Categorias
Opinião

Opinião: ano que vem melhora

 

Por Vicente Criscio

Vejo um amigo palestrino indignado. Na saída do Allianz Parque neste domingo, após um 3×3 quase frustrante, este amigo ouviu vários torcedores palmeirenses comemorando: “ano que vem teremos um grande time”.

Pronto! Junto com as lambanças da nossa defesa na tarde deste domingo, isso serviu para azedar de vez o coração verde desse meu amigo.

Tento ter uma visão menos emocional de tudo isso.

Vamos portanto relativizar e olhar por partes:

i. time hoje;

ii. visão de futuro;

iii. e a gestão?

***

i. Esse time aí, é o que queremos?

Não. Não é! Por mais que muitos palmeirenses se deixem levar pela emoção, esse time está em 7o lugar, 15 pontos atrás do Corinthians. Isso após 23 rodadas, 16 delas com Marcelo Oliveira, bi-campeão com Cruzeiro. O outro Oliveira, assumiu o Flamengo a poucas rodadas e já está na nossa frente. O Santos, que estava caindo, com Dorival Jr (esse mesmo) está um ponto atrás de nós.

Mas não é um time ruim. Talvez seja mediano. Ninguém quer mais ler a palavra medíocre. ok, entendo.

Se olharmos em retrospectiva, parte da torcida palmeirense tem razão: estamos melhores que ano passado. O jogo contra o Corinthians foi bom e de certa forma o resultado é razoável. Quero dizer, não é um desastre empatar mesmo que em casa contra o líder do Campeonato. Jogo bom, aberto, difícil, ficamos 3 vezes na frente do placar, e o corintiano saiu do Allianz ou foi ver o Faustão aliviado. Quase perdem a segunda seguida prá nós.

Olhando assim… tá bom.

Só que não para outros. Mas para quem quer um Palmeiras disputando título, sim, estamos longe. É um time que parece claro não vai disputar o título (estamos faltando ainda 15 rodadas para o fim do campeonato, praticamente 3 meses).

E a torcida, surpreendentemente, continua com paciência e esperando que ano que vem teremos um time campeão. Ano que vem!!!

Não é pouco?

 

***

ii. visão de futuro

Teremos um time campeão? Desde que essa diretoria chegou o Palmeiras montou e desmontou um time por ano. Fez isso por obrigação em 2013 (poucos jogadores no elenco) e um impressionante apetite da diretoria e Brunoro em desmontar o pouco que prestava (Barcos e Henrique) para montar um time para disputar a série B; depois no final de 2013, contratou muitos jogadores para a temporada 2014, com Kleina, depois Gareca, depois Dorival Jr. Quase caímos. Lembrando que até aí o Presidente já tinha colocado mais de R$ 100 MM. Então o problema não era grana. Tanto que a dívida aumentou. Gastou-se, mal, mas gastou-se.

Chegamos em 2015. Montamos outro time, agora com Mattos e o primeiro Oliveira contratado em janeiro. Foi despedido e veio o segundo Oliveira. Elogiou elenco – não ia ser diferente – mas vieram alguns reforços. Barrios foi a sensação, mas não veio  meia desejado. Na zaga temos Leandro Almeida ou Jackson para fazer companhia ao promissor Vitor Hugo. Escolhe aí quem você quer …

Ou seja, o palmeirense mais cético não tem elementos para crer que em 2016 não haverá outro desmanche. Manteremos Gabriel Jesus, a quem por erro de negociação já perdemos 40% dos direitos econômicos? Renovamos com Victor Hugo, mas manteremos o elenco que veio por empréstimo?

Pergunto: ano que vem será melhor por que mesmo?

***

iii. gestão

Os que elogiam o atual Presidente, o fazem principalmente por ter colocado dinheiro do bolso no clube. Tem um efeito forte aqui da mídia sobre a imagem do Presidente, sempre muito bem amparado por uma campanha recorrente de boa notícias sobre o Presidente e más notícias sobre a WT. Percebam as matérias.

