Categorias
Verdão na Mídia

VERDÃO NA MÍDIA 01-12-2014: Déficit milionário, elenco criticado e risco de queda: os desafios de Nobre ❘ LANCENET

NOTICIÁRIO ❘ LANCENET

• Déficit milionário, elenco criticado e risco de queda: os desafios de Nobre

Por Thiago Ferri

Paulo Nobre venceu a primeira eleição direta na história do Palmeiras. Passada a batalha com Wlademir Pescarmona, o “novo presidente” tem uma série de problemas para o biênio de 2015 e 2016.

Na última quinta-feira, o Conselho de Organização e Fiscalização (COF) do clube aprovou por unanimidade as contas de outubro. Foram R$ 4 milhões de déficit no mês, chegando a R$ 20 milhões negativos em 2014. Contando o primeiro ano da gestão de Paulo Nobre, o déficit gira em torno de R$ 40 milhões.

Para tentar contornar isso, o dirigente realizou constantes empréstimos ao clube. Em outubro, mais R$ 4 milhões, R$ 153 milhões no total. Uma das principais medidas para amenizar os problemas financeiros está no acerto de um patrocinador master, algo que o presidente não conseguiu nos primeiros dois anos.

Sua diretoria, também, foi motivo de críticas. José Carlos Brunoro, diretor-executivo, e Marcelo Giannubilo, diretor de marketing, foram contratados em 2013, mas não apresentaram bons resultados – o último já saiu. Novas mudanças serão feitas para o início desta nova gestão.

– Vamos reunir nossa cúpula para poder tomar todas estas decisões. Mas antes do fim do campeonato nada será feito – explicou Nobre.

O time, também, será mudado. Dez jogadores têm contratos até o fim do ano, e só Henrique possui negociação avançada para permanecer (resta encontrar um investidor para comprá-lo, por R$ 6 milhões). O plano é enxugar o grupo, e contratar menos, porém opções de qualidade.

Aliados do presidente estão confiantes de que haverá uma mudança na mentalidade da próxima diretoria, especialmente no trato com o time. O fraco elenco fez com que o Palmeiras brigasse até a última rodada para não cair no centenário. A partir de 2015, Nobre se afastará do futebol, e além de um executivo, terá outro dirigente cuidando da equipe.

Na parte financeira, o presidente aposta em um futuro melhor, pois a partir de abril poderá usar 90% da receita à disposição – os outros 10% irão para o fundo que pagará R$ 103,4 milhões colocados por ele (os outros R$ 50 milhões vieram após a aprovação do plano, no Conselho do clube).

Embora diga que o Palmeiras está melhor do que quando assumiu, o presidente terá trabalho.

A DIRETORIA DA NOVA GESTÃO:

Vices-presidentes

São os mesmos da primeira gestão. Maurício Galiotte é o primeiro vice, e braço direito de Nobre, Genaro Marino, o segundo, Antonino Jesse Ribeiro, o terceiro, e Victor Fruges, o quarto.

Vices ou diretor de futebol?

Maurício Galiotte ganhou espaço no fim da gestão, e tem chances de virar o vice de futebol. Caso não o desloque para a pasta, Nobre colocará um diretor estatutário no futebol. Um executivo virá, também.

Diretor-executivo

José Carlos Brunoro foi o escolhido, e deveria cuidar do clube de forma geral, mas direcionou os trabalhos ao futebol. Recebeu muitas críticas pela montagem do elenco, e perdeu espaço. Tem contrato até o fim do ano, e será um dos primeiros a sair. Rodrigo Caetano, do Vasco, é uma das opções que agrada para a vaga.

Diretor de marketing

Giannubilo ficou 18 meses, e era constantemente questionado por não conseguir um patrocínio master no período. Saiu a 22 dias do centenário, e Brunoro acumula a função até o fim do ano. Um novo contratado deve chegar.

Gerência de futebol

Omar Feitosa não agrada nem a jogadores nem a pessoas dentro do Palmeiras. Outro sob risco.

