiras está perto ganhar o desfalque de Alan Kardec. A novela da renovação contratual está perto do fim, mas o futuro do jogador deverá ser o São Paulo.

Leia aqui a matéria completa → NOTICIÁRIO ❘ UOL ESPORTE

••

NOTICIÁRIO ❘ GLOBO ESPORTE COM

• Sem Kardec, Henrique vira solução e chega pressionado ao Verdão

Por Carlos Augusto Ferrari

Henrique seria apenas mais um reforço para melhorar o nível e aumentar as opções do elenco do Palmeiras. Mas a ida de Alan Kardec para o São Paulo transformou a contratação do centroavante. De aposta, o destaque da Portuguesa no último Campeonato Paulista virou solução. E terá de suportar a cobrança se quiser vingar na segunda passagem por um grande clube.

A atuação do Verdão na derrota para o Fluminense, sábado, no Pacaembu, exibiu toda a dependência de Kardec. Sem o atacante, o time foi uma presa fácil para a defesa carioca. Valdivia, Leandro e Marquinhos Gabriel, todos jogadores de velocidade, não renderam como o técnico Gilson Kleina esperava e decepcionaram a torcida.

Henrique, aliás, possui características diferentes de Kardec, detalhe que obrigará os companheiros de setor ofensivo a se adaptar ao novo estilo. O jogador costuma se posicionar entre os zagueiros, saindo muito pouco da área, algo que o antigo centroavante da equipe tinha liberdade para fazer.

A seu favor, Henrique conta com o bom desempenho em 2014. Mesmo com o início de ano turbulento da Portuguesa, mergulhada em disputas judiciais para se manter na Série A do Brasileirão, o jogador marcou sete gols e chegou a liderar a artilharia do Paulistão. No entanto, perdeu espaço com a eliminação do time ainda na primeira fase.

Por outro lado, o atacante não agradou quando foi contratado por outro grande clube do estado. Em 2013, Henrique defendeu o Santos após se destacar no Mogi Mirim, mas acabou sendo pouco utilizado e saiu pela porta dos fundos. Antes, só acumulou passagens por times menores, como Flamengo de Guarulhos (2007-2008), Lemense (2009), União São João (2010-2011), Santo André (2011), Cianorte (2012), Chapecoense (2012).

Leia aqui a matéria completa → NOTICIÁRIO ❘ GLOBO ESPORTE COM

••

NOTICIÁRIO ❘ GAZETA ESPORTIVA NET

• Kleina se prepara para perder Kardec e insiste em pedir mais reforços

Por William Correia

Caso seja confirmada a ida de Alan Kardec para o São Paulo, o Palmeiras precisará buscar outro centroavante no mercado. Mas Gilson Kleina ressalta que não basta só isso. O técnico insiste para que a diretoria não se esqueça das carências que seu elenco já tem no ataque e, principalmente, na lateral direita.

“Vamos ver se esse desfecho acontece logo porque é muito importante arrumarmos outras situações e posições carentes”, afirmou o treinador, falando do incômodo sobre a situação de seu artilheiro, que recebeu oferta superior do arquirrival do Morumbi e pode rescindir já o seu contrato a pedido do Benfica, dono de seus direitos econômicos.

A ausência de mais um lateral direito no grupo já obrigou Kleina a improvisar no setor no jogo que eliminou o time do Paulista, na derrota para o Ituano. Volante de origem, Wendel é titular no setor e seu reserva, Bruno Oliveira, não passa confiança ainda porque teve duas lesões musculares em menos de quatro meses neste ano.

No ataque, o pedido era de um reserva para Alan Kardec e Henrique, autor de sete gols no Paulista pela Portuguesa, deve ser anunciado oficialmente em breve. “Sempre enaltecemos nosso elenco, mas temos carências e precisamos nos reforçar. Não estamos passando o dia e a hora, conversamos para qualificar”, contou Kleina.

Agora, a dor de cabeça pode passar a ser por um substituto do artilheiro do time. “Se concretizar a ida do Alan, vamos precisar de planejamento e vamos fazer uma reunião. O time tem uma característica diferente quando não utilizamos o Alan. Teremos que analisar, ver bem dentro do mercado e buscar situações”, disse Kleina em sua participação no programa Mesa Redonda, da TV Gazeta, nesse domingo.

