Categorias
Opinião

Opinião: Reféns

 

Por Rodrigo Barneschi

Complete a lacuna com uma palavra:
“O palmeirense é um ___________ por natureza”.

Algumas opções: torcedor, apaixonado, fanático, otimista/pessimista, corneteiro, sofredor, exigente, aficionado, crítico, devoto, ensandecido, neurótico, bipolar, confiante/cético, intolerante, forte, guerreiro, vitorioso, maluco, vencedor, crédulo/incrédulo, determinado, empolgado, incansável, louco, doente, insistente, persistente, obsessivo, insano…

Todas podem se aplicar – e algumas centenas mais. Afinal, não há um único tipo de palmeirense, mas vários. Os adjetivos e substantivos sugeridos traduzem, de certa forma, muitas das características normalmente atribuídas ao torcedor alviverde. São atributos que podem ser associados a cada um de nós em momentos distintos.

Mas qual seria a sua palavra se fosse necessário escolher apenas uma?

Antes de responder, sugiro, por favor, que você tenha em mente o significado da palavra “natureza”:

 

image

 

O que respondeu a criatura que temporariamente preside a Sociedade Esportiva Palmeiras?

Bom, a frase dele, em entrevista para a Folha de S.Paulo, foi a seguinte: “O palmeirense é um consumidor por natureza”.

Consumidor.

Para o mandatário de plantão, a natureza do palmeirense tem pouco a ver com sua atitude em uma arquibancada – ou em qualquer outro lugar. Segundo ele, a natureza do palmeirense não diz respeito a caráter, temperamento, comportamento ou o que quer que seja. Para o rentista que enxerga os frequentadores do novo Palestra não como torcedores, mas como cifrões, o palmeirense pode ser definido não por algo relacionado ao hábito de “torcer”, mas pelo ato de “consumir”.

É uma frase que diz muita coisa nesses tempos em que o torcedor palmeirense é extorquido na hora de entrar em sua própria casa.

Alguém aí haverá de dizer que estou dando muito peso a uma simples declaração, que estou tomando o todo pela parte, que estou fazendo uma interpretação maldosa da terminologia empregada. Sinto dizer, mas está longe de ser isso. Porque o senhor presidente do clube segue, dia após dia, contaminando o Campeão do Século XX, outrora conhecido pelo seu caráter inclusivo, com uma visão excludente e distorcida da realidade. Sequer os números, estes que pretensamente embasam suas demonstrações públicas de esquizofrenia, param em pé, como se pode depreender da mentira por trás dos 6.000 lugares perdidos, das muitas contestações ao obsceno preço dos ingressos e da análise sobre as despesas do novo estádio.

Sob Nobre, aquele que tem obsessão por ser refém (da construtora) ou não ser refém (do centenário, aquele que foi arruinado por seus erros), quem se torna refém é o palmeirense.

Tornamo-nos, todos, inclusive os asseclas, reféns de uma mentalidade elitista, altamente financista e que atribui valor ao palmeirense não pelo apoio que presta ao clube, mas pelo dinheiro de que dispõe para consumir. Tornamo-nos reféns de um presidente que, desconectado da realidade, enxerga o nosso estádio como seu brinquedinho particular – e, como tal, quer definir quem ele pode ou não pode brincar. Tornamo-nos reféns de uma política de precificação doentia, que limita a capacidade de público do novo Palestra, segrega parte substancial da torcida e tenta excluir a torcida visitante pelo bolso.

Paulo Nobre, como se vê, não entende nada de futebol. Nem do que é ser torcedor. Nem de Palmeiras. E nem mesmo de números, pois tropeça neles a cada nova declaração.

95 respostas em “Opinião: Reféns”

Sinceramente, aos q apesar do alerta do Barneschi no próprio texto insistiram em “argumentar” qq coisa na linha de fora de contexto desta patética declaração eu registro minha lamentação. É de dar pena simplesmente.
Com contexto, sem contexto ou com a PUTA QUE PARIU reduzir o torcedor a um simples “consumidor por natureza” é sim triste, imbecil, lamentável, desastroso. O presidente do meu, do nosso amor, da Sociedade Esportiva Palmeiras, que é infinitamente maior do um mero “bom produto” (palavras do mesmo) não pode dizer isto em contexto nenhum.
Meu irmão e eu somos sócios-torcedores ouro e até acho o valor, considerando tudo, razoável.
Qdo vamos ao Allianz, damos um jeito de estacionar em alguma entrada da Sumaré (sem flanelinha, tem q ser meio longe) e no máximo tomamos uma água durante o jogo.
E acho sim um segregacionismo a política de preço dos ingressos. Chega a ser absurda. E só lembrando, o setor de “gratuidade” para OURO é de somente 8500 lugares.

Eu frequentava o antigo Palestra e hj não imagino se terei condições de levar meu filho no Allianz Parque. Fora o preço do ingresso, estacionamento e outras coisas consumiriam uns 30% do salário. Infelizmente ver o Palmeiras no estádio é para quem pode mesmo. E enquanto alguns podem, outros milhões terão que assinar TV paga pois a RGT não passa nossos jogos. Parabéns Paulo Nobre, pois tenho certeza que meu filho nunca cruzará com o seu na “sua” nova arena. Um abraço a todos FORÇA VERDÃO.

Com os preços praticados pelo Palmeiras em seus jogos continuarem neste patamar, é sim segregação. Infelizmente para a maioria é isto que está e vai continuar a acontecer. Isto ocorre por exemplo na Inglaterra, onde o ingresso é caro, mas os estádios continuam cheios. Se estão cheios por que baixar o preço? Para trazer a torcida “popular” e ganhar menos? Por enquanto na Inglaterra não está acontecendo, e isto está servindo de parâmetro para o Palmeiras. Minha opinião é que com as novas arenas o futebol será “elitista”. O futebol nasceu popular, mas mundialmente está se tornando elitista, devido às grandes cifras envolvidas nele. As arenas têm muito mais conforto e quem vai pagar por isto?