Leia aqui a matéria completa → NOTICIÁRIO ❘ LANCENET

••

NOTICIÁRIO ❘ GLOBO ESPORTE COM

• Como em 2002, Verdão só depende de si para não cair na última rodada

Por Felipe Zito

O Palmeiras só depende de si para evitar o que seria o terceiro rebaixamento da sua história. Se vencer o Atlético-PR, domingo, às 17h, em jogo inicialmente marcado para a nova arena, o time escapa sem precisar de nenhum outro resultado. Cenário parecido com o da rodada final do Brasileirão de 2002, quando o time caiu pela primeira vez. 

Na ocasião, o Verdão tinha de vencer o Vitória, sem objetivos no campeonato, para se safar. Mas a derrota por 4 a 3, no Barradão, em Salvador, confirmou a queda para a Série B na 24ª posição – à época a competição tinha 26 equipes, com turno único de pontos corridos e as fases seguintes disputadas em mata-mata pelos oito primeiros colocados.

Curiosamente, agora o Palmeiras tem o mesmo Vitória como rival direto na briga contra o rebaixamento. A diferença é que os times não estarão frente a frente na última rodada. Ao mesmo tempo em que o Verdão enfrentará o Atlético-PR, o Rubro-Negro baiano vai encarar o Santos, no Barradão. O Palmeiras, com 39 pontos, na 16ª posição, leva a melhor pelo número de vitórias (11 a 10) sobre o Vitória, 17º colocado, com 38 pontos, vantagem que pode ser fundamental na definição dos rebaixados.

Principal esperança para ajudar o time no capítulo final do Brasileiro, Valdivia é dúvida para o jogo. O chileno se recupera de uma lesão na coxa esquerda, problema que o tirou da derrota por 3 a 1 para o Internacional, no último sábado, no Beira-Rio. Agora, o técnico Dorival Júnior aguarda a recuperação do meia para ajudar a equipe na missão de vida ou morte.

O comandante não poderá contar com Bruno César e Allione, expulsos diante do Internacional, mas terá o retorno de Nathan, que cumpriu suspensão na última rodada. Em uma sequência de cinco derrotas seguidas, o elenco ganhou folga nesta segunda-feira e se reapresentará na terça, em atividade fechada para a imprensa.

Leia aqui a matéria completa → NOTICIÁRIO ❘ GLOBO ESPORTE COM

•• 

NOTICIÁRIO ❘ UOL ESPORTE

• Procura-se cartola no Palmeiras: mineiros e vascaíno na mira

Por Danilo Lavieri

Com a definição de que será presidente do Palmeiras pelos próximos dois anos, Paulo Nobre precisa começar a colocar em prática o planejamento para mudar o futebol. A primeira atitude será a retirada de José Carlos Brunoro do cargo de diretor-executivo. Para seu lugar, o clube tem três nomes na pauta: Alexandre Mattos, hoje no Cruzeiro, Eduardo Maluf, no Atlético-MG, e Rodrigo Caetano, que terminou a Série B no Vasco.

Os três já passaram a Paulo Nobre o quanto ganham e também a perspectiva que têm para o futuro. O palmeirense avisou que a decisão só será tomada após o fim do Brasileirão. Vale lembrar que os palmeirenses ainda nem sabem se ficarão na Série A em 2015.

Mattos, atual bicampeão do Brasileirão com o Cruzeiro, é o favorito. Os palmeirenses, no entanto, sabem que a equipe mineira fará jogo duro para que seu diretor permaneça.

Eduardo Maluf, atual campeão da Copa do Brasil com o Atlético-MG, também agrada. Ele já chegou a ser sondado em outras ocasiões, por outros diretores do Palmeiras. O que dificulta o acerto é a pouca vontade que o diretor tem em deixar Belo Horizonte.

Por fim, a situação mais fácil seria a de Rodrigo Caetano. Ele já avisou que não continua no Vasco após concretizar a volta à elite e está livre para os outros clubes. O que deixou a diretoria com certo receio foi o fato dele também ter conversado com a oposição palmeirense, derrotada na eleição de sábado.

