Categorias
Opinião

Opinião: a oportunidade perdida

 

Por Vicente Criscio

O recesso do Campeonato Brasileiro e da Copa do Brasil me permite voltar com a coluna e provocar uma reflexão sobre o momento atual da SEP, do seu rival, e da importância da reforma estatutária, tema já malhado aqui outras vezes.

Primeiro peguemos o adverário. O SPFC está passando por uma das maiores crises que se tem noticia dos últimos anos. Alguns diriam: azar deles. Mas prá quem olhar um pouco mais em retrospectiva, vai lembrar que há menos de 10 anos o time era considerado um modelo de gestão, seja do ponto de vista administrativo, seja do ponto de vista de marketing, seja do ponto de vista futebolístico.

O que mudou? A política clubística, com visão para as pessoas de dentro e não para fora, acabou em menos de uma década com o que era considerado pela imprensa como modelo de gestão (ok, com certo exagero, miopía e “puxassaquismo”  que caracterizam muitos profissionais do quarto poder). Aquele modelo elogiado por todos virou pó.

Qual a lição aprendida? Não há sustentabilidade em um modelo de gestão onde não há profissionalismo, governança e transparência.

Ponto!

Corta pro Palmeiras de hoje. Alguns até acreditam que a gestão atual é modelo de referência. Eu nao acho, mas ok. Supondo que seja. Qual a sustentabilidade deste modelo sendo guiado por políticos que precisam se compor com poucos e influenciar um “colégio eleitoral” de no máximo 4 mil eleitores?

Eu respondo: nenhuma!

Agora corta e venha para a “reforma estatutária” palmeirense. Caminha a passos lerdos uma reforma que em nada muda o eixo do poder atual. Não prevê o voto do sócio torcedor (tema de campanha do atual presidente em sua primeira eleição); não cria as condiçoes verdadeiras para separação do clube social em relação ao futebol (tema que beneficiaria ambos, futebol e clube social); não cria condiçoes para o desenvolvimento de uma profissionalização de verdade, onde executivos do ramo deveriam ocupar o lugar de apadrinhados sem experiência.

Estamos mais uma vez perdendo uma oportunidade histórica. Com a atual aliança do Presidente da SEP com as forças políticas que há décadas mandam no Palmeiras, com tudo “dominado”, por que nao colocar o tema da separação do clube social e futebol na mesa? Da profissionalização de verdade? E principalmente, por que não permitir o voto do sócio torcedor? Será por medo de perder o poder? Será por medo de se tornarem irrelevantes?

O que o Palmeiras e a grande maioria dos grandes clubes brasileiros ainda não entenderam é que o modelo atual de gestão do futebol é viciado e tende no limite ao fracasso. Depois, quando acontecem os escândalos como o que estamos vendo nos vizinhos de muro, ou os 7×1 (ou mesmo 5×1) se perguntam: “nossa, onde erramos”?

Pense nisso. Bom domingo.

49 respostas em “Opinião: a oportunidade perdida”

Concordo plenamente, separar o futebol do clube social e dar poder de voto aos torcedores são medidas urgentes e o bom momento da gestão do Nobre poderiam alavancar essas medidas, mas parece que o assunto caiu no esquecimento.

Historicamente a S.E.Palmeiras se pautou pela inovação e pelo desejo de superar paradigmas. O texto acima menciona uma questão pertinente e que causaria oxigenação, proporcionando um revigoramento ao nosso cotidiano, visto que a ampliação do colégio eleitoral é uma das balizas da sociedade ocidental. Maior participação é sinônimo de compromisso e participação de uma já apaixonada torcida.

Falar da imprensa é chover no molhado. Primeito o tal do Juca Kfouri tentou comparar a briga entre o presidente e o vice por corrupção no SPFW, com a discussao entre o PN e o camarote do Corinthinas (veja a desproporçao das coisas) . Depois vem o tal do Perrone (sempre ele) perguntar para o Gilto (sempre ele) sobre a vergonhosa derrota da Chapecoense. Agora, veja como são as coisas, separando o Futebol do Clube Social, outros “Giltos” da vida poderiam falar da piscina, do tennis, da quadra de bocha, do boliche,,,para o Perrone, alias poderiam publicar um livro sobre esses temas tão relevantes para o clube social. O Palmeiras precisa se profisionalizar de verdade!

E o escroto do Vitor Birner? Praticamente não comenta os vexames do seu time do coração no seu blog pulou a crise direto para quem vai suceder o Vaidar, por isso ique não vejo praticamente mais nada ale’m da mídia palmeirense.

