Categorias
Arenas

Arenas – Complexo Allianz Parque – Entrega Parcial ou Completa?

Por Claudio Baptista Jr.

Trago ao debate um ponto a respeito da entrega do complexo da Allianz Parque.

Parcial ou Completa?

Tema denso, por isso colocarei abaixo algumas percepções gerais contendo vantagens e desvantagens que podem servir de balizamento para a análise de vocês.

Como temos mencionado por aqui, acreditamos ser difícil a entrega completa do complexo da Allianz Parque até data próxima ao aniversário do clube e mantemos esta perspectiva. Todas as instalações a disposição, se tudo correr bem provavelmente até o final do ano. Essa é a impressão.

Sendo assim, os dois cenários acima podem ser apresentados a nossa frente.

– Entrega Completa.

Aqui falamos fisicamente do estádio, estacionamento, anfiteatro, centro de convenções, mídia, memorial e todas as demais instalações voltadas a segurança, conforto, serviços e tecnologia.

Situação obviamente ideal com a possibilidade de uma inauguração singular, marcante, através de eventos diversos abrindo uma enorme oportunidade de marketing e maior tempo de planejamento.

Essa é a situação que todos nós sonhamos colocando a disposição da torcida e da cidade um pacote completo e muito diferente do que se observa nas inaugurações dos estádios que temos visto.

O tempo até que isto aconteça que no meu ponto de vista seria mais ao final do ano também pode favorecer maior segurança na oferta dos pacotes de todo o complexo. Planos para venda cadeiras, ingresso, eventos, etc.

A entrada na nova casa de forma plena também é um incentivo adicional para a formação de um elenco mais recheado de bons jogadores para que no próximo ano nosso estádio possa receber uma equipe reformulada e digna das nossas tradições.

– Entrega Parcial.

Nesta parte o foco seria o estádio sendo finalizado em sua parte civil, cadeiras, camarotes, vestiários, e sistemas de comunicação de voz, dados, telão, acesso e segurança. Acredito que parte envolvendo alimentação e lojas estariam em fase de implementação, pois o estádio oferecerá várias oportunidades para este tipo de serviço e não deverá estar tudo vendido em caso de entrega do estádio antes de todo o complexo finalizado.

Ao acessar as proximidades do estádio, certamente a impressão passada será de “estamos em obra, desculpem os transtornos” e toda a beleza do projeto não estará evidente.

Em contrapartida a essa, digamos, má impressão entra a possibilidade da entrada antecipada de receitas, o dinheiro novo.

Digamos que o estádio esteja pronto para receber jogos de futebol, nas condições mencionadas acima ou bem próximas na proximidade do aniversário do clube em agosto.

Deste momento até a data de entrega completa podemos supor, especular, ao menos algo em torno de três meses.

Considerarmos que estaremos em plena disputa da temporada 2014, de cara o público médio que imagino ser no Pacaembu até o final do ano de não mais que 12 mil pessoas, caso a Allianz Parque seja colocada a disposição nas proximidades da data acima, também é de se supor que o público médio com a nova casa salte para próximo de 40 mil. Um aumento do público médio por volta de 25 mil torcedores.

Façam as contas e vejam a diferença na entrada de receita somente de bilheteria.

Adicionalmente, acrescentem também aquelas provenientes das demais propriedades como camarotes, cadeiras (mesmo com o atual impasse), naming e supply rights que começarão a ser negociados e instalados.

Espontaneamente, também deve crescer a procura pelo programa Avanti.

Esse montante de receita pode ser importante observando a atual conjuntura financeira do clube visando investimentos no incremento técnico da equipe já este ano a fim de se planejar o próximo ao menos com algo já realizado.

Para a equipe atual mesmo carente de valores, talvez seja fundamental a nova casa, cheia, com apoio a fim de superar possíveis dificuldades nesta temporada.

Porém, nesta condição de entrega parcial fica o risco e a enorme possibilidade da nova casa ficar impossibilitada de receber de braços em seus primeiros meses uma equipe melhor qualificada o que pode trazer resultados não desejados em maior frequência.

Estes foram apenas algumas reflexões em cima de cenários que podem se desenhar e gostaria de ter a opinião de vocês.

Para finalizar, gostaria muito que a S.E. Palmeiras e seu parceiro estivessem trabalhando conjuntamente e com focos comuns analisando todas as possibilidades da entrada em operação da Allianz Parque. Fica a torcida.

Abraço,

Claudio.

24 respostas em “Arenas – Complexo Allianz Parque – Entrega Parcial ou Completa?”

Minha esperança é que seja entregue ainda este ano nossa querida casa….
Porem, prefiro a demora e entrega com tudo ok do que acelerar a entrega e houver algum acidente ou problema por não terem sido tomado as devidas providencias por causa da ‘pressa’…
AVANTI PALESTRA !!!!!!!!

Prefiro a entrega parcial, mesmo por que, “a parte final do projeto” vai sendo aos poucos tomando forma junto a identificação do torcedor que já estaria frequentando o Allianz Parque.
O que me preocupa é a dicussão referente a comercialização das cadeiras. Paulo Nobre está certo em bater o pé. Ele assumiu ser presidente sabendo das dificuldades, bom ou ruim, está sendo ao menos coerente. O clube está “quebrado” graças as antigas más administrações. Não duvido nada se essa situação duvidosa referente a comercialização das cadeiras, ter sido intencional entre antigo presidente e WTorre.
Uma pena, acredito que seremos muito bem sucedidos com a Arena, mas seria muito mais se diretoria e WTorre estivessem remando para o mesmo lado.

ps – Muito bem escrito esse texto acima.