“Não vamos tentar preencher com os requisitos que são do Alan, que joga em três posições. Se acontecer a saída do Alan, tenho que solucionar dentro do grupo para voltar a ter equilíbrio ofensivo e defensivo, procurar dinamismo”, declarou, ciente de que deve mudar o esquema tático sem o camisa 14.

Leia aqui a matéria completa → NOTICIÁRIO ❘ GAZETA ESPORTIVA NET

••

NOTICIÁRIO ❘ LANCENET

Depois de Kardec, São Paulo prepara novo bote no Palmeiras: Wesley

Por Fellipe Lucena e Marcio Porto

A diretoria do Palmeiras já iniciou as conversas para renovar com o volante Wesley – embora ele tenha contrato até fevereiro de 2015 -, mas terá de ser ágil para não reviver um pesadelo. Muito próximo de anunciar o atacante Alan Kardec, o São Paulo observa a situação do camisa 11 alviverde e planeja uma ofensiva para agosto, quando ele poderá assinar um pré-contrato com qualquer clube para sair sem custos quando o vínculo atual chegar ao fim.

Muricy Ramalho é fã de Wesley e a diretoria são-paulina sabe disso, tanto que chegou a sondar as condições para contratá-lo há pouco tempo, mas recuou depois de saber os valores que precisaria desembolsar para tirá-lo do rival agora. A ideia, então, é agir sem pressa para ter o reforço no ano que vem.

O Verdão trabalha com duas opções: vender o volante na janela europeia que abre em 14 de julho para aliviar o caixa ou ampliar o vínculo por um longo período, o que significaria manter uma peça importante no esquema de Kleina e ter a chance de lucrar ainda mais no futuro – é difícil que um clube se disponha a pagar grandes valores por um jogador com o contrato próximo do fim.

Wesley quer renovar, mas o clube pretende reduzir seu salário e estabelecer ganhos por produtividade. As partes se reuniram mais de uma vez e a diretoria sabe que uma alternativa é firmar vínculo longo, de quatro ou cinco anos, dando segurança ao atleta. A questão, porém, não é tratada como urgente.

– Meu contrato na Alemanha era de produtividade. Só depende como é. Não tive oportunidade de participar das reuniões, mas creio que, em breve, se for a vontade do Palmeiras, vou participar para entender melhor – disse o jogador, no sábado.

Leia aqui a matéria completa → NOTICIÁRIO ❘ LANCENET

••

BLOG DO LUIZ ANTÔNIO PRÓSPERI ❘ ESTADÃO ONLINE

• Nobre e a carruagem verde rumo à Série B

Paulo Nobre, presidente do Palmeiras, disse que não seria refém do centenário do clube. Disse ainda que não faria loucuras para montar um time forte nem a conquista de um título seria uma obsessão no seu mandato. Para Nobre, o importante era sanear o clube e iniciar a profissionalização administrativa no velho Palestra. Adiantou também que nenhum jogador teria cadeira cativa.

O projeto de Nobre seria perfeito se a torcida estivesse convencida de que os dois anos de governo do novo presidente seriam mesmo para arrumar a casa e colher frutos mais tarde. Faltou ao presidente “convencer os russos”.

Diante das últimas informações, o tal saneamento das contas do Palmeiras anda a conta-gotas. Na tentativa de não endividar ainda mais o clube, Nobre já avalizou em seu nome cerca de R$ 85 milhões em empréstimos direcionados ao Palmeiras.

Do outro lado, cumpriu à risca a promessa de que não seria refém de jogadores. Perdeu Barcos, sem muito esforço. Deixou Henrique ir embora, entendendo que a zaga estava bem servida. E agora deve perder Alan Kardec, um atacante que ele, Nobre, fez questão de reinventar quando o resgatou do time B do Benfica para ser o novo Evair. Pior, Kardec vai reforçar um rival direto.

