Categorias
Opinião

Precificação no Palestra: equívocos e consequências

 

POR RODRIGO BARNESCHI

Precificação. Por mais extenso que fosse, um texto aqui publicado dificilmente daria conta de abranger todos os elementos relevantes para a discussão sobre como estabelecer o preço adequado à relação entre oferta de um produto ou serviço e a demanda por ele. Por isso, vou simplificar a apresentação do assunto: em qualquer lugar minimamente sério, a precificação é uma decisão racional, baseada em estudos de mercado e pautada pela sustentabilidade no relacionamento entre quem vende e quem compra.

No Palmeiras sob o comando de Paulo Nobre, no entanto, a precificação dos ingressos para jogos do clube é um processo impressionista e personalista. Desde o início da gestão que aí está, os preços partiram sempre da mente doentia do mandatário, sem qualquer amparo de estudos junto à torcida ou de avaliações sobre a razoabilidade da tabela praticada. Lembrem-se, por exemplo, da arquibancada a R$ 60 na abertura da Série B, em Itu. Ou dos mesmos R$ 60 para jogos do Brasileiro do ano passado, com o time caindo pelas tabelas.

É bem singela a explicação para este descompasso: Paulo Nobre é o menino mimado que vê o novo Palestra como seu brinquedinho e, como tal, quer decidir quem com ele pode ou não pode brincar. Por conta própria e sem dar ouvidos a seus cúmplices (a reclamação é deles), Nobre define os preços vigentes no novo estádio da S.E. Palmeiras. E faz isso não com base em estudos ou em alinhamento com seus pares, mas a partir de sua visão distorcida de mundo.

Se Nobre não tem o devido cuidado quando se trata do relacionamento com o patrimônio maior da S.E. Palmeiras, é o caso então de apontar as inconsistências, os problemas e as obscenidades destes primeiros meses desde o retorno para casa, identificando, sempre que possível, os pontos em que as imposições de Nobre flertam com a insanidade:

-O “setor popular” não pode custar R$ 80 qualquer que seja a circunstância. Muito menos R$ 100. Não há nada de popular quando se cobra 10% de um salário mínimo para uma arquibancada. Até porque, e isso é o mais grave, o preço cobrado por este setor acaba impactando todos os demais, tornando inviável qualquer relação sustentável entre clube e torcedor.

-A diferença de preço entre a Cadeira Gol Sul (Turiassu) e a Cadeira Gol Norte (Matarazzo) não pode, em hipótese alguma, superar os 20%. Questão de lógica: em lugar algum do mundo, tem-se a curva atrás dos gols como um setor privilegiado. No nosso estádio, no entanto, a diferença entre as duas ‘curvas’ é gritante: entre 75% (R$ 80 x R$ 140) e 212% (R$ 80 x R$ 250). A disparidade nos percentuais em jogos diferentes evidencia o descuido e a falta de planejamento.

-O ingresso da Cadeira Gol Sul a preços extorsivos implica ainda em uma condição altamente desfavorável para as torcidas visitantes. A conta, como eu demonstrei anteriormente, será paga pelos palmeirenses que viajamos para ver o alviverde como visitante e também pelos torcedores locais, que terão de pagar preços astronômicos para ver o Palmeiras em suas cidades.

Link: http://3vv.com.br/2015/02/quem-vai-pagar-a-conta/

-Há, ainda, uma distorção que diz respeito à tese de que os setores superiores centrais são tão menos privilegiados que os inferiores (a ponto de justificar diferenças astronômicas entre os valores cobrados). Não há nada que justifique isso.

-O Setor Oeste deveria ter um preço ligeiramente superior ao do Setor Leste. Três são os motivos:

(I) o Setor Oeste tem acesso melhor, pela Turiassu;

(II) quem fica no Setor Oeste não precisa se preocupar com o sol;

e (III) preços menores no Setor Leste estimulariam a ocupação do espaço que é o primeiro a ser filmado pelas câmeras de TV.

