Categorias
Futebol com Números

As Finanças do Palmeiras – 5: para quem devemos?

 

Endividados Palmeirenses, hoje iremos detalhar a dívida de curto prazo do Palmeiras em relação aos nossos adversários.

Observem no quadro ABAIXO a dívida de curto prazo (aquela que deve ser paga em um ano) dos clubes.

Tabela dívidas

Parte da dificuldade em se fazer qualquer tipo de comparação é que as demonstrações não são padronizadas. Por exemplo, em alguns clubes é colocado “receitas a realizar” em outros “adiantamento de contratos”. Em ambos os casos é o adiantamento de cotas de TV.

Para o Palmeiras a dívida de curto prazo se concentra no atual Presidente do clube (sim, Partes Relacionadas quer dizer Paulo Nobre) e a Contas a Pagar, o que é definido no balanço como “Refere-se, substancialmente, aos valores a pagar a atletas, Clubes de Futebol e representantes, decorrentes da contratação de atletas profissionais”. O que se comenta pela internet é que o Paulo Nobre irá fazer um plano para o Palmeiras pagar essa dívida em 10 anos.

Para o Corinthians a dívida de curto prazo se concentrava na dívida trabalhista do INSS. Mas aí o clube fechou algum outro acordo e essa dívida agora é de longo prazo (depois detalhamos isso).

Já o São Paulo possui uma dívida bancária significativa, que foi reduzida com a venda do Lucas e mesmo assim, observem como eles precisaram fazer um adiantamento de contrato de R$ 27 milhões.

Para o Santos é fácil ver como a situação piorou. Os empréstimos aumentaram em quase R$ 46 milhões e as contas a pagar subiram R$ 22 milhões.

Em resumo devemos R$ 208 milhões no curto prazo e, se o empréstimo com o nosso presidente realmente for parcelado em 10 anos, a dívida de curto prazo cairia para uns R$ 140 milhões. Considerando-se que a nossa receita total em 2013 foi R$ 177 milhões fica claro que precisamos aumentar – e muito – as nossas receitas (só para lembrar, as receitas dos nossos coirmãos isentos de impostos para a construção de estádios foram de mais de R$ 300 milhões em 2013).

Infelizmente, reestruturar a dívida é apenas um passo entre os muitos que o Palmeiras precisa dar.

Saudações AlviVerdes

* Luís Fernando Tredinnick escreve às sextas-feiras no 3VV explicando a quem conhece, e a quem não conhece, os números do futebol

22 respostas em “As Finanças do Palmeiras – 5: para quem devemos?”

Caro Fernando, vc, por acaso, quer ser candidato a presidente do Palmeiras, creio que com seu entendimento e sem a influência nefasta do kid mumu, vc poderia recuperar o Palmeiras, que, ao que parece, vai disputar a tri-série B em 2015, aliás, isso deve fazer parte da política da diretoria, já que o time competitivo montado por eles não tem condições de brigar por títulos de primeira grandeza, fica sendo campeão ano sim e rebaixado no seguinte, para ser campeão de novo na série B! Isso deve ser jogada dos gênios do marketing do Palmeiras!

Parabéns pelo post! A mudança no futebol tem que passar também pela padronização da contabilidade, sem muita criatividade.

Algo como a lei das SAs

Abraços

Concordo com a analise do Mauro Correia. As coisas devem melhorar e temos potencial a explorar no quesito de aumento de receitas, nosso calcanhar de Aquiles. Esse aumento passa pelo aprimoramento do programa sócio torcedor, por tratativas em melhores condicoes com a rede Globo (ou outro canal de TV), pela renovacao com a Adidas, por um patrocinio master decente e, principalmente, pela inauguracao da Arena. Os dois ultimos itens sao ativos inativos há 02 anos no minimo e a falta da estádio já é um passivo há cerca de quatro anos. A colocacao do gramado dá a sensacao da Arena já ser um sonho real e traz de volta u m pouco do orgulho de torcer para o Palmeiras. Também precisamos de um pouco de sorte e que Tobio, Mendieta, Bruno Cesar, Mouche e Pratto (se vier) se traduzam em bons/grandes jogadores. A minha expectativa é positiva. E depois ainda temos que cuidar melhor das categorias de base.