Aliás, Nobre deve sair humilhado dessa transferência. Teria levado um belo chapéu do presidente Carlos Miguel Aidar que, diferente de Nobre no Palmeiras, quer devolver ao São Paulo seus dias de soberania no futebol brasileiro.

Nobre não se diz refém de jogadores, mas se deixa levar pelos conhecimentos que Kleina tem do futebol. E até por isso engole do treinador sugestões de contratações e renovação de contratos de jogadores fraquíssimos como Wendel, Thiago Alves, Juninho, Josimar, Serginho, Mazinho, Marcelo Oliveira, o goleiro Bruno, o menino Miguel, entre outros. Jogadores com perfil de times pequenos do interior paulista de onde a maioria deles saiu.

Kleina, em dois jogos de Série A, foi engolido por Caio Júnior mesmo com a vitória injusta do Palmeiras e, neste sábado, levou um banho de Cristóvão Borges, do Fluminense. Jogando em casa, armou o Palmeiras na retranca e deixou tudo para Valdivia, o messias, resolver.

Se não reforçar o time e insistir com Kleina, Paulo Nobre pode conduzir a carruagem verde para a Série B sem muitos solavancos.

Leia aqui a matéria completa → BLOG DO LUIZ ANTÔNIO PRÓSPERI ❘ ESTADÃO ONLINE

••

BLOG DO MENON ❘ UOL

• Pescarmona: “Eu daria os R$ 20 mil para que o Kardec continuasse no clube”

Wlademir Pescarmona, 62 anos, conselheiro vitalício do Palmeiras, faz parte da chapa União Verde e Branca, de oposição ao presidente Paulo Nobre. Ele considera que a questão de Alan Kardec foi muito mal dirigida pela atual diretoria. “O Paulo Nobre vai ter de explicar muita coisa. O que ele quer é se eternizar na presidência e deixar o Palmeiras refém de seu dinheiro”, afirmou em entrevista ao blog. Leia abaixo.

Como você analisa a questão Alan Kardec?

Não queremos criar confusão e por isso colocamos um manifesto institucional na nossa página da Internet. Gostaria que você publicasse. Quanto ao Kardec, foi uma coisa muito mal feita. Como você pode perder um dos principais jogadores do time para o rival? Um jogador que foi recuperado pelo clube, que era reserva no Benfica? Se a diferença fosse de R$ 200 mil mensais, eu entendo. Mas R$ 20 mil mensais nessa situação, não.

O que poderia ser feito?

Se o Paulo Nobre me pedisse, eu daria R$ 20 mil por mês para manter o Kardec. Outros diretores também dariam. Ou, então, todos se uniriam e dariam um pouco e ficaria mais fácil. Essa é uma solução, mas tenho certeza que haveria outras. Foi falta de gerenciamento mesmo. Tem torcedor culpando o São Paulo, mas eles não fizeram nada de errado. Viram uma situação de negócios mal dirigida e foram para cima.

Por falar em dar dinheiro, é verdade que Paulo Nobre já colocou R$ 85 milhões no clube?

É o que se fala. Pedimos explicações à diretoria. É necessário saber quanto entrou e como vai sair. Qual instituição financeira fez o negócio? Quanto vai ser pago de juros? A impressão que fica é que Paulo Nobre deseja que o clube fique refém do seu dinheiro e isso permita que se eternize na direção ou que os próximos presidente fiquem devendo a ele.

Mas isso não parece muito maquiavélico?

Olha, como um clube gigante como o Palmeiras não consegue ter um patrocínio máster no ano de seu centenário? Isso é totalmente inexplicável e faz a gente pensar e tudo. Já faz um ano que o clube não tem patrocínio, como isso pode ser uma boa gestão. Essa briga com a WTorre também é estranha. Eles poderiam ser um parceiro forte por mais de 30 anos.  Muitas fontes de renda são afastadas e o clube deve a ele.

E a questão de título no centenário, que vocês abordam no manifesto?

Foi o gerente que falou. Disse que o clube não tem obrigação de ser campeão no ano do centenário. Isso é errado no campo esportivo e no campo de marketing. Quem vai querer investir em um clube que não tem obrigação de ser campeão? Se eu sentar naquela cadeira, vou pensar em título o dia todo.