Além do cargo de Brunoro, o Palmeiras também procurará alguém para assumir o lugar de Omar Feitosa. Desgastado, dificilmente o gerente de futebol continuará na próxima temporada.

Independentemente de qual será o escolhido, Nobre já decidiu que elegerá um vice ou um diretor para cuidar diretamente do futebol alviverde, trabalhando em parceria com o executivo contratado. Seus pares tratam como natural a indicação de Maurício Galiotte ou de Genaro Marino, ambos vice-presidentes da chapa. 

Leia aqui a matéria completa → NOTICIÁRIO ❘ UOL ESPORTE

••

NOTICIÁRIO ❘ ESTADÃO ONLINE

• ‘Decisão’ do Palmeiras com o Atlético-PR não deve ser na nova arena

Por Daniel Batista e Gonçalo Junior

A diretoria do Palmeiras e a WTorre, construtora responsável pelo Allianz Parque, estão preocupadas com a realização da partida contra o Atlético-PR, no domingo, na arena. Existe o temor de possíveis protestos mais violentos em caso de rebaixamento. O Ministério Público e a Polícia Militar recomendam que o jogo decisivo seja no Pacaembu que, segundo eles, teria maiores condições de impedir uma eventual invasão dos torcedores, caso o time seja rebaixado. 

Além da pressão pelo resultado, o Corinthians joga no mesmo horário, domingo, em Itaquera, o que poderia resultar em confrontos entre as torcidas. Por isso, Nobre admite a possibilidade do jogo não ser na nova casa do Palmeiras. “Sobre o último jogo, a decisão não cabe ao Palmeiras. Estamos conversando com a CBF para saber onde vai ser o marcado o jogo, uma vez que dois grandes de São Paulo jogam na mesma data”, explicou o dirigente.

Após a derrota para o Inter, o técnico Dorival Júnior reafirmou o desejo de jogar na arena. “Temos a nossa casa e nos sentimos bem jogando lá. Tivemos um resultado ruim, mas é a nossa casa’, disse.

A definição sobre o local da partida deverá ser dada entre hoje e amanhã. “Vamos ouvir o Palmeiras, mas a determinação é da CBF. Teremos uma definição amanhã (segunda-feira), no mais tardar”, afirmou o coronel Marcos Marinho, chefe de segurança da Federação Paulista.

O Palmeiras precisa de uma vitória simples para se manter na elite. Empate ou derrota colocam a equipe na dependência do jogo Vitória e Santos. O principal triunfo para se livrar da terceira queda de sua história é a recuperação de Valdivia, que fará tratamento intensivo para se recuperar de um edema na coxa esquerda. A expulsão de Allione e Bruno César no sábado limitaram as opções no meio a Felipe Menezes e Mazinho. Dorival também pode colocar outro atacante ao lado Henrique, como Mouche, Diogo ou Cristaldo.

ERROS

Como acontece em diversas eleições, os candidatos passaram boa parte da campanha se atacando. Dentre outras críticas do oposicionista Wlademir Pescarmona, uma que parece ter incomodado o presidente reeleito Paulo Nobre foi a de que ele não assume seus erros. Por isso, o dirigente fez questão de falar do assunto após a reeleição. “Assumir os erros? Puxa, se tem um presidente que assume quando erra e suas responsabilidades, sou eu”, assegurou o presidente, que reeleito, permanece no cargo até o fim de 2016.

Leia aqui a matéria completa → NOTICIÁRIO ❘ ESTADÃO ONLINE

••

COLUNA DO PAULO VINÍCIUS COELHO ❘ O ESTADO DE S.PAULO

• Ainda não escapou

Dorival Júnior completou um turno como técnico do Palmeiras, com seis vitórias, quatro empates, nove derrotas e o mesmo problema dos últimos dois anos: não tem time. São sete titulares mudados do primeiro jogo, contra o Atlético-PR, em agosto, para o 19º, contra o Inter, em novembro.

É óbvio que a qualidade dos jogadores é sofrível, mas o pior é nunca ver a mesma equipe junta.