Eu gostaria de saber o que seria os 400 mil a mais nos borderôs dos jogos do Palmeiras. Eles são lançados como: DESPESAS DIVERSAS.
Quem tiver a cópia desses borderôs , postem aqui. Dos 700 mil do total, sempre tem os tais 400 mil extras.

Aldo… os bordêros são públicos e estão disponíveis no site da FPF. Quanto aos valores… mistério… se é que me entende.

Nem vou perder meu tempo em discutir com o autor o fato dele pinçar da entrevista a palavra “consumidor”, precisa ver o contexto total do parágrafo. Mas o assunto que interessa e que se discute muito aqui, é o valor do ingresso. Caro, talvez para até quem vá frequentemente à Arena. Uma coisa eu posso concluir e muitos de vocês também….O ingresso só baixará se a torcida deixar de ir aos jogos, senão Paulo Nobre não vai mexer no preço, pois todos sabem que isto não está ocorrendo. Paulo Nobre deve conhecer de economia em que o preço é ditado pela demanda e oferta, e enquanto houver demanda para os ingressos nestes preços, ele ofertará ao preço que estamos vendo hoje. Ficar discutindo se está caro ou não é chover no molhado.

A utilização de estratégias mercadológicas equivocadas , torna-se marca registrada da atual gestão, aliadas as alegações falsas, argumentos dúbios, posturas e atitudes sem nexo, mostrando de forma direta e clara, que hoje somos sim reféns da velha e obscura politica de interesses , enraizada há exatos 39 anos, mantida pelos mesmos articuladores da medíocre , e densa camada de lacaios , do sistema burocrático , que impõe as medidas já conhecidas, e avaliadas , por todos os torcedores da SOCIEDADE ESPORTIVA PALMEIRAS, que mantem uma segura distancia , desta atitude passiva , de muitos, que prejudicam milhões, Barneschi a um bom tempo avalia de forma direta e correta, todos os capítulos desta novela tragicômica , que mantem o clube em uma estagnada posição, sem termos de forma democrática alguma perpectiva perante aos fatos!

Só digo uma coisa: não sou tesoureiro ou contador do Palmeiras, dito isso, considero que eles poderiam baixar sim, um pouco o valor das entradas, mas não me atrevo a fazer acusações tão contundentes quanto as do autor do post ou mesmo os leitores, que sem prova alguma, afirmam categóricamente “isso ou aquilo”. Só quem sabe se realmente eh preciso cobrar o que se cobra eh o responsável pelas contas do clube, e se estão sendo realmente elitistas por pura leviandade, só o tempo ira dizer.

Que acusações eu estou fazendo? Se você se refere à mentira dos 6.000 lugares perdidos, eu já provei isso com imagens. Quanto ao elitismo, o próprio Paulo Nobre, se for homem o bastante, haverá de confirmar. Todos os seus correligionários apontam que a precificação parte apenas e tão somente da cabeça doentia deste sujeito – que é altamente inconsistente em tudo o que prega e que não sabe lidar com números.

Trocando em miúdos, o negócio é o seguinte;—-Temos um presidente MENTIROSO !! na questão dos 700 mil—–Ja começa por aí A W.TORRE não tem gestão nenhuma sobre preços ou rendas do futebol !!! Até eu que sou mais burro, ja sabia desde 22 de novembro de 2014 que o show de Roberto Carlos seria 18 ou 19 de abril (data de aniversário do cantor ) Agora vem NOBRE com MEMEME dizendo que a culpa é da W.T Nosso presidente na época que era vice, com certeza nem leu o contrato que assinou !!!

O Rodrigo obviamente tem total direito e espaço para colocar a opinião dele. É uma visão mais radical e desconfio, só desconfio que ele não curte o Nobre. Brincadeiras a parte, eu vou ao estadio com frequencia, sou socio Avanti e pago um preço justo pelo que me oferecem (na minha humilde opinião). Se eu não fosse do Avanti, eu não iria porque seria caro. Isso é matemática. Nao me sinto ofendido se me chamarem de consumidor, elitista, eu acho que é muito mimimi Dane-se o que o Paulo Nobre diz ou acha. Fato é que se o Palmeiras faturar mais terá melhor time e mais condiçoes de ganhar campeonatos. Fico honestamente mais tranquilo em saber que o custo do estadio depende do Palmeiras e não da WTorre. Se for assim mesmo é melhor. Eu também entendi isso do contrato (sim eu tive a paciencia de ler o contrato). Nessa historia WTorre x Paulo Nobre, existem tres lados: O lado da WTorre, o lado do Paulo Nobre e a verdade que eu não qual é. Acho que a energia despendida aqui discutindo ‘consumidor. elitista” deveria ser canalizada na “maledeta”reforma estatutaria. Cade a reforma estaturia do sócio torcedor Senhor Paulo Nobre????? Cade a separação Clube x Futebol??? Isso é a nossa vida no futuro. Será que viveremos para ver isso?

Bom, os efeitos nocivos sobre a nossa torcida serão sentidos em bem pouco tempo. E aí, meu caro, não adianta dizer que eu e mais alguns outros não alertamos para os riscos dessa política elitista levada a cabo pelo Nobre.