Por que o senhor não cita o nome do Brunoro, fala apenas “o gerente”?

Para não criar mais confusão , não apontar culpados, não criar inimizades.

O senhor é candidato?

A eleição será em duas etapas. Na primeira, em outubro, é preciso conseguir 15% da votação, o que significa 42 conselheiros. Em novembro, há a eleição junto aos associados. Nós vamos concorrer. Somos do grupo do professor Belluzzo.

E o grupo do Mustafá?

É um grupo forte. Temos muitas diferenças com eles, mas estamos conversando.

O manifesto é o seguinte:

Caro Palmeirense,

A União Verde e Branca, grupo que representa um grande número de conselheiros e associados da nossa querida Sociedade Esportiva Palmeiras, se sente na obrigação de manifestar o seu posicionamento sobre os desdobramentos do “Caso Alan Kardec” e os rumos do alviverde imponente.

Temos consciência que uma política financeira é um dos pilares fundamentais para o sucesso da nossa querida instituição, assim como a geração de receita, foco inexistente nesta gestão. Entretanto, limitar todas as nossas ações apenas e exclusivamente sob essa ótica é uma miopia e distorção que nos fragiliza em nossas premissas básicas e históricas.

É dever, sim, de todo o gestor zelar pelos nossos recursos. Mas é uma obrigação ainda maior preservar a nossa honra, dignidade e tradição como uma das maiores instituições esportivas do mundo.

Nosso compromisso maior deve ser com o talento e com as conquistas. Só assim que nos tornamos o Campeão do Século XX. Só assim que conquistamos o nosso prestígio e respeito no mundo esportivo. Investindo em craques, formando ídolos e lutando por títulos.

Causa-nos repulsa e indignação quando um gestor que comanda os destinos do departamento de futebol um clube centenário como o Palmeiras vem a público e diz que o nosso querido alviverde “não trabalha com a obrigação de ganhar um título no centenário”.

Ora, isso é contraditório. Fere princípios. Não combina com o Palmeiras que idealizamos. Note a inversão de valores. Vai na contramão de tudo o que diz a nossa gloriosa história. O Palmeiras SEMPRE tem a obrigação de ganhar títulos. Em qualquer situação ou cirscuntância. É isso o que o torcedor almeja e deveria ser a meta de todas as gestões.

Com uma declaração dessas, o gestor assume abertamente que a ambição do Palmeiras atual é ser um bom coadjuvante. Um time onde o compromisso com a vitória passa ao largo.

Sobre Alan Kardec, um dos principais jogadores do atual elenco, que goza da simpatia e admiração do torcedor, o descaso e passividade com a questão é sintomático. Beira o desdém e a prepotência.

“Não veria surpresa nenhuma [a saída de Alan Kardec para um rival]. Qualquer jogador bom não fica se aparece boa proposta. Não é uma situação do Palmeiras, é uma situação do mercado. Então esse tipo de situação pode acontecer. Estamos na ciranda do futebol”, disse o gestor.

Boa Proposta? Ciranda do futebol? Situação de mercado? Não veria surpresa? Que história é essa? Acha que o palmeirense é um alienado? Que aceitamos passivos a perda de um atleta?

Nossa resposta é NÃO. Perder um jogador fundamental do elenco, para um rival, por uma diferença salarial de pouco mais de R$ 20 mil e ainda não conseguir exercer a prioridade que tinha (ou não tinha?) sobre o atleta se enquadra aonde? Numa boa proposta? Na ciranda do futebol? Ou numa situação de mercado?

Pura bravata, que escancara uma gestão forjada na pirotecnia, na preocupação exacerbada com a imagem e que evidencia um total descomprometimento com a grandeza do Palmeiras.

A esse pensamento, modelo e filosofia repudiamos com veêmencia. Isso não atende a necessidade do nosso apaixonado torcedor, razão maior de nossa existência, que é ignorado em seus anseios pelos atuais gestores. E não resolve nossos problemas. Pelo contrário.

São milhões de almas que esperam de seus comandantes o respeito e a mentalidade que o Gigante Palmeiras merece.