Do primeiro time da gestão Paulo Nobre, vitória sobre o Oeste em 23 de janeiro de 2013, restam no elenco Fernando Prass, Juninho, Wesley e Patrick Vieira. Dos quatro, só Prass e Wesley jogaram no Beira-Rio.

Como ninguém sabe qual time entrará em campo domingo contra o Atlético-PR, é impossível dizer que a vitória virá.

Não é preciso voltar muito no tempo para ter medo do que acontecerá com o Palmeiras no domingo. Não precisa falar em XV de Jaú, Inter de Limeira, Bragantino e Ferroviária.

Era só ganhar do Tijuana para enfrentar o Atlético-MG nas quartas de final da Libertadores de 2013. Era só vencer o Ituano para ser finalista do Campeonato Paulista de 2014. As duas derrotas custaram eliminações.

No discurso da reeleição, Paulo Nobre falou sobre erros e o candidato derrotado, Wlademir Pescarmona, disse torcer para que ele tenha mesmo entendido o que não deu certo.

Está claro que a falta de ambição para montar foi um equívoco. Não trouxe nem as vitórias nem estabilidade financeira –a dívida cresceu e a receita diminuiu.

Nobre fala corretamente que errou ao esticar demais o elástico em algumas negociações –Alan Kardec teria ficado– e em não produzir as mudanças com mais rapidez.

Em outras palavras, o diagnóstico de que Brunoro não foi a escolha certa existe há mais de um ano, mas só agora será contratado um novo diretor-executivo de futebol.

Será um homem agressivo –desde que o Palmeiras não caia para a Série B.

Mire-se no exemplo do Cruzeiro. Depois de ser nono colocado no Campeonato Brasileiro de 2012, o diretor Alexandre Mattos contratou 23 jogadores. Quer ver como as escolhas foram certas? Na estreia do Brasileirão de 2013, O Cruzeiro utilizou catorze jogadores. Onze deles são bicampeões.

Nos últimos dois anos, o Palmeiras teve um time para a Libertadores 2013, outro na Série B de 2013, modificado para o Paulistão de 2014, diferente do Brasileirão-2014.

Na semifinal do Paulistão, em março, jogaram Tiago Alves, Wellington, Bruno César, Mendieta, Alan Kardec e Vinícius. Mais surpreendente do que estes nomes só saber que Bruno César jogou (!?) contra o Internacional.

Paulo Nobre pode ser melhor no segundo mandato do que foi no primeiro. Vai precisar de boas escolhas e que Dorival saiba escalar seu vigésimo time.

••

COLUNA PAINEL FC ❘ FOLHA DE S.PAULO

Por Bernardo Itri

• Lição…

Reeleito presidente do Palmeiras no último sábado (29), Paulo Nobre já tem uma transação para tentar concretizar nas próximas semanas. 0 clube possui negociações em andamento com duas empresas interessadas em patrocinar o uniforme alviverde em 2015. Se fechar contrato, o Palmeiras voltará a ter anunciante em sua camisa após quase três anos sem parceiro.

• …de casa

A expectativa da diretoria palmeirense é arrecadar entre R$ 20 milhões e R$ 25 milhões, caso o acordo seja concretizado.

• Dividida 

“Acho que não vou precisar [colocar mais dinheiro no clube]. Mas, se precisar, a máquina tem que rodar“ – Paulo Nobre, reeleito presidente do Palmeiras, ao comentar se vai aportar mais dinheiro no clube

••

VÍDEO ❘ GAZETA ESPORTIVA NET 

• Reeleito, Paulo Nobre fala sobre metas para biênio 2015/16

Paulo Nobre foi reeleito presidente do Palmeiras para o biênio 2015/16 com 2421 votos contra 1611 de Pescarmona. Nobre falou sobre as metas na próxima gestão.