***

Agora, em dois pontos, o problema mais grave:

1) Vivemos agora a transição de um modelo de setorização 80×20 para um modelo de setorização 20×80. Explicando: os estádios mais antigos sempre foram regidos por uma lógica em que a arquibancada respondia por algo em torno de 80% da capacidade, ficando os 20% restantes para as “numeradas” ou “sociais”. Tinha-se, a partir disso, uma clara distinção entre o público presente a cada um dos setores – e tal distinção, frise-se aqui, estava alinhada com a estratificação social de nosso país. Era assim no antigo Palestra (as numeradas coberta e descoberta comportavam não mais do que 5 mil lugares) e também no Pacaembu (com as cadeiras laranjas tendo um preço não tão abusivo na comparação com arquibancada principal e tobogã). As novas arenas, no entanto, acabam por subverter tal lógica, elevando sobremaneira os preços não apenas das áreas mais privilegiadas, mas de todas as demais. O que se tem hoje no Palestra é um único ambiente (a Cadeira Gol Norte) com preços “populares” e todo o restante do estádio com preços obscenos. É um modelo insustentável, até porque os ingressos “populares”, pouquíssimos, se esgotam rapidamente e ficam sempre com os mesmos torcedores – aqueles que estamos melhor colocados no rating do Avanti (o que é justíssimo, diga-se de passagem). Para os demais, impõe-se uma “nota de corte” das mais severas.

2) Ampliando a discussão iniciada no item anterior: é possível (e até necessário) ter um setor muito caro (R$ 200 ou R$ 350, vá lá) desde que ele tenha um tamanho proporcional ao total de pessoas aptas e dispostas a pagar por isso. Algo como a cadeira azul do Pacaembu. Ou como a numerada coberta do Palestra. Mas é insustentável praticar preços assim tão elevados em 40% dos lugares disponíveis no estádio (no caso, os setores centrais Leste e Oeste). Repito: estes dois setores, que têm ficado reiteradamente vazios, respondem por quase 40% dos assentos do estádio.

***

Da conjunção de todos esses fatores, emerge um cenário dos mais preocupantes. Tendo em vista especialmente o preço mínimo (R$ 80) e o modelo que faz com que os bilhetes populares sejam apenas 20% do total, temos uma “nota de corte” para o público ‘comum’ (leia-se “não Avanti estrelado”) que deseja ir ao estádio: R$ 120 (o indigesto preço do setor superior).

Afinal, os cerca de 6.200 ingressos (bem menos que 20%) da Cadeira Gol Norte se esgotam rapidamente, ficando sempre com os melhores colocados no rating do Avanti. Na sequência disso, um torcedor eventual, daqueles que só pode ir aos jogos de vez em quando, passa a se deparar com um cenário em que somente conseguirá ver o Palmeiras em campo se se dispuser a pagar R$ 120. Se quiser levar os filhos, aí a tarefa se torna inviável.

Em jogos com maior procura, chegam ao fim rapidamente também os setores superiores e a Cadeira Gol Sul. Desta feita, restará a este ‘torcedor eventual’ apenas e tão somente a opção de ser extorquido com o desembolso de R$ 200 (ou R$ 350) cobrados pelos setores Leste e Oeste.

Daí então temos o seguinte paradoxo:

Existe uma enorme demanda de pessoas querendo conhecer o novo estádio, mas ele segue não recebendo público total (com as cadeiras centrais às moscas, mesmo em um clássico contra os gambás) porque não há quem consiga encarar os preços doentios praticados por Paulo Nobre.

Não à toa, a esquina da Turiassu com a Caraibas tem ficado repleta de torcedores durante os jogos, todos eles alijados do estádio por essa política de precificação higienista e excludente. Da mesma forma, é forçoso observar que muitos torcedores de outros tempos deixaram de ir ao estádio pela impossibilidade de bancar os valores propostos (veja foto acima).

Aos efeitos disso:

-Em curto prazo, tem-se os setores centrais (aqueles que aparecem na TV) vazios e perde-se uma receita que poderia ser alcançada com valores mais racionais. Perde-se também a pressão de uma torcida mais perto do campo (tanto no centro quanto atrás do gol da piscina);

-Em médio prazo, cria-se uma relação pouco saudável com o torcedor, que se vê coagido a estabelecer um relacionamento contratual (Avanti) se quiser preservar o seu direito de ir ao estádio. Para muitos, nem isso será o bastante, uma vez que, torno a repetir, a modelo 20×80 limita os preços “populares” a um pequeno contingente da torcida. O resultado é um distanciamento entre clube e torcedor.

-Em longo prazo, perde-se a conexão com a “massa”. Caso os alienados e os elitistas não saibam, é o vínculo com a “massa” que faz o Palmeiras ser o gigante que é. É o que torna o Palmeiras um clube com torcida em todo o país. É o que garante a nossa representatividade – porque os títulos já não fazem parte da rotina.