O Palmeiras não tem donos, mas sim representantes de uma coletividade unida em torno de uma única paixão. Ele pertence a todos, dos mais humildes, ao mais privilegiados.

Torcemos pela manutenção de Alan Kardec e pela conquista de mais um título brasileiro, afinal somos os maiores vencedores nacionais. E assim desejamos ser por longo tempo e promissores tempo.

Leia aqui a matéria completa → BLOG DO MENON ❘ UOL

••

BLOG DO MAURO BETING ❘ LANCENET

• Rasgar carteirinha

No passado, derrotas vexatórias levavam a uma ação coletiva-individual que virou expressão:

– Se o time perder tal jogo ou qual campeonato, eu rasgo minha carteirinha de sócio!

Até quem não era sócio “rasgava”. Quando havia como rasgar um pedaço de papel. Não as carteiras de plástico atual.

Hoje, e a saída de Alan Kardec é caso para reflexão, a ameaça é desfiliação do plano de sócio-torcedor.

Atualização para os dias de hoje do ato de rasgar carteirinha.

Um retrocesso sempre.

Entende-se a raiva, ira, tristeza, desidratação, frustração, decepção, tudo do torcedor.

Mas não se pode tolerar o abandono. Ainda mais em um momento em que tanto o clube precisa.

O sócio-torcedor é do clube. Não do gestor atual. O dinheiro que entra vai pro clube, não pro bolso do dirigente. O investimento no plano é por um clube mais rico, mais forte, mais tudo.

Deixar de pagar o sócio-torcedor não é bom para o sócio e muito menos para o torcedor.

Existem outras maneiras de cobrar. Protestar. Exigir.

Pelo bolso, sabidamente, sempre dá mais resultados.

Mas, no caso, os placares serão ainda piores.

Leia aqui a matéria completa → BLOG DO MAURO BETING ❘ LANCENET

••

BLOG DO LUCIANO BORGES ❘ TERRA

• Risco de crise preocupa comissão técnica do Palmeiras

O presidente do Palmeiras, Paulo Nobre, convocou a imprensa para uma entrevista coletiva na Academia de Futebol. Deve explicar se o clube perdeu mesmo o atacante Alan Kardec para o São Paulo. E tentar convencer os palmeirenses de que a direção não errou.

O jogador é ídolo: sua camisa é a mais vendida entre a de todos os integrantes do atual elenco.

Uma crise se avizinha na Academia de Futebol do Palmeiras. E o gatilho pode ser o desfecho das negociações para reforma de contrato com o atacante Alan Kardec. Se o clube não conseguiu evitar a ida do atleta parta o São Paulo, os dirigentes poderão sentir a pressão dos torcedores, tanto organizados, quanto apaixonados. O Blog do Boleiro recebeu e-mails de palestrinos que aderiram ao programa Avanti, mostrando a vontade de cancelar o plano.

A avaliação da crise nas arquibancadas e em campo é da comissão técnica do time. Ninguém fala publicamente, mas ficou claro que se Kardec for embora, o atual elenco perde o único atacante confiável no momento. Daí a pressão que o técnico Gilson Kleina faz para que os dirigentes tentem segurar Kardec. “Ele é ótimo jogador e vinha bem, animado e contribuindo para o grupo”, avalia o treinador.

Neste domingo, Kleina conversou com José Carlos Brunoro, executivo de futebol, e Omar Feitosa, gerente. Ouviu que ainda há possibilidade do clube renovar contrato e comprar os direitos econômicos do atleta. Uma reunião ficou marcada para esta segunda-feira. “Vamos ver se o Kardec vai treinar”, disse o técnico.

Mas o técnico anda ressabiado. Afinal, este episódio com Kardek lembra o que aconteceu no início da temporada de 2013, quando o clube trocou Barcos com o Grêmio, pegando em troca cinco atletas e uma quantia em dinheiro. Na época, Kleina participava de um programa na TV Bandeirantes e foi informado pelo repórter da perda do atacante titular.

Não deve ser difícil o treinador achar que pode ser atingido pela crise provocada por mais uma perda de jogador. Aliás, Brunoro já tinha admitido que a política de salários com um piso menor e bonificações por desempenho  poderia frustrar contratações ou a manutenção de jogadores.