Meu caro, nao teras que levar esse fardo, pelo menos de minha parte.Não acho que vocë tenha a obrigação de alertar ninguem e eu abomino a turminha do eu “te disse, te disse”. Respeito a sua opinião, mas para mudar uma cultura de uma torcida leva gerações. Não é um presidente que tem essa capacidade para o bem e para o mal, na minha opinião.. Eu quero é saber cade a “Reforma Estatutária?” Abs

Prazer, Barneschi. Me desculpe, mas vc teria uma idéia de valores que poderiam ser cobrados? Qual seria o valor justo pra vc? Vejo vc extremamente revoltado. Sendo assim, muitos tem curiosidade em saber quais valores cobrar? P.S. Não se sinta ofendido, pois, não tenho a minima intenção de fazer isso e/ou questiona’-lo sobre sua opinião e “ataques divergentes” ao Paulo Nobre. Pois, eu tbm acho que poderiam baixar os preços (exceto a curva norte), pois, estamos em litígio das cadeiras cativas e temos que garantir um bom valor (caso percamos na justiça). A meu ver…acho caríssimo nas partes centrais e tbm na curva sul. Nesses 2 setores poderiam baixar uns 30 a 40%. E nas cadeiras superiores tbm, uns 20%, sei lá. No mais, eu acho os preços justos, pois, sempre lembrando que temos uma arena coberta (pros torcedores) e conforto. E no saudoso Palestra Itália, as cadeiras cobertas custavam 80 reais em 2010. E não podemos confundir estádios com arenas. Pois, pagamos pelo conforto, visibilidade, etc…e os custos são outros também.. Mas, entendo sua opinião …e as respeito. Abraços !!!!

Nessa história toda, a conclusão que chego é que o presidente fica jogando a torcida contra a W.Torre apenas para não ter que explicar (ou reduzir) os valores absurdos cobrados pelos ingressos nos jogos do Palmeiras. Quer que pensemos: ‘Coitadinho do Palmeiras! Tem que pagar tanto pra jogar no Allianz! Por isso cobra tão caro o ingresso! Temos que entender, pagar e não reclamar de nada’. Além disso, há o lado pessoal do presidente, um enrosco em que ele mesmo se meteu, ao criticar a parceria. Falou tão mal que agora tem dificuldade para explicar os excelentes números que o Palmeiras tem conseguido jogando na Arena e faturando horrores. Então, como isso se encaixa com o que ele disse antes? Teria que reconhecer que errou, mas o ego dele não permite isso. Assim, precisa continuar criticando, falando que o custo é altíssimo (mesmo mal explicado, como descreveu tão bem o Allan), apenas para diminuir os méritos da W.Torre. Para o nosso presidente, a briga pessoal com a W.Torre é mais importante do que a imagem do Palmeiras. Então, vamos criticar a Arena, diminuindo os méritos de termos uma das melhores Arenas do mundo, e dizer que custa caro jogar lá (em vez de dizer que o negócio é excelente e deixar os rivais babando de inveja). Inacreditável como as diretorias do Palmeiras têm essa capacidade de dar munição para que os rivais atirem em nós. O pessoal aqui reclama que as críticas ao presidente cansam. Cansam mesmo! Mas apoiar incondicionalmente o presidente não faz bem a ninguém, principalmente ao Palmeiras. Temos que ter o olhar crítico. O palmeirense está cheio de ouvir sobre política e quer apenas voltar a ser torcedor, ter um time decente que nos permita vibrar e almejar coisas maiores. Eu adoraria fazer isso. Mas cada vez que o presidente se dispõe a dar uma entrevista, o fígado azeda. Nosso maior motivo de orgulho, única coisa boa que nos aconteceu no Centenário, não pode ser enxovalhada desse jeito na imprensa. Quando será que o presidente nos deixará sermos felizes?

Provavelmente nunca, Regina. Até porque o conceito de felicidade que ele tem é bem diferente do nosso, torcedores de longa data e que conhecemos o verdadeiro Palmeiras, um consumidor de taças e títulos. No mais, seu raciocínio está perfeito, desviar o foco sempre fez parte da linha de trabalho do Nobre, não fosse assim não estaríamos até hoje sem saber quem é o “quinto elemento” da magistral negociação Barcos. É aquela história: quem mente logo no primeiro encontro pode acabar batendo na mulher depois de casado, então todo cuidado é pouco e todo olhar crítico é necessário.

Atenção, Ilsinho quer voltar para o Brasil.
Tomara que o Mattos o traga para trabalhar como porteiro na Arena.
Volta para os bambis seu …..

Não estou defendendo o nosso presidente, mais a respeito de majoração de ingressos, começou no nosso antigo santuário, quando o Sr. Beluzzo criou o Espaço Visa, e aumentou a arquibancada para R$ 60,00, justificando a contratação do W. Love e manutenção do elenco.

“No ano passado, a gente recebeu em torno de R$ 10 milhões com o sócio torcedor e, neste ano, a expectativa é ganhar mais de R$ 20 milhões. É comparável a um patrocínio master. Queremos que o valor líquido recebido chegue a R$ 25 milhões. O palmeirense é um consumidor por natureza. É importante você arrumar um bom produto e que o torcedor acredite que [o valor gasto] vai ser revertido para aquilo que ele acha que é o mais importante, o futebol. O sócio-torcedor não fica feliz em gastar dinheiro, mas fica orgulhoso de ver o time indo bem. Bate no peito e fala: ‘Eu tenho a minha cota de colaboração nisso.'”. Em uma explanação sobre o sócio-torcedor não me parece descabida o pequeno trecho que o autor do texto pinçou. Ao pinçar um pedaço da frase de forma isolada o autor busca sugerir e atribuir o que lhe convém. Quanto ao ingresso: é caro. E também é evidente que quando o valor da manutenção do estádio entra na conta do ingresso o tipo de arena influencia no valor. Isto é matemática básica. A não ser em uma atitude populista. Pois jogar em um estádio pequeno, sem estrutura, sem iluminação, campo quase sem grama, sujo, sem banheiro, etc custa um valor. No estádio que temos atualmente você com um mínimo de inteligência pode notar que o custo da manutenção vai ser diferente. Um pequeno exemplo: Você vai a um cinema dessas redes menores ou como alguns que ainda resistem pelo centro. Paga um valor de ingresso. Vai no cinema Imax e paga a mesma coisa? Óbvio que não. o filme e os atores podem ser os mesmos. Mas o custo do local é totalmente diferente. Ou comparar o valor de condomínio de um prédio pequeno, sem elevador e serviços, com um de um condomínio grande, com mais torres, piscina, quadra, segurança, etc. O valor cobrado vai diferir. Então bradar que o ingresso está caro não vai fazer ele diminuir de valor. E pra encerrar : Sorte que o Nobre transferiu parte da atribuição do futebol ao Mattos. Pois como o autor do texto diz, ele não entende de futebol. Assim como o autor parece não (querer) entender matemática básica.