Estamos com a faca no pescoço,e nosso Presidente de mimimi com o Sr. Vaidar.Ou Palmeiras,Santos e São Paulo,aqui e Fluminense,Vasco e Botafogo no RIO,mais os mineiros e gaúchos refundam o clube dos 13 e dão um pé na bunda da Globo e do André 171 Sanchez,ou daqui mais alguns anos seremos apenas coadjuvantes como Valência,Sevilha,e Atlético de Madrid o são na Espanha de real Madrid e Barcelona.

O tirone prorrogou o contrato com a globo até 2018, Já esqueceu? Até lá, é ficar caladinho para não pagar a multa.

”Para o Corinthians a dívida de curto prazo se concentrava na dívida trabalhista do INSS. Mas aí o clube fechou algum outro acordo e essa dívida agora é de longo prazo (depois detalhamos isso).”
Bom pelo que se ventilando é que o Ministro do Eporte Aldo Rabelo e sua trupe estão querendo junto com os CLubes dar o maior calote de dividas em INSS, a divida dos clubs serão perdoadas, pois chegou em um montante impagável.

Olha.. vendo a situação do Palmeiras e a dos outros clubes. Acredito que podemos em uns 2 anos conseguir algo a mais! Acredito que o pior ja passou. Obs; Não está bom, mas sim menos pior!

Excelente post. Apesar da CBF ter praticamente concentrado quase todas as empresas que podiam investir em futebol (tem 16 patrocinadores, 16 !) a falta de um patrocinio master ( faz falta sim viu Brunoro!) nos coloca em uma situacão dificil. Aumentar as Receitas tem que necessariamente montar times bons, investir para colher depois. É um negocio de risco, assim é a vida. Idolos atraem publico e patrocinadores. E em um mundo onde a Venus Platinada suga o futebol e que se dane a competitividade (vide o que vao pagar para o Corinthians e Flamengo) e vale dizer que quando nao interessa mais jogam fora (o Galvao vai narrar hj o 3o. lugar? Nao), lidar com essa midia predatoria, é uma necessidade gritante, e hj nao sabemos lidar com isso. Porem temos uma grande oportunidade de recuperação se considerarmos as receitas extras que a Arena (taí o enorme legado que o Beluzzo nos deixou) pode nos dar. Eu vejo aí nossa salvação, claro se Deus iluminar a cabeça dos nossos dirigentes. Se assim for feito em 2 anos, devemos começar a sair do buraco e voltar a ser protagonista. Muita coisa a fazer, reforma estatutaria (?), contratar um Gestor de Arena Profissional(?), ter um Marketing verdadeiro, e principalmente, montar times para ganhar!!!

Parabéns pela analise! E claro que as receitas aumentarão de maneira expressiva com a nova arena (quando ficar pronta….passei esta semana no palestra e fiquei com a impressão que vai demorar muito inda). No ano que vem TB teremos novos contratos importantes….como com a empresa de material esportivo (contrato com a Adidas, se não me engano vence em Dez/2014). Com dividas menores de financiadas a baixo custo…..nossa situação financeira estará estabilizada e tranquila no médio prazo. Abraco