Leia aqui a matéria completa → BLOG DO LUCIANO BORGES ❘ TERRA

••

COLUNA DO JORGE NICOLA ❘ DIÁRIO DE S.PAULO

• Kardec fechou com o Tricolor há 10 dias

O Palmeiras só foi informado por Alan Kardec sobre o acerto com o São Paulo anteontem, pouco antes do jogo contra o Fluminense. Porém, o atacante já havia batido o martelo com o Tricolor na Sexta-feira da Paixão, há dez dias.

O acordo foi selado na casa do presidente do São Paulo, Carlos Miguel Aidar. O encontro, que ocorreu por volta das 20h, ainda contou com a presença do vice-presidente de futebol tricolor Ataíde  Gil Guerreiro, do pai de Alan Kardec, que tem o mesmo nome do centroavante, e do agente Marcos Casseb.

Para fechar, o São Paulo prometeu salário de R$ 350 mil por mês ao atacante e luvas de R$ 1,7 milhão — Casseb ficará com uma parte, um outro empresário terá direito a outra e o restante será dividido entre Kardec e o pai.

Apesar de ter o “sim” do jogador há tanto tempo, Aidar só pôde dar a contratação como encerrada no sábado. Durante o periodo, ele acertou a compra com o Benfica, por R$ 14 milhões, e esperou que Kardec falasse do acerto a Paulo Nobre.

• Boi na linha

O pai de Alan Kardec ligou no meio da última semana a Aidar para informar que havia sido procurado pelo Corinthians. O interlocutor alvinegro prometia um salário ainda maior do que o fechado com o Tricolor.

• Palavra de honra

No mesmo contato com Aidar, o pai de Kardec assegurou que ignorou a oferta corintiana, pois faria valer o acerto do dia 18 na casa do são-paulino.

• Ironia do destino

Alan Kardec era o principal garoto-propaganda do Avanti. Por causa de sua saída, centenas de palmeirenses anunciaram ontem que cancelarão a participação no programa.

• Na faixa?

Diretor jurídico do Palmeiras até 2012, Piraci Oliveira detonou a diretoria pela perda de  Kardec. “Se o Brunoro ganhasse por produtividade, qual seria o salário dele este mês?”, indagou.

••

COLUNA DO PAULO VINÍCIUS COELHO ❘ FOLHA DE S.PAULO

• Economia porca

A diferença do Palmeiras com Alan Kardec ou sem o centroavante ficou mais evidente na derrota de sábado. Com o centroavante, o time jogou mal, mas foi salvo por gol seu, em Criciúma. Em casa, perdeu do Fluminense, bem melhor durante toda a partida.

Pode parecer justificativa barata de Gilson Kleina o argumento de que a indefinição influenciou na derrota. Mas pense nos jogadores de um time que vem da Série B, evolui aos poucos e tem sua única opção de ataque anunciando a saída para um rival histórico.

Desânimo!

O sinal externo é de que o Palmeiras deixa aos poucos de se equiparar a Santos, São Paulo e Corinthians. Na cadeia alimentar do futebol, é capaz de tirar o centroavante da Portuguesa, Henrique, mas incapaz de evitar que Alan Kardec vá para o Morumbi.

Meses atrás, Felipão se encontrou com Gilson Kleina e lhe perguntou como era exatamente o papel tático de Kardec, quando saía da área. Ouviu que, às vezes, Valdivia se tornava o centroavante e Alan fazia o papel de ponta-de-lança ou até ponta-direita, marcando laterais. Felipão respondeu: “Posso descansar o Neymar!”

O diálogo não se refletiu em convocação, mas destaca a importância tática do centroavante. O time inteiro ganha com sua capacidade de entender o jogo e exercer diferentes funções. Até Valdivia. E na hora de decidir, quem resolvia era Alan Kardec, não o meia chileno.