Assista aqui → VÍDEO ❘ GAZETA ESPORTIVA NET

••

27 respostas em “VERDÃO NA MÍDIA 01-12-2014: Déficit milionário, elenco criticado e risco de queda: os desafios de Nobre ❘ LANCENET”

O Paulo Nobre me parece aquele sujeito que entra numa sapataria, e vê que tem um sapata numero 41 mais barato, ele compra; mesmo calçando 42. Compra feliz da vida, mesmo quando for usa-lo e sentir a dor do aperto. Vale nesse caso, a economia e não o bem estar.Quantos sapatos 41 vamos ter que calçar em 2015?! seguem alguns sapatos 41 que tivemos que engolir: FELIPE MENEZES, EGUREM, MENDIETA, DIOGO, HENRIQUE, LEANDRO, VITORINO…

Pra quem assistiu os ultimos 5 jogos esta claro : ou torcemos pelo santos ou seremos rebaixados pela terceira vez! As matérias sao engraçadas : ” os desafios de Nobre” na realidade sao as realizações de nobre, consultar a cúpula , na realidade e ” vou consultar o mumu e ver o que ele quer que eu faca !” . Com essa eleição conseguimos ter idéia do números de sócios que nao sao Palmeirenses e/ ou recebem favores indiretos dos conselheiros da situação : um
Pouco mais de 20% , o que me assustou foi a quantidade se nao comparecimento :60%, eu acho muito alto ! O Palmeirense esta completamente desanimado apos 14 anos de domínio do mumu na Política ! E tem gente com a cara de pau de vir criticar teor político aqui do blog, vai lá brancazzo e veja quanto tempo dura um comentário desse teor por lá , vá , faca o teste e depois volte aqui pra se desculpar, seu infeliz ! Criticar a lucidez e algo insano, mal-intencionado ou obscuro ! Boa sorte ao Santos, o Palmeiras já entrou de ferias há 5 rodadas graças a boca “pequena” de PN!

Segundo o jornaleiro Juca Kfuro, PN tem certeza de que o Palmeiras não cai porque o Atlético Paranaense tem algumas questões mal resolvidas com o Vitória, o presidente Petraglia não gosta do time baiano e o Furacão entregaria o jogo. Interessante, mas vindo de alguém que sempre escreve e fala vestindo a camisa do time pelo qual torce, e que sempre trata a vitoriosa parceria com a Parmalat como “operação para lavagem de dinheiro”, o tom não surpreende. Gostaria que esse arrogante e parcialíssimo pichador de blogs fizesse uma matéria sobre o motivo que leva árbitros que favorecem descaradamente o time dele a se tornarem comentaristas na tevê ao invés de morarem na cadeia, ou então sobre o dinheiro público que foi desviado para construir aquela impressora HP sem tampa na Zona Leste, ou ainda como a MSI comprou o Brasileirão de 2005, não pagou a conta porque teve que fugir do país em 2006 e por isso o apito parou a soprar a favor em 2007, culminando todo mundo sabe como.

Paulo Nobre, já manda uma grana pras sereias de santos que eles tão precisando! Esse time vai se borrar todo e não vai ganhar do Atlético. Paulo Nobre, MANDA UM DINHEIRO PRAS SEREIAS.

Não vejo motivos para jogar no Pacaembu, a não ser que o gramado da Arena não esteja em condições. Estão com medo de que? Eu confio que não cairemos, mas por via das dúvidas, se eu fosse o Paulo Nobre, separava uns trezentinho e mandava para a Vila Belmiro. Pega uma parte da renda do primeiro jogo na arena e faz a mala preta. Isso se o Mustafá já não torrou a grana em bidês de ouro para lavar os sócios com bastante luxo.

Não tem jeito. A coluna do PVC é perfeita. O Cruzeiro bicampeão brasileiro precisou trazer 23 jogadores (quase um elenco inteiro!) e todos contratados com critério, vivendo bom momento (como Egídio – de qualidade questionável, mas destaque no Goiás na Série B 2012 – Ricardo Goulart, Everton Ribeiro, Nilton). Mantiveram o confiável goleiro e subiram jogadores mais prontos da base, que assumiram a posição em um time já bem montado e forte (Mayke, Lucas Lima).