Quanto ao voto do sócio torcedor esquece, ninguém da diretoria seja da situação ou oposição tem condições para fazer isso.
Quanto a profissionalização idem. Vejam que o Alexandre Mattos ja começou a sofrer pressão pela vaidade e ciumes dos mesmos de sempre. Assim também foi com o Brunoro bem ou mal.
Agora a separação do futebol ao social, se eles pensassem só um pouquinho veriam que além de ser benéfico ao futebol e ao social e aos próprios diretores. Mas como a maioria são carcamanos burros, a coisa anda devagar quase parando, e tudo indica que nessa administração também é melhor esquecer que tambem não irá sair.

então ficaremos assim ultrapassados até o fim do mundo. A torcida também deveria se mexer invés de aplaudir publico e renda deveria cobrar isso dos nossos dirigentes

então ficaremos assim ultrapassados até o fim do mundo. A torcida também deveria se mexer invés de aplaudir publico e renda deveria cobrar isso dos nossos dirigentes

Presidente de clube renuncia em um dos episódios mais ver…gon…osos da história. Clube devendo mais de 300 milhões, contratos suspeitos, mais de 1,5 ano sem patrocínio, ele e a namorada recebendo comissão por patrocínio, salários atrasados, técnico estrangeiro enganado, contratou técnico de time pequeno, saiu no tapa com o vice, que divulgou os po…dres…………………………….. e vc não lê quase nada na tupiniquim press. Blindagem Total…………………………………..agora só imaginem se isso é no Palmeiras………………………………….. só 10% disso…………………..Pena que mais de 95% da torcida ou dos que frequentam o mundo digital, não conseguem enxergar isso. Adoramos o eterno fogo amigo. Potencializamos na net as coisas negativas mais simples que a press usa contra o Palmeiras. Quem sabe um dia ainda muda isso.

Quem um dia ousou dizer que o Palmeiras estava se apequenando, saiu como um anão pela porta dos fundos. Em um país sério, iria para a ca…de…ia.

A Under Armour tem sede nos Estados Unidos. Será que o Vaidar tem coragem de sair do país, visitar a Disney ou passear pela Suíca???

Sempre que o Palmeiras está chegando à fases decisivas aparecem Mustafá, Gilto, etc. Espero que essas pragas não contaminem o ambiente.

Seja mais específico: quem está sendo o Mustafá ou Gilto?

E já temos os possíveis candidatos a sucessor: Maurício Galliote ou Genaro Marino. Alguém com mais informações e contatos de dentro poderia nos dizer o que o futuro nos aguarda, caso um dos dois seja eleito?

Uma coisa que eu posso te dizer é que há algum tempo a sócia da crefisa leila pereira deu uma entrevista dizendo que se o nobre eleger sucessor, o plano de patrocínio e investimentos no palmeiras continua o mesmo, eles pretendem fazer uma parceria longa e investir para que o time seja protagonista nos próximos anos. Duas questões que não querem calar: 1) isso é realmente verdade? (acho que sim, não tenho motivos para duvidar); 2) se o nobre não eleger o sucessor, a crefisa sai do palmeiras? (sabe Deus…).

Vicente, bom dia. Excelente texto como sempre. Gostaria de saber sua opinião quanto aos absurdos preços dos ingressos praticados por nosso péssimo presidente no Allianz Parque, que além de afastar a torcedor de classe média/baixa, ainda dá ingresso de graça para conselheiros mas cobra de crianças. Isso pra não mencionar os caríssimos ingressos para visitantes, o que caí na conta do palmeirense que vai ver seu time quando joga fora de casa.

Esse é o ponto chave. Separação do clube do futebol. O que acontece no mura do lado é divertido obviamente mas pode vir acontecer conosco novamente . Governança, executivos com papéis claros e definidos, colégio eleitoral não viciado e numeroso são elementos chave para que o clube seja comandado por pessoas que não querem se servir do clube e sim profissionais com metas de gestão onde o número 1 é ser campeão, ganhando dessa forma mercado.

Concordo contigo Vicente Criscio, a separação do clube social em ralação ao futebol era pra ontem junto com a reforma estatutária. Do resto, nada acrescentar.

O Nobre conseguiu “organizar” a bagunça administrativa herdada das outras diretorias, mas, foi só isso que ele fez, assim como fez besteiras também, o Nobre passa uma imagem de uma pessoa bem intencionada, com vontade de ajudar o nosso Palmeiras, mas, fica refém da politica que existe no clube, ele, mais que ninguém, como presidente deveria encabeçar os projetos de mudanças estatutárias que precisamos. Não sei quem sera o sucessor dele, provavelmente sera o Mauricio, mas no Palmeiras, assim como no Brasil, todos que chegam ao “poder” infelizmente acabam se rendendo ao “sistema”… Infelizmente!!!