O Presidente teve o mérito de trazer um gerente de futebol remunerado melhor que Brunoro e que contratou mais de 20 jogadores em 2015. Depois, na pressão, trouxe MO. A Crefisa bateu em sua porta com um outro mecenas ávido pelo retorno que o futebol dá à marca, aliado a uma profunda paixão por seu clube do coração. E do marketing, é isso aí. O Avanti decolou, amparado pelo Allianz.

Mas continuamos negociando mal os jogadores (Gabriel Jesus é o grande caso do momento), fazendo o papel do ingênuo nas federações, brigando com parceiros, dividindo a torcida. O clube social continua dando prejuízo e sem uma solução. O futebol aumentou sua dívida de 2013 para 2015, e agora devemos para o Presidente, que inclusive tem participação em jogadores. E para coroar, a reforma estatutária está no email dos conselheiros, sem perspectiva de separação do clube social, com perfumarias onde a mais relevante é o aumento do prazo de mandato do presidente, o que abre uma janela institucional perigosa para mais uma reeleição do Presidente que encerra seu mandato no final de 2016.

Pior: mudanças para separar de fato e de direito o futebol do clube social, nem se fala.

***

Se olharmos apenas o time de futebol nesse domingo, o palmeirense mais paciente se anima. Ano que vem teremos um grande time. Somos como o Brasil de décadas atrás: sempre o time do futuro.

E ele pode estar certo.

Por outro lado, no conjunto da obra, minha opinião, continuamos mal. Sem perspectiva de um título brasileiro, sem garantias que o futuro será melhor, e sem as mudanças estruturais. Ser otimista baseado em quê?

Talvez os dois estejam certos. Tanto meu amigo impaciente, quanto o palestrino que espera pacientemente por 2016. Cada um a seu modo. Eu, da minha parte, lamento que as mudanças estruturais não venham. Aí tudo é efêmero. Sem elas, com certeza em algum momento – 2016, ou 2017, ou 2018 . vamos ganhar um título. Uma Copa do Brasil, um Paulistão. Mas serão sempre vitórias fortuitas. Sem consistência. Sem perpetuidade. O plano de voltar o Palmeiras ao patamar de um dos maiores clubes de futebol do mundo vai ficando para trás.

E o torcedor, na dele, continua batendo palma para um time que está em sétimo na tabela. Afinal, ano que vem teremos um grande time.

***

Em tempo, indico a série da Philos.tv A PROPAGANDA NA 2a GUERRA MUNDIAL. Série com seis episódios, mostra a propaganda manipulando a massa de acordo com a sua conveniência. Tanto na Alemanha nazista, quanto nos Estados Unidos ou no Japão.

Excelente referência histórica. E muito educativo, em muitos aspectos.

***

Em tempo 2: por falar nisso, a semana em que nossa assessoria de imprensa deveria bater no tema arbitragem e favorecimento para o Corinthians por parte da CBF, para pressionar o árbitro e evitar que “errasse” contra nós, mais uma vez “nossa” assessoria pautou a mídia sobre problemas nos prédios que balançam e a culpa da WT. E deixou prá lá o dérbi, a arbitragem, os erros pró Corinthians, o fato de nem lembrarmos mais quando foi o último pênalti que tivemos a nosso favor, essas coisas menos importantes.

Resultado: arbitragem fez o que quis no Allianz Parque.

Mas ano que vem será diferente.

Saudações Alviverdes!