***

Eu escrevi, em post do ano passado, que o Palmeiras não resistiria a mais dois anos de Paulo Nobre. Torno a repetir agora. Porque, imerso em seu mundinho apartado da realidade, Nobre acaba por afastar da arquibancada do Palestra Italia o torcedor com menos recursos – que, não custa dizer, é a imensa maioria. Pior do que isso: os preços abusivos representam também um processo de exclusão das crianças, em especial as mais humildes – porque um pai pode até fazer um esforço eventual para bancar a sua entrada, mas dificilmente conseguirá levar seus filhos ao estádio. E é terrível imaginar os efeitos disso para a nossa próxima geração de torcedores.

Rodrigo Barneschi

173 respostas em “Precificação no Palestra: equívocos e consequências”

O ajuste é simples: diminuir os preços dos setores centrais de R$ 350 para R$ 200 ou, no máximo, R$ 250. Como muitos dos que frequentarão esses setores serão sócios Avanti, pagarão, se muito, entre R$ 100 ou R$ 120 reais para um setor nobre. Aí o estádio estará sempre cheio.

R$ 100 ou R$ 200 por uma partida?? Poxa, eu e a maioria da torcida do Palmeiras estamos bem longe de achar isso justo de ser pago. O espaço para esses setores deveria ser bem menor como escreveu o Barnesch

Prezados os comentários para este post foram fechados. Na maioria dos casos o debate foi muito positivo. Aquilo que nos une é nossa enorme paixão pelo Palmeiras. Somos apaixonados e muitas vezes debatemos com o coração, como numa partida de futebol. Entretanto tivemos muitos comentários que foram extraídos por não estarem de acordo com nossa política de postagens. Agradeço a compreensão. Mais tarde entrará um novo post para nova troca de comentários. Saudações Alviverdes!

Como palmeirense do interior de SP, Piracicaba especificamente, vejo com muito desânimo o rumo que tomou essa “administração” na questão do preço dos ingressos, pois para nós o gasto para se ver um jogo aumenta e muito. É horrível qdo vejo os jogos do Palmeiras agora e a arquibancada do meio do estádio quase toda vazia. Foi vergonhoso no jogo contra os gambás aquela cena, onde poucos estavam ali para xingar e cuspir naqueles lixos la. Mesmo assim defendo tb a presença de qualquer torcida adversária e até inimiga no estádio. Não quero um estádio somente com coxinhas q vão pra lá por causa da “modernidade” do estádio e pra aparecer no telão e/ou televisão. Ainda bem que ainda resta as torcidas organizadas o papel de apoiar o time e não deixar q o Palmeiras seja um time só com torcedores q batam palmas e que puxem um coro ou outro depois de um gol ou em momentos esparsos do jogo. Os mesmos q serão humilhados e enxovalhados qdo quiserem assistir jogos na casa dos rivais ou no próprio estádio msmo. Com esse preço absurdo do ingresso, PN quer isso e vai manter os vergonhosos preços. E qdo o time não estiver bem? Ai quero ver essa coxinhada ai ir lá empurrar o time.

Acredito que o 3VV não vai censurar seu comentário. Nem mesmo “sensurar”, seja lá qual for o significado desse verbo enigmático. No mais, meu caro, deixo para você todo e qualquer interesse obscuro; os 9 anos de “Forza Palestra” mostram bem o que eu defendo.

O nível de arrogância dos comentários abastados, passou de uma discussão inteligente para uma guerra de classes.
Desisto.

Fernando, acostume-se pois vai ficar pior. Tenho poucas dúvidas de que um dos maiores objetivos da “gestão moderna” do sr. presidente sempre foi elitizar o clube, quem sabe assim com uma pequena “emenda” nos estatutos ele possa ficar por lá mais uns dez ou doze anos, “salvando” o Palmeiras como acham alguns. Enquanto isso, o campeão do século XX ainda não percebeu que no século XXI até o Ituano tem mais títulos estaduais que ele – por mais chinfrim que esse campeonato tenha se tornado…

Concordo. Falta de respeito tremenda com os leitores do site, estou sem palavras. Será que é Palmeirense mesmo? Aliás, será que esse site é 100% Palmeirense?

Sabe o que é pior… o nível de alienação está tão grande que estamos parecendo uma certa torcida lá pros lados do Jd. Leonor.

Tentem entender que existe um ESTÁDIO POR TRÁS DE UM JOGO, existe uma estrutura chamada ALLIANZ PARQUE, que vale o preço caro do ingresso.

Preço caro = Arena Vazia, é dificil entender isso ou tem de desenhar… Ou é normal pagar 300 dilmas pra ver SEP e CAPIVARIANO, só se vc for sudito da nobreza.