Luiz, parabéns pela iniciativa de tentar esclarecer a nossa situação financeira e explicar a todos. Sei que as informações mais detalhadas são muito difíceis de conseguir. Muito embora eu não seja um especialista no assunto, posso adiantar que o item “Partes Relacionadas” já alcançou o valor de R$120 milhões. Como sabemos que as nossas receitas são pequenas e não devem sofrer grandes adições aos valores que constam no Orçamento (corremos o risco do total Previsto em Receitas ser maior do que o Realizado), esse mesmo item “Partes Relacionadas” deve subir para algo em torno de R$160 milhões. Como este “empréstimo” deve ser pago em 10 anos, com juros baixo (na casa de 1%), estamos fazendo de fato um refinanciamento de nossa dívida de curto prazo e alongando o perfil, utilizando apenas uma “instituição financeira”, chamada Paulo Nobre. Sob o ponto de vista financeiro, é um bom negócio (o que deveria ser feito realmente). Sob o ponto de vista administrativo, é uma opção errada. Assim, nosso clube está refinaciando sua dívida de curto prazo, por linhas tortas, mas pagará um custo administrativo e político muito alto. Aguardemos até o final do ano para uma melhor avaliação e conclusão. Abraço

SEP, posso me dirigir a você assim?
Concordo com o problema asministrativo e político dessa opção de obter recursos através do P N.
De cara entra o conflito de interesses puro e simples. Exemplo prático: na mão do presidente vender ou não um jogador para… garantir o recebimento do SEU dinheiro. Soma-se a isso outras atitudes diretivas de maiores riscos que possam interferir justamente no recebimento do…. SEU dinheiro.
Abraço

Luis se você jogar o empréstimo feito pelo ou através do Paulo Nobre (até agora não sei exatamente como este foi realmente feito) você verá que a ossa situação fica melhor do que a dos nossos rivais. O que nos “mata” hoje não são as despesas, mais sim nossas minguadas receitas e aí está o calcanhar de aquiles do Paulo Nobre, ele simplesmente se mostrou incapaz de aumentá-las, na verdade estas até diminuíram.

Mario, não deve-se comparar individualmente o tamanho da divida de cada clube, mas sim, a capacidade que cada clube tem de liquida-la! É preferível um grande passivo com uma grande receita ao invés de um pequeno passivo sem nenhuma receita, entendeu ?

Concordo, só que este é o “calcanhar de aquiles” do Paulo Nobre pois nossas receitas não crescem e com isso não cresce a nossa capacidade de alavancagem.

Belo artigo Luís, parabéns. Apenas uma observação, comparar as dividas dos clubes sem olhar paralelamente o valor do seu ativo não serve de parâmetro para muita coisa! Mais importante que dever, é ter disponíveis ou exigíveis a longo prazo a receber! Um abraço

Danilo, não é bem assim para o futebol, ainda que assim seja para as empresas.
O exigível a longo prazo é praticamente inexistente para a maioria dos clube – a maioria nem ao menos dá lucro ou mesmo gera caixa.
E geralmente o que os clubes possuem como ativos são os estádios – e nesse caso podemos discutir se o valor contábil ou o valor de mercado serveria como parâmetro (o estádio do Guarani já foi a leilão umas duas vezes e ninguém comprou…).
Também como exemplo, o Santos, Palmeiras, Vasco, Flamengo, Botafogo, entre outros possuem o Patrimônio Líquido negativo. Por essas razões é difícil fazer uma análise de balanço propriamente dita. Mesmo tentar uma relação dívida/Ebitda é complexa. Portanto, o que é possível fazer de análise minimamente coerente, é levantar a dívida e montar a relação dívida/receita – o que andamos fazendo nos últimos posts. Mas se você quiser fazer me ajudar a fazer uma análise mais formal de balanço dos clubes eu envio para você os balanços e você pode montar alguns posts que publicaremos aqui. Tá feito o convite. Topa?

Saudações AlviVerdes

Obrigado pelo convite, só não aceito pela falta de tempo, trabalho e filha recém nascida tomam boa parte do meu dia de uma maneira absurda, rs! O pouco tempo que me resta acesso o 3vv e outros sites de cunho informativo (o 3vv é o favorito dos favoritos).

Os comentários estão desativados.