Parabéns pelo Texto Vicente!

É isto Vicente. Não saíremos do lugar enquanto a separação não ocorrer e os palmeirenses não puderem votar. Independente de a ou b, de quem estiver no comando, o que nós queremos é trazer o Palmeiras de volta ao seu lugar. Somos milhões graças ao futebol. São pouquinhos graças ao clubinho. Abraço.

Gestão boa, com times medíocres, contratações sem plsnejamento? Não tem como…

Mesmo com erros , a gestão é a melhor dos ultimos tempos sem duvidas nenhuma.
Sem o Paulo Nobre duvido que estivessemos de pé , pois as dividas de outas gestões
não permitiriam que alguém presidisse o clube.
É claro que o Futebol é o carro chefe e eles direcionam mais as baterias para o Futebol , mas enquanto nossos arqui-rivais estão com as dívidas crescendo , nossas dividas estão sendo devidamente enquadradas.
O que reclamo é que em nome da instituição , algumas pessoas que extorquiram o clube , ainda frequentem o clube , e deveriam ser excluídas para sempre do quadro de associados !!!

O problema e que, além das dívidas, as salas de trofeus dos nossos rivais também estão crescendo, ao contrário da nossa, que só não encolhe porque a história não se apaga.

Se Paulo Nobre quiser entrar para a história do clube, pelo lado bom, basta conduzir essa necessária reforma estatutária, com voto do torcedor avanti e separação do clube social do futebol.
Se pensar no Palmeiras, ele fará. Se pensar no Mustafá Contursi, Gilto Avalone, Piraci de Oliveira, Roberto Frizzo, Tirone, Hugo Palaia e tantas outros vitalícios que o clube-colônia possui, daí continuaremos o velho e retrógrado time amador de sempre….

O Palmeiras, apesar de tudo, já está à frente dos rivais, mas se a Direção fizer todas as reformas necessárias, o nosso clube pode dar um enorme salto à frente e se tornar um clube hegemônico. A ‘bola” está com o Nobre.

Está à frente dos rivais em quê?? Lamento mas não vejo nenhuma vantagem. Mas mesmo que alguma vantagem existisse, ela não é importante, já que assim como eu, Vicente e demais torcedores, vc também deseja reformas necessárias, pois o que aí está, é uma bolha que se estourar, voará M… para todos os lados…. Abs.

Reynaldo eu discordo que esteja aa frente dos rivais. Por enquanto no campeonato os 3 estao na nossa frente. Um deles, o SPFC, com uma crise enorme desde o início do campeonato. E mesmo assim na nossa frente. O Santos era candidato ao rebaixamento. Está na nossa frente. E o Corinthians, muitos diziam que estaba quebrado e tinha que desmanchar o times. E está na nossa frente. Acho que venderam uma imagen sobre essa gestao que foge um pouco da realidade. Abs

Quando digo que “já estamos à frente”, não me refiro à tabela (ainda), mas quando leio – e li muitas matérias a respeito ao longo do ano em sites como o UOL (que não é propriamente apaixonado pelo Verdão) – que o Palmeiras tem tido receitas de cerca de R$ 30 milhões ao mês em 2015 e que pode bater o recorde histórico dos clubes brasileiros em faturamento e sabendo que o fato de obter receitas polpudas como essas não é algo sazonal, já que advém do fator nova Arena, que bombou os sócios-torcedores, que trouxeram patrocinadores, etc., ou seja, é algo sólido e perene, me parece que estamos em forte vantagem competitiva.. Em comparação, os rivais Santos e SPFC não têm estádio à altura do nosso e nem torcida para nos desafiar, além do SCCP, atolado em dívidas que levarão muito tempo para serem pagas (diria que são impagáveis). Sob estes parâmetros, vejo sim que já estamos à frente dos rivais e o resultado em campo será mera questão de tempo, talvez ainda esse ano – que é apenas o primeiro da nova conjuntura, é bom não esquecer. Basta uma Diretoria com um mínimo de competência e, claro, que seja honesta, para pôr o Palmeiras no topo dos clubes brasileiros.

Parabéns Vicente, também acredito que o Palmeiras precisa de um projeto novo, um projeto que tire da política dos conchavos o destino do futebol e que o profissionalismo seja não só contratar profissionais para “administrar” determinadas áreas, mas que possa fazer um trabalho com metas e resultados indiferente se o “cardeal” político gostou ou não.
Como já disse anteriormente conte comigo para a busca deste projeto dentro do clube.
O PALMEIRAS PRECISA VOLTAR A SER GRANDE EM TÍTULOS, TORCIDA E HISTÓRIA.