Vai ter que desenhar, Cassiano. De preferência, algo bem diferente de Messi, Cristiano Ronaldo e Neymar, pois tem gente que acha que devemos pagar caro pois são esses os craques que “desfilam” no nosso estádio. Um estádio moderno e caro sem um time de futebol forte e vencedor será sempre um estádio moderno, caro e VAZIO.

Como bem dito pelo Jota Jr., o nível de alienação é bem típico daquele que tanto condenávamos lá pelos lados do Jd. Leonor. É triste ver o ponto a que chegou parte de nossa torcida.

Além dos seus comentários serem elitistas e preconceituosos, demonstram uma tremenda falta de visão (que pelo visto não é problema apenas da atual administração).

O conceito de caro não é apenas relacionado ao fato das pessoas poderem pagar ou não (apesar desse ser um fator importante e incontornável).
É relacionado a se as pessoas QUEREM pagar ou não.
O espetáculo/evento vale o que está sendo cobrado?

O resultado das bilheterias nos setores mais caros mostra claramente que não.

Eu por exemplo sou um que graças a Deus tenho condições financeiras de pagar mas de forma nenhuma concordo em gastar esse valor para assistir uma partida de futebol no nível que é jogado no Brasil.
E pelo visto a grande maioria de quem pode pagar também pensa assim, visto que os ingressos continuam encalhando nas bilheterias.

Achar que as pessoas vão gastar valores abusivos só para ajudar a “resgatar o time”, é muita ingenuidade e/ou hipocrisia.

Se você pensa mesmo que isso é justo, então faz o seguinte: doe para o Palmeiras 80% da sua renda mensal para ajudar a resgatar o time.

Se por acaso ficar apertado para pagar as suas contas, é só você fazer algumas horas extras…

Já parou pra pensar por que são produzidas apenas algumas dezenas de ferraris por ano?

Se a fábrica da ferrari resolvesse produzir 46 mil ferraris por semana ia faltar espaço pra guardar tanto carro encalhado.

Como bem registrou o Barneschi, não há nada contra setores VIPs no Estádio. Desde que estes setores tenham o exato tamanho do público disposto a pagar por eles.

Mais objetivo que isto, impossível, nem desenhando. Só o Nobre não viu ainda que está tudo errado na precificação do Palestra. Ninguém aguenta pagar a conta, não é só o torcedor com menos recursos.

Estivessem alijando do Estádio os torcedores com menos recursos, por haver gente disposta a pagar mais, caberia lamentar e reconhecer que é assim que o mercado funciona. Teríamos o alento de encher o clube de recursos para fortalecer o time.

Mas é muito pior. Não há ninguém disposto a pagar o preço que o Palmeiras quer receber, como se comprova a cada jogo em casa. A demanda existe inegavelmente, a oferta também, mas o preço impede que as duas se encontrem. Estamos jogando dinheiro fora!

Some-se a isso que nem os torcedores Avanti conseguem resgatar os ingressos a que fazem jus. Pago R$ 140,00 paus por mês de Avanti e teria direito a ingressos nos setores superiores centrais. A maioria dos lugares nestes setores NUNCA está disponível para venda no site, sem que qualquer explicação seja dada (o atendimento ao cliente do Avanti é uma obra de ficção como sabem todos que um dia já tentaram ligar ou escrever para o programa). Resta escolher entre um benefício de valor menor do que aquele a que faço jus, ou gastar uma grana irreal para pagar os setores mais caros. Tudo isto para que os mesmos lugares permaneçam vazios.

Resumo da ópera…… em vez de se revoltarem e se preocuparem com os favorecimentos cada vez mais desca…………….rados de nossos adversário,……. que os ajudam a ganhar cada vez mais títulos, queremos a Arena com preço bem baratinho…… mas exigimos jogadores top de linha……………o que é mais interessante para o Palmeirsa, torcedores que vão a quase todos os jogos e pagam….ou torcedores avulsos que podem ir 1 dia ou somente em 5 meses…… e nesse tempo o estádio pode fixar vazio? Para isso existe o Avanti e quem vai com frequência paga muito menos………………. a empresa que trabalho tem assinatura anual e compra para todos os jogos do Bayern de Munique, 30 ingressos do campeonato alemão e Champions League e convida os clientes. Para o Bayern interessa esse tipo de cliente, que faz o Allianz estar com seus 63 mil ingressos sempre vendidos……….com isso, o profissionalismo de sua diretoria (só tem jogador que ganhou tudo no esporte)…..e dos patrocinadores, monta TODO ANO timaços…… sem dever 1 centavo……diferente dos espanhóis que devem fortunas. Eles estão errados….ou nós o país dos 7×1, rgt, petrobrás….stjd, comissão de arbitragem…?