Com esse elenco atual o ideal é enxugar ao máximo. Manter os bons meninos da base (Nathan, Victor Luiz), renovar com Valdivia e segurar Prass. Dá pra ficar com um ou outro pra compôr elenco como Tobio, Allione e Cristaldo. O resto tem que trazer novo, inclusive técnico. E de qualidade, destaques em seus times, tudo como manda o script. Não adianta manter a base de um provável 16º colocado e trazer só três, quatro jogadores. Acho que a lição já é bem clara, mas vamos ver o que faz o presidente.

Se ficar na Séria A, não fará mais que a obrigação. Se cair para Série B, não deixará de ser merecido.

sábado no clube me deu ânsia ao ver Mustafá e cia. tomando umas cervejas no bar do clube e fazendo campanha para o PN. Minha esposa estava junto comigo e me segurou, pois comecei a xingá-lo. tinha uns 4 brutamontes maior que eu (olha que sou grande) só encarando…quem estava pagando estes caras ?? adivinha !!!

Domingo estarei na praia e vou desligar tudo. Não quero saber de acompanhar o jogo, este novo Martírio, parecendo boi indo para o matadouro. Minha Saúde não aguenta mais e nem minha família está me aguentando !

Sou de Curitiba…o Atlético=PR não vai entrar de corpo mole…vide o jogo deles contra o Bahia.
Dorival que coloque as barbas de molho, estude e trabalhe o time pra encaixar a marcação, Atlético-PR tem jogadores muito rápidos, com destaque pro Marcelo…
Sobre o local do jogo, se optarem por não jogar no Allianz Parque vai ser mais uma demonstração de fraqueza e covardia.

Caro Joel, eu comento aqui e n~åo faço arte de panela nenhuma, pelo contrário. Penso que ir para o último jogo do ano do centenário, correndo seríssimo risco de ser rebaixado (só n foi pq bota, vitória e bahia também foram incapazes de pontuar nos 5 jogos), reflete o profissionalismo e planejamento do Palmeiras nos 2 últimos anos. E ver contursi e gilto avalone fazendo boca de urna para PN chega a ser surreal. Ou suspeito.

Fiquem tranquilos, nossos sócios são masoquistas, mais não cairemos, iremos empatar , atlético fara de tudo pra nos derrubar, o vitória não ganha, bahia mesmo ganhando esta fora, agora resta torce pro PN, contratar alexandre matos ou Eduardo maluf. Mas já sei vem caetano?, talvez melhor que Brunoro, Dorival e fraco, cuca seria ideal, tite esta nos gamba, mas eu apostaria no DORIVA, ex ituano, se pudesse trazer juninho paulista, seria ótimo, Gabriel jesus vai arrebentar, independente do time, tomara que no verde, acho que o PN, vai acertarem 2015, mas precisamos reposições pra todos os setores

Só de pensar no “sangue nos olhos” que vemos em Wesley, Juninho e Dorival jr. dá vontade de chorar.

Acabo de fechar um hotel longe de SP para o fim de semana, meu Avanti não girara a catraca nesse nosso último suspiro. Não tenho condições de acompanhar da arquibancada um jogo desses. Minha família e saúde agradecem! Boa sorte aos guerreiros que irão nos representar, que Deus nos ajude!

Meu medo domingo contra o Atlético-PR é que o Palmeiras seja o Palmeiras dos últimos anos: se borra todo em momentos decisivos, mesmo com a casa cheia e apoio total da torcida….. vide Goiás, Atlético-MG (2009)….Libertadores 2012, inauguração da arena…. eu n~åo confio nesse time.

Pra mim deu, acabou. Em 2015 e 2016 não quero saber de Palmeiras. Cancelei meu Avanti e não compro mais produtos oficiais. Enquanto esse senhor for presidente do meu Verdão e enquanto aquele maldito sapo-boi estiver vivo, fico de fora. Cansei. Quero meu Verdão de volta, o gigante do século passado. Não aguento mais ver essa vagabundice transformar o outrora Campeão do Século na piada do ano.

Os comentários estão desativados.