Eu não entendo matemática básica? Vamos lá, meu caro: Nobre mentiu inúmeras vezes, a principal delas quando inventou os tais 6.000 lugares que seriam perdidos com a alocação da torcida visitante no clássico (e isso eu mosto aqui: http://forzapalestra.blogspot.com.br/2015/02/sobre-numeros-jornalistas-e-argumentos.html). Nobre mente também quando fala sobre os custos de R$ 700 mil (inclusive porque boa parte disso se deve a impostos e taxas da FPF, que crescem proporcionalmente com a renda). Por fim, toda a política de precificação ocorre sem estudos de mercado e sem qualquer embasamento na realidade; tudo sai da cabeça deste sujeito. Com isso, ele excluiu muita gente do estádio e criou uma nota de corte para o público presente aos jogos. Sobre os equívocos e as consequências da precificação, eu já escrevi alguns posts, dos quais destaco este aqui: http://forzapalestra.blogspot.com.br/2015/02/precificacao-equivocos-e-consequencias.html

Concordei contigo que o ingresso é caro e desproporcional, gerando uma procura inferior a demanda oferecida, o que é muito ruim. Afinal um estádio com capacidade maior deve receber um público maior. O ideal sendo sempre a lotação ou o mais próximo disso. O que me referi sobre matemática básica é que o local do espetáculo faz parte do preço do ingresso. E você sabe disso. Dei dois exemplos extremamente básicos sobre o assunto. O ingresso poderia ter um preço mais acessível. Mas comparar o preço de partidas não levando em conta a praça onde o jogo acontece e seus custos de manutenção ou é desconhecimento de matemática básica ou má vontade.

Parece que algumas pessoas não entendem o que é democracia ou o Direito de Expressão… Se tem quem quer aplaudir renda, que o faça com suas próprias mãos… Se tem quem quer pagar por um ingresso um preço que EU considero ABUSIVO, que o faça com o seu dinheiro… Se alguém quer dizer amém ou criticar a opinião de quem quer que seja, faça-o com argumento factível e não com rótulos infantis. Em tempo: Se alguém gosta de ser puxa-saco, tem todo o direito… Só peço uma gentileza: Procure outro escroto que não seja o meu e seja feliz!

Deveriamos seguir o exemplo dos estadios alemães que tem setores populares. Isso sim seria o correto,

Só de ver a foto no post me lembrei o por que deixei de entrar neste site já faz um bom tempo…. que mal gosto, nem perdi tempo em ler… abs, até quem sabe mais 1 ano nos vemos de novo.

Aproveite e nos dê mais um ano de bônus, afinal meter o pau numa opinião diferente da sua se escondendo sob pseudônimo é uma atitude de muito MAU gosto. Procure os blogs chapa branca que lambem a diretoria – existem muitos por aí – e bom divertimento.

Bom, já que viramos uma torcida que comemora ações de marketing, que acha que ir a um jogo de futebol é um “case”, e outras coisas mais. (ps. tenho um amigo sãopaulino que certa época comemorou que o time dele tinha mais seguidores no twitter, estamos seguindo esses passos) Não dá para reclamar dos preços do ingressos, afinal, olhamos números, o lado econômico da coisa. Se há quem pague então o preço é justo. Bom, nem tanto, já que mesmo com os milhões de renda o estádio nunca encheu 100%, seja pela conta da WTorre ou o que a PM libera para os jogos.
Porém, devemos parar para pensar no que essas ações podem gerar no futuro. É notório que os preços dos ingressos servem para “atrair” torcedores (ou consumidores) a se tornarem Avanti, mas será isso algo inteligente a longo prazo?
O que eu acho q vai acontecer é um distanciamento da torcida com o time, parecido com o que acontece com a seleção brasileira.

Não sei se dizer para o torcedor “Ou vá em todos os jogos ou não vá em nenhum” seja a coisa certa a se fazer.

Parabéns, Patrick. O final de seu texto é assombrosamente coerente. Esse risco existe de verdade, e quando for percebido poderá ser tarde demais. Eu, por exemplo, quero ter o direito de decidir a qual jogos irei ou não. Aos poucos esse direito será negado a todos. Futuro nebuloso nos espera.

Patrick, é exatamente isso que eu venho dizendo há alguns anos já. Mas Nobre, preso em sua mentalidade financista e imediatista, não consegue enxergar isso. A começar pela exclusão das crianças do novo estádio.

O que importa para mim: vou ter um time decente que me permita pelo menos sonhar em estar nas finais do paulista, brasileiro ou CB ?
Caso a resposta seja sim: dane-se o valor o que paguei, pago e pagarei – cada centavo valeu, vale e valerá.
Caso a resposta seja não: Gastei dinheiro a toa, nadei e morri na praia e vou desejar que o PN se exploda.

Bonito, muito bonito. Os bambis tiveram ontem uma renda que é 15 vezes inferior à renda média do Palmeiras nessa Paulista. Os bambis vivem também uma crise sem precedentes. Ainda assim, ficaram à frente do Palmeiras na classificação geral. De resto, seu comentário diz muito sobre a mentalidade que tomou conta de boa parte de nossa torcida.