Isso mesmo amigo, assino em baixo, felizmente a maioria da nossa torcida pensa como você, ela sabe que para o PALMEIRAS crescer ainda mais precisa da ajuda da torcida, quer pagar barato? Seja Avanti, tem Itaucard, meia entrada pra estudantes e etc. Criticar é muito fácil.

Sugiro que os senhores voltem aos bancos escolares e aprendam a escrever. Na sequência, aprendam a argumentar de maneira decente. Ao final de tudo esse processo, retornem aqui para conseguirmos travar um debate.

Vai ser difícil eles voltarem para a escola, Barneschi. Entre teorias conspiratórias e arrotos de arrogância, vão achar que os “bancos escolares” são coisas ultrapassadas, o moderno mesmo é estudar em arenas, onde só quem é Avanti ou tem Itaucard pode entrar…

Opa….. agora já temos um professor que é incapaz de aceitar que seu texto e visão é cheio de entraves e ordena que os outros voltem aos bancos escolares.

Não entendo o motivo de tanta excitação.

Lei básica de mercado: oferta e procura!

Preço mínimo R$120, se encher, próximo jogo aumenta ainda mais. Se não encher abaixa:
e assim por diante até se encontrar um equilíbrio entre OFERTA de assentos no estádio e PROCURA poe eles.

De que adianta definir preços de R$20 a R$50 (entre os setores mais populares e mis caros) e ter uma PROCURA de 85.000 lugares por jogo sendo somente 40.000 possíveis. Qual seria o critério para comprar os ingressos com 2 canditatos por assento? Os mesmo de hoje? Não seriam os mesmos 5 estrelas que iriam comprar? E aquele pai que gostaria de levar seu filho eventualmente, nunca iria?

Calma! Os preços vão se regular pela lei básica de mercado: equilíbrio emtre OFERTA de assentos e PROCURA por assentos.

Prefiro acreditar que não li o que este sujeito acaba de escrever. É melhor que seja assim. Aliás, vou dar a ele o direito de se retratar e pedir desculpas pela atrocidade em questão.

Rodrigo,

Todas as vezes que fui a Arena vi sim crianças, senhores de idade e muitas mulheres com os namorados e maridos.
Isso é a higienização que vc diz…..
Graaças a Deus que estamos eliminando os ” mano que paga vonte conto e que mija e caga fora da privada, quebra tudo e se acha o bão ”
O cara que não pode pagar o ingresso pra ir ver o jogo todas semana passará a ver menos jogos mas continuará a ir, em contrapartida um monte de gente que tinha deixado de ir aos estádios passará a frequentar novamente ….
Ou seja, a “base ” de cientes vai aumentar meu amigo !!!!!
Esse papinho de cimento da arquibancada, da verdadeira torcida e etc já ficou pra trás meu velho !!!
Temos de eliminar os ” Serdans” e ” Guerras” da arquibancada e mandar eles pro fundo do inferno …..

Se você vê torcedor como “cliente”, então isso mostra bem o quanto você não faz a menor ideia do que seja o futebol. No mais, seu comentário transborda a mesma sanha elitista e higienista que tomou conta de boa parte de nossa torcida. Lamento profundamente.

E você conhece FUTEBOL? O bom mesmo é sentar no cimento, sentir o cheiro de maconha que paira no ar e brigar por assentos que você “comprou” e que alguém ocupou. Talvez você seja “daqueles” que gosta de assitir jogos no alambrado do Pacaembu e xingar o bandeirinha. Eu concordo com você em dois pontos no respectivo texto; 1- A Central Leste vazia cria um aspecto feio nas transmissões e merece sim uma mudança de estratégia para preencher aquele espaço; 2- O preço das duas vista Norte-Sul devem ser padrão, não há diferença nenhuma e benefício nenhum para a diferenciação de valores per pax!!! No mais, eu acredito que o produto “Futebol” é outro, os Palcos são outros e na era da modernidade não pode-se mais tratar a população (torcida) como bixos.