A diferença do Palmeiras com seu centroavante e sem ele pode ser a de uma equipe que brigue no Brasileirão acima do décimo lugar e, eventualmente, aproxime-se de zona de classificação para a Libertadores. Ou de um time que outra vez brigue para não ser rebaixado. Com Kardec, o time empatava com o Ituano na semifinal do Paulista. Depois de sua lesão, perdeu de 1×0.

É justa a lembrança de que a crise econômica passa pelas trapalhadas da gestão anterior, de Arnaldo Tirone. Também vale ressaltar o interesse do empresário Marcos Casseb em levar Kardec ao São Paulo, o que dificultou o acesso da diretoria palmeirense ao atacante. Só que desde o ano passado havia o alerta das pedras no caminho para implantar a política de bônus salariais num time que paga R$ 700 mil a Valdivia.

Kardec poderia aceitar R$ 210 mil e alcançar os R$ 350 mil oferecidos no Morumbi se apostasse na sequência do trabalho para fazer o Palmeiras campeão. Mas por que deveria receber metade de Valdivia, se este cumpre o contrato assinado em 2010 e não precisa ser campeão para arrecadar mais?

Ao deixar Alan Kardec escapar, o clube também sinaliza que é remota a chance de outros atletas ganharem bônus por resultados, porque o clube tem limites para manter um time capaz de se tornar campeão em curto prazo.

A economia de palitos de fósforo pode provocar um incêndio.

••

137 respostas em “VERDÃO NA MÍDIA 28-04-2014: Palmeiras anuncia contratação do atacante Henrique ❘ UOL ESPORTE”

Eu como torcedor do palmeiras a mais de l5 anos estou desepcionado com este presidente que parece um fantoche, parece que ele veio para levar o palmeiras a serieB, não a série C, estou muito triste e como muita vergonha de ser palmeirense,mais eu tenho um legado que embora chamem de time pequeno mais no momento dá 10 a 0 no palmeiras , que o meu vitoria, do leão da barra.

Eu fico indignado com isso. Não consigo admitir que o Brunoro tenha deixado o Kardec sair dessa forma… É como uma matéria relembrou, com Kardec, Palmeiras empatou contra o campeão paulista Ituano, sem Kardec o time perdeu. Perde a referência no ataque, a única dela, pois Leandro não justifica até agora seu valor investido, o jovem Rodolfo nunca foi testado realmente e o Palmeiras mais uma vez entra no Brasileirão para não cair. Até que ponto chega a atitude, outrora elogiada por mim, de contenção de gastos e economia com o contrato de produtividade. O contrato de produtividade, aliás, tem por obrigação fazer o jogador se sentir capaz de produzir com a melhor qualidade. Onde está aquele pensamento empresarial esportivo do Brunoro em formar um elenco competitivo, que dava espaço para jogadores de elite jogarem junto com os jovens talentos da base do clube? Eu tinha uma convicção de que as coisas mudariam com Brunoro na gestão, mas é uma pena que Nobre quer mandar em tudo e sua avareza se transforme em um péssimo negócio para o Palmeiras. Não me surpreenderia em nada se nas próximas semanas Brunoro peça demissão…

ntes que comecem com essa baixaria de Nobrete, deixo claro que acho que o cara peidou na farofa feio, do tipo que causa seis meses de nevoeiro, tbm tenho minhas diferenças com a maneira com que ele dirige o Palmeiras assim como tenho com relação com algumas críticas feitas no 3VV e “pelo 3VV”.mas não posso deixar em branco isso. Na minha opinião, ir contra o Avanti é, em última instância, ir contra o palmeiras. Vejo como uma atitude semelhante à irracional “oposição predadora” (que só ouvi falar mas nunca vi de verdade), essa atitude está pau a pau com a da ala de conselheiros que queriam dificultar a construção do novo estádio supostamente pq a proposta não era a deles. A vinculação do ST ao nome do Nobre é um dos grandes problemas que temos hj, isso atrapalha o crescimento do programa e consequentemente o crescimento da SEP, é preciso entender q o st é DO PALMEIRAS, PELO PALMEIRAS e PARA O PALMEIRAS! E não de qqr zé ruela, plebeu ou nobre que resolveu investir nele. Não estou dizendo que todos deveriam aderir incondicionalmente, cada um faz o que quer e ngn é menos ou mais palmeirense por isso, mas acho que cancelar o programa por conta de uma cagada da atual diretoria faz do cara mais “Anti-Nobre” do que palmeirense, e isso não me parece sábio. Queimem o carro, xinguem na rua, falem que o cara é curintiano, protestem como quiser, mas não prejudiquem o palmeiras, e se a raiva só passar se cancelar o ST, façam, mas não tentem levar outros junto. O Palmeiras deve estar acima de tudo!
(vamos ver se rola agora, hehehe)