Para ser sincero, não vejo possibilidade de alterações. Também acho os ingressos caros mas acredito que essa situação seja irreversível. Como tantos palmeirenses frequentei o Pacaembu nesses últimos anos e sempre considerei o estádio agradável e com uma fachada bonita. Depois que conheci o Allianz Parque tive um choque de realidade. A diferença é colossal. Agora vejo o Pacaembu como um estádio desagradável, que não empolga. O Palmeiras já tem em sócios-torcedores mais do que o dobro da capacidade da Arena. E tende a ter o triplo, o quádruplo da capacidade. Isso significa que dificilmente teremos público abaixo de 20 ou 25 mil torcedores e, com frequência, 30 mil ou mais. Desse modo a bilheteria girará em torno de R$ 2 milhões por partida, no mínimo. A verdade é que essa nova era veio para ficar, não há o que fazer. Mas é uma era que colocará o Palmeiras no topo. Por tudo isso, concordo.

Eu já disse várias vezes e repito que essa política de precificação é insustentável em médio e longo prazo e tem um efeito extremamente nocivo sobre a manutenção do Palmeiras como um clube de massa. O Arsenal está pagando o preço agora por um processo que começou exatamente assim. Mas se você prefere torcer para um time que se orgulha da renda, eu prefiro torcer por um time vencedor e com torcida forte.

Na minha opinião, Barneschi, acontecerá exatamente o contrário: a nova Arena tende a aumentar a nossa torcida. O Allianz Parque (junto aos recordes de bilheteria) trouxe enorme prestígio ao Palmeiras. Só se fala nisso na imprensa, ruas, bares e restaurantes. Quanto à frequência de palmeirenses mais pobres à Arena, o caminho inevitável é se tornar sócio-torcedor do plano que custa em torno de R$ 20. Esse plano lhe dará o direito de pagar meia-entrada para ingressos a R$ 80 ou mesmo o de R$ 120. Com a taxa de 10 por cento, pagará R$ 44 ou R$ 66. Quanto pagava antes, em jogos no Pacaembu, o torcedor de arquibancada? Pagava ora R$ 40, ora R$ 50 ou mais. A diferença não é tão grande, desde que os torcedores de menor poder aquisitivo se tornem também sócios-torcedores, o que já vejo acontecer. Muito moleque que frequentar o Allianz Parque e compará-lo, por exemplo, com o antiquado, vazio e desanimado Morumbi, com certeza sairá de lá com o coração verde. Não estou apoiando o Nobre, apoio o Palmeiras. Vejo o Verdão em forte vantagem competitiva que deve ser amplamente aproveitada para nos tornarmos a maior potência do futebol brasileiro.

Acho válida a discussão e esse tema merece mesmo um debate. Em relação a precificação dos ingressos, existe um buraco entre as necessidades financeiras dos clubes e o quanto o torcedor pode pagar por eles. Existem maneiras diferentes de encarar este cenário, mas será que o Palmeiras está errado em aproveitar o boom em sua Nova Arena, ter a 2ª maior média de público no Brasil e arrecadar até 8x mais do que alguns de seus rivais? Sei que é arriscado comparar números de clubes rivais com os nossos, mas alguns argumentam que com ingressos mais baratos os públicos seriam bem maiores e consequentemente as rendas seriam maiores, mas isso não se aplica ao SCCP por exemplo. Ano passado no Brasileirão o SPFC cobrava R$26,00 no seu ingresso e teve público médio de 27.000 (levando em conta que eles até chegaram a brigar pelo título). HOJE nós temos quase os mesmo público com uma arrecadação líquida 5x maior. No Campeonato Paulista de 2014 o Palmeiras mesmo sem o Allianz Parque teve a 2ª maior média de público do campeonato (com apenas 500 torcedores a menos do que a média do SCCP) e arrecadamos cerca de R$ 2 MILHÕES a mais do que eles, logo os preço dos ingressos do Palmeiras já eram maiores do que os praticados pelos nossos rivais e mesmo assim o nosso público também eram maiores, independente da inauguração da Arena, da qualidade do time e do campeonato que o time disputa.

Creio que o ideal é praticar um preço que caiba no bolso do torcedor e que a ARENA esteja sempre lotada. Nao importa o jogo. Preço abusivo afasta o torcedor e a renda tende a cair tb. O que me deixou mais irritado nas declaraçoes do PN foram as declaraçoes colocando a ARENA como vilã nos custos por jogo do PALMEIRAS. Mesmo que seja verdade( nao sei se é) o presidente esta desvalorizando um dos maiores patrimonios do clube. É o chamado tiro no pé. Quem ocupa cargo com visibilidade publica precisa medir as palavras nas entrevistas. E parece que o PN ainda não aprendeu essa regrinha basica, elementar como presidente de um clube com a grandeza do PALMEIRAS. Alguem precisa dizer isso a ele. Cursos de oratoria e PNL ajudam muito .

O perigo é esse T.O. infiltrada no Conselho e na Diretoria. Nobre é o máximo? Não. Mas futebol com arenas confortáveis custa caro. Se quisermos podemos voltar aos estádios que são bem mais baratos. Gosto não se discuti. Como diria o saudoso Juarez Soares: “o jogo é jogado e o lambarí é pescado”. No Allianz Parque o ingresso tem que ser no mínimo 100 paus. Nos estádios comuns poderia ser cobrado a metade.

Quem disse que futebol em Arenas confortaveis custa caro? Alguem acha que a manutencao do Allianz Parque eh mais caro que a do Morumbi, por exemplo?
Sinceramente, tem muita gente usando “senso comum barato” sem questionar ou entender o que esta dizendo.

Boa Barneschi! Na veia como sempre!
O difícil é aturar esses que aplaudem renda ou “se está caro não compro”. Discipúlos Nobres ou consumidores do Paulo?
Como se estivéssemos falando de uma televisão, carro ou coisa do tipo.
O Palmeiras é popular sim. De norte a sul. Do povo palmeirense! Todos devem ter acesso, ou ao menos deveriam.