O dia em que o torcedor for realmente tratado como “CLIENTE”, será respeitado. É isso que acontece no futebol profissional europeu. Ai sim será cumprido o “estatuto do torcedor”, que no brasil jamais é respeitado. Quando o torcedor é tratado como cliente, recebe uma gama de conforto e facilidades que fazem do futebol um entretenimento como teatro, cinema, shows. Isso os americanos já fazem há décadas em todos os esportes. Isso gera renda para os clubes…..que investem mais em…..QUALIDADE… procuram ganhar títulos……………. mas no brasil, nossos adversários são favorecidos com patrocínios estatais, deixam de pagar imposto de 2010-12 e são campeões da Libertadores….. recebem estádio de graça, pagos com nossos impostos……receberão 70 milhnøes a mais da tv á partir de 2016……E CONTINUAMOS NO FRIENDLY FIRE….e por ai vai. Os torcedores da mancha que estão presentes em todos os jogos já fizeram as contas:….. 4 jogos e usando o avanti = 160 reais por mês……….o que é essa quantia? É claro que compensa……só se desejarem entrar de graça, é que não.

Quer dizer que quem tiver dinheiro para pagar o absurdo que o piloto de autorama acha que vale o “espetáculo” é civilizado, quem não tiver ainda vive em cavernas com archotes e caça com tacapes para comer, é isso? Ah, tá… Exemplar visão de mundo.

É triste, é muito triste. Eu li isso e me bateu um desânimo enorme. O nível de afetação vai além de qualquer parâmetro imaginável.

Caro Fábio… Você já parou pra pensar o tanto de sandices que você está escrevendo? Você achar justo, ok, é um direito seu, mas pare de proferir esses argumentos sem pé nem cabeça. Abraços!

Deve ser justamente por não pensarem como você: “eu posso pagar o preço que for, os outros, menos favorecidos, que se explodam”…

Sim, é exatamente por isso, meu caro Jota. Porque nós entendemos que a torcida do Palmeiras não é composta por uma camada de privilegiados que pode bancar um ingresso caro. Porque temos discernimento o bastante para entender que o Palmeiras é um time de “massa” porque tem representatividade em todos os estratos sociais. Foi o que eu escrevi, na parte das consequências. Mas parece que criaturas como o tal Fábio Pereira, que produziu algumas atrocidades inacreditáveis, não conseguem entender isso. Vivem no mesmo mundo enclausurado de Paulo Nobre, aquele que mede a torcida do Palmeiras pelo seu próprio bolso.

Caro Fábio, vc afirmou o seguinte: “… há 6 milhões de torcedores, com certeza terá demanda suficiente pra ENCHER a arena durante o ano, mesmo com esses preços…. ”

Pergunto-lhe: e por qual motivo não enche? por favor, responda com argumentos e não com achismos…

Abs alviverdes.

Já fui em 2 jogos no Allianz Parque, e o único lugar que ficou vazio foi as CENTRAIS, por isso que o Paulo Nobre baixou de 350.00 para 200.00, vamos ver como ficará as vendas nesse setor, se continuar vazio, coisa que não acredito, deve chegar no preço de 150.00, os outros setores estavam de 80% á 90% cheios, me parece que tem demanda suficiente, lembrando que é apenas o “Paulistinha”, imagino que no Brasileiro jogando clássicos nacionais á todo instante devemos ter a arena lotada.. Já para os menos favorecidos financeiramente, vamos criar o BOLSA INGRESSO rsrs.

“Só” o que ficou vazio foram os setores que representam 40% do estádio.
Legal, então não tem problema…

Pra achar que com ingresso de R$200 vai encher pra assistir jogos de Campeonato Brasileiro, com o espetáculo meia boca que é o futebol brasileiro hoje em dia, só pode ser alguém que vive no Brasil de faz-de-conta da Dilma.

Porque quem vive no Brasil real sabe que não existe a menor chance.

Deixa o time ganhar mais um ou 2 jogos Estou a caminho! Vera ….
Quem no Brasil,hj põe mais gente no estádio do que Palmeiras ??
Nem a ponte preta de itaquera tem média de público melhor q o Palmeiras ….

Brigar com os fatos não é uma atitude inteligente. À exceção do jogo inaugural, o Allianz Parque não chegou a 70% de ocupação (talvez no jogo contra os gambás, mas por conta da redução da capacidade exigida pela PM).