Sabem o quê é mais Patético, Paulo Pamonha Pobre é quem vai pagar o salário do Alan Kardec nas gazelas, simples, no dia em que ele contratou o encostado Lúcio, o SPFW deixou de pagar um salário de 300mil para esse jogador. Nosso presidente é o não é PATÉTICO.

Paulo Nobre acaba de postar no site oficial do clube que enquanto a soberana Carlos Miguel Vaidar
for Presidente dos Transexuais as relações ( inclusive as sexuais )) entre Palmeiras X Bicharada
estarão cortadas. Tamo de mal.

trecho de um post do vicente criscio :

“E que em 2013 possamos disputar o título da Libertadores como o Palmeiras efetivamente merece. E que em 2014 estejamos no nosso centenário disputando prá valer o título brasileiro.

Resignação é para os fracos. Se é prá cair, que essa nova desgraça sirva para limpar o Palmeiras de uma vez por todas dos oportunistas de plantão.

E antes que alguém acha ou cometa a bobagem de me criticar dizendo que eu tenho interesse político – por eu ser conselheiro daquele hospício – eu informo e coloco um compromisso aberto aqui: se fizerem isso aí em cima eu com toda alegria no coração deixarei a política palmeirense e vou prá arquibancada que é o meu lugar.

Saudações Alviverdes, com muita tristeza no coração.

Vicente Criscio, conselheiro de primeiro mandato e sócio do Palmeiras desde janeiro de 2003, não por acaso.”

Se Nobre fosse rei no Games of Thrones ,seria Robin Stark, pensa que sabe Algo,mas è morto facilmente,enquanto tivermos Gestores fracos,termos times fracos,infelizmente o tecnico,o elenco ,a forma de jogar se expel hà na ou no cabeça,e uma cabeça fraca não faz um time forte.E pior se olharmos nosso C.O.F e nossos conselheiros não temos em nosso staff,candidatos com possibilidade de concorre com as velhos raposas do futebol.Não temos um Andres,Laor, Airdar,Kalil,Koff,Siensem,Perella e etc.Se puder colocar de fora do conselho,vejo Ratinho como alguem que possa tirar o Palmeiras do bom e barato ,e restaurar a Dignidade que nossa tradição merece.

Esses caras não sabem da grandeza do Palmeiras… Quem era Henrique (zagueiro) antes de jogar no Palmeiras? Quem era Barcos? Quem era Kardec? Quem era Leandro? Só de jogarem pelo Verdão se tornaram “selecionáveis”! Vide Henrique jogando na Itália, Barcos metendo gol a doidado no Grêmio, mas não são NEM COGITADOS para as respectivas seleções nacionais… Acho que o Kardec vai voltar para o anonimato do banco do L. Fabiano… Palmeiras, (re)conhecido como a Academia, está na UTI graças a essa diretoria amadora…. Oremos, meus caros…

Vamos….. quero ver esses corneteiros apoiarem e pedirem o Aidar pra Presidete do Palmeras. Vcs estão do lado de quem do Palmeiras ou do São Paulo???? Se não nos unirmos contra esses vermes aí sim vamos ficar cada vez menores…

Alguns fatos: 1. Teve um presidente devagar e pão duro, que perdeu o melhor jogador do time para um rival histórico por miséria; 2. Teve um presidente anti-ético, que disse que enquanto Palmeiras não terminasse as negociações com o Kardec, não entraria no negócio; 3. Teve um jogador mentiroso, que disse que não queria sair do Palmeiras e que só sairia se fosse pra jogar no Arsenal.

Os comentários estão desativados.