(…)desconectado da realidade(…) é o autor desse post.
Vivem dizendo que o PN botou a imagem do clube no lixo, mas quando ele fala algo ao mercado (como essa frase do palmeirense ser consumidor – é óbvio que isso bota a imagem do Palmeiras como um clube onde é interessante colocar um patrocínio) ficam falando essas bobagens.

Cada um interpreta a seu gosto. Não há modo de contentar a todos. Ainda mais quando a pessoa que escreve morre de amores pela torcida “organizada”, que aparentemente perdeu os beneficios do passado.

Nossa que agressividade,acho que o Sr Barneschi de ser o homem de preto no centro da foto, avido a cortar cabeças. Isto seria ciume pelo sucesso do Estádio? Veja que o fato de termos tido uma copa do mundo no Brasil,foi um divisor de águas no futebol, mas as mentalidades ainda continuam no formato do velho Pacaembu , Morumbi(panetone) e olha o que vou falar com todo o respeito ao nosso antigo PARQUE ANTÁRTICA.
Chega de demagogia, não existe grandes time sem equilíbrio financeiro e novas receitas. Vá perguntar a um torcedor comum do Barcelona quanto ele gasta com o seu clube.
Estamos vivendo uma nova era,estádio novo,torcedores organizados,mas aí que mora o perigo.
Como será que a Sociedade Esportiva deve estar se comportando com tudo isto? e o Palmeiras, me parece que este segue novos caminhos.
O problema maior é conciliar tudo isto.
Mas vá com calma Sr Barneschi.

Se o senhor tivesse um mínimo de honestidade intelectual, poderia pesquisar o quanto torcedores de grandes clubes europeus gastam com seus clubes. Vai notar que, em termos nominais, os valores são até inferiores aos que gastamos por aqui. Em termos reais (levando em conta o custo de vida e o padrão aquisitivo local), a comparação se torna absolutamente dramática. No mais, repito o que disse em comentário outro: os bambis tiveram ontem uma renda 15 vezes inferior à média do Palmeiras neste Paulistão e vivem uma crise sem precedentes; ainda assim, terminaram à frente do Palmeiras na classificação geral. Caiu por terra o seu senso comum rasteiro.

Consumir Palmeiras não é necessariamente gastar dinheiro, e sim estar sempre próximo seja onde for. Discordo completamente do texto, nossa média de público é alta, podem colocar mais? Sim, mas é necessário alavancar receitas nesse momento de novidade como já foi dito por outros leitores. E cara colunista, faça seu sócio avanti que o ingresso fica em conta.

Você fala que consumir não é gastar dinheiro e manda o colunista fazer (isto é, pagar = gastar dinheiro) seu avanti. Baita coerência. Ninguém é obrigado a fazer sócio avanti para torcer pelo Palmeiras, até porque dez reais pode ser nada para um mas muito para outro. A palavre é “segregação”, conforme escreveu com precisão o Marcos Zona Norte.

“Faça seu sócio Avanti que o ingresso fica em conta”? Vejam só o que eu tenho de ler. Sujeito, eu vou a absolutamente todos os jogos e viajo para ver o Palmeiras em todos os cantos. Tenho 100% de rating desde sempre e, a bem da verdade, pago até pouco por isso (R$ 70 para ir a 4 jogos por ano). Defendo que o valor do meu plano seja até elevado, mas eu não sou reducionista a ponto de tomar a minha situação como a única que importa. Os 6.000 torcedores do Gol Norte que podemos pagar um preço aceitável pelo ingresso não devemos ser tomados como referência, e isso eu já escrevi em inúmeros posts. Pense antes de escrever tamanha besteira.

Cara, tenho o mesmo plano, os mesmos 100% e sempre q possível viajo também, não estou pensando em mim, e sim no clube, o momento é oportuno para alavancar receitas, e estou esperando a mudança nos planos de sócio torcedor tanto quanto vc. O equilíbrio ainda não foi encontrado. E não se esqueça q o país está entrando numa crise econômica. Não se pode tomar decisões precipitadas. Pense antes de escrever tamanha besteira.

Ninguém falou que o Avanti não está funcionando. É ótimo pra quem pode pagar, ir aos jogos ”sem pagar quase nada” mas isso é a realidade de alguns milhares (que não enchem o estádio todo) e o resto? Eu entendo que o new Palestra agora é uma grande atração e tem razão de ser, mas até quando vai ser assim? O Palmeiras tem uma torcida enorme na periferia e na grande SP, torcida essa que faz (fazia) muito barulho nos jogos, nas torcidas organizadas ou soltos pelo ”povão”. Infelizmente essa gente está segregada de ir aos jogos. Essa é a palavra mesmo: segregada.
E o plano de R$ 9,90 mensais não serve pra nada pra muita gente. O Gol Norte, setor ”popular” acaba rápido, a procura é enorme e o que sobra são ingressos ainda mais absurdos dos outros setores. Saudações.

Então, Marcos, tente desenhar para ajudar algumas pessoas que só enxergam tramoias de arbitragens mas não conseguem entender a realidade. Sua palavra foi fria e certeira como um bisturi: SEGREGAÇÃO. É nisso que vai se transformar o público do Allianz, que estará sempre “cheio” enquanto houver chance de títulos, pois se eles não vierem…

Rodrigo, frente a tantos defeitos, um elogio, você sabe escrever muito bem, meus parabéns! Você poderia ser redator da M.V. , afinal, vejo cada atrocidade com nossa língua portuguesa nas publicações da referida T.O.! A mentalidade quadrada, egoísta, autoritária e soberba da torcida organizada combina fielmente com seus pensamentos … Como diria a popozuda funkeira: ” Beijinho no ombro pro recalque seu e da T.O “.