A administração PN enfiou na cabeça que o Avanti é a solução para todos os problemas financeiros do clube, o que é um erro. Especialmente com os preços praticados atualmente. Para usar um exemplo que alguns fiéis escudeiros da atual diretoria gostam, no Plano Ouro, o cidadão pode ver até 4 jogos num mês a R$ 70 (valor da mensalidade) no setor Gol Norte. Isso leva o preço médio a R$ 17,50. Pensemos em R$ 20,00 como preço médio, para arredondar e porque alguns torcedores que compram ingressos para esse setor pagam mais que R$ 17,50. Dessa forma como o setor acomoda até 6200 pessoas, temos: R$ 20 x 6200 = R$ 124.000. Hoje, no Allianz Parque, a torcida palmeirense encheria facilmente o setor Gol Norte, sem descontos do Avanti, a um preço de R$ 30. Isso significa R$ 30 x 6200 = R$ 186.000. Lá se foram R$ 62.000 por jogo! **(na verdade tanto o cálculo anterior quanto o da minha hipóteses precisam ser ajustados para meia entrada e eventuais gratuidades previstas em lei, mas isso não afetaria significativamente a comparação, ok?). O Avanti é um mecanismo de racionamento, de venda de ingressos que estipula prioridades. Ou seja, um mecanismo que tem razão de existir quando o bem/serviço (no caso, os ingressos) são escassos. Com os preços atuais o Palmeiras está conseguindo a façanha de criar escassez em alguns setores do Allianz Parque enquanto deixa 60 ou 70% de outros setores desocupados. Isso é UM GRANDE ERRO ! A consequência é uma ocupação geral em torno de 55 a 70% (considerando uma capacidade de 39.000 lugares, imposta pela PM). Espero que a evidência factual (dados de ocupação por setor) e as manifestações dos torcedores sejam ouvidas e os preços sejam ajustados.

Jorge, espero que o pessoal que nao entendeu ainda, após ler seu coment consiga compreender.

Obrigado, Jorge. Seu comentário traz mais alguns elementos que vêm ao encontro de tudo o que eu escrevi anteriormente. Mas Nobre prefere seguir com a política de preços personalista e impressionista e provoca prejuízos que vão bem além do financeiro.

Jorge, o Avanti é sim uma solução para problemas financeiros. Através dele conseguimos, parcialmente, nos libertar da RGT e seus pseudos-benefícios, é com ele com vamos conseguir equilibrar contas com SCCP, CFR e BAMBI. Concordo que a política de preços deve ser revista, o Nobre poderia explorar o AVANTI como os Gambás fazem com o seu plano de ST; – As cadeiras inferior/superior central onde é o foco da TV são exclusivamente para os sócios torcedores mais assíduos, seja gratuíto ou seja com preço mais acessível. Além praticar o mesmo no Allianz, um dos gols (norte ou sul) poderia ter preço promocional para a “geral” e os demais setores sim serem “precificados” com valores maiores. Acredito que desta forma cerca de 80% da capacidade da Arena seria ocupada em quase todos os jogos.

Venderam antecipadamente 16 mil ingressos contra uma porcaria de time de um péssimo campeonato e tem gente reclamando! Tá bom então!
Quase 99 mil sócios torcedores e tem gente reclamando
Dívida equacionada e tem gente reclamando
Elenco sensacional e tem gente reclamando
Estádio maravilhoso e tem gente reclamando
Base dando frutos e tem gente reclamando
Clube social sem déficit e tem gente reclamando
Estrutura do CT excepcional e tem gente reclamando
Patrocínio master e outros como manga e barra da camisa e tem gente reclamando
Lojas se espalhando e tem gente reclamando
Vou parar por aqui

Como eu havia previsto venderam até hj 16 mil ingressos. Como sempre, lotaram os setores baratos (ou melhor, os setores acessíveis a realidade palmeirense/brasileira). Bem possível que até sábado vendam uns 25 mil ingressos. Pois e’… poderia vender acima de 35 mil, isso claro, se baixassem os preços nos outros setores, principalmente nas centrais.

eu concordo que o preço das centrais é caro, mas os outros setores, sendo sócio avanti, da pra ir. quanto é ai Aldo, o ingresso?

Primeiro, quem é você para me mandar tomar vergonha na cara? eu te conheço, você me conhece? Eu perguntei porque tenho curiosidade. Que porra é essa? Só porque você tem blog do palmeiras, foi mais de 700 jogos e c.a.r.a.l.h.o. a quatro você acha que tem essa liberdade de me mandar tomar vergonha na cara. Ta doido amigo. Dito isso, posso muito bem discordar dos seus argumentos, mesmo porque você não é o dono da verdade. Eu também acho os ingressos caros, atualmente a opção é ser sócio avanti para pagar metade do preço. Nos seus 700 jogos foi sozinho ou você leva seu filho? Atualmente tenho que levar o meu (apesar de não ter os seus badalados 700 deve ter uns 400, com o moleque uns 450) o que torna mais caro a minha ida. Então não faz sentido eu querer que esses preços se mantenham, mesmo porque em todos os jogos que eu fui no Alllianz (mesmo você chamando de Palestra, e ai é opção sua) eu fui no gol norte por causa do preço. O que não da pra aturar é você sempre achar que é o dono da verdade e muito menos não me tratar com respeito, a uma pq não te destratei e a duas pq não me conhece.

