Categorias
Por onde anda?

Por onde anda? Kahê Shrek

Por Ricardo Fragoso

Nos meados de 2004, o Palmeiras acertou a contratação de Carlos Eduardo de Souza Floresta junto ao Nacional-SP para ocupar o posto deixado pela estrela Vágner Love nos holofotes do ataque alviverde. A breve passagem de Kahê pelo Palmeiras teve início cinematográfico, final melancólico, e, dependendo do torcedor palmeirense, o roteiro pode variar do drama ao terror, até mesmo à comédia.

Nascido no dia 28 de agosto de 1982 em São Paulo, Kahê começou no futebol nas divisões de base da Portuguesa de Desportos. No Canindé permaneceu de 1998 até 2001, por vezes compondo o ataque lusitano juvenil com Ricardo Oliveira, até se transferir para o Nacional-SP com 20 anos.

O atacante permaneceu no profissional do Nacional-SP até a metade de 2004, quando após bom destaque na campanha da Série A2 do Paulista, literalmente, atravessou a Avenida Marquês de São Vicente para jogar pelo Palmeiras.

A chegada sem alarde do avante no Palmeiras causou muita chiadeira dos dirigentes do NAC, que acusaram o jogador e o empresário Wágner Ribeiro de uma suposta quebra contratual, embrião de uma batalha judicial entre o staff do esportista e o time do estádio Nicolau Alayon.

Mansamente, o alto atleta (1,87m) foi galgando seu espaço no conjunto alviverde. O atacante vestiu a maglia palestrina pela primeira vez nos minutos finais da goleada ante o Santos na Vila Belmiro, uma das partidas do epílogo da primeira estadia de Vágner Love no Palmeiras, substituindo León Darío Muñoz.

Entretanto, somente com Love negociado, Kahê finalmente pôde chefiar a comissão de frente do Palmeiras. Ao lado de Pedrinho e diante do Paraná Clube, o Palmeiras de Estevam Soares alcançou a liderança nacional após vitória fora de casa. Kahê, declaradamente palmeirense de criança, marcou um gol de meia-bicicleta ou ‘puxeta’, concretizando um sonho de menino.

Porém, foi no jogo seguinte, três dias após seu primeiro gol, que Kahê ganhou as manchetes dos jornais e empolgou a torcida palmeirense. Frente ao saudoso Juventude, que hoje amarga a Terceira Divisão do Brasil, Kahê marcou o seu primeiro e único ‘hat trick’; e também últimos gols defendendo as cores do Palmeiras.

Avassalador pelo alto, o Palmeiras subjugou a equipe do Alfredo Jaconi: 4 x 1 no Palestra Itália, com Correa completando o placar. Os três gols de Kahê proporcionaram os ‘quinze minutos de fama’ do atacante no estrelato, soube-se que era palmeirense de infância e a torcida logo o apelidou de ‘Shrek’, pela semelhança física com o ogro da DreamWorks, astro da animação computadorizada.

Outros o chamaram de “Kahê Eterno” em referência ao filme de Pelé, lançado na mesma época de glória fugaz do jogador. Porém, seus dias de tapete vermelho logo acabaram. Após cinco titularidades sem gols, e futebol condizente com seu apelido, Kahê Shrek foi demovido à reserva novamente.

Entrando nos minutos finais e de maneira apagada, Kahê foi perdendo espaço no Palmeiras, até que, em agosto de 2004, o atleta foi impedido de jogar pela Justiça, por conta do imbróglio judicial de sua saída do Nacional-SP.

Após mais de um mês parado por ordem judicial, a advogada de Kahê, Gislaine Nunes, conseguiu reverter a decisão em segunda instância. Entretanto, a essa altura, Osmar e Thiago Gentil já haviam ganhado a confiança de Estevam Soares, de modo que Kahê permaneceu encostado.

Nesta condição, o Palmeiras decidiu emprestá-lo à Ponte Preta em janeiro de 2005. A curta passagem de Kahê rendeu ao Palmeiras 4 gols em 14 partidas.

Em Campinas, ‘Shrek’ era artilheiro da Macaca no Campeonato Brasileiro com 11 gols e logo apareceram propostas. O Trabzonspor da Turquia surgiu como interessado, mas Kahê foi negociado junto ao Borussia Mönchengladbach, de difícil pronúncia, por US$ 1,4 milhões, antes mesmo de seu empréstimo se exaurir. O Palmeiras detinha 50% dos direitos do atleta, a outra metade era do empresário, e até mesmo a Ponte Preta lucrou nessa negociação.

Na Alemanha, Kahê exportou seu apelido e dividia concentração com o consagrado atacante Elber. Lamentavelmente, o atleta foi alvo de preconceito por parte dos torcedores do clube rival Alemania Aachen, este multado pelos cânticos xenofobistas.

Após duas temporadas sem grande sucesso, o centroavante foi transferido ao Gençlerbirligi Ankara, de mais difícil pronúncia, da primeira divisão do futebol turco. Em 2010, trocou de casa na Turquia para defender as cores do Maniasaspor.

Kahê, aos 31 para 32 anos e já naturalizado turco, parece ter se encontrado na Turquia, onde permanece até os dias atuais marcando seus golzinhos, agora na segunda divisão, no clube Tekden Denizlispor, com contrato até o final de maio de 2015.

Alto e forte, Kahê empolgou a torcida com quatro gols em seus dois primeiro jogos, mas parou por aí.  A seguir se mostrou um atacante sem requinte técnico para suportar os anseios da massa alviverde. Ficou mais marcado pelo curioso apelido, que hoje divide com Rooney.

Apesar de tudo, o alento é que Kahê Shrek pelo menos rendeu lucro aos cofres alviverdes, diferentemente de outras ‘tralhas’ contemporâneas.

