Categorias
Opinião

A reflexão de Natal…

 

Por Vicente Criscio
(não conheço o autor da imagem acima; recebi por Whatsapp; todos os créditos a esse palestrino)

Apesar do lugar-comum que se tornou as mensagens de Natal – e depois da popularização das listas do Whatsapp elas estão mais comuns e mais divertidas – impossível não escrever algo nesse dia 24.

Passei a infância, adolescência, pós adolescência e depois a maturidade vendo o Natal como reflexão e o reveillon como renovação. Se for assim, vamos à reflexão. Semana que vem… se der… vem a mensagem de renovação.

Num sentido amplo, minha reflexão é sobre a impaciência e valorização.

Eu particularmente não tenho mais paciência com mediocridade. Reuniões intermináveis e conversa fiada também não é comigo… acho que é um problema da idade. Blá blá blá, falta de objetividade, resultados medianos, ou medíocres. Tô fora!

E as justificativas válidas? Aquela coisa: não bati meta porque o mercado tá ruim, porque a competência tá mais predadora, etc… não dá prá aguentar. Dizia um guru: justificativas válidas não serão aceitas.

Mas o que mais me impacienta é a desonestidade. Nem falo na corrupção ou na criminalidade. Isso é absolutamente inaceitável. Mas a desonestidade intelectual… afff…. essa é a mais perversa. Altera a realidade. Tenta manipular a verdade… é covarde, porque é mentirosa. Fujo de pessoas assim.

E o que valorizo? O inconformismo positivo. Como assim? Aquele que não se conforma. Não se sujeita ao resultado pequeno. Se tá errado, faça certo. Se quebrou, conserte. Se caiu, levante. Não se conforme. Se necessário, confronte. Não aceita algo medíocre só porque o sujeito do seu lado tem um cargo ou posição maior que a sua. Questione. Se ele for inteligente, vai entender que isso também é pro bem dele.

Mais? Valorizo o comprometimento. Comprometimento! Com o que você se comprometeu nesse ano? Com o que vai se comprometer? E, claro, sem desonestidade intelectual: atingiu?

Gosto também do sentimento de dono. Em qualquer coisa na vida. O dono olha o longo prazo. Olha a solução definitiva. Olha a perpetuidade.

E o que essa reflexão tem a ver com a missão desse site? Onde entra o Palmeiras nisso?

Na medida que queremos um Palmeiras como aquele que eu e outros da minha geração conheceram – vencedor, imponente, senhor de si e de seu caminho, com relevância mundia, olhando de cima prá baixo seus adversários – convido o torcedor a compartilhar essa reflexão. Não queremos mediocridade, não aceitamos justificativas válidas, e fora com a desonestidade intelectual.

Ao revés: queremos comprometimento com o crescimento, sejamos inconformados com qualquer coisa menor do que a grandeza e a disputa por títulos. E tenhamos o sentimento de “dono” da SE Palmeiras. Em tudo. Desde a distante e palmeirense Porto Velho ao extremo sul desse país. De Londres a Tokyo. Da Turiaçu à Zona Norte, Sul, Leste ou mais ao Oeste. O Palmeirense tem que se sentir dono do seu time.

2014 foi um ano de muitos aprendizados, como todos os outros anos, e em todos os aspectos da vida. No Palmeiras, os erros e acertos do que passou com nosso time podem ser contextualizados na minha reflexão. Não me importa quem está na cadeira, gostaria de ver os mandatários de nosso time mais comprometidos, inconformados com a situação atual e sentindo-se donos (no sentido positivo, claro, e não ditadores) e compartilhando esse sentimento com a torcida. Reconhecendo a força dessa torcida, inteira, em todos os cantos.. E gostaria que eventuais práticas de mediocridade, desculpas, e desonestidade intelectual se afastassem completamente da SEP.

Há que se ter humildade para reconhecer os erros e coragem para mudar a direção e confrontar com as forças reacionárias. Mas uma sequência de bons anos colocará o Palmeiras de volta ao seu lugar. Infelizmente, desde 2010 (com um breve hiato no 1o semestre de 2012) estamos com uma atitude errada, num caminho errado.

E já passa da hora de mudar esse caminho.

A torcida, positivamente inconformada, comprometida e com sentimento de dono, vai ajudar nessa mudança.

A diretoria, se fizer esse caminho, será aplaudida.

Feliz Natal!

59 respostas em “A reflexão de Natal…”

The winner 2014 no Palmeiras: contursi…….elegeu mais 14 vitalícios para o seu grupo, controla o cof e o presidente come na sua mão. E aceitou Alexandre Mattos pq esse se encaixa na política do bom e ruim, implantada hà anos no clube. A única esperança é que o Mattos acerte a não…. mas é uma aposta. Até agira nada da promessa do sr. Nobre de que aprendeu que mais vale investir em um bom jogador, ganhando 300 mil, do que 3 perebas ganhando 100 mil. Ainda espero ser surpreendido em janeiro com umas 2-3 boas contratações, afinal estamos fadados a…. sonhar apenas.

A torcida palmeirense (que vai nos jogos) não é a mesma que votou pra presidência, muitos que votaram, tem relações estreitas com os candidatos, estamos todos Bravos com o Nobre, que de futebol não entende nada, porém o outro candidato não era diferente dos que passaram por lá, (bananone) um candidato que fala que sua única chance de ganhar a Eleição era se o Palmeiras estivesse na zona de rebaixamento perto da eleição, e que tem um grupo de empresarios dispostos a gastar 30 milhões no clube (porque não gastou antes com jogadores de qualidade?) se ele ganhasse a eleição isso me cheiraria mal, mas o filhote do Mustafa também foi terrivel no futebol, neste biênio, gastou muito e o centenario quase parar na serie B.
Entrei pro avanti pra ajudar o Periquito Palmeiras de parque antarctica, com dinheiro, paguei ingressos na bilheteria em jogos que eu poderia pagar 50% do valor no avanti e ele fala que se ganhar vai investir ( Aecio x Dilma ).

A pergunta que fica é: De que adianta trazer Osvaldo de Oliveira, Alexandre Mattos e Cícero de Souza se não trazer reforços de nível (jogadores que faça diferença dentro dos campeonatos que disputar e que não tem medo de pressão)!!!

Os comentários estão desativados.