Creio que a demora de vermos estádio em condição de jogo se baseia basicamente pelo fato de a construção do Allianz Parque se dar de forma contrária aos dos estádios para a copa. Claro que demora ainda o acabamento externo, mas vejo uma preocupação muito maior com os detalhes de camarote, de wifi, para o mídia, etc e menos pressa para cadeiras, gramados, etc. De certa forma, sim, a inauguração se dará com a entrega parcial, mas será um parcial de nível mais alto que os estádios da copa são entregues. Até pelo motivo de já termos shows agendados a curto prazo. É o ônus e o bônus de ter a maior arena multiplataforma da América Latina.

“se” minha mãe tivesse 4 pneus a véia um Jeep…. abrax do Signorini !

Boa tarde, Claudio, admiro seu trabalho, mas gostaria que você possa ter mais informações, com Junior Gottardi e Ricardo Galassi, pois são diretores estatutários adjuntos, na gestão atual , sendo deles a responsabilidade perante os andamentos das referidas sequelas perante a avaliação, que foi efetuada, perante aos dois documentos que definiram as clausulas, contratuais, que geram dúbias interpretações , perante ao “parceiro ´´ WTORRE S/A , desta maneira agradeço desde já , pois eu tenho as duas escrituras, e mesmo assim são claras as interrogações , perante o papel legal das partes, quanto a comercialização das cadeiras, OBRIGADO!

acho que em breve se o nobre continuar o palmeiras vai ter muitas alegrias, precisa comprar o passe do henrique urgente, antes que inflacione o cara e matador, fabio e bom goleiro, nossa base vai melhor muito temos algumas joias gabriel fernado sub 17 joga muito, craque , valentim e muito bom tecnico se colocarem contratacoes pontuais o time vai render bastante

Henrique não tem dono, e tem contrato apenas até 31/12/2014 com o Verdão.

Em 30/12/2014 depois de fazer 78 gols o Paulinho Pobre vai começar a tratar de sua renovação pedindo pelo amor de Deus para os “co-irmão” não atravessarem o negócio…

Ai perdemos o jogador por causa de 1.000 reais no salário para a Ponte Preta…

ô diretoriazinha vagabunda e burra !

abrax do Signorini

“Para a equipe atual mesmo carente de valores, talvez seja fundamental a nova casa, cheia, com apoio a fim de superar possíveis dificuldades nesta temporada.” – Acredito ser este o ponto mais importante de uma inauguração parcial, pois, para uma equipe limitada como a nossa, faria toda diferença o fator casa, pontinhos preciosos seriam alcançados para melhorar a classificação do time.

Ótimo texto, parabéns pela análise e observações, os únicos problemas que eu ainda vejo são dois fatores: 1) É o impasse entre a construtora WTorre e o clube, a SEP. 2) É a demora de entregar a arena pronta. Já faz uns 4 anos dessa demora mas mesmo assim prefiro que a obra fique COMPLETA e não parcial.

Com o time do jeito que está e a política como sempre foi, vai lotar nos primeiros cinco jogos (e olhe lá). Depois no máximo 10 mil pessoas/jogos…

Os horários by globo na grade prejudicam, domingo 18h30 e quarta-feira às 22h00 são inviáveis.

Yzquierdo, realmente esse é mais um fator…domingão 18:30 até dá pra encarar (mais fácil para o pessoal que mora em sampa). Mas quarta-feira 22h é de caiu o cu da bunda mesmo. Descaso total com o esporte, com os torcedores, com os clubes e os atletas.

Mateus, obrigado pela sugestão.
Para estádios novos ou renovados aqui no Brasil temos que primeiramente separar os particulares dos públicos por uma simples questão de identificação torcida-estádio.
Feita essa separação e observando clubes de porte, as amostras se reduzem bastante e o exemplo mais evidente pois seu estádio foi inaugurado já faz algum tempo é o Grêmio.
Sim, em sua nova casa a média de público não subiu da mesma forma como se supõe no texto acima. Porém, diversos outros fatores entram na análise como por exemplo a localização do estádio, acesso, tamanho e poder aquisitivo de torcida entre outros como incentivos a presença de público. Este último, o efeito “novidade” deve entrar em consideração.
Por outro lado, um time em má fase ou de baixa qualidade técnica também não é um atrativo. O exemplo está aí nas médias de público do Pacaembu.
Contudo os primeiros meses e partidas dentro da Allianz Parque devem trazer uma média de público bem alta.
A conferir.
Abraço.

Aqui no Brasil é difícil essa média. Qualquer clube. Mas se o time estiver bem e a diretoria colocar um preço justo pode acontecer. De qualquer forma, independente de estádio, com um bom time em boa fase qualquer estado enche.

Esta é outra razão para público baixo, o ingresso mais barato vai custar uns oitenta reais. Mas, prevalecerá a política: “seja avanti ou cale-se”.

3vv uma sugestão para vocês. No texto acima vocês disseram que a média deve aumentar de 12 mil para uns 40 mil. Pesso-lhes que verifiquem o outros clubes que fizeram ou renovaram seus estádios aqui pelo Brasil se isso realmente se aplica. Em suposição acredito que não hein. Mas gostaria de ter essa informação em números e exemplos. É possível né?

Se não for possível a entrega “total” da arena, então que se faça a entrega parcial. Até porque eu já não aguento mais esperar (já são 4 anos) e também já não aguento mais essa indefinição entre o Palmeiras e a WTorre.

Os comentários estão desativados.