Saudações Palestrinas!

 

fft104mm2400578

Kahê no Denizlispor

31 respostas em “Por onde anda? Kahê Shrek”

O KAHE FOI UM GRANDE JOGADOR QUE PASSOU PELO PALMEIRAS, MAIS POR CAUSA DO ASSUNTO JUDICIAL COM NACIONAL AS COISAS SE COMPLICARÃO
HJ KAHE ESTA NA TURQUIA , ANO PASSADO FEZ 18 GOL VICE ARTILHEIRO
AGORA ESTA CONTRATO NOVO COM KARSIYAKA
E ESTEVE PARA ASSINAR COM A PONTE PRETA , SO NAO ASSINOU NOVAMENTE PQ TECNICO VADAO FOI PARA SELEÇÃO FEMININA

Na minha opinião o Kahe jogava e joga muito, o problema maior da fase dele no Palmeiras foi o Pedrinho querer assumir a posição de atacante na equipe e isso rachou a equipe no vestiário!

Tanto é que ele assumiu a artilharia do Brasileiro no ano que foi para a Ponte Preta e aí o verdão foi esperto e já agilizou os papeis com a Alemanha!

Por onde andava o colunista? Curiosa lembrança. Aliás este ano o Palmeiras vai ser mais uma vez triste. Depois do Ituano, cuja folha de pagamento não ultrapassa R$ 280.000,00 mensais, perdemos do Flamengo que está caindo os pedaços e não fazia gol há 4 jogos ( fez 4 no Verde), agora até o Sampaio Ribeiro ou melhor Sampaio da Silva do Maranhão ganha de virada. Perdemos o Kardec ( nenhuma maravilha, mas melhor que Miguel/Henrique/Diogo) por 20.000 de nobre economia. E vamos de : Bruno, Wendel. Marcelo, Thiago, e Willian; Eguren, Renato e Mendieta. Diogo, Miguel e Mazinho….

Por onde andava o colunista? Nem sequer me lembrava deste JOGADOR! E o Sampaio Correa? Antes foi o Flamengo, caindo os pedaços, que não fazia gol há quatro jogos, fez 4 , antes o Ituano ( cuja folha é de R$ 230 mil), etc.[ …. O ano vai ser do SEM TER NADA E não do centenário. Não adianta ser duro nas negociações, , honesto ( obrigação) e avalizar empréstimos. Com pequena diferença ficaríamos com o Kardec ( nenhuma maravilha, mas melhor que o Miguel/Diogo/Henrique ( Portuguesa). Desde ontem o Henrique vale o dobro que o Nápoles pagou. E vamos de: Bruno, Wendel, Tiago, Marcelo e Willian; Egurem, Renato, Mendieta, Diogo, Miguel e Mazinho. Tá bom ou querem mais!!!!!!!

Alguém sabe o que está acontecendo com a mídia palestrina?? Famiglia Palestra Tv nunca mais o site do Verdazzo foi abandonado. O que acham? Pode ter ligação política??

COM CERTEZA, se é os sites que representam os 18 milhões de Palmeirenses não deveriam se comportar dessa forma. Desde quando o Paulo Nobre assumiu a presidência no ano passado, a mídia palestrina (ou alguns deles) MUDOU MUITO, só que não foi para melhor!!!!

“Kahe eterno” é de F#@%* hahahah, eu lembro desse cara, enganou por dois jogos e sumiu, uma porcaria…. excelente matéria, parabéns

Tem jogadores que nao servem para jogar em times maiores, ainda que nos times de origem tenham destaque.
Importante aos olheiros (que hoje em dia fazem mal e porcamente seu trabalho, nq maioria dos clubes) observar se o jogador ainda pode evoluir tecnicamente e se possui fibra moral para nao deixar o novo status influenciar em seu futebol.
Otimas colunas, sempre.
Espero que todos tenham acendido uma vela para o Prass.

Abs!

Quanto a isso qualquer um pode estar sujeito, principalmente se vc não conhece a mulher. Ele eh bom jogador, mas muito instável.

Paulo Nobre é um ingênuo,é uma sardinha no meio de tubarōes, Tirone apesar do retardo, entendia devido ao Paí,mais desse mercardo da Bola, Fábio Koff (raposa velha) fez de Nobre um coitado,pegou Barcos de graça e vendeu Leandro por 13 milhōes, Nobre não apreendeu, aí a raposa gay Vaidar levou Kardec de graça. Que pagamos o Felipe Menezes para ficar.Esse é o problema de pegar Presidente aprendiz .

Caio, se não me engano, era reserva do Atlético Goainiense há uns 2 anos atrás. Tava em forma semelhante a do Daniel Carvalho.

Mais um dessas dezenas de porcarias que empresários do futebol, junto com diretores que mordem uma grana por fora, colocam no Palmeiras…

Eu gosto demais do POR ONDE ANDA? deveriam fazer com mais freqüência. A do Gioino foi o ápice! Sugiro fazer do Paulo Turra ou Pena!

O Pena era bom jogador. Foi uma pena ele ter saído. kkkk não pude evitar, mas gostava do futebol dele.

Lembro dele fez uma boa partida contra o juventude e só. depois maltratou a bola sem inteligência para jogar na grande área, demorava muito para decidir a jogadas um terror não deixa saudades.
Bela matéria parabéns ao site

Lembro dele fez uma boa partida contra o juventude e só. depois maltratou a bola sem inteligência para jogar na grande área, demorava muito para decidir a jogadas um terror não deixa saudades.
Bela matéria parabéns ao site gostaria de saber sobre o Pena que jogou em 2000 e ganhou o rio são paulo contra o vasco e nunca mais voltou

Os comentários estão desativados.