Toninho obrigado pelas palavras. Eu sei que tem outros que pensam como nós. E acho que o projeto é factível. Precisa ter coragem e desapego. Abs

Clube social deu até julho um prejuízo de 14 milhões……. 14……e até dezembro alcançará a marca dos 20 milhões. Exatamente o custo do “mibiliário” do prédio que a WTorre entregou sem… e que os sócios iriam/devem pagar. Coincidência?

porque o sócio tem que pagar por uma obra que não foi entregue como deveria?

Pq é o sócio que vai usar? Ou vc acha que o futebol deve pagar o social?

seguindo seu raciocínio, os torcedores é que devem pagar o estádio? da um tempo né. O problema não é quem vai usar, é pagar por uma coisa que esta paga ou que estava/esta dentro do pacote. Sobre a separação, um monte aqui acha que é fácil, Resolve para mim ai. O estádio esta dentro da área social do clube, O futebol vai pagar alguma coisa para o social por isso, já que se não estivesse ali, a área de lazer dos associados seriam maior. E ai sim seria condizente com a mensalidade que é paga hoje em dia? Me da a solução, mas sem nhem nhem nhem, finja que é o presidente e tem que tomar a medida ok. de ante mão já te aviso que sou palmeirense, sócio do clube e do avanti. aguardo sua solução. abração

Victor, não precisa estressar. Não tenho como apresentar uma solução única que resolva todos os problemas do social, até pq não tenho informações detalhadas a respeito, mas uma coisa é certa e clara: o futebol NÃO pode e NEM deve pagar as contas do social. Não foi assim com os esportes amadores? Se o prédio foi entregue incompleto, então que se cobre da construtora, o que não pode é tapar o sol com a peneira tirando dinheiro do futebol. O estádio está no terreno do social? Simples, que se pague aluguel. Contabilidade é assim, uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa, rs. Clube social, como todos sabemos, é administração de condomínio, ou seja, existe uma forma de “rateio” entre os usuários para que se pague as contas. E se não houvesse o futebol, quem pagaria o prejuízo que o social dá todo mês? Mais uma vez, não existe uma solução rápida e única que resolva isso, mas pelo menos uma discussão para que se separe o social do futebol tem que acontecer, pra ontem. Como o Criscio cansa de dizer, Futebol é business, clube social não. Desculpe se pareci grosseiro na resposta anterior, não foi minha intenção. Gosto dos seus comentários, vc é um cara que agrega nas discussões. Abraço.

Boas Diogo, o intuito foi mostrar que ser predidente do Palmeiras é dificil pra caramba. Eu tb acho que o futebol não deve pagar o social. Mas não acho que o associado tenha que pagar por uma obra que deveria ter vindo no pacote da construção do estadio de futebol… é complicado. Sou sócio do cluibe, do avanti e torcedor. Temos praticamente a mesma idéia ou remamos para o mesmo lado, com algumas divergências. Agora imagina quem esta lá e tem má vontade, é dificil. Não defendo o PN com unhas e dentes, a administração dele é nota 5. O problema é que a anterior foi nota 2, sendo gentil. é que muito gente só fala faz isso, faz aquilo e quase ninguém da solução, mas solução real. de resto estamos ai sem stress, fica tranquilo. abração

Ah sim, mais uma coisa, de certa forma, se for analisar mais detalhadamente, o torcedor faz parte do rol de receitas do futebol (junto com TV, patrocínio, etc) certo? Então o torcedor acaba pagando pelo estádio sim, apesar deste já estar “pago”. Abraço.

Ha não Diogo/Presidente, não se esquive da pergunta… Vc não respondeu. estou aguardando. Lembrando também que o sócio paga a mensalidade, além de taxas para praticar a maioria dos esportes e hoje em dia paga a taxa extra de REFORMA dos prédios.. De qq maneira aguardo sua resposta.

Muito boa coluna, a reforma está andando a passos de uma tartaruga manca, propagaram em campanha que a renovação traria algo novo, porém vemos que só renovaram as palavras e os carteiristas (ou puxa sacos que viram diretores) e os modus operantis de outrora, continuam agora. Podem surgir outras oportunidades externas de mudanças também (liga, América champions), mas a vontade do nosso presidente com essas é a mesma que tem com as citadas acima, e de uma maneira parecida tb, pois uma das desculpas é de não contrariar CBF ou FPF, assim como não contraria seu padrinho internamente. O arrojado presindente anda mostrando que praticamente não é capaz de atravessar uma rua sem estar de mão dada a alguém, e nesses casos, está dando a mão ao que de pior existe em ambas as esferas.

Os comentários estão desativados.