Eu penso no Palmeiras e na sua torcida de massa pelo país inteiro. Você, pelo contrário, parece pensar apenas no seu interesse ou nos de uma pequena parcela de elitistas que infestam o Palmeiras hoje. Quanto ao desfecho do seu texto, presumo que ele diga muito a respeito de suas referências. Faça bom proveito delas.

Não me considero extorquido ou refém de coisa alguma… Acho caro? Não compro… Enquanto existir quem pague, é porque o preço é justo.

boa maurão, na lata. Achou caro? Não compre, mas o blogueiro quer ir ao estádio só pra dizer depois que é mais palmeirense que os outros

A intenção não foi afrontar ninguém, apenas mostrar meu ponto de vista sobre esse assunto que parece tão simples mas não se esgota nunca.

Victor, vc só sabe falar isso ??? Tem algum complexo ?? É menos Palmeirense ???
Cobrar ingresso caro pq o estádio é novo é abuso de poder, o Avanti custa R$ 70,00 por mês, para uma pessoa que tem familia para sustentar esse valor faz falta. Estamos falando daquele pai de familia que uma vez ao mês pegava o filho pequeno e com R$ 50,00 levava ele para um passeio, conhecer o estádio. Hoje esse mesmo pai gasta no minímo R$ 300,00.

Que imagem horrivel e de mau gosto, queria ver se fosse um filho de joelhos ao lado de um terrorista decapitador.

Caro Leonardo
Acredito que os 700 a que você se refere é o.custo de produção dos eventos, como seguranças, PM, catracas, entre outros.
Aqui vale uma explicação, não pagamos nada para a WTorre e sim a uma empresa tercerizada escolhida pelo Palmeiras que faz este serviço, empresa está recomendada pelos gamba Mario Gobbi e aceita pelo nosso presidente. A empresa que faz estes serviços para a WTorre até onde fiquei sabendo a custo menor não foi aceita pelo presidente.
E estes custos todos os times que são mandantes tem não é exclusividade do Palmeiras, jogue na Arena ou no Pacaembu já o valor poderia ser menor mas o nosso presidente prefere usar a mesma empresa que trabalha para os gambas.
Abraços

Caro Leonardo
Acredito que os 700 a que você se refere é o.custo de produção dos eventos, como seguranças, PM, catracas, entre outros.
Aqui vale uma explicação, não pagamos nada para a WTorre e sim a uma empresa tercerizada escolhida pelo Palmeiras que faz este serviço, empresa está recomendada pelos gamba Mario Gobbi e aceita pelo nosso presidente. A empresa que faz estes serviços para a WTorre até onde fiquei sabendo a custo menor não foi aceita pelo presidente.
E estes custos todos os times que são mandantes tem não é exclusividade do Palmeiras, jogue na Arena ou no Pacaembu já o valor poderia ser menor mas o nosso presidente prefere usar a mesma empresa que trabalha para os gambas.
Abraços

Já foi dito e escrito aqui 1 milhão de vezes, que quem é sócio avanti paga quase nada paga assistir aos jogos. Conheço vários que vão sempre e estão muitos felizes com o que economizam……………. e ainda mais esperançosos que essa grana que entra finalmente seja investida em times fortes (pq não haverá argumentos de que n~åo temos grana para contratar) …………Querem um futebol forte e clube com poder de compra, estádio moderno e pagar por uma pipoca……..queremos qualidade européia no futebol, mas do jeitinho bazuca…..é aquela discursão tupiniquim do momento………….se defende os pobres, se fala do socialismo……mas quem propagava a luta de classes está sempre viajando para Europa, se tratando nos hospitais de luxo de graça e surrupiando milhões (e n~åo é Robin hood). Mesmo com todos os erros dos últimos anos, ao menos começamos 2015 discutindo pq o time não faz mais gols e temos um diretor de futebol atento ao mercado. N~åo espero títulos em 2015, mas em 2016 quando estaremos melhor estruturados.

Otimo texto Barneschi…

Esse de “consumidor” vai pro alto da lista de perolas de nosso atual presidente…
Essas frases simplesmente refletem os valores e prioridades de nosso mandatario. “Consumidores, austeridade, match day, refens do centenario, etc”

Outras perolas estao sempre relacionadas ao nosso novo estadio… “Aluguel, nao eh nosso, nao eh pra torcida visitante, etc”…
Como pode alguem com tanto recurso (tempo e dinheiro) disponivel estar tao despreparado e fora da realidade (mesmo vivendo teoricamente 100% dentro do Palmeiras nos ultimos 30 meses) sempre que da entrevistas?

E muitos batem palmas… Ta dificil.

Abraco,
FC

Mais uma prova, FC, que apenas o fato de ter mais dinheiro não dá a ninguém mais sabedoria, mais conhecimento, mais inteligência, mais educação e mais civilidade do que pode possuir uma pessoa sem recurso algum mas com valores morais irretocáveis – e, diga-se de passagem, que muitas vezes nem sabe direito o significado da palavra “consumidor”.

A frase foi infeliz, como muitas já proferidas pelo Paulo Nobre. Porém se formos fazer populismo com o preço dos ingressos, então teremos que ter times “populares”, ou seja, vamos continuar não ganhando nada, ou então fazer como os gambás: dever para todo mundo e não pagar ninguém.

Mario, ter ingresso caro nao eh diretamente proporcional a ter um time bom e vencedor.
O objetivo maior deveria ser encher o estadio sempre, isso sem duvida gerara benficios tecnicos e financeiros. Infelizmente o preco praticado atualmente esta longe de encher estadio inclusive em classicos.