Aqui depende do jogo…, mas, se for time de ponta (como o Palmeiras)… vc só compra nas bilheterias (caso raríssimo) , e se sobrar (algo difícil). Só que…como a procura e’ muito maior que a demanda os clubes fazem carnês, onde vc paga o pacote (antecipadamente) de todos os jogos em casa. Os preços giram em torno de 30 a 50 libras (nas curvas). Mas, não se pode colocar o paulista/paulistano no mesmo padrão inglês, pois, aqui o salário-mínimo vale 6 vezes mais. E a prova que estão caríssimos os ingressos na Allianz Parque e’ o fato dos “abonados” paulistas/paulistanos nunca terem $$$ ou coragem de pagar esse absurdo cobrado nas cadeiras centrais, que vivem vazias. Pra mim, se continuarem com esses preços abusivos e absurdos, teremos esses setores aniquilados, sem serventia alguma. Abraços !!!

não era para comparara e sim curiosidade em saber os valores. Não da para comparar libra com real, England com Brazil.

Não dá para desenhar aqui, mas vou ver se fica claro assim:
1. O TAMANHO DO ESTÁDIO É FIXO! Em crescendo bastante o número de ST, NÃO VAI TER ESPAÇO PARA TODOS;
2. O QUE CONTA PARA O TORCEDOR É A DESPESA TODA, AVANTI + INGRESSO;
3. Sim, ESTÁ DIFÍCIL CONSEGUIR UM INGRESSO DE PREÇO RAZOÁVEL, MESMO SENDO AVANTI, tanto no setor Gol Norte, quanto nos setores da cadeira superior.
4. Negar que o setor das cadeiras centrais está quase sempre com ocupação irrisória É NEGAR UM FATO NOTÓRIO. Achar que é razoável que esse setor esteja sempre assim é uma grande asneira.

despesa toda ok. Avanti R$ 70,00 (plano ouro), 1 jogo setor gol norte R$ 80,00. -R$10,00, segundo jogo gol norte -R$ 80,00, terceiro jogo gol norte -R$ 80,00, quarto jogo gol norte -R$ 80,00. paga-se R$ 70,00 e economiza-se R$250,00. Olha só, eu também acho que o valor das centrais estão caras. mas não da pra pedir ingresso a 5/10 conto.

Victor, onde foi que você leu que pedi “ingressos a 5/10 conto”? A bem da verdade, eu acho que você paga muito pouco (suponho que tenha um Plano Ouro): R$ 70 / 4 jogos = R$ 17,50 por jogo. É tão pouco, que se muitos palmeirenses seguirem a recomendação de aderirem ao Plano Ouro, não vai ter lugar para todos. Aliás, já não tem. Esse é o retrato do Allianz Parque nos dias de jogo: lotado em alguns setores, ridiculamente vazio em outros. Deu para entender?

Sbrighi, eu repito: o Setor Norte tem 6.200 assentos. Fundemos então um clubinho de 6.200 sócios e será esta a torcida do Palmeiras. É tão difícil entender isso? E quem pediu ingresso a R$ 5 ou R$ 10?

Discutir preço justo, é besteira. Perda de tempo. O preço vai estar certo quando todos os lugares forem vendidos pelo maior preço possível. Se o estádio reiteradamente fica vazio, não há o que discutir, o preço está errado.

Assim… muitos aqui criticam o texto por, digamos, ser ácido com nosso presidente. Mas se é ele, exclusivamente, quem bota esses preços absurdos, o autor vai ser ácido com quem, com o Tiririca???

Jota, não sei se este é o ponto. Este tema é muito subjetivo e varia devido a naturalidade da pessoa, classe social, interesses políticos, entre muitos outros temas… Não acho “alienação” quem diz ser à favor da precificação atual, mas não acho totalmente certo o tema debatido aqui, na forma que o Autor explicita. Acho que deve haver ajustes e adequações de alguns setores. Eu comparo isso à um carro, o carro velho e sem ar condicionado vai te levar no mesmo lugar que um carro novo, V6, completo e cheio de tecnologia, mas a diferença é o conforto, status e claro, o preço.

Os comentários estão desativados.