 

64 respostas em “Opinião: ano que vem melhora”

Ok, time mediano, em 7º lugar, 15 pontos atrás do líder e o que deve o palmeirense fazer? Deixar de ir no estádio? Deixar de cantar, vibrar e empurrar o time? Deixar de pagar o Avanti, deixar de comprar camisas, deixar de vestir nossas camisas nos dias de jogos? Isso seria ser um bom palmeirense? Acho que não é por aí, é óbvio que muita coisa precisa ser melhorada, mas acho que a torcida tem que cada vez mais mostrar que está junto na busca do efetivo ressurgimento do alviverde imponente, tem que mostrar que a paixão do palmeirense e da nossa nação de mais 16 milhões independe da posição na tabela ou dos cabeças de bagre que por vezes vestem o nosso manto. `Às vezes, pra parcela mais crítica da torcida, parece que o cara que está lá todo jogo, seja no estádio ou na frente da TV alucinado vibrando, xingando, cantando e acreditando que o time pode vencer todos os jogos é um alienado do mundo, que não tem noção do que foi e é o Palmeiras e não enxerga o que precisa ser melhorado, mas o que essa parcela não consegue as vezes compreender é que a palestrinidade tem várias formas de ser demonstrada,… essa é só mais uma delas… logo após o jogo todos estavam p da vida com aquele empate no final, só que pra muitos o futebol apresentado, fora as falhas infelizmente habituais e a dificuldade em definir o jogo, foi de se orgulhar sim… sobre o crescimento, 2013 foi melhor que 2012, 2014 (no início, antes do “desmanche” do meio do ano) foi melhor que 2013 e 2015 está sendo bem melhor que 2014…acho que precisa de muito esforço pra não enxergar a evolução e acreditar que o futuro nos reserva sim algo muito bom. As mudanças estruturais são necessárias, mas as melhoras no campo são inegáveis. Abraço!! Espantar a zica hoje contra os colorados, 2×0.

Caro, conseguiríamos ter um time melhor que o do ano passado até se contratássemos todo o elenco do Íbis. Aquilo foi a maior vergonha da nossa história, justamente no ano do centenário. Habitualmente me deparo com os conformistas, aqueles palmeirenses que hoje ficam felizes com o fato de “estarmos longe da zona de rebaixamento”. Se para você a referência são os últimos cinco anos, realmente estamos melhores. Para mim, a referência é o Palmeiras que conheci há mais de quarenta, que aprendi a ver como vencedor, e que mesmo nos anos de fila jamais se apequenou tanto como agora. Você acha que o bom palmeirense é apenas aquele que vai ao estádio, dá seu “dízimo” em quinquilharias tendo o mais importante – o retorno em forma de bom futebol, já que títulos são consequências – sendo-lhe negado ano após ano? Desculpe, mas você precisa rever seus conceitos.

Beleza. Então agora o negócio é deixar de torcer? De vibrar a cada gol? Time não vai ganhar o título mesmo, então vamos criticar tudo e deixar de vibrar com o time?…. Cara, pode botar 11 pernas de pau no campo com a camisa do Palmeiras que estarei torcendo e vibrando como sempre com a convicção apaixonado de que aquele time pode vencer qualquer time no mundo…. isso é torcer pra um time… é torcer pelo que ele representa e não pela situação na tabela ou por causa de um ou outro pseudo craque …. é disso que eu estou falando… acho que não entendeu o teor do meu comentário….todos queremos o Palmeiras forte como a décadas atrás, disputando e ganhando títulos ano após ano, mas só porque hoje não está, tudo é lixo, nada presta e a torcida deve deixar de torcer, vibrar e empurrar o time?… essa definitivamente não é e nem nunca vai ser a minha forma de demonstrar o meu amor ao Palmeiras.

Paulo Nobre bom presidente e palmeirense roxo, ótima pessoa, mas não entende nada de futebol, infelizmente esse é o seu defeito.

Sobre a equipe, Duvido que esse técnico treina taticamente o time, ta claro a falta de entrosamento e formação tática do palmeiras…. não acredito nesse técnico, não acho que ele vale o que ganha.

Caro Ângelo, estou inconformado com as seguidas falhas defensivas do time, mas tenho visto críticas pesadas ao Marcelo Oliveira. O cara é bi campeão brasileiro, um técnico ruim não conseguiria esta marca. Olhando a lista dos técnicos campeões, o único técnico ruim que ganhou o Brasileirão nos últimos tempos foi o Andrade em 2009, que sabemos muito bem ter sido um ano atípico e maledetto.

Os comentários estão desativados.