De uma olhada no link abaixo, o autor esta bem longe de podermos chamar de conservador e purista. http://negociosdoesporte.blogosfera.uol.com.br/2015/04/07/socio-torcedor-e-estadio-escancaram-a-falta-de-criterio-do-futebol/

Abraco, FC

Pois é, FC, como disse o outro aí embaixo, “é difícil fazer o zé povinho entender”. Ingresso caro = time forte (FALSO); ingresso caro = torcida civilizada (FALSO); ingresso caro = casa cheia (FALSO). O presidente realmente acha que o novo estádio – que se dependesse dele nunca sairia do papel – é seu brinquedinho e que nele só vai brincar quem ele deixar. Patético.

Quem falou em populismo? Eu estou falando em permitir que mais palmeirenses compareçam ao estádio e que tenhamos rendas elevadas com públicos maiores. Quanto à sua referência a “times populares” ou “continuar não ganhando nada”, te digo que nossa renda tem sido 10 vezes superior à dos bambis, mas eles terminaram à nossa frente na classificação geral mesmo diante de uma crise sem precedentes.

Eu entendo este cenário atual do “consumismo” Palmeirense como momentâneo e o presidente está aproveitando a novidade mercadológica para alavancar receitas. Uso exemplo da tecnologia, um Iphone 6, pessoas pagam valores surreais, deixam de comer bem para ter um Iphone. O Palmeiras é a mesma coisa, neste primeiro ano muitos e muitos pagarão caro pelos ingressos, depois que sair do neo-culturismo, o governo vai perceber que o público será os sempre 15 mil de média e então ele vai baixar para preços próximos da realidade. Aconteceu isso na Zona Leste, no Beira Rio, no estádio do Gremio….etc.

Consumidor para ele, que deve ter muita grana. Não é a toa que é queridinho do Mustaphá.
Fora isso, dá-lhe verdão.
Precisamos de um zagueiro (Natan ou Rodolfo do Grêmio) e mais um 9, quem sabe o Fred ou o Brocador.
Como esse mundo dá volta hein, os bambis querendo o Luxa.

Sim, PN vem montando um time bom, um time interessante, mas a que custo? E a troco de que? qual é a moeda de troca? Somos nós torcedores que bancamos tudo isso, hoje basicamente estão nos privanto de entrar no estádio com esses valores e principalmente aquele torcedor, que ia na mais baratinha, de vez enquando ou sempre, mas só porque era viável e era divertido estar lá com seus iguais torcendo pelo verdão, ridicularizando rivais e comemorando vitorias ou rindo de vexames. Sim, ele está nos privando…. pagar o que estão pedindo só porque a casa é nova ou porque o “palmeiras é grande” do senhor mattos não justifica essa política de valores, no curto prazo mesmo isso está para ser um tiro no pé.

Falando em ser refem a WTORRE vai mudar quando aquelas grades de divisórias q criam pontos cegos nos jogos, e a questão dos visitantes , se perde 12 mil lugares, o estadio esta lindo maravilhoso as não podemos ser ficar cegos, cobram 700 paus p nos jogarmos no nosso próprio estádios, temos q fazer exigências tam,bém.

Quem cobra “R$700” (o ingresso eh carissimo, mas ainda nao esta nese valor… Calma que o PN vai chegar la…) eh o proprio Palmeiras. A pratica de preco dos ingressos eh 100% da SEP.

Esse é o ponto.
O custo não é com a WTorre.
Isso é MENTIRA.
Se custa R$700mil contra R$250mil do Pacaembua culpa é do Palmeiras, que tem que explicar porque o custo é tão alto.
A WTorre não tem gestão sobre as despesas dos dias de jogos.

Leonardo, é duro ler um comentário como esse seu.
Quero crer que seja apenas desinformação e não que você seja parte da tropa de choque que fica defendendo o presidente a todo custo independente do que é bom para o Palmeiras.

Mas vamos lá:
– Quando Paulo Nobre afirma que se perde 12 mil lugares por conta de visitantes, isso é MENTIRA.
O próprio Barneschi (de quem discordo em vários pontos) já comprovou isso – http://forzapalestra.blogspot.com.br/2015/02/sobre-numeros-jornalistas-e-argumentos.html

– Quando Paulo Nobre diz que somos reféns da WTorre quanto às datas para o Palmeiras jogar no Allianz Parque isso é MENTIRA. O contrato diz exatamente o contrário. Sendo que o contrato inclusive foi assinado pelo próprio Paulo Nobre quando era vice presidente. E é um contrato público, qualquer um pode conferir.

– Quando você diz que a WTorre cobra “700 paus” para jogarmos em nosso próprio estádio, isso é MENTIRA (induzida pelas declarações do PN). A WTorre não cobra nada. E ainda faz a manutenção do estádio sem custo para o Palmeiras.
As despesas dos dias de jogos são de responsabilidade do Palmeiras. A WTorre até indicou uma empresa para fazer o serviço mas a atual gestão preferiu contratar os prestadores por conta própria.
Então se uma partida custa apenas R$250mil no Pacaembu e R$700mil no Allianz Parque, quem tem que explicar o motivo é o próprio PN. Porque a sua gestão “eficiente e profissional” gasta 3 VEZES MAIS? Pelo borderô não dá pra saber, já que mais da metade das despesas eles lançam como Despesas Gerais. Um pouco de transparência ajudaria.

Então eu realmente não entendo porque boa parte da torcida prefere criticar a WTorre, que se não é nenhuma santa, pelo menos injetou mais de R$600milhões no Palmeiras e nos permitiu ter um dos estádios mais modernos do mundo sem gastar um centavo (e que queiramos ou não será parceira do clube por pelo menos 30 anos).

Tudo isso para defender a administração de um presidente que constantemente solta na imprensa declarações que não são verdadeiras, enganando o torcedor?
Aliás, essa é a marca dessa gestão MENTIR e ENGANAR o torcedor.

Isso vem desde o início do primeiro mandato, com a nebulosa negociação do Barcos em que o 5 jogador, soubemos depois, nunca existiu.

A que ponto chegamos….

Os comentários estão desativados.