Opinião: modelos vencedores

 

Por Vicente Criscio

Gostaria de não escrever colunas depois de rodadas do Brasileiro. Talvez até mude a data da minha coluna. Cada vez que o Palmeiras perde a tentação prá falar na derrota é grande. Mas evito. Prefiro analisar em perspectiva.

Por isso procuro outra inspiração para falar hoje. E encontro nos meus arquivos uma lista dos clubes com maior faturamento em 2014.

Captura de Tela 2015-10-25 às 5.48.06 PM

Fonte: Rodrigo Capelo – Dinheiro em Jogo

 

Pesquisando um pouco mais fui buscar o modelo de gestão de alguns:

  • Real Madri – Clube Social, com 85 mil sócios; principal ícone é Florentino Perez; possui uma estrutura de sócios que formam uma espécie de conselho, e uma diretoria executiva;
  • Manchester United – capital aberto, inicialmente pertencia a J. Murdoch (BSkyB) e depois teve o “takeover” de Malcolm Glazer; prá quem lê inglês sugiro a leitura nesse link; interessante analogia…
  • Bayern Munique – 75% do Bayern (seus sócios), 8,33 da Adidas, 8,33% da Allianz e 8,33% da Audi; estrutura de executivos com board members do mercado e 100% gerenciada por executivos (de longe meu modelo preferido);
  • Barcelona – Clube Social, semelhante ao modelo do Real Madrid; recentemente o Presidente foi afastado por escândalo na negociação com Neymar;
  • Paris Saint Germain – em 2011 a maioria das ações foi adquirida pelo qatar Nasser Al-Khelaïfi para injetar dinheiro e reduzir dívidas;
  • Arsenal – companhia de capital fechado; maior acionista Stan Kroenke com 66% de participação;
  • Chelsea – Dono: Roman Abramovich (cheio de iterrogações…);
  • Borussia Dortmund – uma S/A com estrutura e governança bem interessante; sugiro ler AQUI na wikipedia sobre sua governança e AQUI para sua estrutura de capital;

Poderia citar outros: Milan (Silvio Berlusconi), Inter de Milao (Massimo Moratti), Liverpool (John William Henry), Manchester City (Khaldoon Al Mubarak), Juventus (Família Agnelli / Fiat).

Em comum entre todos eles? uma clara, cristalina, e consistente separação da Política (quando é o caso de um clube social) em relação à gestão. Vejam: extrapola inclusive o que eu defendo aqui há tempos, sobre a separação do clube social em relação ao futebol. Separação que aliás eu acho que seria boa para as duas partes, com foco naquilo que cada um é: o futebol é um negócio que envolve paixão; e o clube social no limite é um prestador de serviços. Os dois podem coexistir, mas precisam ter estruturas de gestão distintas.

Mas voltando aos clubes acima. Ao longo do tempo alguns deles souberam separar a gestão. Não quer dizer que são todos muito bem administrados. Existem problemas, claro. Mas o que mais me atrai é o modelo de Bayern ou mesmo do Borussia. São abertos, pertencem aos seus torcedores, mas possuem governança e uma boa dose de profissionalismo principalmente pela presença no board de representantes de grandes corporações.

A do Arsenal é interessante. Muito profissional. Mas perdeu algo no caminho…. o futebol inglês aliás perdeu algo no caminho. A paixão passou a ser monetizada talvez demais. Não é a toa que o último título do Arsenal foi em 2003/2004. Não vi sua situação financeira, mas deve estar boa.

Por outro lado não me agrada os modelos de dono. Motivos óbvios. Chelsea (resolveu as finanças, mas a que custo?); PSG (muitas críticas entre os torcedores) e o que falar no Milan de Berlusconi. Idiossincrático. Berlusconi pode amanhã trocar as cores do Milan de vermelho e preto para azul e preto. Ninguém vai reclamar. Se serve do clube mais do que serve a ele. Fosse o campeonato italiano mais competitivo e já estaria no limbo. Não é a toa: nos últimos 10 anos, 4 títulos consecutivos da Juve, que renasceu, e 5 títulos consecutivos da Inter. No meio, um acidente: título do Milan. A exceção que confirma a regra.

Esse post não traz uma conclusão. Traz muito mais uma perspectiva. O que funciona hoje? Onde está o futebol campeão do mundo? Mais rico, com mais desempenho? O alemão!

Em comum para todos: gestão profissional com diretoria executiva que é do ramo.

Em comum para muitos: zero política clubista. E quando há sócios palpitando (Real e Barça), são mais de 80 mil.

Vamos pensar nisso pelo menos até 4a feira?

Saudações Alviverdes!

PS: se tiver alguma complementação ou correção das informações acima, mande para o email blog3vv@gmail.com, ou publique nos comentários abaixo, e eu corrijo aqui.

Posts antigos, Por Onde Anda, e Links Patrocinados